Translate this Page
Ultimas Atualizações
HOME  (21-10-2018)
NOTÍCIAS  (20-10-2018)
ISSO É O CÚMULO  (13-10-2018)
IGREJA PERSEGUIDA  (13-10-2018)
ARQUEOLOGIA BÍBLICA  (13-10-2018)


MENSAGENS


CIÊNCIA E FÉ

                                   "CRER É TAMBÉM PENSAR" (J. R. Stott)

       Resultado de imagem para imagens de ciência e fé           Resultado de imagem para imagens de ciência e fé

SE PREFERIR, CLICK NOS LINKS, NA PARTE DE BAIXO DA PÁGINA, PARA ACESSAR OUTROS SITES DE MESMO TEMA


Vencedores do Nobel de química 2018 provaram a evolução?

Por Michelson Borges
Postado em 12/10/2018
O trio de pesquisadores Frances H. Arnold, George P. Smith e Sir Gregory P. Winter que trabalharam separadamente mas vão dividir o prêmio de 9 milhões de coroas suecas (equivalente a R$ 4.098.402) por desenvolverem técnicas que permitem a fabricação de combustíveis verdes e de anticorpos mais eficientes. 

É possível enxergar esta importante descoberta, premiada com o Nobel, como uma vitória em favor do design inteligente. Entenda o porquê.

O Prêmio Nobel de Química deste ano ficou com três cientistas: a norte-americana Frances Arnold, o norte-americano George Smith e o britânico Gregory Winter. Jornais por aí dizem que os premiados assumiram o controle da evolução e usaram a mudança genética e a seleção para desenvolver proteínas que resolvem os problemas químicos da humanidade. “Os métodos que os premiados desenvolveram servem para promover uma indústria química mais verde, amiga do ambiente, produzir novos materiais, fabricar biocombustíveis sustentáveis, tratar doenças e, assim, salvar vidas”, disse o comitê do Nobel.

Entre as mais ufanistas está a reportagem da BBC. Ali é dito que “a evolução foi premiada pelo prêmio Nobel de Química de 2018”. Mas, afinal, o que os premiados fizeram? Eles finalmente provaram que a teoria da evolução é um fato?
Segundo as grandes mídias cientistas premiados com o prêmio Nobel foram inspirados pelo poder da evolução. Será?

Obviamente, o que foi realizado por Frances, Smith e Winter não foi pouca coisa. E isso não está em questão. O que quero discutir é o oportunismo dos evolucionistas em promover sua ideologia macroevolutiva com base em fatos que, na realidade, não a provam.

Evolução não comprovada

Frances realizou a primeira “evolução dirigida de enzimas”, proteínas que catalisam reações químicas. Essas enzimas são usadas para fabricar desde biocombustíveis a produtos farmacêuticos. Smith e Winter trabalharam na clonagem de peptídeos, que são os compostos formados pela união de dois ou mais aminoácidos. O cientista americano desenvolveu um método de clonagem em que um vírus pode ser utilizado para desenvolver novas proteínas. O britânico usou a mesma técnica para produzir novos fármacos que podem neutralizar toxinas, combater doenças autoimunes e tratar o câncer metastático.

Certo, mas cadê a evolução darwiniana?

De acordo com um comunicado da academia sueca que confere o prêmio, “o poder da evolução se revela por meio da diversidade da vida. Os ganhadores do Nobel de Química de 2018 conseguiram controlar a evolução e usá-la para fins que geram grandes benefícios para a humanidade”.

A academia sueca destacou, ainda, que, desde o surgimento das “primeiras sementes de vida há 3,7 bilhões de anos”, cada canto da Terra foi povoado por diferentes organismos. “A vida floresceu em fontes termais, em oceanos profundos e desertos secos, graças ao fato de a evolução ter conseguido resolver problemas químicos.” Mas o que isso tem a ver com a pesquisa dos três cientistas premiados?

Na pesquisa deles, as proteínas mudaram e se renovaram incessantemente. Com isso, criaram diversidade. A academia afirma que os três cientistas foram “inspirados pelo poder da evolução”, por isso usaram alterações e seleções genéticas. E, então, criaram em tubos de ensaio proteínas que resolvem problemas químicos da humanidade.

Mas o processo principal consistiu em submeter genes a rodadas sucessivas de mutações, seleção e amplificação, realizadas in vivo ou in vitro, para fazer com que proteínas ou ácidos nucléicos tenham propriedades e cumpram objetivos específicos.

Design inteligente provado

A verdade é que foi usada muita inteligência, engenharia e técnicas apuradas para se alcançar objetivos específicos. Algo muito diferente do que supostamente teria ocorrido na natureza, onde impera a aleatoriedade nas mutações, segundo a ótica evolucionista.

Então, ao contrário do que a academia sueca e boa parte da mídia afirmam, o que os cientistas premiados provaram foi o design inteligente e não a teoria da macroevolução, uma hipótese falseada. Ideia que tenta sobreviver e mascara para os leigos e incautos os processos inteligentes. Eles querem passar o conceito de que se trata de evolução darwiniana e que tudo o que os pesquisadores fizeram foi acelerar o processo.

Segundo a bióloga e mestre em Bioquímica pela UFRGS Graça Lütz, “o desenvolvimento de novas proteínas enzimáticas através de evolução dirigida utiliza enzimas que já têm algo da função desejada. Por meio de mutações induzidas, utilizando um processo iterativo e manipulação de seleção positiva e negativa, essas proteínas estão longe de demonstrar a evolução.

Elas são, antes, produto de design inteligente: as enzimas foram escolhidas, algumas passaram por engenharia, os mecanismos de mutação foram selecionados e aplicados utilizando metodologia específica, a seleção positiva e negativa não é natural, mas utiliza componentes que são produtos de engenharia. A evolução se baseia em mutações ao acaso e seleção natural, e não foi isso que ocorreu nessa seleção dirigida”.

Mais uma vez, os evolucionistas tentam sequestrar pesquisas sérias para tentar validar suas teses filosóficas. E se você tentar argumentar, vão dizer: “Quem é você para discordar de um prêmio Nobel?”


Fonte: Michelson Borges via

 


          A luz existe fora do tempo?

Por Dan Delzell |

      Resultado de imagem para imagens de Deus é luz

Ao considerarmos o que a Bíblia diz sobre a luz e a eternidade, alguns questionaram se a luz pode existir na ausência de tempo.

Em um artigo intitulado "Light Experience Time?" Fraser Cain escreve : "em Astronomy Cast, eu exploro o cérebro da brilhante astrofísica Dr. Pamela G. toda semana. Estávamos falando sobre fótons em determinada semana e ela lançou uma bomba no meu cérebro. Fótons não passam tempo, Basta pensar sobre essa idéia. ”Da perspectiva de um fóton, não existe tempo, ele é emitido e pode existir por centenas de trilhões de anos, mas para o fóton, não há tempo decorrido entre quando é emitido e quando é absorvido novamente. Ele também não experimenta distância. " Bem, isso com certeza é fascinante!

E, no entanto, nossa certeza de que a luz pode existir na ausência de "tempo" é baseada no que Deus já nos disse em Sua Palavra. Aqui está uma maneira pela qual Deus descreve o céu: "Não haverá mais noite. Eles não precisarão da luz de uma lâmpada ou da luz do sol, pois o Senhor Deus lhes dará luz. E eles reinarão para todo o sempre. " (Apocalipse 22: 5)

Isso explica como a luz poderia existir antes que Deus criasse o sol no quarto dia. De fato, já havia luz antes do começo do segundo dia. Tudo o que foi necessário foi que Deus dissesse: "Haja luz". (Gênesis 1: 3) O poder criativo de Deus não depende do tempo. E haverá luz no céu para sempre, onde os crentes irão habitar em um reino além do tempo como o conhecemos.

As escrituras provam o que é real e eterno. E a ciência está em seu caminho quando tenta provar ou refutar o poder sobrenatural de Deus. Albert Einstein disse: "A mente humana não é capaz de entender o universo. Somos como uma criança entrando em uma enorme biblioteca. As paredes são cobertas até os tetos com livros em muitas línguas diferentes. A criança sabe que alguém deve ter escrito essas coisas." Não sabe quem ou como, não entende as línguas em que estão escritas, mas a criança nota um plano definido no arranjo dos livros - uma ordem misteriosa que não compreende, mas apenas vagamente suspeita. "

Se você pode crer que Deus fornece luz no céu mesmo na ausência de tempo, então você pode acreditar que Deus falou luz em existência antes do primeiro dia de 24 horas na terra. Os olhos da fé vêem Deus fazendo o aparentemente impossível. "Pela fé, entendemos que o universo foi formado à ordem de Deus, de modo que o que é visto não foi feito do que era visível". (Hebreus 11: 3)

Deus precisava que houvesse "tempo" para criar os céus e a terra? Não. "Pois nada é impossível com Deus." (Lucas 1:37) Deus precisava que houvesse "tempo" para criar luz? Não. "Deus é luz; nele não há escuridão alguma". (1 João 1: 5) Deus não está impedido de realizar Seus propósitos mesmo na ausência de "tempo".

E Deus certamente não precisou "do relógio para começar a correr" antes que pudesse criar os céus e a terra. Esse pode ser o modo como o homem olha para ele com seu pensamento finito, mas Deus pode fazer qualquer coisa. O brilhante físico Stephen Hawking aplicou a razão humana a essa questão quando declarou: "O tempo não existia antes do Big Bang, então não há tempo para Deus fazer o universo entrar".

Bem, isso é tão longe quanto o intelecto do homem pode levá-lo. E se você rejeitar a mensagem sobrenatural das Escrituras, você não será capaz de acreditar que Deus fez o universo fora do tempo. Nossa razão humana é limitada em suas capacidades. Se um dos cientistas mais inteligentes a aparecer nos últimos anos não vê como isso pode acontecer, não é óbvio que Deus intencionalmente fez algo que somente os humildes receberiam e acreditariam pela fé? Afinal, de que outra forma alguém poderia vir a acreditar que um Deus infinito criou os céus e a terra, e que Ele fez isso na eternidade passada?

Stephen Hawking representa os melhores esforços do homem para entender a origem do universo meramente com o entendimento humano. Deus nos disse em Gênesis como isso aconteceu, o que, a propósito, Deus não precisou nos dizer. Mas Ele fez de qualquer maneira porque Ele queria que nós víssemos o esplendor e a majestade de Sua obra e Seus propósitos.

Mesmo assim, requer a fé de uma criança para "obtê-la". Isso me lembra da história de uma menina que estava andando com seu pai em uma noite clara e estrelada. Ela disse: "Se este lado do céu parece tão bonito papai, como deve ser o outro lado!" Agora isso é fé em sua forma mais pura. Se você e eu pudéssemos viver cada momento com esse tipo de surpresa sobre o que Deus fez!

Enquanto aqueles inclinados a analisar tudo cientificamente continuam a promover suas teorias sobre a era da Terra, a Palavra de Deus continuará a anunciar que tudo sobrenaturalmente surgiu "no princípio". E o design espetacular dos céus aponta para um Designer. Isaac Newton é um dos cientistas mais influentes de todos os tempos. Newton declarou: "O mais belo sistema do sol, planetas e cometas, só poderia proceder do conselho e domínio de um Ser inteligente e poderoso".

O criacionismo aberto é apoiado pelo fato de que todo dia, exceto o sétimo dia, conclui com as palavras: "e houve tarde e manhã". O sétimo dia é aberto no final, assim como o primeiro dia é aberto no front end. Havia luz antes do "começo", e haverá luz depois que a cortina se fechar na terra um dia.

Falando de "dias", a Palavra de Deus declara: "O dia do Senhor virá como um ladrão. Os céus desaparecerão com um rugido; os elementos serão destruídos pelo fogo, e a terra e tudo nela será queimado. " (2 Pedro 3:10) Naquele dia, "tempo" não será mais, e todos existirão no céu ou no inferno. Jesus falava freqüentemente desses dois lugares onde as almas passam a eternidade.

Deus quer que você passe a eternidade no paraíso e não no inferno. É por isso que Cristo veio e morreu pelos nossos pecados na cruz. De fato, o Senhor quer que todos saibam e aceitem essas boas novas. "Deus quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade." (1 Timóteo 2: 4)

Essas coisas vão além da nossa compreensão. Precisamos que o Espírito Santo nos revele a verdade por meio da Palavra de Deus. E essa Palavra começa em Gênesis, que é onde Deus começou a nos contar a história de Sua existência eterna.

Não há nada que indique que o "tempo" tenha começado até algum momento depois que Deus disse: "Haja luz" e até que Deus identificasse o fim do primeiro dia. "E foi a tarde e a manhã - o primeiro dia." (Gênesis 1: 5) O fim do primeiro dia nos dá nosso primeiro parâmetro. Essa linha divisória divide a eternidade passada desde o início do segundo dia.

Com tudo o que Deus nos disse sobre a eternidade, seria sensato começar a considerar a luz fora do tempo. Todo aquele que entra no céu entra imediatamente em um lugar de grande luz e um lugar sem relógios ou calendários. O Senhor será nossa luz no céu, assim como o Senhor providenciou luz "no princípio" antes que o "tempo" começasse. Este milagre foi fácil para Deus realizar, mas muitas vezes é difícil para o homem aceitar.

Você escolherá viver pela fé e não pela visão? Ou você se recusará a acreditar em qualquer coisa que não possa ser comprovada cientificamente?

(Este artigo foi retirado do e-book Kindle, de Dan Delzell, intitulado " Criacionismo Aberto ".)

Dan Delzell é o pastor da Igreja Wellspring em Papillion, Nebraska. Ele é um colaborador regular do The Christian Post.

 

Fonte: christianpost

LINK: https://www.christianpost.com/voice/does-light-exist-outside-of-time.html 

 


6 maneiras como os ateístas, acidentalmente, provam que Deus existe

Postado em 05/09/2018

            Resultado de imagem para imagens de frank turek

Frank Turek é um orador cristão e apologista que é apaixonado pela verdade. Determinado a fazer um caso forte e bem fundamentado para Deus, ele aborda as grandes questões da vida e combate de frente o ateísmo. Em seu livro, Stealing From God: Why Atheists Need God to Make Their Case (Roubando de Deus: Por Que o Ateísmo Precisa de Deus para Fazer Seu Caso), Turek argumenta que muito do raciocínio apresentado por aqueles que tentam refutar a Deus é fundamentalmente contraditório.

Em um novo vídeo postado em sua página no Facebook, Frank aborda o quadro lógico comumente usado pelos ateus, levando-nos através de uma simples sigla: CRIMES.  Causality, Reason, Information and Intentionality, Morality, Evil and Science. (Causalidade, Razão, Informação e Intencionalidade, Moralidade, Mal e Ciência.)

Em uma exposição curta e rápida de cada elemento, Turek destaca as principais falhas no raciocínio ateísta.

  1. Causalidade

Por que o universo é tão organizado, se não há Deus, não há mente lá fora ordenando tudo isso?” Turek pergunta. “Por que as leis e forças naturais são tão consistentes? Porque existe uma mente por trás deles. Quando os ateus usam isso para tentar desaprovar a Deus, eles estão realmente roubando de Deus para argumentar contra ele”.

  1. Razão

“Se somos apenas moléculas em movimento e não há reino imaterial, como existe a razão? Estamos apenas reagindo. Não somos nada por robôs úmidos ”, explica ele. “Assim, ironicamente, os ateus que afirmam serem os faróis da razão tornaram a razão impossível por sua visão de mundo do materialismo”.

  1. Informação e intencionalidade

Turek diz que a informação é a “ideia de que há uma mensagem, e onde há uma mensagem sempre vem de uma mente.”.

Mas, ele observa, a “maior mensagem que já foi descoberta está no genoma humano – e [ateus] estão dizendo que a mensagem não vem de uma mente!”

“Eles escrevem livros cheios de informação, alegando que a informação não vem de uma mente”, diz ele.

“Intencionalidade – tem a ver com a ideia de que o mundo é direcionado por metas”, explica Turek. “Por que uma bolota não se torna uma estrela do mar? Porque é direcionado ao objetivo para se tornar um carvalho. Por que os planetas andam ao redor do sol? Por causa da gravidade? Sim, mas por que a gravidade está fazendo o que faz? Se você voltar longe o suficiente, você acabará por chegar ao criador sustentável que mantém tudo isso junto ”.

  1. Moralidade.

“Não pode haver qualquer objetivo certo ou errado a menos que Deus exista”, declara Turek. “Quando os ateus dizem que têm certos direitos morais, eles estão realmente roubando de Deus para dizer que ele não existe.”

  1. Mal

“Eles estão dizendo que há muito mal no mundo”, diz ele. “Bem, não pode haver mal a menos que haja bem, mas não pode haver bem a menos que Deus exista. Então, quando os ateus estão reclamando do mal, eles estão realmente provando que Deus existe.”

Deus, por definição, é o “padrão supremo do bem”.

“Eles estão roubando de Deus para argumentar contra ele“, afirma ele.

  1. Ciência.

“Os ateus estão dizendo ‘nós somos os campeões da ciência. ‘ A ciência é impossível se o ateísmo é verdade”, diz Turek.”Se o ateísmo materialista é verdade, e nós somos apenas robôs úmidos, então não podemos realmente saber nada sobre o mundo real. Não podemos depender da causa e efeito da natureza da realidade porque não há mente por trás disso ”.

Turek observa que, se o ateísmo é verdadeiro, não temos “garantia de acreditar em qualquer coisa que aprendamos da ciência”.

“Você sabe o que torna a ciência possível? Deus. Então, quando eles estão fazendo ciência, eles estão realmente roubando de Deus para argumentar contra ele”, diz ele.

Veja (aqui) o vídeo na íntegra, em inglês.

 

Fonte: portalpadom 

 


Pastor Responde aos Ateus ‘Qual é a Prova Científica do Ateísmo’

Postado em 05/09/2018

               Resultado de imagem para imagens do Pastor rubens teixeira

Pastor dá resposta aos ateus em seu blog, após desafiá-los com a pergunta “qual é a prova científica do ateísmo?”

Rubens Teixeira, pastor evangélico e doutor em economia no Brasil, responde mediante a respostas de ateus pela internet acerca de suas polêmicas perguntas “Você é ateu? Se você é ateu, então você me prove cientificamente que Deus não existe,” em entrevista postada em seu site ontem. Ele falou sobre a importância do conhecimento da Bíblia e o criacionismo.

Um vídeo publicado em resposta ao pastor, mostrou o depoimento de um ateu contra o pastor, argumentando que os ateus não veem motivo para acreditar em um Deus, e por isso não há motivo de provar que Deus não existe.

Rubens já havia afirmado na época que “nenhum deles conseguiram me provar até hoje.”

O Pastor foi criticado e acusado de usar falácias de “apelo à autoridade” ao dizer de suas formações acadêmicas. Em sua reposta, Rubens faz questão de mostrar sua carreira acadêmica e prêmios que tem recebido por suas pesquisas e estudos em sua área de formação, concordando “que a importância de quem fala é importante para o seu argumento.”

“Quando alguém está doente, “ela pede explicação ao médico. Quando alguém tem um problema juridico ela pergunta ao advogado,” argumentou ele.

Rubens condenou aqueles que criticam a Bíblia sem ter conhecer um conhecimento adequado de seu conteúdo.

“Alguém tentar falar sobre a Bíblia sem conhecê-la é uma espécie de loucura. É como você querer ensinar alguém a fazer cirurgia cardíaca se você nunca frequentou uma aula de um curso de medicina. Eu não consgigo entender como uma pessoa ousa falar daquilo que ela não conhece,” disse.

Rubens sustentou que “Muitas coisas que a Bíblia dizia, a ciência descobriu depois. Muitas coisas na Bíblia a ciência não comprovou que existe, mas também não provou o contrário.”

Ele exemplificou que na Idade Média, quando se pensava que a Terra era plana, a Bíblia já mostrava o conceito de uma terra esférica no livro de Isaías 22, que diz “Deus se assenta sobre o globo da terra.”

“Na época a ciência entendia que era plana, contraditório com o que dizia a Bíblia. Todavia, depois descobriu-se que a Terra tinha a forma arredondada como tem.”

Rubens ressaltou a importância do respeito quanto ao conhecimento das Escrituras, relembrando a sua estada em outros países, em que ele ouviu pessoas de outras religiões fazendo citações da Bíblia como referência.

“Se essas pessoas que são de lá, e citam a referência bíblica como pode alguém que não tem noção do que está falando criticar a Bíblia. Fica dificil você querer conversar sobre a Bíblia e debater com quem não a conhece.”

Para responder a uma das críticas ateístas apresentadas, dizendo que a teologia não é ciência, ele defende, mencionando que há Universidades criacionistas no Brasil.

“O MEC reconhece que a teologia é uma ciência. Por isso tem esses níveis de graduação,” citando a Pontifícia Universidade Católica e o Mackenzie como exemplos.

Ele questinou a o ensino escolar baseado no evolucionismo, argumentando que, “Não há prova cabal de que o homem veio do macaco. Então eu acho que deveria abrir espaço para um debate do criacionismo.”

“O criacionsimo é uma convicção que entende que Deus criou as coisas como elas são. Um animal não virou outro animal é logico que a evolução aconteceu e acontece, mas não acredito é que um ser deu origem a outro. Eu acredito que Deus criou o homem da forma que ele é.”

“Eu nunca encontrei nada que contrariasse a Bíblia.”

 

Fonte: christianpost  Via  Portal Padom

 


Ciência explica como se espalham as ideologias religiosas


Um estudo internacional, sobre a história do Cristianismo, concluiu que a forma mais rápida de expandir uma religião é através de líderes poderosos. O segredo para disseminar uma crença passa por atrair as figuras-chave da comunidade. 
A descoberta revela que o alcance de uma religião não está tão associado ao facto de todos os fiéis passarem a palavra. Está, na verdade muito mais ligado a líderes poderosos que exercem controlo sob pequenos grupos. 
O estudo, publicado na semana passada na Nature Human Behaviour, reuniu uma equipa interdisciplinar de investigadores de todo o mundo, que discutiu se o Cristianismo cresceu como resultado de forças culturais de cima para baixo ou de baixo para cima. 
Conduzido por Joseph Watts, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana, a pesquisa analisou vários séculos de registos históricos bem detalhados de um banco de dados de culturas austronésias. 
Estas comunidades do sudeste asiático eram compostas por diversos aglomerados de pessoas distantes, descendentes de uma população de Taiwan, espalhando-se até ao oeste de Madagáscar e ao leste de Rapa Nui.
Durante o século XVI e XIX, o Cristianismo foi adotado como fé central por estas culturas diferentes que se encontravam sob a influência de missionários europeus itinerantes. A maioria das populações acabou por se converter em apenas três décadas. 
A diversidade de culturas austronésias conjugada com o facto de serem recentes e bem documentas, forneceram uma oportunidade perfeita para estudar as várias hipóteses associadas à disseminação de um conjunto de crenças. 
O Cristianismo – que surgiu há mais de 2 mil anos como uma ramificação do judaísmo – tornou-se a religião mais popular do mundo, com mais de 2 mil milhões de fiéis. 
O que este novo estudo procurou compreender foi como se deu o crescimento do Cristianismo e que fatores potenciaram a sua disseminação por todo o mundo. Os cientistas recorreram à estatística para comparar a taxa de adoção do Cristianismo com as várias características socioculturais. 

Segredo está nas “figuras-chave” da comunidade
O Cristianismo parece ter-se espalhado mais rapidamente sob a influência de líderes fortes, que dominavam pequenos grupos compostos por súbditos leais. 
“Notámos que as duas culturas que demoraram mais tempo a converter-se, eram as mesmas que viviam sem qualquer forma de organização política“, aponta o estudo. 
Segundo os investigadores, os missionários aprenderam a atrair figuras-chave das comunidades, oferecendo-lhe bens materiais e oportunidades de comércio. Esta também era uma estratégia sólida de sobrevivência: os missionários eram novos na região e, por isso, queriam dar-se com as pessoas mais influentes. 
No entanto, foram estas estruturas políticas sólidas que ajudaram a levar o Cristianismo mais longe e de forma mais rápida. 
O estudo aponta ainda que os grupos mais pequenos eram mais propensos a notar as mudanças dos grupos vizinhos – característica descrita como transmissão cultural dependente da frequência. 
Os autores consideram um povo ou comunidade “convertida”, quando mais de metade da sua população adota uma nova doutrina. 
O estudo está longe de ser a palavra final sobre a forma como os grandes sistemas culturais, como as religiões, competem e convertem uma comunidade em detrimento de uma outra. No entanto, esta pesquisa fornece mais evidências que descrevem fatores importantes para o tema. 
“Conhecer apenas algumas características de cada população, como o seu tamanho e a sua organização política, melhora drasticamente a nossa capacidade de prever corretamente se uma ideia se vai espalhar ou não na sociedade”, concluiu Nicole Creanza, especialista em evolução cultural e genética da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, que não participou na pesquisa. 


Publicado originalmente em Science Alert via ZAP

Dados de estudo científico da formação da Terra coincide com a história do Gênesis

Postado em 19/07/2018

      Estudo científico da formação da Terra.

Um astrônomo americano explica que em um relato científico sobre os estágios da formação da Terra , concorda com a história da criaçãonarrada no livro de Gênesis . 

Hugh Ross, defensor do criacionismo, diz que há semelhanças entre a história de Gênesis no quarto dia da criação , quando as estrelas surgiram no céu, com o estudo científico recentemente. 

"Um novo estudopublicado na revista Astrophysical Journal, mostra que a neblina foi pelo menos parcialmente responsável pelo surgimento de céus translúcidos que envolvem a Terra durante a primeira parte de sua história , "diz Ross. Ele 

acrescenta que" Genesis 1 e outras escrituras também eles descrevem a atmosfera primitiva como uma nebulosa . O mesmo estudo mostra, através de uma série de experimentos, como neblina atmosférica da Terra foi diminuindo até o ponto que nós conhecemos hoje , "disse ele. 

Com um doutorado em astrofíca da Universidade de Toronto, Ross, que também é um pastor, ele publicou vários livros mostrando comoA ciência e as escrituras concordam em sua explicação da criação do mundo . 

O estudo analisou foi feito pela Sociedade Astronômica do Estados Unidos , explica que investigou "o efeito do O² sobre a formação e composição de aerossóis para melhorar a nossa compreensão da formação de neblina no Neoproterozóico a Terra ". 

A presença de moléculas transportadoras de oxigênio e fixação de nitrogênio também desempenhou um papel no balanço energético e no clima do planeta, algo que, como Ross aponta, é mencionado no Gênesis . 

"No quarto dia da criaçãoQuando Deus disse: " Vamos lá ser luzeiros no firmamento do céu ... e servem como sinais para marcar estações, dias e anos , " Deus transformou a atmosfera da Terra . "Diz Ross 

De acordo com o astrônomo, editor local "razões para acreditar", "este seria permitir que os animais que Deus criou no quinto e sexto dia podia ver as posições do sol, lua e estrelas na imensidão do céu e regula seus relógios biológicos s." 

disse Ross , o novo estudo analisou a falta de oxigênio como causa da translucidez atmosféricada Terra, o criacionista argumenta que o material científico "afirma a cronologia da criação em Gênesis 1, que a atmosfera da Terra passou de translúcido para transparente no quarto dia da criação, pouco antes de Deus criar os primeiros animais na Terra no quinto dia. 

"" O estudo fornece ainda mais evidências de que quanto mais aprendemos sobre a natureza e registro, temos mais boas razões para acreditar que a Bíblia é a Palavra de Deus com autoridade, inspirada, infalível , "disse ele.

Fonte: AcontecerCristiano.Net

 

 


Faculdade de Medicina cria disciplina que ensina benefícios do perdão para a saúde

Postado em 05/07/2018

         

A ciência vem, ao longo dos anos, descobrindo os benefícios da espiritualidade para a saúde humana, como por exemplo, pesquisas internacionais que reconhecem que a oração contribui positivamente para a recuperação de doenças. Diante desse contexto, a faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF) decidiu implantar uma disciplina no curso que trata da espiritualidade e dos benefícios do perdão.

A iniciativa segue os conceitos da medicina integrativa apresentados na Carta de Ottawa (1986), que incentiva a criação de um novo padrão de saúde pública, considerando a necessidade de estimular bons sentimentos nos pacientes.

No curso – que já está sendo aplicado pelo quarto semestre – o coordenador José Gerenilson Ribeiro difunde a ideia de que é preciso orientar os pacientes a deixarem para trás rancores, mágoas e outros sentimentos negativos. A Carta de Ottawa, segundo Ribeiro, conceitua que a saúde não é apenas a ausência de doença, mas uma condição que demanda bem-estar físico, psicológico, familiar, social e espiritual.

“Na Europa e nos Estados Unidos, cerca de 80% das faculdades já têm essa cadeira no currículo. No Brasil, ainda estamos devagar”, comentou Ribeiro, que é urologista e professor da UFF e foi o responsável pela implementação da disciplina em 2017, em entrevista ao jornal O Globo.

“Em aula, trabalhamos os sentimentos. Acreditamos que a doença começa na alma, se instala no corpo físico, e que é preciso tratar o paciente de maneira integral. Não basta tratar o efeito da doença, mas os aspectos totais. Muitas pessoas têm mágoas e não conseguem perdoar. Isso as deixa presas em suas dores, o que dificulta a melhora física”, explicou.

A matéria que ensina aos estudantes de medicina como orientarem seus pacientes a praticarem o perdão é lecionada por um grupo de profissionais atuantes nas áreas de psicologia, medicina e arteterapia.

Os conceitos têm sido aplicados na prática durante consultas realizadas no Núcleo de Estudos em Saúde, Medicina e Espiritualidade (Nesme) da UFF, onde pacientes são atendidos gratuitamente por professores e estudantes.

A psiquiatra Carmita Abdo, diretora da Associação Médica Brasileira (AMB) e presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) afirmou que a comprovação dos conceitos da disciplina de Medicina e Espiritualidade está nos efeitos, negativos ou positivos, das substâncias que o corpo humano produz após experienciar sensações boas ou ruins.

“As emoções levam a modificações de substâncias no organismo. Quando liberamos ocitocina e endorfina, elas nos levam à melhora na imunidade e a sensações de bem-estar. O contrário ocorre com sensações negativas, que liberam substâncias que baixam a imunidade. Com o perdão não é diferente. Quando perdoamos alguém temos a sensação de alívio, de gratificação, o que é revertido em ocitocina”, explicou Carmita.

 

Fonte: https://noticias.gospelmais.com.br 

 


Pesquisa revela que 90% dos animais surgiram “ao mesmo tempo” 

 

Por Jarbas Aragão

              

Um novo estudo genético abrangente aponta que 90% dos animais da terra surgiram “ao mesmo tempo” e na mesma época dos primeiros seres humanos.

O relatório, publicado na revista científica Human Evolution, examinou milhões de “códigos de barra de DNA”, coletados de 100.000 espécies de animais e descobriu que “9 em cada 10 espécies de animais no planeta surgiram ao mesmo tempo que os humanos, cerca de 100.000 a 200.000 anos atrás”.

A conclusão do estudo vai contra as bases da Teoria da Evolução, de Charles Darwin.

Segundo geneticista David Thaler da Universidade de Basel (Suíça): “Essa conclusão é muito surpreendente e eu lutei contra ela o máximo que pude”.

Especialistas acreditam que essa descoberta tem o potencial de forçar uma ampla revisão na ideia sedimentada na comunidade científica sobre a “evolução das espécies”. Outro dado levantado é a possibilidade de que um evento catastrófico tenha eliminado a maior parte da vida na terra entre 100 e 200.000 anos atrás.

Código de barra de DNA

Ao longo da última década, centenas de cientistas coletaram cerca de 5 milhões de códigos de barra de DNA de 100.000 espécies de animais em diferentes partes do globo.

Na verdade, existem dois tipos de DNA. O mais conhecido é o DNA nuclear, que contém o ‘esquema genético’ de cada indivíduo único, sendo passado dos pais para os filhos.

Já o outro tipo de DNA, encontrado na mitocôndria das células. Trata-se da mitocôndria que gera energia para a célula e contém 37 genes. Um desses é chamado de “gene COI”, usado para criar os códigos de barra de DNA. Embora todas as espécies tenham um DNA mitocondrial bastante similar, seu DNA é também suficientemente diferente para distinguir entre as espécies.

Ao analisar o COI de 100.000 espécies, os pesquisadores chegaram à conclusão de que a maioria dos animais apareceu ‘simultaneamente’. Isso pôde ser verificado porque a mutação neutra entre espécies não era tão variada quanto se esperava. Essa mutação revela pequenas mudanças no DNA que ocorrem ao longo das gerações. Seria algo similar aos anéis das árvores, que servem para estabelecer qual a sua idade.

Criação e dilúvio

O apologeta Ken Ham, do ministério Respostas em Gênesis, conhecido pela defesa científica do Criacionismo, disse que essa pesquisa apenas reafirma o que as Escrituras dizem sobre as origens da vida. Esse ‘evento catastrófico’ que alterou a vida no planeta foi o dilúvio.

“A [teoria da] evolução não estabelece que a grande maioria das espécies tenha surgido ao mesmo tempo, nem espera que elas tenham esses limites genéticos claros”, explica. “Mas isso é o que sempre falamos na cosmovisão bíblica. Na verdade, é o que os criacionistas têm dito o tempo todo, embora essa estimativa de 100.000 a 200.000 anos ainda seja exagerada, devido as arraigadas suposições evolucionárias”. 

 

Fonte: Christian Headlines Via gospelprime 

 


Físico explica como a ciência constata existência de Deus: "O universo teve um início"

Postado em 29/04/2018

         Físico explica como a ciência constata existência de Deus: `O universo teve um início´

Um ex-funcionário do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), o físico Gerald Lawrence Schroeder, acredita que a ciência não desmente a existência de Deus, ao contrário, dá suporte às Escrituras Sagradas.

“Há cinquenta anos, a esmagadora opinião científica era de que o universo era eterno, de que nunca houve um começo, de que a Bíblia estava errada desde sua primeira frase”, conta Schroeder. “Da noite para o dia aprendemos que a Bíblia tinha razão, o universo teve um início”.

Schroeder afirma que a ciência fez descobertas que já estavam descritas na Bíblia. “Veja o que a ciência descobriu: podemos criar o universo a partir do nada absoluto desde que tenhamos as leis da natureza. As leis da natureza não são físicas, são forças que atuam sobre o físico. Se elas criaram o universo, isso significa que elas são anteriores ao universo”, observa. “Coloque tudo isso junto e vai soar muito familiar. Se você ainda não percebeu, essa é a definição bíblica de Deus”.

“Até esse ponto, a ciência diz que estamos corretos”, Schroeder acrescenta. “A definição bíblica de Deus é: Deus é anterior ao tempo, está fora do tempo. Deus não é algo físico. É uma força que cria o universo. Observe que no capítulo de abertura do livro de Gênesis, o único nome para Deus é Elohim, Deus manifesto no universo. A ciência realmente descobriu o Deus da Bíblia”.

Antes de emigrar para Israel em 1971, Schroeder trabalhou sete anos na equipe do departamento de física do MIT. Como membro da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos, ele esteve presente na detonação de seis bombas atômicas. Hoje ele tem mais de 60 publicações científicas em revistas de renome e cinco livros.

Como cosmologista, Schroeder baseou seu trabalho em perguntas intrigantes: Por que os cientistas não conseguiram criar vida? Por que há ordem para o universo? Seus estudos sobre os avanços da ciência derrubaram as teorias existentes nos anos 50 e fortaleceram os argumentos do criacionismo.

Tempo do universo

O ponto inicial do cosmo tem sido defendido pela ciência, mas a idade do universo permanece sendo uma questão sem respostas. Enquanto dados de telescópios espaciais indicam que a Terra tenha 14 bilhões de anos, alguns estudiosos da Bíblia calculam a idade do planeta em cerca de 6 mil anos.

“O tempo é descrito de maneira diferente naqueles seis dias de Gênesis”, esclarece Schroeder. “Lá, a passagem de cada dia é descrita como ‘passaram-se a noite e a manhã’, sem relação com o tempo humano. Quando chegamos à progênie de Adão, o fluxo do tempo é calculado totalmente em termos humanos”.

De acordo com as teorias de Schroeder, o primeiro dia da criação de Deus durou 8 bilhões de anos, conforme as medições da atual órbita da Terra ao redor do Sol. Ele explica que à medida que o universo se expandia, os dias se tornavam períodos menores, até que se compactasse ao tempo do homem.

As teorias de Schroeder são controversas entre cientistas que não reconhecem a existência de um Criador do universo. Mas o físico permanece explorando questões temidas por outros cientistas.

“Uma das perguntas que me fazem como cientista é: como um cientista pode realmente acreditar na existência de algo que chamamos de Deus? Uma presença metafísica que age no mundo, produzindo o mundo? A ironia é que a pergunta não faz sentido. A ciência tem de fato descoberto Deus. Mesmo quando pergunto aos ateus linha-dura, eles dizem que parece que a ciência realmente descobriu Deus”, destaca.

 

Fonte: cpadnews

 


Físico premiado afirma:“Dizer que ciência e fé são incompatíveis é negar a história”

Postado em 27/04/2018

                Ian Hutchinson

O físico Ian Hutchinson, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), participou recentemente do evento promovido pela Veritas Forum com o tema “A ciência pode explicar tudo?”. O encontro acadêmico foi realizado na Universidade Quinnipiac.

A afirmação de que ciência e religião são incompatíveis é um “mito” e “nega a história”, segundo Hutchinson, professor de Ciência e Engenharia Nuclear do MIT. Durante sua palestra, ele argumentou que a ideia corrente de que a ciência e a fé estão em conflito era incorreta e rejeitada pelos eruditos especializados em história da ciência.

“Isso foi completamente desmentido pelos historiadores da ciência nos últimos 50 anos. Cristãos sérios, incluindo membros do clero foram determinantes no desenvolvimento da ciência moderna durante séculos”, lembrou o físico que possui vários prêmios. “Mas o mito ainda exerce poderosa influência tanto sobre os secularistas quanto sobre os cristãos. É sustentado por uma afirmação frequente de que não há evidências para o cristianismo, mas isso não é verdade.”

Segundo lembrou Hutchinson, embora ciência não possa “provar” todas as afirmações do cristianismo, ela também não pode responder a todas as questões sobre a existência. Para a surpresa de muitos dos presentes, disse que, durante sua carreira, não encontrou um ambiente acadêmico completamente ateu.

“Você pode pensar que o MIT, porque é um grande ‘templo’ da ciência e da tecnologia, seria um lugar sem Deus. Bem, não é. Há muitos cristãos e pessoas de diferentes crenças, tanto no corpo docente como entre os estudantes e funcionários”, continuou.

Durante o evento da Veritas, Hutchinson anunciou que está lançando um livro sobre o assunto, chamado “Pode um cientista crer em milagres? Respondendo a perguntas sobre Deus e Ciência”. Ele reuniu o que considera os questionamentos mais comuns e procura mostrar na obra que ciência e cristianismo “se apoiam mutuamente e são intelectualmente consistentes”.

Pesquisa mostra que maioria discorda

A ideia de que ciência e religião são incompatíveis foi analisada em uma pesquisa da Rice University. Eles descobriram que apenas 15% concordavam com essa afirmação.

A socióloga Elaine Howard Ecklund, líder do estudo, afirmou que a maioria dos entrevistados acredita que a religião e a ciência “às vezes” entram em conflito.

“Nossa pesquisa descobriu que uma mesma pessoa pode ter visões diferentes, dependendo do assunto tratado. É muito importante dissipar o mito de que as pessoas acreditam que a religião e a ciência estão em conflito. Essa questão tem muitos pontos de vista distintos”, explicou. 

Fonte: gospelprime  Com informações Christian Post

 


“Cristãos que não acreditam no Gênesis, não têm fundamento na doutrina”, diz cientista

Segundo o cientista australiano Ken Ham, o livro de Gênesis deve ser encarado como a base do restante da Bíblia.

Postado em 27/03/2018

        Ken Ham é um cientista australiano conhecido principalmente por defender o criacionismo. (Foto: Reprodução/Facebook)

         Ken Ham é um cientista australiano conhecido principalmente por defender o criacionismo. (Foto: Reprodução/Facebook)

O cientista australiano Ken Ham, conhecido principalmente por defender o criacionismo, acredita que o livro de Gênesis deve ser encarado como a base do restante da Bíblia e da cosmovisão cristã.

“Se os cristãos não acreditam em literalmente no Gênesis, eles não têm fundamento para sua doutrina”, disse ele em entrevista ao The Christian Chronicle, observando que o livro apresenta os princípios de tudo o que foi estabelecido por Deus.

De acordo com as teorias mais aceitas no âmbito científico, a Terra teria tido o início da sua formação há aproximadamente 4,6 bilhões de anos através de diversas nuvens de gás e poeira em rotação. Segundo Ham, os cristãos que aceitam essa ideia estão contrariando a essência da Bíblia.

“A ideia de milhões de anos veio do naturalismo ateu e deísta dos anos 1700 e 1800, de pessoas que queriam explicar o registro fóssil e os processos naturais sem Deus”, esclarece.

O cientista avalia que neste caso, o registro fóssil — que é um registro da morte — teria sido colocado antes da existência do homem, sendo que a Bíblia indica que a morte é consequência do pecado. “Sem o derramamento de sangue, não há remissão de pecados. Se houve derramamento de sangue milhões de anos antes do pecado, isso não prejudica a compreensão do Evangelho?”, questiona.

Ham também lamenta em observar que, dentro das igrejas, a maioria dos professores bíblicos adotaram ideias evolucionistas em sua formação acadêmica, sejam elas ligadas à biologia, astronomia ou antropologia. “Eles adotaram essas ideias e as adicionaram às Escrituras, comprometendo a palavra de Deus”, afirma.

“Eu acho que há tanta pressão hoje que, se você fosse tomar a visão que tomamos, que Deus criou tudo em seis dias literais, que o universo tem apenas milhares de anos, que a morte veio depois do pecado, que houve um dilúvio global — e é de onde veio a maioria dos geofósseis — você será acusado de ser anti-acadêmico, anti-intelectual e anti-científico”, avalia Ham.

“Para mim, é importante tomar uma posição sobre a autoridade da palavra de Deus e fazer o melhor — para não dizer que seremos perfeitos — de nossas habilidades. Precisamos tentar não deixar ideias externas controlarem a forma como interpretamos as Escrituras”, conclui o cientista.

 

Fonte: https://guiame.com.br 

 


Evangélico faz grande descoberta matemática

Postado em 19/02/2018

 

Matemática - Números primos

Entenda os números primos e o que o diácono descobriu:

O diácono Jon Pace, usando o computador de uma igreja evangélica nos Estados Unidos, descobriu o maior número primo já visto até hoje, com 23.2 milhões de dígitos de comprimento.

O tal número é representado assim:  2 77.232.917 - 1

Aficionado por Matemática, irmão Pace passou os últimos 14 anos tentando encontrar o raríssimo número. O que só foi acontecer no computador da Germantown Church of Christ (Igreja de Cristo Germantown) onde, além de diácono, ele administra a rede de computadores. Profissionalmente, ele trabalha como gerente financeiro de uma grande empresa.

O feito matemático aconteceu em dezembro de 2017 e foi anunciado em janeiro de 2018. A última descoberta do tipo é de 2016, mas a atual tem 1 milhão de dígitos a mais que a anterior. Mais importante jornal norte-americano, o The New York Times destacou o fato em sua edição de 26 de janeiro.

diacono evangelico pace matematica numeros primos

Na entrevista que deu ao diário, ressaltou que seu amor pela Matemática veio através da atuação de um ótimo professor da disciplina que ele teve no ensino médio. o professor sempre o desafiou e estimulou através da matéria e o inspirou na arte de solucionar os mais difíceis problemas e nunca desistir.

Coincidentemente, o primeiro caçador de números primos raros também era cristão: o teólogo católico e matemático francês Marin Mersenne, no século 17.

Um número primo só é divisível por 1 e por ele mesmo. E leva cada vez mais tempo para chegar (e torna-se cada vez mais raro) a um "2n - 1" que seja primo, assim vai se mudando o n até que a fórmula chegue a um número com as características mencionadas.

 

Fonte: http://www.noticiasevangelicas.com.br 

Veja outros links sobre o assunto

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/01/08/O-mais-novo-e-maior-n%C3%BAmero-primo-descoberto.-E-por-que-ele-%C3%A9-importante 

https://olhardigital.com.br/noticia/engenheiro-descobre-o-maior-numero-primo-ja-registrado-entenda-a-importancia/73294 

 


Cientistas adiantam 'Relógio do Juízo Final': faltam 2 minutos para a meia-noite

Relógio do Juízo Final é adiantado nesta quinta-feira.
Relógio, metáfora que mostra o quanto estamos próximos de destruir o planeta, foi adiantado em meio minuto do ano passado para cá.
O Relógio do Juízo Final, uma metáfora que mostra o quanto a humanidade está próxima de destruir o planeta, foi adiantado em meio minuto nesta quinta-feira (25), segundo o Boletim de Cientistas Atômicos.
Agora, o relógio marca 2 minutos para a "meia-noite" -mesmo horário que marcava em 1953, no auge da guerra fria, quando EUA e Rússia testavam bombas termonucleares.
Rachel Bronson, presidente do Boletim de Cientistas Atômicos, disse que o adiantamento em relação a janeiro do ano passado se deve à preocupação crescente com a questão nuclear de Coreia do Norte, Índia, Paquistão e China e à "incerteza" sobre como o governo americano irá lidar com essas questões -"expressa em declarações e tuítes", em uma referência velada ao presidente americano Donald Trump.
O texto afirma que os mais importantes atores nucleares estão à beira de uma nova corrida armamentista, que deve ser muito cara e pode aumentar o risco de "acidentes e erros de percepção".
O comitê explicou que o último ano foi "perigoso e caótico", em que muitos riscos previstos no relatório anterior se realizaram.
O texto apela para que os líderes mundiais se esforcem para se comprometer com um caminho que leve à "saúde e segurança" do planeta.


O Relógio do Juízo Final foi criado em 1947. Ele sempre focou sua preocupação na questão nuclear, mas, a partir de 2007, os problemas do aquecimento global e das tecnologias emergentes também passaram a ser considerados.

Fonte: http://www.noticiascristas.com  Publicado originalmente em G1

 


Descoberta de DNA humano no Alasca comprova relato da Torre de Babel, afirmam estudiosos

Postado em 12/01/2018

                 

O relato da Bíblia Sagrada sobre a Torre de Babel diz que Deus espalhou os povos que intentavam chegar aos céus através da construção do edifício, confundindo-os através das línguas. Agora, uma descoberta científica pode comprovar que houve uma migração em massa da Ásia Oriental para a América do Norte.

Pesquisadores criacionistas da Universidade de Harvard descobriram um antigo material genético humano no Alasca, e publicaram um relatório a respeito do estudo na revista Nature, na última semana, com uma comparação do genoma extraído dos restos mortais de uma criança enterrada no Alasca há milhares de anos.

De acordo com informações do Christian Times, os pesquisadores acreditam que teve seus restos mortais descobertas foi enterrada há 11.500 anos, e faria parte de um grupo que chegou à região através de uma ponte terrestre congelada.

O material genético colhido foi sequenciado por uma equipe de pesquisadores das universidades de Copenhague e de Cambridge. O líder dos trabalhos foi o geneticista Eske Willerslev, que comparou o resultado dos exames com dados genéticos dos nativos modernos e antigos da Eurásia e das Américas.

Os pesquisadores observaram que o DNA da criança tinha mais em comum com os nativos americanos modernos, mas não com um antepassado direto da Ásia Oriental. Desas forma, os cientistas acreditam que os dois pontos de análise compartilham uma ascendência comum com pessoas que saíram da Ásia em direção à América do Norte através de uma ponte terrestre conhecida como Beríngia, que supõe-se tenha existido há cerca de 25 mil anos atrás.

De acordo com informações do Christian Times, os pesquisadores acreditam que teve seus restos mortais descobertas foi enterrada há 11.500 anos, e faria parte de um grupo que chegou à região através de uma ponte terrestre congelada.

O material genético colhido foi sequenciado por uma equipe de pesquisadores das universidades de Copenhague e de Cambridge. O líder dos trabalhos foi o geneticista Eske Willerslev, que comparou o resultado dos exames com dados genéticos dos nativos modernos e antigos da Eurásia e das Américas.

Os pesquisadores observaram que o DNA da criança tinha mais em comum com os nativos americanos modernos, mas não com um antepassado direto da Ásia Oriental. Desas forma, os cientistas acreditam que os dois pontos de análise compartilham uma ascendência comum com pessoas que saíram da Ásia em direção à América do Norte através de uma ponte terrestre conhecida como Beríngia, que supõe-se tenha existido há cerca de 25 mil anos atrás.

De acordo com informações do Christian Times, os pesquisadores acreditam que teve seus restos mortais descobertas foi enterrada há 11.500 anos, e faria parte de um grupo que chegou à região através de uma ponte terrestre congelada.

O material genético colhido foi sequenciado por uma equipe de pesquisadores das universidades de Copenhague e de Cambridge. O líder dos trabalhos foi o geneticista Eske Willerslev, que comparou o resultado dos exames com dados genéticos dos nativos modernos e antigos da Eurásia e das Américas.

Os pesquisadores observaram que o DNA da criança tinha mais em comum com os nativos americanos modernos, mas não com um antepassado direto da Ásia Oriental. Desas forma, os cientistas acreditam que os dois pontos de análise compartilham uma ascendência comum com pessoas que saíram da Ásia em direção à América do Norte através de uma ponte terrestre conhecida como Beríngia, que supõe-se tenha existido há cerca de 25 mil anos atrás.

Nathaniel Jeanson, um biólogo criacionista que analisou o relatório afirmou que a datação do DNA da menina não está exata, e ponderou também que outros detalhes da descoberta dão suporte ao relato do livro de Gênesis sobre a migração em massa provocada após a tentativa de construção da Torre de Babel.

A partir da cronologia bíblica, Jeanson sugere que o evento ocorreu há menos tempo que os 11.500 anos atribuídos pelos pesquisadores. Em entrevista ao portal The Baptist Press, disse que o estudo apresenta “mais evidências de que os nativos das Américas vieram da Ásia Oriental Central”, o que se torna “consistente com as Escrituras”.

O paleontologista Kurt Wise, professor de história natural na Universidade Truett McConnell, também sugere que os 11.500 anos de radiocarbonos citados no estudo “equivalem a muitos menos anos cronológicos (provavelmente mais próximos de 4.000 a 4.100 anos)”.

“Em termos relativos, as novas descobertas são consistentes com a dispersão de humanos de Babel”, concordou Wise, acrescentando que “esses restos são provavelmente de uma população de pessoas espalhadas por Babel”.

 

Fonte: https://noticias.gospelmais.com.br   

 


Arqueologos encontram sinais da cidade de Corinto e comprovam relato bíblico

A cidade ficou sob as águas após um forte terremoto, no início do século 7 d.C

Postado em 20/12/2017

              Mergulhador busca vestígios da cidade grega de Corinto. (Foto: Lechaion Harbour Project)

                        Mergulhador busca vestígios da cidade grega de Corinto. (Foto: Lechaion Harbour Project)

Novas buscas arqueológicas no antigo porto do terremoto que atingiu a cidade bíblica de Corinto, que agora está subaquática, descobriram detalhes sobre antiga cidade. Corinto foi visitada pelo apóstolo Paulo, enquanto ainda estava sob o domínio romano, de acordo com a Bíblia.

Os arqueólogos gregos e dinamarqueses que investigam as áreas portuárias de Lechaion, como parte do projeto Lechaion Harbor, descobriram vestígios de engenharia romana e edifícios antigos, o que comprova boa parte do relato bíblico sobre a cidade.

"Por quase duas décadas, busquei o contexto arqueológico perfeito em que todo o material orgânico normalmente não encontrado em terra estivesse preservado", afirmou Bjørn Lovén, diretor do projeto, segundo o jornal 'Sunday Express'. "O potencial para descobertas mais únicas é o sopro da mente".

O porto, que está localizado no golfo de Corinto, era anteriormente um dos dois que conectou Corinto para trocar redes na região que ajudaram a área a tornar-se fabulosamente rica. Os romanos destruíram Corinto em 146 aC ao conquistar a Grécia, e Júlio César reconstruiu a cidade e seus portos em 44 aC.

O porto foi atingido por um terremoto em torno do início do século 7 dC, mas as fundações de madeira na área estão bem preservadas, bem como alguns artefatos.

"As estruturas de madeira extremamente raras que encontramos nos estágios iniciais de Lechaion nos dão esperança de que encontremos outros materiais orgânicos, como ferramentas de madeira, móveis, peças de madeira de edifícios e naufrágios - o potencial é imenso e é importante sublinhar que quase nunca encontramos material orgânico em terra na região do Mediterrâneo central", diz Lovén.

O Projeto Lechaion Harbour é uma parceria entre o Instituto Dinamarquês em Atenas, a Universidade de Copenhague e o Éforo Grego de Antiguidades Subaquáticas.

Recentemente, as escavações no oeste da Galileia em Israel levaram à descoberta de um mosaico de 1.600 anos, o que sugeriu que algumas mulheres desempenharam um papel fundamental na igreja primitiva, com uma doadora feminina do século 5 presumivelmente a homenagem de uma mulher descrita como assistente Jesus Cristo na Bíblia.

O mosaico de língua grega remonta ao século 5 e memorializa uma mulher com o nome de "Sausann", ou Shoshana, que foi uma das doadoras que ajudaram na construção de uma vila da igreja. Susannah é mencionada em Lucas 8:3 como uma das mulheres que ajudaram a apoiar Jesus e seus discípulos.

O arqueólogo da faculdade de Kinneret, Mordechai Aviam, que liderou as escavações, explicou que uma mulher independente doando dinheiro para a igreja fornece indícios sobre a estrutura social na vila galileana na época.

Os pesquisadores, juntamente com uma parceria multidisciplinar de estudiosos, estão juntando esforços para conceituar como era a vida cristã no 4º e 5º século na região.

 

Fonte: FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

 


Cientista é rejeitado pela comunidade científica após defender que Deus criou o mundo

Günter Bechly deixou de ser membro da comunidade científica e perdeu sua página na Wikipedia, apenas por combinar fé e ciência

Fonte: Guia-me / com informações Breaking Israel

Postado em 03/12/2017

               Cientista é rejeitado pela comunidade científica após defender que Deus criou o mundo

Durante o último ano, o cientista Günter Bechly passou de um respeitado membro da comunidade científica a um pária, perdendo sua posição como curador de museu e tendo sua página na Wikipedia removida, pelo crime de combinar fé e ciência.

Bechly é um paleontólogo especializado em história fóssil e sistemática de insetos, que acredita que a ciência e a religião podem andar de mãos dadas. “Eu não me tornei cristão apesar de ser cientista, mas por causa disso”, ele escreveu em seu site.

O cientista começou a se afastar da Teoria da Evolução em 2009, quando ele trabalhou no projeto que celebrava 100 anos da publicação “A Origem das Espécies”, de Charles Darwin. Neste processo, Bechly percebeu que evidências sobre a teoria evolutiva não estão disponíveis em muitos dos seus próprios achados em paleontologia.

Como cientista, suas teorias sofreram mudanças para se adequarem às suas observações. Em 2015, Bechly rejeitou publicamente a evolução darwiniana. “Eu sou cético sobre a teoria neodarwiniana da macroevolução e apoio da teoria do Design Inteligente por razões puramente científicas”, ele declarou em seu site.

A Teoria do Design Inteligente defende que muitas características do Universo e dos seres vivos são mais comumente explicadas por uma causa inteligente, não por um processo não guiado como a seleção natural.

A nova posição de. Bechly resultou em sua expulsão do cargo de curador do State Museum of Natural History em Stuttgartt, na Alemanha. Sua página na Wikipédia foi removida em outubro, com os moderadores questionando sua “notabilidade”. Pouco tempo depois, sua página foi retomada e hoje se encontra disponível na enciclopédia colaborativa.

Opiniões

Para Nathan Aviezer, professor de física da Universidade Bar Ilan, não é surpreendente ver a dureza com que a posição de Bechly foi tratada. “Darwin tornou-se um deus. O triste fato é que existe um suporte fanático para a teoria da evolução na comunidade científica. Eles não querem ouvir nada mais e essa não é uma abordagem científica”, disse ele ao site Breaking Israel News.

Gerald Schroeder, um estudioso da Torá com PHD em física, acredita que há um viés contra a Bíblia na comunidade científica. “Existe uma agenda na mídia para apresentar um mundo aleatório, resultante da mutação pela evolução, embora não haja evidências de que as mudanças observáveis ??sejam resultado de um processo aleatório”, afirma.

Para que haja um avanço, Schroeder ambos os lados do debate devem abordar diferentes estratégias. “Eu procuro encontrar a confluência entre ciência e a Bíblia, em vez de criar conflitos. A ciência e a crença eram compatíveis com a maior parte da história humana. Deus poderia ter criado o mundo em um instante, mas ele escolheu fazê-lo em um processo. A evolução é o fluxo da vida que vai do simples ao complexo, que é precisamente o processo que vemos nos seis dias da Criação”, argumenta.

 

Fonte: http://www.cpadnews.com.br 

 


Biólogo afirma que diversidade étnica é comprovada na Bíblia, e não no evolucionismo

Postado em 07/11/2017

  O biólogo celular desafia a Teoria da Evolução de Darwin

A Bíblia pode explicar a origem das diferentes etniashumanas? De acordo com o biólogo Nathaniel Jeanson, o modelo bíblico — e não a evolução — representa com precisão a diversidade do DNA humano.

Em um artigo publicado na semana passada no site Answers In Genesis, Jeanson considera que “os africanos tendem a abrigar mais diferenças no DNA mitocondrial do que os grupos não-africanos.”

De acordo com o modelo criacionista, os grupos étnicos começaram a divergir depois da dispersão ocasionada na Torre de Babel, cerca de 4 mil anos atrás. Por outro lado, os evolucionistas acreditam que os primeiros humanos começaram a separar em diferentes populações há mais de 100 mil anos. Então, qual modelo é apoiado por evidências científicas?

Jeanson explorou dados sobre os casamentos recolhidos há 40 anos pela Organização das Nações Unidas e descobriu que mulheres africanas se casaram mais cedo do que as não-africanas. “Essas diferenças sugerem que esta prática possa ter sido um fato histórico, bem antes da ocidentalização que tomou conta do continente africano”, disse o biólogo.

Os casamentos prematuros na África provavelmente aceleraram o desenvolvimento das diferenças de DNA, explicando porquê os africanos têm mais variações do que outros grupos étnicos.

1462380282_766551_1462381094_noticia_normal_recorte1

“Em suma, o modelo do evolucionismo previa um número mínimo de diferenças, quase seis vezes maior do que o número máximo de diferenças de DNA presentes hoje”, observou. “Por outro lado, o modelo criacionista capturou o espectro completo das diferenças de DNA observáveis hoje. Estes resultados demonstram a robustez científica do modelo criacionista e intensifica o desafio explicativo para a escala de tempo evolutiva “.

Jeanson reconheceu as limitações de sua pesquisa e ressaltou que mais estudos deveriam ser realizados. “As diferenças de tempo das gerações observadas entre os grupos étnicos nas últimas décadas pode não ter sido a mesmo ao longo da história. Medidas mais precisas da taxa de mutação entre os grupos étnicos irão diferenciar a hipótese do tempo mais rápido das gerações e a hipótese de taxa mais rápida de mutação”.

“De qualquer forma, o modelo criacionista explica toda a diversidade de DNA conhecida. Por outro lado, os resultados do tempo geracional desafiam ainda mais o modelo evolucionista da origem humana”, acrescentou o biólogo.

            

FONTE: Guia-me / com informações de Christian News

 

 


Testemunhos de Cura Divina na WORLD Medical Conference (Conferência Médica Mundial)

Postado em 26/10/2017   Resultado de imagem para imagens sobre 14ª Conferência Médica Cristã Internacional (World Christian Doctors Network — WCDN) na Rússia

                                                                   foto Conferência de 2015 na Índia

Muitos médicos cristãos de todo o mundo reuniram-se e compartilharam vários casos de cura divina, que foram produzidos pelo poder de Deus, na 14ª Conferência WCDN na histórica cidade de São Petersburgo na Rússia, que é predominantemente da Igreja Ortodoxa Russa.

Isso é de grande importância em vista das leis antiterroristas da Rússia, restringindo a evangelização dos cristãos fora de suas igrejas, o evangelismo ou a importação de religiosos estrangeiros.

A 14ª Conferência Médica Cristã Internacional foi realizada nos dias 20 e 21 de outubro, organizada pelo WCDN (World Christian Network Physicians), e contou com a participação de aproximadamente 500 médicos e profissionais de 13 países, incluindo Rússia, Coréia, Israel, Itália, Holanda, Espanha e Bielorrússia.

Nesta conferência única, seis casos de cura divina foram apresentados, e quatro palestras especiais sobre "Deus curador" foram dadaspelo Dr. Gilbert Chae, da Coréia, Presidente da WCDN; em "Muan Freshwater" pelo Dr. David Eu de Singapura; em "Heaven" pelo Dr. Vitaliy Fishberg da EE. UU.; e através de uma apresentação em DVD no "Great Flood of Noah".

Através destas quatro palestras, muitas pessoas entenderam a causa original da doença, atestando a autenticidade do Dilúvio no tempo de Noé e preenchida com a esperança do Céu e a garantia da existência do domínio espiritual através do discurso "Céu"

Seis casos de cura que foram apresentados nesta conferência em causa a cura da artrite, apendicite aguda, tuberculose pulmonar, fraturas complexas, cegueira e estrabismo que tinha sido produzido pela oração da Rev. Dr. Jaerock Lee, fundador e presidente da o Conselho da WCDN e o Pastor Sênior da Igreja Central de Manmin.

Em particular, um caso de cura de cegueira para o qual um cego abriu os olhos surpreendeu muitos médicos porque é o mesmo milagre que o Senhor Jesus realizou.

"As apresentações de casos de médicos coreanos foram muito inspiradoras, e especialmente o desempenho da equipe coreana foi de muito alta qualidade e espiritualidade", disse o Dr. Andre Gasiorowski, presidente da Coalição das Mãos de Ajuda e um dos organizadores em 2018 para a Conferência WCDN na Polônia.

 

Fonte:  Charisma News  


Ex-engenheiro do Google e Uber cria religião onde um robô é considerado Deus

Postado em 30/09/2017

                    Resultado de imagem para imagens de Anthony Levandowski do google

Anthony Levandowski é um sujeito que ficou conhecido e admirado no Vale do Silício devido à sua experiência com robótica, embora seu nome tenha ganhado contornos negativos recentemente. E agora o homem que desempenhou um papel importante para o desenvolvimento da automação veicular pode estar prestes a entrar nos holofotes novamente, mas por um motivo bem inusitado.

O repórter Mark Harris, que escreve para o Backchannel, descobriu que Levandowski fundou uma organização religiosa que tem os robôs como figura divina. Chamada Way of the Future, a entidade foi registrada em setembro de 2015, mas pouco se sabe sobre suas intenções.

A papelada de fundação indica apenas que a ideia da Way of the Future é “desenvolver e promover a realização de uma divindade baseada em inteligência artificial”, e que ela pretende, “através de conhecimento e devoção à divindade, contribuir para a melhoria da sociedade”.

Levandowski aparece como CEO e presidente da organização, e não chega a surpreender que uma pessoa com a sua personalidade esteja por trás de algo do tipo. Ele foi um dos pilares para o desenvolvimento das iniciativas tanto do Google quanto da Uber no sentido de botar carros que dispensam motoristas nas ruas — tanto que ambas agora se enfrentam nos tribunais porque Levandowski teria levado tecnologia do Google para a Uber quando pulou de uma companhia à outra.

A reportagem do Backchannel que revelou a abertura da igreja trouxe várias entrevistas com pessoas do convívio de Levandowski, e fica claro que ele sempre teve uma certa obsessão pela ideia de que um dia os robôs tomarão conta do mundo, transformando os humanos em uma subcategoria. Uma dessas pessoas, por exemplo, comentou que o ex-colega queria controlar a Terra, “e robôs eram o meio de fazer isso”.

“Ele falava sobre começar um novo país em uma ilha”, disse essa mesma pessoa. “Coisas bem loucas e esquisitas. E a grande questão é que ele sempre tinha um plano secreto e você não vai saber disso.” Trocas de mensagens entre ele e Travis Kalanick, fundador e ex-CEO da Uber, corroboram essas afirmações, porque elas revelam que Levandowski chegou a comentar com o então chefe: “Nós vamos tomar o mundo. Um robô de cada vez.”

 

Fonte: http://www.portaldotrono.com 

 

 


Alunos de todo o continente discutem sobre a origem do universo

Cenário de aventura foi montado para retratar os momentos primitivos da terra e levantar a discussão sobre haver um Criador

Postado em 21/09/2017

         

Brasília, DF… [ASN] O cenário remete a uma floresta densa, cheia de árvores com troncos retorcidos e pedras cobertas de musgo. No auditório, os adolescentes sentem-se como num ambiente primitivo, cercados de fósseis e pinturas rústicas. O que parece um filme de aventura é, na verdade, o Congresso online Origens, destinado a alunos do ensino médio da rede de Educação Adventista na América do Sul.

A transmissão ao vivo do evento partiu do auditório da sede administrativa da Igreja Adventista para o continente, em Brasília, na manhã desta terça-feira (12). Ela foi assistida pelos quase 51 mil alunos da rede que estão nesta fase de estudos.

Foi um programa descontraído e cheio de atrações, como apresentadores bem-humorados, cientistas e pesquisadores palestrando, música ao vivo e brindes, mas o que chamou mesmo a atenção foi o tema central: Criacionismo. O diretor associado de Educação Adventista na América do Sul, o pastor Ivan Goes, acredita que o tema deve ser amplamente explorado com os alunos, já que é uma das crenças fundamentais do adventismo.

Exposição de materiais arqueológicos da Sociedade Criacionista Brasileira estava disponível para os alunos

Goes ainda esclarece que as escolas adventistas se preocupam em apresentar aos alunos as principais teorias sobre a origem da terra, como o Evolucionismo, por exemplo, já que elas são necessárias em termos de bagagem acadêmica para as próximas fases da vida. “Mas nós salientamos a nossa grande verdade e as grandes evidências da nossa crença no Criacionismo”, ressalta, garantindo que, mais importante que ter o pensamento alinhado com a maioria, é manter-se fiel àquilo que é fundamental. “Enquanto o Evolucionismo está influenciando todas as teorias que predominam e promovem a competitividade, a gente está ensinando a cooperação. Aí fora, o mais forte, o que tem mais dinheiro ou sabe mais é quem detém o poder. Mas essa não é a primazia da vida! Nós queremos que os nossos alunos se destaquem, mas mantendo os valores de bondade, amor e respeito ao próximo”, finaliza.

João Pedro, que cursa o terceiro ano do ensino médio, estava presente no congresso. Aluno da rede Adventista há 13 anos, ele enxerga o criacionismo como um tema relevante na formação acadêmica e pessoal. “É importante entender que tudo o que a gente é e vive não é por acaso; existe um propósito por trás. É importante saber que há um Ser superior que cuida de nós”, declara. Sobre o evento, ele considera: “Acredito que é enriquecedor; uma grande oportunidade de saber mais sobre a nossa origem, e compreender o nosso futuro a partir do nosso passado”.

Assista à transmissão do Congresso Origens:

Comentário

Uma das abordagens do congresso foi: “como é possível se impor como criacionista num meio científico onde predominam teorias divergentes?” Para o doutor Ruy Carlos Vieira, presidente da Sociedade Criacionista Brasileira e também presente no evento, a maneira mais eficiente é levantar questionamentos sobre a veracidade suposta das teorias.

“Como o próprio Criacionismo, o Evolucionismo não é ciência, mas uma estrutura conceitual, uma suposição que parte de um pressuposto. O pressuposto do Criacionismo é a existência de planejamento na natureza, e, portanto, de um planejador. O do Evolucionismo é o acaso. Esses pressupostos é que devem ser discutidos. Quando as pessoas compreendem que a controvérsia real entre as duas teorias são esses pressupostos, elas têm a possibilidade de raciocinar sobre o assunto com dados providos pelo método científico. É aí que entram as evidências!

Inclusive, a teoria do Big Bang, para os criacionistas, é muito importante, porque, antes de a ciência aceitá-la, a rejeitava. Antes, julgava-se que o universo sempre existiu; não teve um começo e não terá fim. A partir do desenvolvimento dos conhecimentos científicos, chegou-se à conclusão de que houve um começo. Então, passou-se a analisar esse início, utilizando-se do conceito do Big Bang. Estuda-se como tudo começou; não só matéria e energia, mas as leis que comandam o comportamento de tudo isso. Mas, se há leis, há um legislador, então, as evidências a favor do planejamento são muitíssimo maiores do que aquelas a favor do acaso, e os próprios evolucionistas reconhecem isto!” [Equipe ASN, Vanessa Arba]

Veja as imagens do congresso:

Fonte: http://noticias.adventistas.org 

 


Cientista israelense cria "BIOTECNOLOGIA" capaz de devolver a visão aos cegos

Postado em 10/09/2017

     Tecnologia judaica: a biotecnologia dá visão aos cegos

O Prof. Yael Hanein, diretor do Centro deNanociência , Nanotecnologia eNanomedicina do Instituto da Universidade de Tel Aviv, apresentou recentemente resultados de pesquisa nos últimos dez anos em seu laboratório para criar uma retina artificialcapaz de substituir a ação dos fotorreceptores dos olhos quando são destruídos pela degeneração macular relacionada com a idade.

Esta pesquisa foi apresentada em um dia de estudo internacional organizado em Londres pelo Solve for X, o laboratório de idéias lançado pela Google para promover projetos de inovação e abordar os principais desafios científicos com tecnologias de ponta(chamados " Projetos Moonshots " entre ciência e ficção científica).

AMD, degeneração macular relacionada à idade (AMD) é uma doença causada pela deterioração progressiva da mácula, a parte central da retina, causando comprometimento das habilidades visuais de 50 anos e, mais frequentemente após 65 anos de idade.

  Resultado de imagem para imagens de pessoas cegas

Com o aumento da longevidade nos países desenvolvidos é que cada vez mais pessoas sofrem com esta doença, o que danifica seriamente ou totalmente as habilidades em leitura, escrita e reconhecimento facial.

É por isso que os pesquisadores em seus laboratórios trabalham nos últimos dez anos estão desenvolvendo o que eles chamam de visão artificial .

O objetivo da visão por computador é realmente substituir esses fotorreceptores destruídos por um dispositivo que imita o sistema natural que percebe informações visuais, capazes de transferir sinais elétricos no cérebro.

É o mesmo princípio do implante coclear da orelha interna", disse o professor. Hanein. Hoje, essas tecnologias não se encaixam na ficção científica".

                                                         Resultado de imagem para imagens de pessoas cegas

Os protótipos de visão artificial foram desenvolvidos e testados há muito tempo no laboratório, mas eles eram muito grandes e volumosos para uso cirúrgico ", disse ele. O desafio é desenvolver um compacto que possa ser inserido com precisão no olho e colocado na retina".

Para fazer isso, pesquisadores do laboratório do professor Hanein usam nanotubos de carbono dentro dos quais os componentes fotosensíveis são introduzidos.

Eles se juntam ao tecido biológico, quase como um velcro natural e fantástico com dispositivos eletroquímicos que podem ser usados ​​como eletrodos, tanto para gravação quanto para estimulação ".

 

Fonte: https://www.bibliatodo.com 

 


O Que Darwin Não Podia Saber

Por Werner Gitt

Postado em 04/09/2017

      

Para celebrar o “ano de Darwin” em 2009, a revista alemã Die Zeit publicou um artigo de duas páginas com a manchete “Muito obrigado, Darwin!”, acompanhado de quatro páginas falando sobre evolução. Esse agradecimento foi para um homem que nasceu há 200 anos. Seu “revolucionário” livro A Origem das Espécies foi publicado há 150 anos. [Naquela época, nada se sabia sobre o DNA, o armazenamento de informações genéticas e sua transmissão].

O filósofo Immanuel Kant (1724-1804) já afirmava, cheio de orgulho: “Dêem-me matéria, e dela farei um mundo”. Cinqüenta anos mais tarde, o matemático e astrônomo francês Laplace (1749-1827) vangloriava-se diante de Napoleão: “Minhas teorias não precisam da hipótese chamada ‘Deus’.” Esses e outros pais do ateísmo científico buscavam uma explicação para a origem da vida em que Deus pudesse ser descartado. A resposta aparentemente salvadora veio de Darwin, que tornou viável explicar a origem da vida “de forma natural”. Enquanto ele próprio ainda era reticente em relação às implicações de sua teoria, hoje o mundo, cada vez mais ímpio, aclama seu patrono em manchetes sem fim.

Até a viagem de Darwin às ilhas Galápagos em 1835, acreditava-se no filósofo grego Aristóteles, que dizia que as espécies são imutáveis. A partir das diferentes formas de bicos de tentilhões que viviam na ilha, Darwin concluiu com acerto: espécies podem se adaptar e se modificar. Mas sua conclusão seguinte, de que toda a vida viria de uma árvore genealógica comum, não é cientificamente defensável. O próprio Darwin percebeu que uma grande fraqueza de sua teoria era a inexistência, na natureza, de fósseis de formas intermediárias. Mesmo assim, seguindo a doutrina darwinista, o homem perdeu sua posição especial atribuída pelo Criador e passou a ser apenas um ser mais evoluído no reino animal.

As molas-mestras da evolução

Como molas-mestras da evolução são mencionadas hoje: mutações, seleção, isolamento, longas eras, acaso, necessidade e morte. Todos esses fatores existem; porém, nenhum deles é fonte de novas informações criadoras.

• Mutações apenas podem modificar informações herdadas pré-existentes. Entretanto, sem as informações do DNA já disponíveis, a evolução nem pode dar a largada inicial. Mutação é, por definição, um mecanismo aleatório sem qualquer objetivo definido, de tal forma que, por princípio, não pode fazer surgir novos conceitos (por exemplo, criar órgãos).

• A seleção favorece os seres vivos mais aptos e faz com que sua predisposição hereditária seja passada adiante. Mas, através da seleção ocorre apenas uma escolha ou um aniquilamento de algo que já existe; nada pode ser melhorado por ela, nem ela faz surgir algo novo.

• Os outros fatores evolutivos citados também não podem ser considerados fontes criadoras.

Vejamos alguns poucos exemplos de seres vivos e examinemos se os fatores evolutivos em ação aleatória poderiam tê-los trazido à existência.

A reprodução sexuada

Conforme a teoria da evolução, a “descoberta” da reprodução sexuada seria uma condição decisiva para o desenvolvimento progressivo dos seres vivos. Através de combinações genéticas sempre novas, surgem muitas variedades, das quais as mais adaptadas ao seu ambiente sobrevivem ao processo de seleção. Duas razões, porém, eliminam esse processo na almejada tendência ascendente no desenvolvimento de uma linhagem:

1. A reprodução sexuada nem pode começar por um processo evolutivo. Ela apenas seria possível se ambos os sexos dispusessem simultaneamente de órgãos prontos e plenamente funcionais. Entretanto, na evolução, por definição, não existem estratégias planejadas ou direcionadas. Como o desenvolvimento dos órgãos necessários à reprodução poderia estender-se por milhares de gerações se os seres vivos nem conseguem se reproduzir sem esses órgãos? Mas, se um desenvolvimento lento precisa ser excluído por ser inviável, como seria possível que órgãos tão diferentes e tão complexos, que precisam combinar entre si até nos mínimos detalhes, surgissem repentinamente? Além disso, eles precisariam estar presentes juntos no mesmo lugar no momento da reprodução.

2. Ainda que admitíssemos a possibilidade da reprodução sexuada ter “caído do céu”, mesmo assim não surgiria nova informação na mistura da carga genética. Em suas muitas experiências, criadores de plantas e animais demonstraram que vacas altamente aperfeiçoadas geneticamente continuaram sendo vacas, e que o trigo jamais produziu girassóis. A chamada microevolução (mutação dentro de uma espécie) é verificável cientificamente; de uma macroevolução (mutação que ultrapasse as fronteiras das espécies) falta toda e qualquer prova.

Técnica genial nos glóbulos vermelhos

Em cada gota de sangue temos aproximadamente 5 milhões de glóbulos vermelhos. Eles são como mini-submarinos altamente especializados que, ao invés de levarem a bordo torpedos mortais, realizam algo extremamente vital.

• 175.000 vezes durante seus 120 dias de vida eles são abastecidos com oxigênio, enquanto descarregam no pulmão o gás carbônico (CO2), resíduo que se forma pelo processo de oxidação.

• Esses minúsculos navios cargueiros são tão pequenos que conseguem ultrapassar os mais finos vasos capilares, chegando a todas as partes do corpo.

• A cada segundo são gerados dois milhões de novos glóbulos vermelhos, que contêm a hemoglobina (que dá a cor vermelha ao sangue), uma composição química muito notável e complexa.


Co­mo mo­las-mes­tras da evo­lu­ção são men­cio­na­das ho­je: mu­ta­ções, se­le­ção, iso­la­men­to, lon­gas ­eras, aca­so, ne­ces­si­da­de e mor­te. To­dos es­ses fa­to­res exis­tem; po­rém, ne­nhum de­les é fon­te de no­vas in­for­ma­ções cria­do­ras.

A hemoglobina é necessária para o transporte de oxigênio já na fase de desenvolvimento embrional. Evidentemente, até o terceiro mês as necessidades de oxigênio são diferentes do que no estágio fetal (a partir do terceiro mês), e por isso faz-se necessário um tipo distinto de hemoglobina, de composição química diferente. Pouco antes do parto, as fábricas celulares voltam a funcionar a todo vapor para realizar a alteração para hemoglobina adulta. Os três tipos de hemoglobina não poderiam ser descobertos pelo caminho evolutivo, através da experimentação, porque as outras variantes não transportariam oxigênio suficiente, o que seria fatal para o ser vivo supostamente em evolução. Mesmo que em dois estágios fosse produzida a molécula correta, isso significaria a morte certa se a molécula da terceira fase não estivesse disponível. Por três vezes a produção de hemoglobina necessita de um biomecanismo completamente diferente, que também precisa modificar completamente sua produção no momento exato.

De onde vem um mecanismo tão complicado? Aqui toda e qualquer idéia de evolução falha completamente, pois em seus estágios semi-prontos, que segundo a evolução teriam conduzido a esse mecanismo tão complexo, esses seres vivos nem poderiam ter sobrevivido.

Esse conceito de complexidade não-redutível também é válido para o sistema imunológico do organismo humano ou para o flagelo com que as bactérias se locomovem. Mais uma vez, vemos que os seres vivos não teriam sobrevivido em sua “jornada” até seu estágio atual se este fosse atingido por processos evolutivos. É mais razoável admitir que tudo esteve pronto desde o princípio, o que somente é possível se um Criador planejou e criou tudo funcionando plenamente desde seu começo.

O vôo da Tarambola-Dourada

A Tarambola-Dourada é um pássaro maravilhoso que nasce no Alasca. Como ali o inverno é extremamente frio, ele migra para o Havaí. Sua viagem é muito longa, pois o destino fica a 4.500 quilômetros de distância. O vôo tem de ser direto, sem escalas, uma vez que no caminho não existem ilhas para descanso, e essa ave não sabe nadar. Para seu vôo, a Tarambola-Dourada precisa de um tanque cheio de combustível na forma de 70 gramas de gordura armazenada em seu corpo. Desse total, 6,8 gramas são uma reserva para enfrentar ventos contrários. Como o pássaro tem de voar ininterruptamente por três dias e meio, noite e dia, sem parar, e precisa manter a rota com exatidão dentro das coordenadas geográficas, ele necessita de um piloto automático trabalhando com extrema exatidão. Se não encontrar as ilhas do Havaí, sua morte é certa, pois não existe qualquer outra alternativa de pouso. Se não possuísse essa porção de gordura precisamente calculada, não sobreviveria.

A mutação e a seleção, nesse caso, mais uma vez são construtores incapazes. Mais plausível é admitir que a Tarambola-Dourada foi criada assim desde o começo – pronta e equipada com tudo o que precisa.

O raciocínio evolucionista é útil?

Como vimos nos exemplos desses seres vivos, em outras áreas também encontramos projetos altamente especializados:

• A baleia cachalote é um mamífero que está equipado de tal forma que pode emergir de 3.000 metros de profundidade sem morrer pela temida descompressão.

• Uma quantidade imensa de bacrias microscópicas em nosso trato intestinal tem motores elétricos embutidos, que podem funcionar para a frente e de marcha a ré.

• A sobrevivência dos seres vivos depende do funcionamento perfeito de cada um de seus órgãos (por exemplo, coração, fígado, rins).

Órgãos semi-prontos, em desenvolvimento, não têm valor algum. Nesse assunto, quem pensa segundo o darwinismo deveria saber que a evolução desconhece a perspectiva de um órgão que passará a funcionar perfeitamente no futuro. O biólogo evolucionista alemão G. Osche observou acertadamente: “Seres vivos não podem, durante certas fases evolutivas, parar tudo como um empresário que fecha a firma temporariamente por causa de reformas”.

A inteligência e a sabedoria expressas nas obras da Criação são simplesmente imponentes. O caminho que conduz das obras criadas até um autor criativo é mais que evidente – das obras deduz-se a existência de um Criador. Combina muito bem com nossa observação o que a Bíblia já diz em seu primeiro versículo: “No princípio, criou Deus!”

O bió­lo­go evo­lu­cio­nis­ta ale­mão G. Os­che ob­ser­vou acer­ta­da­men­te: “Se­res vi­vos não po­dem, du­ran­te cer­tas fa­ses evo­lu­ti­vas, pa­rar tu­do co­mo um em­pre­sá­rio que fe­cha a fir­ma tem­po­ra­ria­men­te por cau­sa de re­for­mas”.

Influenciada pelo darwinismo, estabeleceu-se a teologia histórico-crítica, que rejeitou o relato literal da Criação, até então considerado mensagem de Deus. Mas fazemos bem “acreditando em todas as coisas que estejam escritas” (Atos 24.14), pois “Deus não é homem, para que minta” (Números 23.19).

De onde vem a informação?

Na discussão científica, o argumento sempre é mais forte quando se pode aplicar as leis naturais a algum processo ou fenômeno. As leis naturais não admitem exceção. Conforme essas leis, por exemplo, o moto-contínuo, uma máquina que funciona continuamente sem receber energia, é uma máquina impossível.

Hoje sabemos o que Darwin ainda não podia saber: nas células de todos os seres vivos existe uma quantidade praticamente inimaginável de informação, aglutinada na forma mais compacta que se conhece. A formação de todos os órgãos é conduzida pela informação, todos os processos nos seres vivos funcionam dirigidos por informação e a produção de todas as substâncias do corpo (por exemplo, 50.000 proteínas no corpo humano) é controlada pela informação. O sistema da evolução somente poderia funcionar se houvesse na matéria a possibilidade de a informação surgir por acaso. A informação é absolutamente imprescindível, pois os projetos de todos os indivíduos e todos os processos complexos nas células ocorrem baseados em informação.

Informação é uma grandeza imaterial; portanto, não é uma qualidade da matéria. As leis da natureza acerca de grandezas não-materiais, especialmente da informação, dizem que a matéria jamais pode gerar uma grandeza não-material. É evidente: informação somente pode surgir a partir de um emissor dotado de inteligência e vontade. Assim está claro: quem considera a evolução possível, acredita no “moto-contínuo” da informação, ou seja, em algo que as leis gerais da natureza mostram ser completamente impossível. Assim, acertamos o calcanhar de Aquiles da evolução, que cientificamente chega a seu FIM. [Expliquei a questão com mais detalhes em meu DVD A Origem da Vida à Luz da Informação].

De onde vem a vida?

Diante de todo o barulho que se faz atualmente em torno da evolução, perguntamos: “De onde vem a vida realmente?” A evolução não tem a menor explicação para o surgimento da vida a partir da matéria morta.

Stan­ley Mil­ler (1930-2007), cu­ja ex­pe­riên­cia com a “so­pa pré-bió­ti­ca” (1953) é men­cio­na­da em to­do li­vro de Bio­lo­gia, ad­mi­tiu de­pois de 40 ­anos que ne­nhu­ma das ­atuais hi­pó­te­ses so­bre a ori­gem da vi­da con­se­gue ser con­vin­cen­te.

Stanley Miller (1930-2007), cuja experiência com a “sopa pré-biótica” (1953) é mencionada em todo livro de Biologia, admitiu depois de 40 anos que nenhuma das atuais hipóteses sobre a origem da vida consegue ser convincente. Ele classificou todas elas de “bobagens”, de “gestações mentais químicas”. O microbiologista Louis Pasteur (l822-1895) reconheceu algo fundamental: “Vida só pode vir de vida”.

Apenas um pôde dizer: “Eu sou a vida” (João 14.6), e esse alguém foi Jesus Cristo. A Seu respeito está escrito em Colossenses 1.16: “Pois nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis”. Em João 1.3 lemos: “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez”. Qualquer teoria sobre o início da vida e o surgimento do mundo que não mencione Jesus como a origem e a fonte da vida é uma concepção morta, que inevitavelmente se esfacela na Rocha que é Jesus.

Assim, a teoria da evolução passa a ser um dos maiores enganos da história mundial e lança milhões de pessoas no abismo da incredulidade. Infelizmente, o que muitos dos nossos contemporâneos não levam em consideração é que ao abismo da descrença segue o abismo da perdição eterna depois da morte (inferno). O dilema real na maneira de pensar de nosso mundo é que o verdadeiro Criador de todas as coisas não é honrado com manchetes, dizendo: Muito obrigado, Jesus!

Muitos não sabem que Jesus Cristo nos fez uma oferta grandiosa. Ele disse: “Eu sou a Porta” (João 10.9). Ele estava se referindo à porta do céu. Quem se volta para Jesus tem a vida eterna.

Extraído da revista CMAMADA da MEIA-NOITE, edição de |julho de 2009.

 

Fonte: http://www.chamada.com.br 

 

     Werner Gitt formou-se na Universidade Técnica de Hannover (Alemanha) e concluiu seu     doutorado em Engenharia em 1971. Dirigiu o Departamento de Tecnologia da Informação do Instituto Federal de Física e Tecnologia de Braunschweig de 1972 a 2002, onde, em 1978, foi nomeado professor titular. É autor de diversos livros sobre a Bíblia e a Ciência.

 


Pastor usa evidências históricas para comprovar a veracidade da Bíblia

Michelson Borges apresentou evidências históricas sobre a criação do universo, a queda do homem, o dilúvio, a Torre de Babel, o êxodo, Sodoma e Gomorra e os milagres de Jesus.

Por LUANA NOVAES

Postado em 10/08/2017

            Michelson Borges durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)

Diante da incredulidade da sociedade em relação aos fatos apontados pela Bíblia Sagrada, o pastor e jornalista Michelson Borges disse que, em algumas ocasiões, argumentos extra bíblicos são utilizados para comprovar sua autenticidade.

“Devido ao ceticismo da sociedade pós-iluminista, às vezes, temos que fazer uso de argumentação extra bíblica para dar às pessoas pelo menos o benefício da dúvida”, disse ele durante o Encontro Nacional de Universitários.

Para atestar a veracidade da Palavra de Deus, Borges apresentou inúmeras evidências históricas sobre a criação do universo, a queda do homem, o dilúvio, a Torre de Babel, o êxodo, Sodoma e Gomorra e os milagres de Jesus.

“O relato da queda pelo engano da serpente é sugerido também em outras culturas não bíblicas”, disse ele, citando o selo mesopotâmico do terceiro milênio a.C. “Resquícios dessa história são encontrados em relatos de outras culturas”.

Já o dilúvio foi registrado por mais de 200 culturas espalhadas pelo mundo, de acordo com Borges, conforme registros de Gilgamesh e Platão em Timeu. “Os detalhes vão sendo alterados, mas sempre coincidem — todos dizem que a água inundou a Terra, um barco grande promoveu um escape e uma família foi preservada para manter a raça humana”, conta o pastor.

Os zigurates encontrados na antiga cidade de Ur, localizada hoje no Iraque, atestam que o povo de Babel construiu torres com propósitos religiosos, observa Borges, falando sobre as evidências da Torre de Babel. “Além disso, estudos linguísticos têm demonstrado que os idiomas remontam a um tronco comum, à medida que nós recuamos no tempo”, explica.

                         
Michelson Borges durante o Encontro Nacional de Universitários. (Foto: Guiame/Marcos Paulo Corrêa)

O êxodo é confirmado através de estudos que indicam a existência de escravos hebreus no Egito, conforme atestam as pinturas das pirâmides de Beni Hasam. Já as pragas do Egito foram descritas no papiro do sacerdote egípcio Ipuwer, descrito a seguir:

“Os estrangeiros [hebreus] vieram para o Egito. Eles têm crescido, estão por toda a parte. O Nilo se tornou sangue. As casas e as plantações estão em chamas. A casa real perdeu todos os seus escravos. Os mortos estão sendo sepultados pelo rio. Os pobres [escravos hebreus] estão se tornando donos de tudo. Os filhos dos nobres estão morrendo inesperadamente. O nosso ouro está no pescoço dos escravos. O povo do Oásis [terra de Gósen] está indo embora e levando as provisões para o seu festival”, conforme texto traduzido pelo arqueólogo brasileiro Rodrigo Silva no livro “Escavando a Verdade”, p.99.

Borges observa que há uma predisposição para a descrença em relação à Bíblia. “A história de Cristo começou a ser registrada entre 40 e 60 anos depois de sua ressurreição. Havia muitas testemunhas oculares vivas ainda e, mesmo assim, há quem duvide que Jesus tenha existido. A história de Alexandre, o Grande começou a ser escrita de 300 a 400 anos depois dos eventos registrados, e ninguém duvida”.

O pastor observa que ninguém morreria por uma mentira inventada, mas os cristãos foram martirizados por causa do Evangelho. “Os cristãos só perderam do ponto de vista humano por causa dessa história, porque eles sabiam que Cristo era real”, disse Borges.

 

Fonte: https://guiame.com.br 

 


Cientista é ameaçado de morte após publicar estudo sobre aborto

Postado em 04/08/2017

                                        

O pesquisador da conicet , Fabricio Ballarini, graduado em Ciências Biológicas, com doutorado e pós-doutorado pela Faculdade de Medicina da uba, Argentina, publicou um estudo científico novo e mais recente sobre o aborto em nível global.

Esta pesquisa revela que uma em cada quatro gravidez é descontinuada voluntariamente , o que se traduz em cerca de 56 milhões de abortos por ano.

"Enquanto isso é surpreendente, parece lógico que, se nada for feito para evitar algo, isso aumentará. Coloque o nome que deseja: preguiça, preguiça, incompetência, religião, falta de vontade política e milhares de etc.mais. Todas essas palavras são sinônimas de muitas pessoas que morrem por causa de outra, que tenta cobrir o sol com a mão ", disse Ballarini.

"Em outras palavras, garantir que os casais tenham acesso a métodos e estratégias nas quais eles tenham a escolha e, é claro, possuem uma ampla gama de informações disponíveis é uma maneira consistente e correta de manter a adequada saúde pública. A ilegitimidade não significa que as pessoas não abortem ".

Quando Ballarini foi perguntado se seu novo estudo tinha a ver com a religião, ele disse: "Não é minha intenção não é interferir no aspecto religioso.Não tenho nada contra a religião e respeito a fé de cada um, mas sou cientista e falo da ciência ".

"... É uma questão particularmente delicada e sensível em nossa sociedade. Depois de levar este video com Vorterix, fui ameaçado de morte. Também sofri linchamento em redes na internet. Imagens minhas com fetos mortos e coisas horríveis começaram a aparecer. E tudo o que fiz foi divulgar os dados científicos de um trabalho muito sério, sólido e científico que tem o apoio da Organização Mundial de Saúde. 

O número de abortos por 1.000 mulheres é semelhante (entre 34 e 37) em países onde o aborto é absolutamente proibido do que aqueles em que as leis de aborto o permitem. A América Latina mostra a maior taxa de crescimento do aborto no mundo (de 23% para 32%), enquanto na Ásia Central e Central (de 17% para 25%) e na África do Sul foi de 17% a 24% %.

 

Fonte: https://www.bibliatodo.com 

 


Estudos de DNA de múmias encontradas, aponta para história bíblica 

Pesquisadores obtiveram "resultados inesperados" ao decodificar o genoma dos antigos egípcios.  

 Postado em 31/07/2017                             

                                  Resultado de imagem para imagens de DNA de mumias encontradas

pesquisa de DNA recente tomada de múmias de milhares de anos de idade mostra que os habitantes originais da terra são mais estreitamente relacionados aos habitantes do Oriente Médio com os povos negros da África a sul do Saara.

Pesquisadores da Universidade de Tubingen e do Instituto Max Planck para a ciência da história humana em Jena Alemanha, alcançaram "resultados inesperados" para decodificar o genoma destes antigos egípcios.

Os corpos mumificados submetidos a testes cobrem quase 2.000 anos de história egípcia, o chamado Novo Reino (1400 aC) até o final da presença do Império Romano na região (cerca de 400 AD). Por isso, foi possível comparar o DNA de antigos residentes com o egípcio moderno e ver como outros povos antigos tiveram um impacto sobre sua composição genética.

A investigação é com base em 166 amostras de 151 indivíduos mumificados em Abusir-Meleq. uma extensa análise, publicada na revista Nature Communications, concluiu que as amostras "diferem dos egípcios modernos e estão mais próximos dos moradores do Oriente Médio" , os pesquisadores dizem . "Pelo contrário, os egípcios modernos são mais influenciadas pela população da sub - Sahariana." 

Para o investigador judaico Adam Berkowitz Eliyahu, isso aponta para a narrativa bíblica sobre a primeira dinastia egípcia, descendentes de Ham (ou cam), filho de Noé, apresentados no primeiro livro da Bíblia.

Genesis 10: 5-6 afirma: "5 Estes repartiram entre si as ilhas das nações nas suas terras, cada qual segundo a sua língua, segundo as suas famílias, em suas nações. 6 Os filhos de Cam: Cuxe, Mizraim, Pute e Canaã.".

O Professor Johannes Krause do Instituto Max Planck, explicou que a análise do DNA das múmias feitas no passado já davam algumas indicações neste sentido, mas de que foram tratadas com ceticismo.

"Atualmente tornou-se possível estudar o DNA de seres humanos antigos, porque agora pode ser demonstrado se o DNA é velho ou não por meio de suas propriedades químicas", ele diz. Ele acrescentou ainda que nos próximos anos "haverá uma grande quantidade de genomas de múmias egípcias antigas [mapeadas]. Estamos apenas começando".

 

Fonte: https://www.bibliatodo.com  

bibliatodo.com/NoticiasCristianas/adn-momias


Cientistas estão adulterando embriões humanos - Isso levará ao desenvolvimento de'bebês de griffe'?

Veronica Neffinger | Editor, ChristianHeadlines.com | Quinta-feira, 27 de julho de 2017
Os cientistas estão adulterando os embriões humanos - Isso levará a 'Designer Babies'?

Cientistas revelam que conseguiram desenvolver o primeiro projeto de edição de embriões nos EUA, de acordo com um relatório da MIT Technology Review.

Embora cientistas na China já tenham conduzido tais experimentos, esta é a primeira vez que a edição de embriões foi realizada nos Estados Unidos.

O processo envolveu uma polêmica técnica de edição de genes conhecida como CRISPR. O projeto foi realizado por cientistas da Oregon Health and Science University, e liderado pelo cientista Shoukhrat Mitalipov.

Os cientistas acreditam que esta nova tecnologia tem o potencial de revolucionar o mundo. Seria supostamente possível erradicar muitas doenças genéticas alterando o código do gene em embriões que não passariam mais esses genes doentes em seus filhos.

A edição de embriões pode levar ao que foi denominado "bebês de grife". Embora a tecnologia possa levar a doenças que não são transmitidas às gerações futuras, muitas organizações religiosas, grupos da sociedade civil e empresas de biotecnologia expressaram preocupações de que a manipulação do código genético pode Tem consequências de longo alcance.

A comunidade de inteligência dos EUA até chamou a tecnologia CRISPR de uma "arma de destruição em massa".

O governo dos EUA também tem leis em vigor contra permitir que um embrião de FIV editado se desenvolva em uma criança humana. 

"A edição do genoma para aprimorar traços ou habilidades além da saúde comum suscita preocupações sobre se os benefícios podem superar os riscos e a equidade, se disponível apenas para algumas pessoas", disse Alta Charo, co-presidente do comitê de estudo da Academia Nacional de Ciências e Professor de direito e bioética na Universidade de Wisconsin-Madison.

 

Foto cedida por: Thinkstockphotos.com

 

Fonte: http://www.christianheadlines.com 

 


Cientista cristão quer comprovar relato bíblico sobre o dilúvio

O geólogo Andrew Snelling fará experimentos para comprovar que o dilúvio relatado na Bíblia aconteceu há menos de 6.000 anos e assim contrariar o evolucionismo.

 

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO BREAKIN ISRAEL NEWS

Postado EM 21/07/2017

  Dr. Andrew Snelling fará experimentos para comprovar que o dilúvio ocorreu há menos de 6.000 anos. (Foto: WORLD News Group) 

Após uma batalha judicial de quatro anos, um geólogo cristão recebeu permissão para coletar amostras do Grand Canyon, que ele espera provar que o dilúvio da história de Noé ocorreu há menos de 6.000 anos. O cientista ligado à organização criacionista 'Answers in Gênesis' ('Respostas no Gênesis') tem se empenhado em comprovar o tempo em que a inundação ocorreu - feito que poderá ser mais uma forte oposição à teoria do evolucionismo sobre a origem da terra.

O Dr. Andrew Snelling, geólogo-chefe da organização 'Answers in Genesis', planeja realizar os experimentos, com cerca de 50 a 60 pedras de aproximadamente 250 gramas do Parque Nacional do Grand Canyon, provando que o o local foi esculpido rapidamente durante o processo que ocorreu Como resultado do dilúvio global, durante o tempo relatado no Antigo Testamento sobre a história da 'Arca de Noé'.

Ao contrário da teoria de Snelling, a maioria dos geólogos acredita que o Grand Canyon foi o resultado de milhões de anos de erosão.

Snelling solicitou pela primeira vez uma autorização para coletar as amostras de rochas do Grand Canyon em 2013. Sua intenção era usar dados coletados das amostras para provar que o grande dilúvio relatada na Bíblia ocorreu há menos de 6.000 anos.

Os geólogos responsáveis pelo Parque negaram o pedido de Sneelling, alegando que não consideraram a proposta "cientificamente válida".

Snelling arquivou um processo de discriminação religiosa contra o Departamento do Estado dos Estados Unidos e as autoridades do Parque Nacional do Grand Canyon, citando a ordem executiva da administração Trump de 4 de maio de 2017, direcionando o governo a "reforçar vigorosamente as robustas proteções da lei federal à liberdade religiosa". Snelling Finalmente recebeu permissão na semana passada para coletar as amostras que precisava.

O relato bíblico sobre o dilúvio é tão fundamental para o criacionismo que a organização 'Respostas no Gênesis' construiu uma réplica em tamanho real da arca para ilustrar que era realmente possível preservar toda a gama de animais terrestres a bordo de uma maneira que permitiria que o mundo fosse repovoado Depois da inundação.

Mas aqueles que contrariam o relato bíblico apontam que a história do dilúvio é incompatível com a teoria da evolução, que afirma que a mutação é um processo lento, aleatório e, acima de tudo, longo, usando um grande grupo de espécies diferentes.

 


Historiador aposta que através da tecnologia os seres humanos se tornarão deuses

Yuval Noah Harari revela que empresas de tecnologia já estão trabalhando nisso

Por Francisco Jorge

Com informações de gospelprime

Postado em 13/07/2017

                    

Cerca de três meses atrás uma noticia intrigante foi publicada em alguns sites. Nela um historiador afirma que os seres humanos poderão tornar-se "algum tipo se ser divino".

Segundo ele, a próxima indústria a render bilhões de dólares não será um serviço ou produto, mas a tentativa de oferecer um “upgrade” aos seres humanos, revelou. Para ele, em breve os seres humanos terão acesso à tecnologia que lhes permitirá “transformar-se em deuses”.

Autor premiado, o historiador Yuval Noah Harari ficou conhecido no Brasil pelo livro “Sapiens: Uma breve história da Humanidade”. Ele fez uma série de previsões em seu best seller Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã.

“A maior indústria do século 21 provavelmente será a melhoraria dos seres humanos”, afirma Harari, que visualiza um futuro sombrio para a humanidade e “a ascensão da classe inútil”.

“Quando pensamos no futuro, geralmente pensamos em um mundo onde as pessoas são idênticas a nós, mas desfrutam de melhor tecnologia: armas a laser, robôs inteligentes e naves espaciais que viajam à velocidade da luz”, afirma.

Em seguida, revela que “No entanto, o potencial revolucionário das tecnologias futuras é mudar o próprio ser humano, incluindo nossos corpos e nossas mentes…  Os seres humanos vão se transformar em deuses”.

O historiador defende que os seres humanos vão adquirir habilidades, “que no passado eram consideradas divinas, como a juventude eterna, leitura da mente, e a capacidade de criar vida”.

Ele sublinha que embora essas ideias possam soar muito ambiciosas, retiradas de algum filme de ficção científica, as empresas gigantes da tecnologia já estão trabalhando para torná-lo realidade.

O Google, por exemplo, tem uma divisão que se concentra exclusivamente na “superação da morte”, enfatiza.  A singularidade, assunto já abordado em diversos livros e filmes, aposta que será possível fazer uma transferência da essência – ou alma – de uma pessoa para uma máquina, o que a faria, na prática, viver para sempre.

Harari explica a sua teoria “Eu acho que é provável que nos próximos 200 anos o Homo Sapiens vai fazer um upgrade em si mesmo para algum tipo se ser divino, seja através de manipulação biológica ou de engenharia genética e criação de ciborgues, parte orgânicos e parte não-orgânicos”. E continua: “Essa seria a maior evolução na biologia desde o surgimento da vida”.

Em uma projeção das próximas décadas, o conferencista da Universidade Hebraica de Jerusalém diz que os seres humanos mais avançados terão menos coisas para fazer durante o dia. Afinal, a maioria das tarefas será realizada por robôs e inteligência artificial. Eles então passarão a maior parte de suas vidas imersos na realidade virtual.

Além de seres humanos ‘melhorados’, Harari também acredita que a humanidade pode tornar-se “eternamente inútil” devido às capacidades crescentes de Inteligência Artificial.

Em entrevista recente, ele disse que há um lado sombrio nesse avanço da sociedade.  À medida que os seres humanos se tornam funcionalmente “inúteis”, podemos perder o “sentido de propósito”.

Ele antevê que, como nem todo mundo poderá arcar com os custos dessa atualização, haverá uma divisão que pode desencadear “velhas ideologias racistas”. Somente os ricos poderão viver para sempre com a ajuda da tecnologia, enquanto as camadas mais desfavorecidas da sociedade iriam continuar morrendo.

Levando tudo isso em consideração, ele pede que os seres humanos levem essa questão muito a sério. Ao invés de deixar o destino nas mãos dos cientistas, Harari defende que o assunto deveria ser parte da agenda política e que possamos, desde agora, ajudar a “decidir o rumo futuro da humanidade”.

Reportagem de Jarbas Aragão 

 


Os evolucionistas tentam nutrir a árvore de vida de Darwin

Postado em 26/06/2017

                  

(WNS) - Nos 158 anos desde que Charles Darwin desenvolveu a idéia de que todos os organismos vivos evoluíram de um antepassado comum, os cientistas tentaram sustentar a chamada teoria da "árvore da vida" contra os ventos predominantes da razão. Desde 1859, pouca evidência empírica apoiou o conceito, mas uma equipe de pesquisadores da Rutgers University pensa que a remodelação da árvore poderia ajudar a provar sua existência.

Os pesquisadores dizem que a árvore não dá a imagem completa da evolução porque mostra várias famílias de organismos como ramos independentes. Uma imagem melhor mostra como as formas de vida, como micróbios e seus anfitriões, estão ligadas fisicamente e evoluem juntas. "O objetivo é transformar uma árvore bidimensional em uma que é multidimensional e inclui interações biológicas entre espécies", disse o pesquisador Debashish Bhattacharya em um comunicado.

Mesmo que os pesquisadores desejem remodelar a árvore de Darwin, eles foram rápidos em defender seu campeão. "O que desejamos esclarecer claramente é que não estamos envolvidos em Darwin-bashing. Consideramos Darwin um herói da ciência ", disse Bhattacharya.

Mas o fracasso em dar aos micróbios o devido crédito não é o único problema que comeu as raízes da árvore de Darwin, disse Jonathan Wells, biólogo e autor. Mesmo em 2000, quando escreveu Zombie Science: More Icons of Evolution, houve muitos problemas científicos com o conceito de árvore de vida. "E agora, 17 anos depois, os problemas pioraram", disse Wells em um vídeo publicado no blog Evolution News e Science do Discovery Institute.

Parece que nenhuma remodelação da árvore pode superar suas dificuldades. Recentemente, a descoberta de genes órfãos, genes que não mostram descendência de um antepassado comum porque não têm semelhança com genes em outras espécies, começaram a cortar a árvore. A única maneira pela qual os cientistas podem continuar acreditando que a ilusão é simplesmente ignorar a existência de genes órfãos. Wells disse: "A razão pela qual recebemos uma árvore, em primeiro lugar é apenas porque assumimos desde logo que está lá".

 

Cortesia: WORLD News Service

 

Fonte: http://www.christianheadlines.com 

 


Arca de Noé comportaria 70 mil animais, diz estudo de Universidade Inglesa

Postado em 17/06/2017

         

 

Em 2015, estudantes do mestrado de Física e Astronomia da Universidade de Leicester, Inglaterra, fizeram um aprofundado estudo sobre as dimensões exatas da grande barca descrita no livro bíblico de Gênesis. Sua motivação era descobrir se uma construção tão grande e tão pesada poderia mesmo flutuar.

Deus instruiu Noé a construir uma arca com 300 côvados de comprimento por 50 de largura e 30 de altura. Mandou usar madeira de Gofer e revestir com pinche.

Os estudantes ingleses começaram tomando por base as medidas de côvado usadas pelos hebreus e egípcios. Estabeleceram uma média para tentar descobrir com exatidão o quanto ele mediria. Os hebreus adotavam a medida de 44,5 centímetros, enquanto que o dos egípcios tinha 52,3 centímetros. Os pesquisadores adotaram a média, ou seja, 48,2 centímetros.

arca de noe

Feita a multiplicação a partir desse referencial, concluíram que a Arca tinha 144,6 metros de comprimento por 14,1 m de altura e 24,1 m de largura. Isso seria semelhante ao tamanho dos grandes navios cargueiros que existem hoje, como Ark Royal.

Os pesquisadores dizem que Gofer poderia ser cedro, cipreste ou pinheiro. Para efeitos da pesquisa foi utilizado o cipreste, estimando que seria semelhante em densidade. O peso da arca vazia seria cerca de 1,2 milhão de quilos.

Pelas leis da física, para flutuar, um objeto precisa exercer uma força igual ao peso da água deslocada por ele. Portanto, a arca afundaria se sua densidade fosse maior que a da água ao seu redor.

O estudante Benjamin Jordan, 21, explica: “Usando as dimensões da Arca e a densidade da água, fomos capazes de calcular a força de empuxo. Isso, de acordo com o princípio de Arquimedes, é igual ao peso do volume de fluído deslocado pelo objeto”. “Não há dúvidas que o peso gravitacional superaria a força de empuxo, fazendo com que o ela não afundasse”

A pesquisa indicou que para abrigar todos os animais que a Bíblia pedia, seriam necessários 8.454 metros quadrados, com a capacidade de cerca de 34 metros cúbicos de espaço. Seria o equivalente a 445 vagões, ou 10 trens com 44 vagões cada.

Tendo um formato de “caixa”, poderia carregar 51 milhões de quilos, sem afundar. Isso seria o equivalente ao peso de 70 mil animais, levando em conta o tamanho e peso médio de cada espécie. Eles usaram esse referencial a partir de uma pesquisa anterior, a qual estima que havia cerca de 35 mil espécies de animais que precisariam ser salvos por Noé.

Presumindo que todas as espécies marinhas permaneceram no oceano, logo a arca acomodaria perfeitamente todas as espécies que existiam naquele tempo.

A conclusão dos estudantes ingleses é que um barco com essas dimensões e peso poderia, sim, flutuar. O estudante Thomas Morris, 22, esclarece “Não estamos tentando provar que ela realmente existiu, mas o que está relatado [na Bíblia] definitivamente funciona”.

 

Fonte: telegraph Via http://www.redefonte.com 

 

 


Cientistas descobrem evidências do milagre bíblico em que o sol parou

                            Resultado de imagem para imagens sobre josué sol detem-te

ISRAEL. - Cientistas israelenses descobriram provas  de um evento regidstrado na Bíblia que ocorreu há milhares de anos, conforme publicado Charima News. pesquisadores da universidade em Israel dizem que agora têm evidências  de que um evento milagroso escrito no livro de Josué certamente ocorreu.

Segundo a Bíblia, o sol se deteve, permitindo que Josué conduzisse os israelitas à vitória na Terra de Israel. cientistas israelenses concluíram, com base em novas pesquisas, que o evento realmente aconteceu, e até mesmo foram capazes de verificar a data e hora exata.

 


Físicos afirmam que a Bíblia lhes revelou como embalar nanopartículas

"Neste versículo são mencionadas todas as coisas que fizemos no laboratório", diz Mohammad Saadatfar, da Universidade Nacional da Austrália em Canberra.

Trad. Francisco Jorge

Postado em 16/05/2017

                                    

AUSTRÁLIA. - físicos australianos e matemáticos descobriram a maneira mais compacta para embalar nanopartículas em um versículo sobre a recompensa citado na Bíblia, conforme publicado na revista Nature Communications

O versículo é este: “dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.”, Lucas 6:38.

"Neste versículo é mencionado tudo o que fizemos no laboratório", diz Mohammad Saadatfar, da Universidade Nacional da Austrália, em Canberra. O físico reconhece que a Bíblia mostrou um dos principais problemas da matemática, física e química não resolvidos: como embalar os grãos de trigo ou de outras estruturas alongadas, de forma mais compacta.

Saadatfar e seus colegas decidiram averiguar por que não se pode espremer mais os grãos, estudando como embalar nanopartículas de poliacrilato. Os físicos encheram recipientes de diferentes tamanhos e formas - cilindros e tigelas esféricas e rectangulares- e as sacudiram utilizando geradores de vibração.

Ao examinar estas estruturas com raios-X e tomografia computadorizada, a equipe de Saadatfar descobriu que na verdade elas são organizados em conjuntos de cinco pirâmides, ligadas entre si  compostas por três nanopartículas. As estruturas deste tipo,segundo os físicos, não podem ser embalados de forma mais densa, se não forem convertidas em cristais cúbicos, e desta forma, inevitavelmente aparecem grandes poros e cavidades

"Não é tão fácil conseguir isto, uma vez que é necessário aplicar uma energia muito precisa para não destruir os cristais e, ao mesmo tempo, torná-los instáveis o suficiente para transformá-los em  estruturas cúbicas", diz o físico.

O Dr. Saadatfar ressaltou, também, que a solução para uma forma de embalagem mais rigorosa foi mencionado na Bíblia. “dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.”, "Este texto menciona todos os protocolos experimentais que usamos em laboratório: pressionar, agitar e derramar", disse Saadatfar. "Eu creio que os autores da Bíblia estabeleceram uma base da matemática nele."

Saadatfar disse que este conhecimento pode ser vital para construir arranha-céus na areia, entender como os grãos devem ser armazenados em silos ou como as subsâncias são armazenadas e distribuídas a a locais específicos no corpo.

 

Fonte: http://www.noticiacristiana.com

 


"A oração tem o poder de regenerar o cérebro", afirma médico cristão

Dr. Don Colbert tem se especializado em investigar cientificamente os efeitos da fé e da oração sobre a saúde humana e os resultados são surpreendentes.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO DR.COLBERT.COM

Postado em 19/05/2017

Dr. Don Colbert. (Imagem: CBN News)
Dr. Don Colbert. (Imagem: CBN News)

Se você tem o hábito de orar, saiba que os benefícios desta prática abrangem a aréa espiritual, psicológica e também fisiológica. É o que tem afirmado o Dr. Don Colbert, um médico cristão, especialista em tratamentos naturais para retardar o envelhecimento e grande pesquisador de assuntos relacionados à cura pela fé.

Segundo o médico escreveu em um de seus artigos, mesmo que os benefícios da oração estejam sendo comprovados por meio de diversas pesquisas recentes, a complexidade do efeito desta prática ainda sendo compreendida pela Ciência.

"Muitas pessoas fazem uso desta prática [oração] aprensentam benefícios psicológicos e espirituais, como uma sensação de maior clareza, propósito, gratidão, senso de conexão, e bem-estar geral", explicou.

"No entanto", acrescentou, "os tipos de tese de benefícios subjetivos podem ser difíceis de medir cientificamente".

Falando sobre as pesquisas já concluídas sobre o assunto, Dr. Colbert citou um estudo, destacando que a oração acaba sendo a esperança para muitas pessoas que enfrentam doenças graves.

"Um estudo da Universidade de Rochester descobriu que 85% das pessoas que lidam com uma doença grave buscam ajuda na oração", explicou.

"Isso mostra que uma oração não é apenas um fenômeno cultural, mas um aspecto fundamental da experiência humana. No entanto, muitas pessoas ainda lutam para conciliar o poder da oração a uma visão de mundo científica", reconheceu o médico.


Orar faz bem à saúde
Continuando seu raciocínio, Dr. Colbert apontou outro médico, pesquisador e escritor que também reforça a tese da influência da oração sobre a saúde humana.

"Dr. Harold G. Koenig, da Universidade de 'Duke', autor de vários livros sobre fé e cura, diz que 'os estudos têm mostrado uma oração pode impedir que as pessoas adoeçam - e quando adoecem, a oração pode acelerar o seu processo de cura", citou.

Então, como é que isso acontece? Para explicar melhor este efeito da oração sobre a enfermidade ou até mesmo como uma prevenção, Colbert citou resultados de estudos do Dr. Herbert Benson, epecialista cardiovascular de Harvard, que explica a reação do corpo durante uma oração.

"Dr. Herbert Benson descobriu o que é chamado de 'resposta de relaxamento'. Este é o estado fisiológico que ocorre durante uma oração, envolvendo o sistema nervoso autônomo (automático), que muda ao longo de um o estado dominante parassimpático (responsável por descansar), ao contrário do estado do sistema nervoso simpático (responsável por sensações de luta, tensão), o qual maioria de nós passa a maior parte do dia", explicou.

"O ato da oração tem aumentado a produção de muitos neurotransmissores bem úteis, como a dopamina, que ajuda a promover um estado de relaxamento, foco, motivação e bem-estar", acrescentou Colbert.

Mas para quem pensa que os efeitos da oração sobre o corpo humano se limitam ao relaxamento, ainda há mais a aprender sobre isso.

"A oração pode ter um efeito a longo prazo positivo, chegando realmente a reprogramar e reconstruir o cérebro", afirmou o médico cristão.

Colbert explicou que estes efeitos já estão sendo comprovados por pesquisadores ao fazerem buscas mais minuciosas no cérebro humano.

"Podendo fazer uma varredura do cérebro, usando ressonância magnética (MRI), os pesquisadores têm conseguido observar mudanças fisiológicas que ocorrem nos cérebros daqueles que oram regularmente", explicou.

Colbert citou uma pesquisa desenvolvida por Lisa Miller, professora e diretora da Clínica de Psicologia e diretora do 'Instituto de Espiritualidade para o Corpo e a Mente', na Universidade de Columbia. Ela conduziu um estudo com 103 pessoas que estavam em um alto risco de depressão.

"Usando ressonância magnética, ela descobriu que os que têm o hábito de orar, tendem a ter um córtex cerebral mais espesso, o que é associado a um menor risco de depressão e ansiedade", explicou o médico.

Em seu artigo, Colbert ainda destacou um estudo de uma revista norte-americana, que destacou que a oração também é um forte "antídoto" contra as desordens psíquicas

"De acordo com um estudo publicado na revista 'Sociology of Religion' ('Sociologia da Religião') intitulado 'Oração, apego a Deus e sintomas de desordens entre os americanos', descobriu-se que aqueles (entre os 1,714 pacientes estudados) que tinham uma concepção sobre Deus como alguém associado ao amor e proteção, passaram por uma redução mais notável nos sintomas de ansiedade, comparados com os outros pacientes", explicou o médico.


Uma oração por dia mantém o médico longe
Dr. Colbert finalizou seu artigo, afirmando que se antes havia desconfianças com relação à oração (por parecer algo místico demais para os céticos), agora não há mais motivos para deixar de orar diariamente.

"Com tantos benefícios nos níveis físicos, psicológicos e espirituais, não há razão para deixar orar e/ou meditar todos os dias", afirmou Colbert.

O médico também explicou que o momento do dia separado para a oração faz a diferença na eficácia de todos estes benefícios. Porém reconheceu que a oração, sempre será benéfica de alguma forma.

"Os melhores momentos do dia são o começo da manhã e logo antes de dormir. No entanto, isto não quer dizer que você não possa orar no caminho para o trabalho, na fila do supermercado, sentado na sala de espera do consultório do médico ou antes das refeições", acrescentou.

"Que sejam 30 segundos De oração, reconhecendo o amor Deus e dando graças por todas como bênçãos em sua vida... Isso pode ter um efeito poderoso sobre o seu corpo, sua mente e seu espírito. Então, o que você acha? Se sente inspirado para revigorar o hábito da oração em sua vida?", finalizou o médico convidando a todos para desenvolver o hábito da oração.

 

  


                        A ciência confirma a Bíblia, ou não?

Por Shane Idleman

Postado em 12/05/2017

                           

A uniformidade, a consistência, a estabilidade e a harmonia do universo declaram que existe um Criador.O equívoco de que a fé e o intelecto devem permanecer separados plantou sementes de dúvida na mente de muitos.

"No princípio criou Deus os céus ea terra" (Gênesis 1: 1).A ciência ensina que tempo, espaço e matéria devem ocorrer simultaneamente - Gênesis confirma isso.

O ajuste delicado do universo é impossível sem um Criador - a partir da distância perfeita entre o sol e a terra, em 93 milhões de milhas, às atmosferas em perfeito equilíbrio, vemos que apenas um Designer poderia projetar uma estrutura tão complexa para produzir e sustentar vida.

Esta informação foi tirada de um debate recente sobre este tema.

 

Richard Dawkins, um biólogo evolucionista em Oxford, fez a seguinte declaração: "O fato de que a vida evoluiu de literalmente nada, cerca de 10 bilhões de anos depois que o universo evoluiu literalmente a partir do nada - é um fato tão chocante que eu seria louco se procurasse Palavras para justificar ". Mas é exatamente isso que fazemos quando tentamos explicar Deus.A Bíblia diz que a idade da terra não são bilhões de anos.Acrescentar bilhões de anos não é a varinha mágica que destrava a chave para a evolução.

Antony Flew (1923-2010) já foi o ateu o mais famoso do mundo.Mas em 2004 ele chocou o mundo - ele deixou o ateísmo: "A complexidade integrada da própria vida - que é muito mais complexa do que o Universo físico - só pode ser explicada em termos de uma Fonte Inteligente". Ele continuou dizendo que o Cristianismo é O argumento mais persuasivo.Em suma, deve haver um Criador.
A evolução não é um fato;É uma teoria.Charles Darwin, o principal proponente da evolução, disse basicamente: "Acho que foi isso que aconteceu", quando escreveu sobre a origem das espécies.Mesmo que não haja apoio fóssil, confirmação de DNA ou qualquer evidência física em qualquer lugar, é ensinado em nosso sistema escolar como fato e a criação é vista como um mito.Como irônico - uma teoria sem evidência é ensinada como fato, e uma explicação da criação (apoiada pela ciência) é ensinada como um mito.

Na verdade, é preciso mais "fé" para acreditar que tudo veio do nada.Além disso, a ciência da Biogênese desacredita a evolução.Diz que os seres vivos vêm de outros seres vivos, respondendo assim à antiga pergunta: "O que veio primeiro, a galinha ou o ovo?" De acordo com a ciência da Biogênese e da Palavra de Deus, o frango fez.

É por isso que muitos cientistas da NASA Langley centro de pesquisa, bem como os doutores de Harvard, Princeton, Yale, e assim por diante, todos assinaram uma declaração que disse o seguinte, "Estamos céticos sobre as alegações para a capacidade de mutações aleatórias e seleção natural Para explicar a complexidade da vida.Um exame cuidadoso das evidências para a teoria darwiniana deve ser encorajado. "Veja mais em http://www.dissentfromdarwin.org/.

O cristianismo olha para a evidência, compara-a com a ciência e confirma-a com a verdade de Deus.Jó disse que a terra flutua livre no espaço.Isaías declarou que a terra é uma esfera.Hebreus fala sobre pequenas partículas invisíveis que aparecem na criação da vida.Levítico nos encoraja a lavar com água corrente para prevenir a doença e que a vida do corpo está no sangue.Jó sabia que as fontes estavam no fundo do oceano.Gênesis revelou que nossos corpos são feitos a partir da terra (28 base e oligoelementos).Salmos menciona a 2ª Lei da Termodinâmica - "O universo perecerá;Jeremias disse que as estrelas são inúmeras, mas os cientistas já em 1600 disseram que existem cerca de 1.005.

Deus disse: "Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança".O DNA humano tem 3 bilhões de letras em cada célula mostrando como construir a vida.Você pegou isso?Trilhões de células contêm cada uma o plano de vida no núcleo da célula.Cada plano de 3 bilhões de letras é como ter 12 conjuntos de A Enciclopédia Britânica em cada célula.Inacreditável!Isso não poderia simplesmente acontecer por acaso.A chance de tinta caindo de um cartucho e escrever este artigo são milhões de vezes mais provável do que a vida se formando por conta própria.

A probabilidade de a vida acontecer sozinha é imensurável.Por exemplo, os raios de luz entram em nosso olho através da córnea que dobra os raios de luz para passar através da pupila.A íris, em seguida, funciona como um obturador em uma câmera - ampliação, encolhimento, focalização, etc Isso não pode acontecer por conta própria.Charles Darwin disse: "Supor que o olho ... poderia ter sido formado pela seleção natural, parece, eu confesso, francamente, absurdo no mais alto grau." Ele continua e "tenta" explicar como isso aconteceu através da evolução.

Pense nisso: O esperma encontra o óvulo.Uma única célula nasce (vida na concepção).O DNA do pai e da mãe começam a trabalhar juntos - os ossos e os músculos se formam para proteger os órgãos vitais - o coração, os rins e o fígado começam a se formar simultaneamente.O sistema neurológico é formado e começa a se conectar ao cérebro.O processo de pensamento começa e os cinco sentidos são ativados.A vida é incrível - é verdadeiramente um presente de um Criador.Salmo 139: 13, "Pois tu [Deus] formaste as minhas partes interiores;Você [Deus] me uniu no ventre de minha mãe. "

Então sim, a ciência confirma, verifica e apóia a Bíblia.Mas como as pessoas podem olhar as mesmas evidências e chegar a conclusões diferentes?É uma questão de coração.Muitos "adoram a criatura ao invés do Criador" (Romanos 

Não há desculpas para rejeitar a Deus.Ele usa a convicção, a Palavra, livros, artigos, blogs, amigos, pastores, professores e pregadores para divulgar Sua mensagem de amor e graça, arrependimento e salvação.

Romanos 1: 18-20 nos diz que "não temos desculpa" porque os atributos de Deus são claramente vistos.Não deixe isso desanimá-lo, "Maior é Aquele que está em você do que aquele que está no mundo" (1 João 4: 4).Desça para os braços do Deus da restauração e do perdão.Jesus disse em Marcos 10:15: "Em verdade vos digo que todo aquele que não receber o reino de Deus como uma criança, de modo algum entrará nele." Receba-o hoje e seja e experimente uma tremenda paz e esperança - Do ateu ao adúltero, e do viciado ao arrogante - não é tarde demais.Volte-se para Ele hoje.

 

Fonte: http://mychristiandaily.com 

 


Filósofo cristão prova que Deus não está morto e recebe prêmio acadêmico

Alvin Plantinga é reconhecido como "o principal filósofo protestante dos Estados Unidos" e tem desempenhado um papel importante no cenário acadêmico ao representar os cristãos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIANITY TODAY

Alvin é ex-presidente da Sociedade de Filósofos Cristãos e da Associação Filosófica Americana. (Foto: Reprodução).Alvin é ex-presidente da Sociedade de Filósofos Cristãos e da Associação Filosófica Americana. (Foto: Reprodução).

Este homem trouxe de volta a crença em Deus ao estudo da filosofia e por isso recebeu o Prêmio Templeton 2017. O filósofo cristão Alvin Plantinga, de 84 anos, é o último de uma linha de religiosos que foram homenageados por suas contribuições espirituais para o mundo, incluindo Billy Graham, Chuck Colson e Bill Bright.

Alvin é professor de filosofia na Calvin College e na Universidade de Notre Dame. Ele remodelou o lado espiritual de sua disciplina, insistindo que os filósofos cristãos podem permitir que suas convicções conduzam o trabalho acadêmico.

"Plantinga reconheceu que não só a crença religiosa não entra em conflito com o trabalho filosófico sério, mas que é possível fazer contribuições cruciais para resolver problemas perenes na filosofia", disse Heather Templeton Dill, presidente da John Templeton Foundation, que concedeu o prêmio de 1,4 milhão de dólares (o equivalente a 4,4 milhões de reais).

Grandes Contribuições

Começando no final dos anos 50, Alvin contrapôs a suposição acadêmica de que a fé não tinha um lugar no campo. Ao longo de décadas de estudos, ele revolucionou como as pessoas vêem a relação entre religião e filosofia. O artigo de 1984 de Alvin, "Aconselhamento aos filósofos cristãos", moldou três gerações de cristãos, assim como filósofos religiosos em todas as tradições.

Alvin recebeu elogios "pelo seu trabalho na filosofia da religião, da epistemologia, da metafísica e da apologética cristã". Desde 2000, ele focou seu estudo sobre a compatibilidade entre a crença religiosa e a ciência. Entre suas obras, destaca-se “Deus e outras mentes: um estudo da justificação racional da crença em Deus” (1967), que levou a um renascimento da filosofia cristã e teísmo na academia americana, como relatado em uma matéria de 2008 publicada por William Lane Craig.

Reconhecido como "o principal filósofo protestante ortodoxo dos Estados Unidos" ​​ou mesmo "o maior filósofo do século XX", Alvin explica que o livre-arbítrio "é agora quase universalmente reconhecido como tendo posto o problema lógico do mal contra o teísmo". Sua "Trilogia de Ordem" explora a racionalidade e a justificação de acreditar em Deus.

John G. Stackhouse, professor da Regent College, descreveu o profundo impacto de Alvin ao defender a fé contra as críticas comuns do dia (algo que ele continua a fazer nos últimos anos).

Alvin, então, estabeleceu as bases intelectuais para que os cristãos continuem a acreditar em Deus, e particularmente o Deus da histórica, diante dos dois desafios filosóficos mais assustadores deste século. Ele fez isso, no entanto, de forma distinta do século XX. Ele não ofereceu uma teodicéia, ou seja, uma explicação de como Deus, de fato, dirige o mundo. Tudo o que Alvin fez foi mostrar que não é contraditório acreditar que Deus é bom, que Deus é todo-poderoso e que o mal ainda existe.

Em resposta a premiação que recebeu, Alvin observou que ficaria satisfeito se seu trabalho tivesse desempenhado um papel na transformação do campo da filosofia nas últimas décadas. Ele que é ex-presidente da Sociedade de Filósofos Cristãos e da Associação Filosófica Americana, disse que espera que sua homenagem "incentive jovens filósofos, especialmente aqueles que trazem perspectivas cristãs e teístas para o trabalho, para uma maior criatividade, integridade e ousadia", concluiu.

 

Fonte: http://guiame.com.br 

 


Ciência não é Deus, então por que tantas pessoas continuam tentando transformá-lo em uma religião?

Marchers advance toward City Hall during the March for Science Los Angeles
Os marchantes avançam em direção à Câmara Municipal durante a Marcha pela Ciência Los Angeles. ( REUTERS / Kyle Grillot )

Este artigo é susceptível de obter um monte de pessoas lá fora, bastante irritado. Em nosso mundo de hoje, muitos se convenceram de que a ciência tem todas as respostas para as questões mais importantes da humanidade, e aqueles que questionam os sumos sacerdotes dessa nova religião (cientistas) são freqüentemente acusados ​​de uma forma de "blasfêmia".

Vimos isso claramente em exibição no último sábado, quando os manifestantes se reuniram em Washington DC e em cerca de 600 outras cidades em todo o mundo para "a Marcha da Ciência ". Aqueles de nós que são céticos e que não necessariamente compram na ortodoxia científica do dia foram acusados ​​de "ignorar fatos" e sendo "negadores do clima" por vários oradores nesses protestos. Mas, é claro, a verdade é que as teorias científicas sempre estiveram em fluxo ao longo da história, e isso continuará a ser o caso com o passar do tempo.

Mas nos últimos anos, muitos na comunidade científica elevaram a "teoria" ao mesmo nível do "fato", e aqueles que se atrevem a questionar as teorias mais estimadas do sacerdócio científico são muitas vezes perseguidos grandemente.

Eu estudei as evidências científicas que ambos os lados produziram e fiquei inteiramente convencido de que a mudança climática não é causada principalmente pela atividade humana. Isso me faz um "herege" de acordo com esses zelotes da ciência?

De acordo com alguns dos adeptos mais radicais do "cientificismo", deveria ser um crime negar que a mudança climática provocada pelo homem esteja acontecendo, e aqueles que o fizerem devem ser colocados na prisão.

Mas como advogado, fui treinado para ser cético e para considerar a evidência em ambos os lados. E para mim, a evidência parece bastante claro que a atividade solar e outros fatores têm muito mais a ver com o nosso clima em mudança do que a atividade humana faz.

Pensar por mim mesmo me faz "mal"?

Espanta-me que tantos "mentes científicas" estão rotulando o dióxido de carbono como um poluente.

Sabe o que aconteceria se nos livrássemos de todo o dióxido de carbono de todo o planeta?

Cada planta morreria, e toda a vida na Terra deixaria de existir pouco tempo depois.

Então, por favor, não tente me dizer que o dióxido de carbono é um poluente.

De fato, houve momentos na história de nosso planeta quando os níveis de dióxido de carbono eram muito, muito mais altos do que são hoje, eo mundo obviamente não terminou.

O clima deste planeta sempre mudou, e sempre estará mudando, e não há quase nada que a humanidade possa fazer para parar esse processo.

Se essa declaração ofender você, que é OK, porque a livre troca de idéias é saudável para o debate científico.

Essa é uma razão pela qual estou tão alarmado com a retórica que vem de alguns desses fanáticos científicos que parecem estar absolutamente determinados a silenciar todos que discordam deles.

Um dos "sumos sacerdotes" desta nova religião é "Bill Nye, o Cara da Ciência". Ele só tem um BS em engenharia mecânica, e ele é mais conhecido por hospedar um show infantil ridícula na década de 90, mas hoje ele é tratado como uma estrela do rock por aqueles que abraçaram o "cientismo".

Só porque você foi na televisão muito não faz de você um "especialista" em nada.

Uma das coisas que Bill Nye é mais conhecido por sua defesa ardente da teoria da evolução.

Pessoalmente, eu não entendo como alguém pode possivelmente acreditar que os homens vieram de macacos, mas, infelizmente, há milhões de pessoas lá fora, que foram lavados o cérebro em acreditar nessas tolices.

Para terminar este artigo, eu gostaria de compartilhar com vocês uma lista de 44 razões pelas quais a teoria da evolução não é verdadeira que eu incluí em um artigo anterior . Se você usar um pouco de senso comum, é fácil ver que o que Bill Nye e outros estão dizendo simplesmente não pode ser a verdade.

1, Se a teoria da evolução fosse verdadeira, deveríamos ter descoberto milhões e milhões de fósseis de transição que mostram o desenvolvimento de uma espécie em outra espécie. Em vez disso, temos zero.

2. Quando Charles Darwin elaborou sua teoria, ele admitiu que não havia formas transitórias naquela época, mas acreditava que existiam números enormes e eventualmente seriam descobertos .

3. Até mesmo alguns dos mais famosos evolucionistas do mundo reconhecem a completa ausência de fósseis de transição no registro fóssil. Por exemplo, o Dr. Colin Patterson, antigo paleontólogo sênior do Museu Britânico de História Natural e autor de " Evolution" escreveu uma vez o seguinte :

"Eu concordo plenamente com seus comentários sobre a falta de ilustração direta das transições evolucionárias em meu livro.Se eu soubesse de qualquer, fóssil ou vivo, eu certamente teria incluído eles .... Vou colocá-lo na linha-há Não um desses fósseis para o qual se poderia fazer um argumento estanque. "

4. Stephen Jay Gould, professor de geologia e paleontologia na Universidade de Harvard, uma vez escreveu o seguinte sobre a falta de formas de transição ...

"A ausência de evidências fósseis de estágios intermediários entre grandes transições no design orgânico, de fato nossa incapacidade, mesmo em nossa imaginação, de construir intermediários funcionais em muitos casos, tem sido um problema persistente e persistente para relatos gradualistas da evolução".

5. O evolucionista Stephen M. Stanley da Universidade Johns Hopkins também comentou sobre a impressionante falta de formas de transição no registro fóssil ...

"De fato, o registro fóssil não documenta de forma convincente uma única transição de uma espécie para outra."

6. Se a evolução estivesse acontecendo agora, haveria milhões de criaturas lá fora com características e órgãos parcialmente desenvolvidos. Mas, em vez disso, não há nenhuma.

7. Se a teoria da evolução fosse verdadeira, não deveríamos ver uma explosão súbita de vida complexa totalmente formada no registro fóssil. Em vez disso, é exatamente isso que encontramos.

8. O paleontologista Mark Czarnecki, um evolucionista, comentou uma vez o fato de que a vida complexa aparece de repente no registro fóssil:

"Um grande problema em provar a teoria foi o registro fóssil, as impressões de espécies desaparecidas preservadas nas formações geológicas da Terra.Este registro nunca revelou vestígios das variantes hipotéticas intermediárias de Darwin - em vez disso, as espécies aparecem e desaparecem abruptamente, e esta anomalia tem Alimentou o argumento criacionista de que cada espécie foi criada por Deus ".

9. O aparecimento repentino de vida complexa no registro fóssil é tão inegável que até mesmo Richard Dawkins foi forçado a admiti-lo:

É como se fossem [fósseis] simplesmente plantados lá, sem qualquer história evolutiva. Escusado será dizer que essa aparência de plantio súbito encantou os criacionistas. Ambas as escolas de pensamento (pontuacionistas e graduais) desprezam os chamados criacionistas científicos igualmente, e ambos concordam que as lacunas principais são reais, que são verdadeiras imperfeições no registro fóssil. A única explicação alternativa do aparecimento súbito de tantos tipos de animais complexos na era cambriana é a criação divina, e ambos rejeitam essa alternativa.

10. Ninguém jamais observou a macroevolução acontecer no laboratório ou na natureza. Em outras palavras, ninguém jamais observou um tipo de criatura se transformar em outro tipo de criatura. Toda a teoria da evolução é baseada na fé cega.

11. O evolucionista Jeffrey Schwartz, professor de antropologia da Universidade de Pittsburgh, admite abertamente que " a formação de uma nova espécie, por qualquer mecanismo, nunca foi observada " .

12 Mesmo o evolucionista Stephen J. Gould da Universidade de Harvard admitiu que o registro mostra que as espécies não mudam. O seguinte é como ele colocou durante uma palestra em Hobart & William Smith College ...

"Todos os paleontólogos sabem que a maioria das espécies não muda, isso é incômodo ... traz terrível aflição ... Eles podem ficar um pouco maiores ou mais chatos, mas eles continuam a ser a mesma espécie, e isso não é devido a imperfeições e lacunas, mas Estase, e, no entanto, essa estase notável tem sido geralmente ignorada como nenhum dado, se eles não mudam, não é evolução, então você não fala sobre isso ".

13. Quem acredita que a teoria da evolução tem "origens científicas" está se enganando. Na verdade, é uma filosofia religiosa profundamente pagã que pode ser rastreada por milhares de anos.

14. Qualquer coisa que cavar que é supostamente mais de 250.000 anos de idade deve ter absolutamente nenhum radiocarbono detectável nele qualquer. Mas, em vez disso, encontramos tudo em que cavamos, até os ossos de dinossauros. Esta é uma evidência clara de que a teoria dos "milhões de anos" é simplesmente um monte de disparates :

Sabe-se há muito tempo que o radiocarbono (que deve desaparecer em apenas algumas dezenas de milhares de anos no máximo) continua a surgir de forma fiável em amostras (como carvão, petróleo, gás, etc.) que se supõe serem "milhões de anos" velho. Por exemplo, ao longo dos anos, a CMI encomendou e financiou o teste de radiocarbono de uma série de amostras de madeira de locais "antigos" (por exemplo, com fósseis jurássicos, dentro de arenito triássico, queimado por basalto terciário) Andrew Snelling) na revista Creation e Journal of Creation . Em cada caso, com a contaminação eliminada, o resultado foi nos milhares de anos, ou seja, C-14 estava presente quando "não deveria ter sido". Estes resultados encorajaram o restante da equipe RATE a investigar C-14 mais adiante, baseando-se nas revisões de literatura do Dr. Paul Giem, MD criacionista.

Em outro artigo muito importante apresentado na CCI deste ano, os cientistas do grupo RATE resumiram os fatos pertinentes e apresentaram dados experimentais adicionais. A linha de fundo é que praticamente todos os espécimes biológicos, não importa quão "velho" eles são supostos ser, mostram níveis C-14 mensuráveis. Isso efetivamente limita a idade de toda a biota enterrada a menos que (no máximo) 250.000 anos.

15. As chances de até mesmo uma única venda "se reunir" por acaso são tão baixas que nem sequer vale a pena falar. Você pode ler o livro de Jonathan Gray intitulado The Forbidden Secret para mais informações.

16. Como a vida aprende a se reproduzir? Esta é uma questão que os evolucionistas não têm uma resposta para.

17. Em 2007, os pescadores pegaram uma criatura muito rara conhecida como Coelacanth. Os evolucionistas originalmente nos disseram que esse "fóssil vivo" havia desaparecido há 70 milhões de anos. Acontece que eles estavam apenas fora por 70 milhões de anos.

18. De acordo com os evolucionistas, o antigo Damselfly Greenling passado apareceu no registro fóssil cerca de 300 milhões de anos atrás . Mas ainda existe hoje. Então, por que não evoluiu em todo esse prazo?

19. Os darwinistas acreditam que o cérebro humano desenvolveu-se sem a ajuda de qualquer designer. Isso é tão risível que é incrível que existem pessoas lá fora que ainda acreditam nisso. A verdade é que o cérebro humano é incrivelmente complexo. O seguinte é como um documentário da PBS descreveu a complexidade do cérebro humano : "Ele contém mais de 100 bilhões de células, cada uma com mais de 50.000 conexões de neurônios com outras células cerebrais".

20. O seguinte é como um evolucionista pessimisticamente avaliou a falta de evidências para a evolução da humanidade:

"Mesmo com dados de seqüência de DNA, não temos acesso direto aos processos de evolução, de modo que a reconstrução objetiva do passado desaparecido só pode ser alcançada pela imaginação criativa".

21. Talvez o fóssil mais famoso na história da teoria da evolução, "Homem Piltdown", acabou por ser uma farsa gigante .

22. Se o nêutron não fosse cerca de 1.001 vezes a massa do próton, todos os prótons teriam decaído em nêutrons ou todos os nêutrons teriam decaído em prótons e, portanto, a vida não seria possível. Como podemos explicar isso?

23. Se a gravidade fosse mais forte ou mais fraca pelas margens mais magras, então estrelas que sustentam a vida como o sol não poderiam existir. Isso também tornaria a vida impossível. Como podemos explicar isso?

24. Por que o evolucionista Dr. Lyall Watson fez a seguinte declaração ?

"Os fósseis que decoram a nossa árvore genealógica são tão escassos que ainda há mais cientistas do que espécimes.O fato notável é que todas as evidências físicas que temos para a evolução humana ainda podem ser colocadas, com espaço para poupar, dentro de um único caixão! "

25. Os macacos e os seres humanos são muito diferentes geneticamente. Como DarwinConspiracy.com explica, "o cromossomo Y humano tem duas vezes mais genes do que o cromossomo Y do chimpanzé, e as estruturas cromossômicas não são nada semelhantes".

26. Como podemos explicar a criação de novas informações que são necessárias para que um animal se transforme em outro animal? Nenhum processo evolutivo mostrou ser capaz de criar novas informações biológicas. Um cientista descreveu a incrível quantidade de novas informações que seriam necessárias para transformar os micróbios em homens desta forma .

27. Os evolucionistas queriam que acreditássemos que havia camadas fósseis agradáveis, com fósseis mais antigos sendo encontrados nas camadas mais profundas e fósseis mais novos encontrados nas camadas mais recentes. Isso simplesmente não é verdade .

28. Os evolucionistas acreditam que os ancestrais das aves desenvolveram ossos ocos ao longo de milhares de gerações, de modo que, eventualmente, seriam suficientemente leves para voar. Isso faz absolutamente nenhum sentido e está além ridículo.

29. Se os dinossauros são realmente dezenas de milhões de anos, por que os cientistas encontraram ossos de dinossauro com tecido mole ainda neles? Basta ler este relatório da NBC News sobre uma dessas descobertas.

30. O que evoluiu primeiro: o sangue, o coração ou os vasos sangüíneos para o sangue percorrer?

31. O que evoluiu primeiro: a boca, o estômago, os fluidos digestivos, ou a capacidade de cocô?

32. O que evoluiu primeiro: a traquéia, os pulmões ou a capacidade do corpo de usar oxigênio?

3.3 O que evoluiu primeiro: os ossos, ligamentos, tendões, suprimento de sangue ou os músculos para mover os ossos?

Para que o sangue coagule, mais de 20 etapas complexas precisam ser concluídas com sucesso. Como no mundo esse processo eventualmente evoluiu?

35. O DNA é tão incrivelmente complexo que é absolutamente absurdo sugerir que tal sistema de linguagem poderia ter "evoluído" por si só por acidente.

36. Você pode resolver o seguinte enigma de Perry Marshall? ...

1. O DNA não é meramente uma molécula com um padrão; É um código, uma linguagem e um mecanismo de armazenamento de informações.

2. Todos os códigos são criados por uma mente consciente; Não há nenhum processo natural conhecido pela ciência que cria informações codificadas.

3. Portanto, o DNA foi projetado por uma mente.

Se você pode fornecer um exemplo empírico de um código ou linguagem que ocorre naturalmente, você derrubou minha prova. Tudo que você precisa é um.

37. Os evolucionistas simplesmente não conseguem explicar por que nosso planeta é tão perfeitamente adequado para sustentar a vida.

38. As conchas de caracóis vivos foram "datadas com carbono" com 27.000 anos de idade .

39. Se os seres humanos têm estado por perto por tanto tempo, onde estão todos os ossos e todas as sepulturas? Basta verificar este trecho de um artigo de Don Batten .

40. Os evolucionistas afirmam que só porque parece que fomos projetados, isso não significa que realmente estivéssemos. Eles costumam falar da "ilusão de design", mas isso é como dizer que é uma "ilusão" que um avião 747 ou um iPhone da Apple foram projetados. E, claro, o corpo humano é muito mais complexo que um 747 ou um iPhone.

41. Se você quiser fazer parte da "comunidade científica" hoje, você deve aceitar a teoria da evolução, por mais absurdo que possa parecer a você. Richard Lewontin de Harvard fez uma vez o seguinte comentário a respeito desta dura realidade:

Nós tomamos o lado da ciência apesar do absurdo patente de algumas de suas construções, ... apesar da tolerância da comunidade científica para o compromisso não fundamentado com o materialismo. ... somos forçados pela nossa adesão a priori a causas materiais para criar um aparato de investigação e um conjunto de conceitos que produzam explicações materiais, por mais antiintuitivas, por mais mistificadoras que sejam para os não-iniciados. Além disso, esse materialismo é absoluto, pois não podemos permitir que um Pé Divino fique na porta.

42. A revista Time fez uma vez a seguinte declaração sobre a falta de evidências para a teoria da evolução ...

Contudo, apesar de mais de um século de escavação, o registro fóssil permanece maddeningly escassa.Com tão poucas pistas, mesmo um único osso que não se encaixam na imagem pode perturbar tudo.Virtualmente cada descoberta importante colocou fissuras profundas na sabedoria convencional E forçou os cientistas a inventar novas teorias, em meio a um debate furioso ".

43. Malcolm Muggeridge, o mundialmente famoso jornalista e filósofo, fez uma vez a seguinte declaração sobre o absurdo da teoria da evolução:

"Eu mesmo estou convencido de que a teoria da evolução, especialmente a extensão em que ela foi aplicada, será uma das grandes piadas dos livros de história do futuro." A posteridade se maravilhará de que uma hipótese tão frágil e duvidosa possa ser aceita com A incrível credulidade que tem ".

Para acreditar na teoria da evolução, você deve ter fé cega suficiente para acreditar que a vida acabou de surgir da não-vida, e que tal vida acabou por ter a capacidade de absorver o alimento de que necessitava, de expulsar o desperdício E para reproduzir-se, enquanto tendo tudo o que precisava para sobreviver no ambiente em que de repente se encontrou. Você tem tanta fé cega?

Então, o que você acredita sobre a origem da vida?

 

Fonte: http://www.charismanews.com 

 


Podemos clonar Jesus? Cientistas podem estar se aproximando do DNA de Cristo

O History Channel mostrou o ambicioso projeto da equipe de Busby no documentário "Jesus Strand". Nele pode-se ver que a sua proposta é apoiada por outros cientistas.

Por Francisco Jorge Com informações de metro  

Postado em 19/04/2017

         Could we clone Jesus? Scientists are closing in on the DNA of Christ


O History Channel mostrou o ambicioso projeto da equipe de Busby no documentário "Jesus Strand". Nele pode-se ver que a sua proposta é apoiada por outros cientistas.


Mesmo diante do fato de que ninguém até o momento clonou um ser humano, fontes não identificadas têm afirmado que a clonagem de Jesus Cristo, o Filho de Deus, está muito próxima.
A idéia de se fazer um clone de Jesus Cristo foi proposta várias vezes desde que os procedimentos de clonagem foram bem sucedidos. Alguns sugeriram tentar fazê-lo a partir do DNA encontrado no Santo Sudário de Turim, algo rejeitado pela Igreja Católica como a guardiã do material. A última proposta vem de George Busby, da Universidade de Oxford, na Inglaterra
Recentemente foi publicado um artigo na revista "The Conversation", que mostra que os cientistas estão muito perto de encontrar amostras de DNA de Jesus Cristo. Assim, seria possível clonar o seu material genético. A fonte usada para a comparação seria a descoberta de um esqueleto pertencia a Juan el Bautista, primo de Jesus. arqueólogos búlgaros Kazimir Popkonstantinov e Rossina Kostova dizem ter encontrado parte do esqueleto durante uma escavação em uma antiga igreja Sveti Ivan, uma ilha no Mar Negro.

Mas será que podemos chegar ao DNA do Messias?
George Busby da Universidade de Oxford trabalhou em um documentário do Chanel History chamado 'The Jesus Strand', que estreia em abril. Escrevendo para The Conversation, Busby disse: 'Em 2010, Kasimir Popkonstantinov descobriu o que ele acredita ser os ossos de um dos mais famosos de todos os santos: João Batista. Eu estava interessado no que a análise de DNA poderia nos dizer sobre esses ossos, e outros. "Quando Kasimir mais tarde abriu o relicário, ele encontrou cinco fragmentos de osso. O epitáfio na caixa menor, provavelmente usado para transportar os ossos durante a viagem, foi a peça chave de evidência que o levou a acreditar que os ossos talvez pudessem ser os de João Batista.

"A descoberta é extremamente importante, em parte porque João Batista foi discípulo de Jesus e de seu primo - o que significa que eles compartilhariam DNA. Busby diz que ainda não está claro se o DNA é de João Batista - mas ele falou com outros cientistas que extraíram várias amostras de DNA diferentes do Sudário de Turim.

Outra equipe está trabalhando para extrair DNA do Ossuário de James, uma caixa de giz do primeiro século que pode ter mantido os ossos do Tiago, irmão de Jesus. Busby diz: "Vamos supor, por um momento, que a contaminação poderia ser completamente descartada e que a análise de DNA demonstrou que o DNA do Sudário tinha uma correspondência familiar com o DNA do Ossário de James - e que ambos estão relacionados com os ossos búlgaros. Poderia ser o DNA de Jesus e de sua família?
O History Channel mostrou o ambicioso projeto da equipe de Busby no documentário "Jesus Strand". Nele pode-se ver que a sua proposta é apoiada por outros cientistas.
No entanto, cientistas observam que a probabilidade de o desenho do DNA verdadeiro Cristo ser extraído dos referidos dispositivos é mínima, devido à contaminação. Uma vez que qualquer indivíduo que tocou os restos durante estes quase 2.000 anos poderia deixar suas impressões digitais sobre eles, as amostras podem ser confundidas com o DNA necessário.

Uma pergunta que muitos poderão fazer com relação ao assunto é a seguinte:O produto final dessa experiência, isto é, um suposto clone de Jesus seria um ser da linhagem divina ou a ciência está prestes a criar o Anticristo, à semelhança do frankstein da ficção?

 

Fontes: http://metro.co.uk , http://www.noticiacristiana.com , https://www.bibliatodo.com    

 


Cientistas descobrem "prova" da existência de Deus

Traduzido e adaptado por Francisco Jorge

Postado em 01/04/2017                     

                           

Uma equipe de físicos quânticos acreditam ter encontrado uma prova parcial da existência de Deus após a descoberta de um portal quantum que conecta nosso universo a um universo paralelo, que é caracterizada por ser escuro e separado.

Os especialistas acreditam que nos primeiros dias da existência do universo, partículas visíveis juntaram-se com partículas ocultas e escuras, que embora completamente não observáveis existem, para tornar possível a expansão do universo.

Apesar de partículas escuras estarem além dos limites da observação científica, seus efeitos no universo são enormes. Os físicos acreditam que cerca de 68% do universo é composto por energia escura, com uma matéria escura representa cerca de 27% do espaço. A parte observável com o apoio de instrumentos artificiais equivale a menos de 5% do universo.

cientistas quânticos teorizam que a matéria escura e a energia escura existem em um universo paralelo, embora não simétrico. Este universo escuro e separado está ligado ao nosso universo através de portais quânticos.

Pesquisadores do Centro de Física Teórica do Universo descobriram um desses portais através de uma partícula subatômica chamada "quark pesado", ou seja, uma partícula elementar que constitui a matéria.

Acredita-se que os quarks pesados ​​teham uma "carga escura", que lhes permite agir como uma ponte entre os dois universos. Mas à medida que os cientistas não podem observar a energia escura, nada se sabe mais sobre o universo paralelo, apenas sua existência.

Segundo o Dr. Gerald Schroeder, um estudioso da Torá (Lei de Moisés), com doutorado em física no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, esta descoberta revela um aspecto natural de Deus.

"A física quântica descobriu que o universo pode ser criado a partir do nada, como tem sido através das forças da natureza", disse Schroeder, acrescentando que esse entendimento físico é baseada na criação bíblica. "As leis da natureza não são físicas, elas agem no físico. Elas são anteriores ao universo. "

Schroeder diz que no Salmo 90: 2 é uma definição bíblica de que pode provar seu ponto: "Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade e eternidade, tu és Deus".

"A ciência descobriu o aspecto natural de Deus descrito em Gênesis. A única coisa importante que temos de acrescentar é que Ele criou o universo e ainda está ativo no universo ", diz ele.

Na verdade, a descoberta é a prova de que os sentidos humanos não podem acessar tudo o que existe no mundo - alguns aspectos da existência são incognoscível e, portanto, divina.

"A matéria escura é uma prova de que existem dimensões com as quais interagimos, mas não podemos sentir. Essas forças, que são ocultas para a ciência, são uma parte do universo criativo. Isto levou a ciência a uma definição parcial de Deus ".

 

Fonte: http://www.noticiacristiana.com 


 

            RELIGIÃO DE ALTA TECNOLOGIA E FÉ REAL

Por Elwood McQuaid

Postado em 29/03/2017

                                                                             03 capa Abr

Sempre que pessoas buscam excluir Deus de sua vida, preenchem o vazio com um substituto patético. Na Antiguidade, esculpiam ídolos – invenções humanas: A terra, o ambiente, criaturas, corpos celestiais, ancestrais e o “eu” são itens de uma lista quase inesgotável de coisas cultuadas em vez de Deus. Atualmente, são a ciência e a tecnologia.

Ninguém duvida que a tecnologia mudou profundamente a nosso vida. Muitos avanços tecnológicos são inquestionavelmente benéficos. Mas existe um lado negativo na paixão pela parafernália eletrônica que se torna a grande distração desta era. A ciência e tecnologia, como deuses gêmeos do secularismo revolucionário, estão alterando o mundo dos que neles se viciam.

As nossas instituições culturais e educacionais têm consagrado a evolução como fato científico. Os que discordam, independentemente de suas credenciais, são descartados como tolos extremistas. Na verdade, a teoria da evolução é produto de fé, não fato. No entanto, foi implantada como resposta para a origem do Universo. Os que creem nela escarnecem da crença em Deus e impõem um ateísmo pseudocientífico às novas gerações.

Apesar de avanços tecnológicos benéficos, há o lado negativo da paixão pela parafernália eletrônica, que distrai a tantos: o vazio moral, espiritual e social. Nele, a humanidade navega por conta própria, sem uma bússola para direcionamento e conduta regrada. Quem não reconhece o poder superior, assume o trono de sua vida, tomando em atitudes como a ética situacional, em que cada um decide o que é certo conforme preferências pessoais. Negar a Deus também impacta o que a sociedade julga aceitável. Sem Deus, passa a ser aceitável satisfazer apetites por mais perversos ou cruéis que sejam.

Lamentavelmente, mais e mais pessoas rejeitam a Deus e à Bíblia, ridicularizando os que creem. As estatísticas indicam que grande parte dos nascidos entre 1980 e o início do novo milênio (pessoas com cerca de 15 a 35 anos), os ávidos por inovações, não frequentam igrejas nem creem em Deus. Se isto se tornar regra, os resultados serão catastróficos.

A sociedade pode tentar se vacinar contra a fé, mas ela não consegue remover a realidade de Deus. As Suas leis imutáveis prevalecerão. E embora a rebelião contra Ele esteja em moda, o Senhor do Universo realizará a Sua vontade. Ele já demonstrou isto repetidamente na história do planeta Terra.

No final, os esforços humanos para excluir a Deus são tão fúteis quanto a luta da personagem fictícia Dom Quixote, que se embatia contra os moinhos de vento, pensando que fossem gigantes.

Saulo de Tarso (mais tarde denominado apóstolo Paulo) aprendeu que sua busca por destruir a Igreja de Deus foi inútil; foi como dar chutes contra os aguilhões, como o próprio Cristo lhe disse (At 26.14).

Nunca fora de contato

A Bíblia nunca está desatualizada ou fora da realidade. Tampouco é mito, lenda, ou, como alguns a consideram, muleta para os fracos e intelectualmente carentes. Paulo disse: “A palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus” (1Co 1.18).

A Bíblia é a verdade e, em toda a história, tem se mantido muito adiante dos tempos. O que a tecnologia viabiliza hoje cumpre o que a Bíblia predisse há milhares de anos. O Livro do Apocalipse afirma que, na futura Grande Tribulação, duas testemunhas serão assassinadas nas ruas de Jerusalém, e serão vistas em todo o mundo (Ap 11.9). Por séculos, escarnecedores caçoaram dessa profecia. “Dois homens, mortos vistos pelo mundo inteiro? Ridículo!”, diziam. Mas a tecnologia já torna isso coisa comum.

Apocalipse 13, diz que uma imagem será construída com habilidade de falar e maravilhar o povo reunido diante dela (v.15). Para muitos, isso era como ficção cientifica. Mas a tecnologia derrota esses incrédulos com os robôs que fazem tudo, desde vender produtos até esfregar o chão.

Na verdade, muitos desenvolvimentos tecnológicos confirmam, ao invés de repudiar, a exatidão bíblica. Profecias antigas saltam para a vida como testemunhas irrevogáveis Daquele cujos pensamentos são mais altos que os nossos (Is 55.8-9). A Sua mão move a história e Seu Livro instrui e informa o homem mortal. Ignorar a Escritura não é apenas fútil, mas, no final, é fatal!

 

Fonte: http://www.chamada.com.br 

 


Darwinismo: Uma Filosofia De. . . Nada Realmente

                          

Anos atrás, os Inuit que viviam ao norte do Círculo Ártico praticavam uma forma de eutanásia. Uma vez que as pessoas atingiram uma determinada idade avançada, eles seriam colocados à deriva em um bloco de gelo para finalmente morrer de fome. Hoje, as pessoas que aprendem isso ficam horrorizadas, protestando que os humanos não devem ser "mortos" simplesmente porque são idosos e têm necessidades. Então quem está certo, o Inuit ou todos os outros?

Na verdade, os Inuit e outros operam a partir do mesmo princípio moral: a preservação da vida humana. Mas a ênfase está em um curso de ação específico diferente. Os Inuit acreditavam que os recursos eram escassos, de modo que para preservar a vida humana, eles tinham que preservar esses recursos para os jovens e aqueles que ainda podiam contribuir para a tribo. Como não havia recursos suficientes para todos, eles argumentavam que se alguém tivesse que morrer de fome, seria muito benéfico para toda a tribo que aqueles que tinham vivido uma vida plena e não pudessem mais contribuir estariam famintos. As pessoas de hoje podem protestar, mas na realidade, as ações dos Inuit estavam muito de acordo com os pressupostos de uma cosmovisão darwinista.

Pouco depois do famoso julgamento de Scopes em Dayton, Tennessee (que trouxe o conflito entre criação e evolução para um foco nacional), o presidente da Associação Americana para o Avanço do Ateísmo na época escreveu: "A evolução é ateísmo". Em seu livro Richard Dawkins resumiu a avaliação sombria do evolucionista sobre as forças atuantes neste mundo: "No fundo, nenhum projeto, nenhum propósito, nenhum mal e nada de bom ... nada além de indiferença cega e impiedosa. "

Afirmações como esta ilustram o abismo intransponível que separa um sistema de crenças que reconhece um Criador e um que não o faz. Cada posição inclui suposições básicas que estão em conflito com as suposições do outro lado. Se as crenças fundamentais de cada lado forem sustentadas consistentemente, o crente na evolução e o crente na criação inevitavelmente chegarão a um impasse.

Nos quase 160 anos desde a publicação de Origem das Espécies , a rejeição confiante de crença do darwinismo em um momento de criação do passado e um dia futuro de julgamento produziu resultados decididamente negativos. A redefinição do matrimônio e da família, a revolução moral dos anos 60, a aceitação cultural do sexo pré-matrimonial e extra-conjugal, o aborto sob demanda - todos estes foram "legitimados" pela assumida veracidade do darwinismo.

O espaço não permite uma crítica exaustiva de idéias horríveis como a eugenia ea esterilização forçada de minorias (defendida pela fundadora da Planned Parenthood, Margaret Sanger, profundamente influenciada pelo darwinismo). Adolf Hitler, cuja "solução final" em relação ao povo judeu era (na sua mente) a mera aplicação da "sobrevivência do mais apto", também influenciado pelos pressupostos da evolução foi Adolf Hitler. Em um século e meio relativamente curto, a evolução cortou um Em toda a história que é indelevelmente escuro e inegavelmente trágico.

Em contraste pressupostos e resultados de visões de mundo, a distinção mais comum feita é se um Criador foi ou não originalmente presente. Deus nos fez, ou evoluímos espontaneamente? Mas igualmente relevante para a discussão é a questão do destino humano - a humanidade enfrentará sempre um julgamento final? A evolução supõe que Deus não faz parte do nosso passado; Portanto, Deus não desempenha nenhum papel em nosso futuro.

Os ateus e os evolucionistas podem agir moralmente? Claro. Mas aqueles que rejeitam Deus têm alguma razão objetiva para fazê-lo? Não. Existem diretrizes claras sobre a vida correta - qualquer base objetiva para valores ou ética? Não. Evolução não dá respostas reais da origem da vida, menos ainda sobre como viver.

 

Fonte:  http://www.journeychristiannews.com 

 


Astronauta explica por que extraterrestres não visitaram a Terra

Postado em 27/03/2017

                                       Resultado de imagem para imagens do astronauta norte-americano Alan Bean

O astronauta norte-americano de 85 anos de idade Alan Bean, que é uma das 12 pessoas que deram um pequeno passo para o homem, mas um enorme salto para a humanidade, ou seja, caminharam na Lua, confessou que não crê que "alguém do espaço tenha visitado a Terra".

Durante uma entrevista ao portal australiano News.com, Alan Bean disse que as civilizações mais avançadas são mais amigáveis e altruístas, como a Terra, que é melhor do que era antes.

"Nós viemos em paz e sabemos que vocês têm o problema do câncer que mata os humanos", teria sido o discurso de extraterrestres, de acordo com Bean, se eles entrassem em contato. "Nós resolvemos esse problema há 50 anos e aqui está o dispositivo que deve ser inserido na pessoa para curar a doença", continua o astronauta.

De acordo com Bean, essa é exatamente a atitude com que o homem chegará às civilizações de planetas distantes no futuro, quando os seres humanos tiverem a capacidade de alcançá-los. "Dentro de cerca de 1.000 anos… nós poderíamos ensiná-los a curar o câncer", disse ele.

No entanto, Alan Bean não duvida que não estamos sozinhos no universo. Para ele, o fato de que há bilhões de estrelas, e de planetas em torno delas, confirma a existência de vida. "A vida em muitos desses planetas é provavelmente como era a nossa 100.000 anos atrás e talvez haja outros que estão uns 10.000 anos adiante de nós."

 

>> Sputnik  Via http://www.jb.com.br 

 

 


Facebook trabalha no desenvolvimento de computadores que poderão controlar a humanidade

Postado em 16/03/2017

                                     Resultado de imagem para imagens de Mark Zuckerberg e Yann LeCun

O principal especialista em inteligência artificial do empreendedor Mark Zuckerberg, admitiu que ele está tentando transformar computadores para prever o futuro.

Yann LeCun, líder da divisão do Facebook AI (artificial intelligence) pesquisa, disse que essa capacidade, que soa terrível é, "uma grande parte do nosso esforço para avançar" no desenvolvimento de computadores super-inteligentes.

 

"Estamos muito interessados na idéia de que um sistema de aprendizagem deve ser capaz de prever o futuro , " disse à MIT Technology Review.

"Você mostra um par de quadros de vídeo e tenta prever o que vai acontecer a seguir.

Se podemos treinar um sistema para fazer isso acreditamos que poderemos desenvolver técnicas que gerem um sistema de aprendizagem não supervisionada. É aí que, na minha opinião, um monte de coisas interessantes é provável que aconteça. "

Ensinar computadores para prever o futuro seria útil em todos os tipos de maneiras nas próximas décadas.

Primeiro, eles seriam autorizados a adivinhar o que os seres humanos querem ou precisam.

                                         Resultado de imagem para imagens de Mark Zuckerberg e Yann LeCun
                                         Mark Zuckerberg e Yann LeCun

Isto pode significar, por exemplo, que o smartphone será capaz de saber se você está com fome, decide que quer comer uma pizza e, em seguida, pede um processador de alimentos para se certificar de que não está cozinhando no forno quando chegar em casa.

Os computadores também podem ter uma facada em prever eventos ou movimentos de mercados acionários mundiais, embora, provavelmente, isto seja difícil.

A Fundação de caridade Zuckerberg está também financiando o desenvolvimento de implantes no cérebro para ler mentes.

No entanto, tudo isso poderia ter efeitos profundos sobre as liberdades individuais e sociais.

Isso é realmente um avanço que vai beneficiar a humanidade, ou um passo decisivo para o futuro controle dela?

 

 Fonte: https://www.bibliatodo.com 

 


Vem aí o homem artificial:

Cientistas criam primeiro embrião artificial sem espermatozóides em óvulos

                                             O protótipo é um rato, mas abre a porta para experiências humanas

                                                 

 

REINO UNIDO. - Usando uma plataforma 3D com dois tipos de células-tronco, os cientistas foram capazes de gerar no Reino Unido pela primeira vez, uma estrutura que se assemelha a um embrião de um rato. Segundo eles, o objetivo é aprofundar a compreensão dos estágios iniciais de desenvolvimento de um mamífero.

Eles publicaram suas descobertas na revista Science. A equipe da Universidade de Cambridge insiste que o embrião artificial, mesmo que seja muito semelhante ao real não poderia desenvolver um feto saudável. 

O foco de sua pesquisa foi mostrar como o embrião artificial, segue o mesmo padrão de um desenvolvimento normal do embrião. As células-tronco são organizados da mesma forma.

Magdalena Zernicka-Goetz, professora do Departamento de Fisiologia, Desenvolvimento e Neurociências da Universidade de Cambridge, acredita que o sucesso com células de rato oferece oportunidades para trabalhos similares com células humanas.

 A professora afirma que os embriões humanos utilizados na pesquisa são gerados a partir de ovos "excedentes" doados por clínicas de fertilidade. Ela e sua equipe argumentam que no futuro será possível usar células-tronco para gerar embriões artificiais.

 

"Isso nos permitirá estudar os eventos-chave nesta fase crítica do desenvolvimento humano, sem ter que trabalhar com embriões", disse ele à BBC.

O objetivo dos cientistas não está crescendo ratos - ou bebês - fora do útero, mas abrir uma nova janela para o desenvolvimento do embrião antes da implantação, relata o Guardian.

 

Fonte:http://www.noticiacristiana.com    

 


 

 



O matemático austríaco Kurt Gödel manteve em segredo a sua prova da existência de Deus por décadas. Agora dois cientistas dizem ter realizado a prova usando um computador.

Por HISTORY

Dois cientistas formalizaram um teorema sobre a existência de Deus, escrito pelo renomado matemático tcheco Kurt Gödel (1906-1978). O nome de Gödel pode não significar muito para alguns, mas entre os cientistas ele possui reputação semelhante a de Albert Einstein - de quem era um amigo próximo.

Os cientistas da Universidade Livre de Berlim, Christoph Benzmüller e Bruno Woltzenlogel Paleo, realizaram um trabalho que teve como base o argumento ontológico (ciência do ser em geral) de Kurt Gödel, que propôs um teorema matemático para a existência de Deus. Por conta disso, a notícia foi veiculada, na última semana, pelo diário alemão Die Welt, sob a manchete “Cientistas provam a existência de Deus”.

Obviamente, uma ressalva significativa deve ser feita sobre a afirmação. Na verdade, o que os pesquisadores em questão dizem ter realmente comprovado não é a existência de um "Ser Supremo" em si, mas como o uso de uma "tecnologia superior" pode resultar em avanços em vários campos científicos.

Quando Gödel morreu, em 1978, ele deixou uma teoria tentadora baseada nos princípios da lógica modal - que um ser superior deve existir. Os detalhes da matemática envolvidos na prova ontológica de Gödel são complicados, mas, na essência, o matemático argumentou que, por definição, Deus é aquele para o qual não poderia ser concebido um ser maior. E, enquanto Deus existe conceitualmente falando, ele poderia ser concebido como "o maior", se ele existisse na realidade. Portanto, para Gödel, Deus deveria existir.

Apesar desta argumentação não ser exatamente nova na época que foi formulada pelo matemático, ele inovou ao escrever teoremas - pressupostos que não podem ser comprovados - como equações matemáticas sobre o assunto. E, a partir daí, isso poderia ser comprovado.

Aí entram Christoph Benzmüller e Bruno Woltzenlogel Paleo. Com o uso de um MacBook comum, eles mostraram que a prova de Gödel está correta - pelo menos em um nível matemático - por meio da lógica modal superior. Sua apresentação inicial, na publicação científica arXiv.org, recebeu o título de "Formalização, mecanização e automação de prova da existência de Deus de Gödel".

E, a partir do fato que um teorema complicado foi comprovado com uso de um equipamento tecnológico de acesso ao público, isso abre "todos os tipos de possibilidades", declarou Benzmüller ao jornal Spiegel. "É totalmente incrível que, a partir deste argumento liderado por Gödel, tudo isso pode ser provado automaticamente em poucos segundos, ou até menos em um notebook padrão", disse ele.

 

Fonte: http://www.origemedestino.org.br 

 


Estudo mostra relação entre religião e ciência

Pela primeira vez um estudo mundial resolveu entender qual é a relação entre os cientistas e a religião. A pesquisa foi realizada pela Universidade Rice, dos Estados Unidos

 

                                       Estudo mundial mostra relação entre religião e ciência

Pela primeira vez um estudo mundial resolveu entender qual é a relação entre os cientistas e a religião. A pesquisa foi realizada pela Universidade Rice, dos Estados Unidos, que ouviu 9.422 pessoas de oito regiões do mundo: França, Hong Kong, Índia, Itália, Taiwan, Turquia, Reino Unido e EUA.

Dos entrevistados, 609 foram entrevistados em profundidade pelos pesquisadores que ficaram surpresos com os resultados obtidos pelo estudo.

Por muito tempo se acreditou que a grande maioria dos cientistas eram ateus, mas com a pesquisa da Universidade Rice ficou comprovado o contrário.

“Mais da metade dos cientistas na Índia, Itália, Taiwan e Turquia se identificaram como religiosos”, afirma Elaine Howard Ecklund, diretora do Programa de Religião e Vida Pública da Universidade Rice que liderou a pesquisa.

“E é impressionante que existem aproximadamente o dobro de ‘ateus convictos’ na população geral de Hong Kong (55%), por exemplo, em comparação com a comunidade científica nesta região (26%)”.

Entre os que se declaram religiosos em Hong Kong os números são de 39% entre os cientistas contra 20% da população geral. Ou seja, há mais cientistas religiosos que os demais moradores.

O mesmo aconteceu em Taiwan onde 54% dos cientistas se identificam como religiosos e apenas 44% da população geral também se declara assim.

O estudo também quis saber se há ou não conflito entre religião e ciência. Apenas uma minoria dos cientistas disse que acreditar nesse conflito.

O país com maior número de cientistas que acreditam nesse impasse é o Reino Unido com 32%, seguido pelos EUA com 29%, mesmo assim esses números não representam a maioria dos biólogos, físicos e outros profissionais da ciência que foram entrevistados.

Já para 25% dos cientistas de Hong Kong, 27% dos cientistas da Índia e 23% dos cientistas de Taiwan é possível sim que a ciência e religião coexistam e venham a ser usadas para ajudar uma a outra.

 

Fonte: http://www.eismeaqui.com.br Originalmente gospelprime

 


 

       Por que a ciência não “desprova” Deus

                         
A ciência obteve grandes vitórias contra os dogmas religiosos entrincheirados durante o século 19. Durante os anos 1800, descobertas do Homem de Neanderthal foram realizadas na Bélgica, Gibraltar e Alemanha, e mostraram que os homens não foram os únicos hominídeos a ocupar a Terra, e fósseis de agora extintos animais e plantas demonstraram que a fauna e a flora evoluem, vivem por milênios e, então, algumas vezes, desaparecem, cedendo seu lugar no planeta para espécies mais bem adaptadas. Essas descobertas trouxeram forte suporte a então emergente teoria da evolução, publicada por Charles Darwin em 1859. E em 1851, Leon Foucalt, um físico francês autodidata, provou definitivamente que a Terra gira – em lugar de estar no lugar enquanto o Sol gira em torno dela –, usando um pêndulo especial cujo movimento circular provou a rotação da Terra. Igualmente, descobertas geológicas feitas no mesmo século devastaram a hipótese da “Terra Jovem”. Sabemos agora que a Terra tem bilhões – e não milhares – de anos de idade, como alguns teólogos haviam calculado com base na contagem de gerações desde o Adão bíblico. Todas essas descobertas desbarataram a interpretação literal das Escrituras. [Pelo menos, assim pensam os naturalistas.]

Mas a ciência moderna, do início do século 20, provou que não existe Deus, como alguns comentaristas estão agora apregoando? A ciência é uma aquisição espetacular, maravilhosa: ela nos ensina sobre a vida, o mundo e o Universo. Mas ela não nos revelou por que o Universo veio à existência, nem o que precedeu seu nascimento no Big Bang. Igualmente, a evolução biológica não nos trouxe nem um mínimo entendimento de como os primeiros organismos vivos [teriam emergido] de matéria inanimada neste planeta, e como as avançadas células eucariotas – os altamente estruturados blocos de construção das formas de vida – vieram de organismos mais simples. Nem explica um dos maiores mistérios da ciência: Como a consciência surge nas coisas vivas? De onde vem o pensamento simbólico e a autoconsciência? O que é que permite aos humanos entender os mistérios da biologia, física, matemática, engenharia e medicina? E o que nos habilita a criar grandes obras de arte, música, arquitetura e literatura? A ciência não está nem perto de explicar esses mistérios profundos.

Mas muito mais importante que esses enigmas é a persistente questão do ajuste fino dos parâmetros do Universo: Por que nosso Universo é tão precisamente tunado para a existência da vida? Essa questão nunca foi respondida satisfatoriamente, e eu acredito que nunca haverá uma solução científica. Quanto mais mergulhamos nos mistérios da física e da cosmologia, mais o Universo aparenta ser intrincado e incrivelmente complexo. Para explicar o comportamento da mecânica quântica de uma única partícula minúscula requerem-se páginas e páginas de matemática extremamente avançada. Por que mesmo as mais ínfimas partículas de matéria são tão inacreditavelmente complicadas? Parece que há uma vasta, escondida “sabedoria”, ou estrutura, ou uma planta nodosa para mesmo os aparentemente mais simples elementos da natureza. E a situação se torna muito mais assustadora quando expandimos nossa visão para o cosmo inteiro.

Sabemos que 13,7 bilhões de anos atrás [sic], uma gigantesca explosão de energia, cuja natureza e fonte são completamente desconhecidas para nós e não menos ininteligíveis para a ciência, teve início a criação do Universo. Então, subitamente, como se fosse por mágica, a “Partícula de Deus” – o bóson de Higgs descoberto dois anos atrás dentro do poderoso acelerador de partículas do CERN – o Grande Colisor de Hádrons – veio à existência e miraculosamente deu ao Universo sua massa. Por que isso aconteceu? A massa constitui as partículas elementares – os quarks e o elétron – cujos pesos e cargas elétricas tinham que ser imensuravelmente restritos aos seus limites para o que iria acontecer depois. Pois de dentro da “sopa” primordial de partículas elementares que constituíram o Universo jovem, novamente, como se por uma mão mágica, todos os quarks repentinamente se agruparam em três para formar prótons e nêutrons. Todas as massas, as cargas e as forças de interação no Universo haviam se ajustado na precisa quantidade necessária para que os primeiros átomos leves pudessem se formar. Os maiores poderiam então ser “cozidos” em fogos nucleares no interior de estrelas, então nos dando carbono, ferro, nitrogênio, oxigênio e todos os outros elementos tão essenciais ao surgimento [sic] da vida. E, eventualmente, a altamente complexa molécula de dupla-hélice, a propagadora da vida, DNA, seria formada.

Por que tudo que precisávamos para vir a existência veio a existir? Como tudo isso seria possível sem um poder latente exterior a orquestrar a precisa dança das partículas elementares requeridas para a criação de todas as essências da vida? O grande matemático britânico Roger Penrose calculou – com base em apenas uma das centenas de parâmetros do Universo físico – que a probabilidade do surgimento de um cosmos propenso à vida é de um dividido por 10, elevado à décima potência e novamente elevado à 123ª potência. Esse é um número tão perto de zero que ninguém jamais imaginou. (A probabilidade é tão, tão pequena que é menor do que ganhar na Mega-Sena por mais dias que os da existência do Universo.)

Os “ateus científicos” têm se embaralhado para explicar esse mistério perturbador pela existência de um multiverso – um conjunto infinito de universos, cada um com seus próprios parâmetros. Em alguns universos, as condições são impossíveis para a vida; a despeito disso, pelo tamanho descomunal deste imenso multiverso, deve haver um universo onde tudo está correto. Mas se é necessário um imenso poder da natureza para criar um universo, então quão mais poderosa deve ser aquela força para criar infinitos universos? Então o puramente hipotético multiverso não resolve o problema de Deus. O incrível ajuste fino do Universo se apresenta o mais poderoso argumento para a existência de uma Entidade criativa imanente que nós bem podemos chamar Deus. Na ausência de evidência científica contrária, tal poder pode ser necessário para forçar todos os parâmetros que nós precisamos para nossa existência – cosmológicos, físicos, químicos, biológicos e cognitivos – ser o que eles são.

Fonte
: Time; tradução de Alexsander Silva via criacionismo

 


Humanos são realmente feitos de pó de estrelas e este estudo prova isso


Um monitoramento de 150 mil estrelas mostra que seres humanos e nossa galáxia têm cerca de 97% do mesmo tipo de átomos. Além disso, foi observado que os elementos da vida parecem ser mais prevalecentes no centro da galáxia. Para quem não se lembra, esses elementos são abreviados como CHONPS: carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio, fósforo e enxofre.
Pela primeira vez, astrônomos conseguiram catalogar a abundância desses elementos em uma enorme amostra estelar. Eles utilizaram um método chamado espectroscopia. Cada elemento emite ondas de luz com comprimentos diferentes, e os pesquisadores mediram trechos de escuridão e brilho em cada espectro de luz para determinar do que cada estrela é composta.
Os pesquisadores usaram medidores estelares do Sloan Digital Sky Survey, do observatório APOGEE, que fica em Novo México. Como a técnica usa infravermelho, a poeira da Via Láctea não atrapalha a medição.
Apesar de sermos compostos pelos mesmo elementos que as estrelas, porém, essas proporções são bastante diferentes. Por exemplo, um humano é formado por 65% de oxigênio, enquanto o mesmo elemento representa apenas 1% de todos os elementos medidos no espaço.
A localização das estrelas também influencia nessa composição. Estrelas na nossa região do espaço têm menos elementos necessários para a vida, como oxigênio, quando comparadas com estrelas da região central da galáxia.
“É uma história de interesse humano que agora podemos mapear a abundância de todos os principais elementos encontrados no corpo humano através de centenas de milhares de estrelas na Via Láctea”, afirma Jennifer Johnson, cientista da SDSS-III APOGEE e professora da Ohio State University. “Isso nos permite identificar quando e onde em nossa galáxia a vida teve os elementos necessários para se desenvolver”.
O catálogo da abundância de elementos das estrelas está disponível 
Fonte: Hypescience

 


 

Cientistas comprovam o dia em que ‘o Sol parou’, descrito na Bíblia por Josué

Três pesquisadores israelenses conseguiram encontrar a data em que a batalha onda o Sol parou aconteceu: 30 de outubro de 1207 a.C.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE TIMES OF ISRAEL

 

Pintura feita por John Martin, em 1816, mostra quando Josué pediu para o Sol permanecer sobre Gibeão. (Foto: Reprodução/Wikipedia)
Pintura feita por John Martin, em 1816, mostra quando Josué pediu para o Sol permanecer sobre Gibeão. (Foto: Reprodução/Wikipedia)

De acordo com o relato bíblico descrito em Josué 10:12-14, o Sol parou no meio do céu e por quase um dia inteiro não se pôs, garantindo uma vitória épica a Israel. A história descrita pela Bíblia foi comprovada por uma equipe de cientistas israelenses, com o apoio de dados da Nasa.

Três pesquisadores da Universidade Ben-Gurion do Neguev, em Berbesá, Israel, publicaram um artigo afirmando que naquele momento houve um eclipse solar. Eles ainda conseguiram encontrar a data em que a batalha aconteceu: 30 de outubro de 1207 a.C.

“No dia em que o Senhor entregou os amorreus aos israelitas, Josué exclamou ao Senhor, na presença de Israel: ‘Sol, pare sobre Gibeom! E você, ó Lua, sobre o vale de Aijalom!’ O Sol parou, e a Lua se deteve, até a nação vingar-se dos seus inimigos, como está escrito no Livro de Jasar. O Sol parou no meio do céu e por quase um dia inteiro não se pôs”, diz o trecho de Josué 10:12-13.

Os pesquisadores observaram que outras histórias antigas relatam a paralisação do Sol, mas apenas o relato bíblico menciona sobre a Lua. Isso os levou à conclusão de que o acontecimento se refere a um eclipse, no qual a Lua passa entre o Sol e a Terra, bloqueando a luz solar.

A equipe liderada pelo Dr. Hezi Yitzhak descobriu que houve apenas um eclipse solar na região, que ocorreu entre os anos 1.500 e 1.000 a.C., quando os israelitas entraram na terra. O eclipse foi datado precisamente às 16h28 do dia 30 de outubro de 1.207 a.C.

Os estudiosos também descreveram o local exacto da batalha, traçando a mesma caminhada de 30 quilômetros que Josué e seus homens fizeram para chegar até Gibeão, ao norte de Jerusalém.

O estudo não conseguiu comprovar a origem da chuva de granizo, descrita em Josué 10:11: “Enquanto fugiam de Israel na descida de Bete-Horom para Azeca, do céu o Senhor lançou sobre eles grandes pedras de granizo, que mataram mais gente do que as espadas dos israelitas”.

"Nem todo mundo gosta da ideia de usar a física para provar as coisas da Bíblia, e sei que isso pode ser interpretado como se estivéssemos racionalizando a fé", disse Yitzhak ao site Haaretz no último domingo (16). "Mas há muitas verdades históricas que tem uma evidência arqueológica por trás".

 

Fonte: guiame.com.br 

 


 

O que é a Teoria do Design Inteligente? Ciência ou Religião?

Por Marcos Eberlin 

Postado em 08 de janeiro de 2017

Compartilhe
A Teoria do Design Inteligente (TDI)

Muito se tem falado sobre a Teoria do Design Inteligente, e muitos boatos correm por ai como por exemplo: “é religião disfarçada de ciência, um ataque à ciência e seus cientistas, coisa de crente ignorante, etc”; pois os “cultos” já se renderam ao Big Bang e a Evolução, ou porque “Darwin era amigo de Deus” e sua teoria não precisa ser combatida.chart

Vamos então esquecer os boatos, externos e internos, e bem definir a TDI

Reconhecida como sendo uma teoria revolucionária, a TDI estuda e analisa os dados científicos mais recentes sobre os eventos que deram origem ao Universo e aos seres vivos, e os interpreta à luz da metodologia científica procurando fazer a melhor inferência de sua possível causa.

Para isso, procura padrões de inteligência que possam ser revelados através da complexidade irredutível, da informação e da antevidência, que fornecem as evidências de uma inteligência organizadora. Em seu arcabouço teórico, a TDI reúne também toda uma metodologia e conhecimentos interdisciplinares de estudos dos seres vivos em nível molecular, e através de inferências baseadas em fatos observáveis, propõe uma reinterpretação da causa primeira da vida e do universo.

Inferências

Uma das principais inferências é que não existem processos naturais não guiados conhecidos que, para a vida, poderiam ter formado seus sistemas de irredutível complexidade, nem a informação semântica, arbitrária e aperiódica que governa a vida, nem as soluções encontradas de antemão, como sugere a evolução darwiniana, e que a ciência assim só conheceria uma causa para tal complexidade, antevidência e informação: mentes inteligentes. Assim, a TDI postula que há evidencias claras hoje em Ciência contra a ação de processos naturais e a favor do Design Inteligente.

Como cientistas, pagos com recursos públicos, não temos assim a opção, mas a obrigação de, deixando nossas preferências em casa, avaliar as duas causas possíveis e contar à população a verdade dos dados. E precisamos concluir se esses dados apontam para Darwin ou, como nunca antes, para o que seria a maior descoberta científica de todos os tempos em ciência, a de que fomos planejados. A TDI, assim agindo, se propõe então a fazer ciência plena e sem pré-conceitos, livres de qualquer pré-concepção de como o Universo e a Vida são, e por que qual causa deveriam a priori terem sido formados.

A Teoria do Design Inteligente usa métodos científicos?

Sim, pois a TDI é um programa de pesquisa científica, executado por uma comunidade de cientistas, filósofos e estudiosos, que procuram fazer ciência livre e despreconceituosa e assim avaliar frente aos dados as duas causas possíveis para o Universo e a Vida: Forças naturais ou a ação de uma mente inteligente. A TDI assim fazendo, sustenta hoje que as características do Universo e dos seres vivos são contrárias à ação de processos naturais e melhor explicadas por uma causa inteligente.

Em suas pesquisas, a TDI tem aplicado ainda diferentes métodos para detectar – nos dados científicos fartos disponíveis na literatura – evidências da complexidade irredutível das estruturas biológicas, a informação aperiódica, específica e funcional contida, por exemplo, no DNA e a arquitetura física e ajuste fino do Universo que sustenta a vida, além da origem geológica rápida como na diversidade biológica no registro fóssil durante a explosão Cambriana e a ausência de dados nesse registro que comprovem a evolução lenta, gradual e sucessiva darwiniana.

Quando surgiu a TDI?

A ideia da existência de “sinais inteligentes” na vida e no Universo é antiga, filósofos gregos já a discutiam, mas  a “TDI moderna” surgiu nos EUA na década de 1980 e desde então tem ganho adeptos em todo o mundo, possuindo hoje inúmeros acadêmicos, cientistas, profissionais e estudiosos que compactuam com sua visão teórica. Em seus quadros, reúne prestigiados cientistas de todas as áreas, como química, bioquímica, biologia, física, estudiosos de filosofia, ética, teologia, ciências sociais, arqueologia, ou seja, todos as vertentes cientificas.

A TDI se propõe assim a fazer ciência com todo o rigor e a liberdade que ela deve ter, deixando de lado crenças e pressupostos de seus defensores, mas seguindo sempre os dados científicos e as conclusões livres de paradigmas, sem necessariamente se ater a implicações filosóficas ou teológicas que essas conclusões venham a ter.

A TDI é religião disfarçada de Ciência?

A TDI, contrário ao que se “prega” por ai, é Ciência sim, e em sua mais pura essência. Nada de religião, nada de filosofia, nada de pacto com cosmovisões. A TDI joga o jogo pleno da Ciência, que nos manda deixar toda a nossa subjetividade em casa, pois cientista não tem gosto, nem preferências, e a Ciência plena nos manda seguir os dados, onde quer que eles nos levem.

A TDI assim, fazendo boa ciência, e querendo descobrir a verdade, doa a quem doer, avalia as duas causas possíveis para a Vida e o Universo: forças naturais ou ação inteligente. E frente aos inúmeros e detalhados dados que a Ciência moderna tem produzido, a TDI percebe a inviabilidade da primeira hipótese e as fortes evidências que apontam como nunca antes para uma mente inteligente e consciente como a causa primeira de nós todos e de tudo mais que nos rodeia.

Enquanto isso, a ciência atual naturalista, preconceituosa e alicerçada no materialismo filosófico, e que cultua Darwin, portanto limitada e cegada pelo paradigma materialista – que só admite existir matéria energia e espaço nesse Universo – parte do pressuposto equivocado de que foram as forças naturais a causa magna, e assim sem ter outra opção, é forçada a sugerir teorias que fogem da racionalidade que a ciência deveria ter, como nos casos do sumiço da antimatéria, da gravidade formando estrelas, e de dino virando canário.

A TDI vencerá?

A vitória da TDI me parece inevitável. A TDI tem ganho o mundo e sua aceitação como a teoria de nossas origens é questão de tempo, e de pouco tempo; prevejo “a la Kuhn” duas gerações no máximo de novos cientistas. Nada em ciência é melhor do que um dado após o outro, dia após dia. E os dados, uma verdadeira avalanche deles, apontam hoje como nunca antes para o DI como de longe a melhor inferência sobre nossas origens.

A academia e os acadêmicos, evidentemente, principalmente os mais seniors, que propagaram com todo o alarde que iriam explicar tudo através da ciência naturalista, através de forças e matéria, tem resistido com “unhas e dentes” em admitir essa nova realidade cientifica que varre o mundo, essa contra-revolução causada pela comprovação do DI. Mas novas gerações estão chegando e rapidamente deslocando a velha e desgastada teoria naturalista e assim restabelecendo a percepção inicial do DI, percepção essa original na Ciência, inclusive o seu único fundamento, que era dos pais da Ciência, que em sua imensa maioria eram defensores do DI.

Quem é o Designer?

A ciência é magnífica, sou cientista, sou fã da ciência, e extremamente motivado e feliz por fazer parte de seus quadros. Mas como cientista, militante e racionalista de carteirinha, eu sei que a ciência tem limites, e muitos, e que só entendemos por completo a Vida e o Universo quando acrescentamos à Ciência o conhecimento imenso que nos traz a filosofia e a teologia.

Quem acha que só a ciência traz conhecimento é um ser com pouca sabedoria para perceber os limites da ciência e um ser com conhecimento limitado por esses limites. Os limites da ciência então não nos permitem, como cientistas, descobrir quem seria o designer. Não há como usar a metodologia cientifica com esse objetivo.

Sabemos que a obra foi de uma mente inteligente, sabemos descrever algumas características que essa mente deveria ter, mas quando nos perguntam quem foi, a ciência se cala. Mas eu sei, felizmente, um pouco mais do que a ciência me ensinou, eu sei um pouco de filosofia e teologia, e eu, fora da TDI, seguindo o que a minha filosofia e minha teologia me ensinam, entendo que a melhor inferência para o Designer é sim o Deus bíblico.

É por isso que eu creio que a TDI é tão combatida, porque é a própria ciência e seus métodos e seus princípios que detecta a ação de uma mente inteligente como causa primeira do Universo e a Vida, sem qualquer preconceito ou predefinição, porém não é a Ciência não, mas sim a boa filosofia e a teologia que fazem a descoberta mais importante.

Sentiu-se interessado(a) em entender mais sobre a TDI?

Você pode ler também meu e-book gratuito, chamado Fomos Planejados, em www.widbook.com/ebook/fomos-planejados

Você também pode filar-se à Sociedade Brasileira do Design Intelignte, cadastrando-se em www.tdibrasil.com

 

Fonte: http://www.raciociniocristao.com.br 

 

Imagem fonte: Reprodução Google

 

 


 

 Estudante de 16 anos cria fórmula química e batiza com seu nome

Publicado em 16/12/2016

O estudante amazonense Kelvin Márcio Sales Pereira, de 16 anos, criou uma fórmula química para encontrar o NOX (número de oxidação que indica o número de elétrons que um átomo ou íon perde ou ganha para adquirir estabilidade) de um metal eletrolisado, a massa eletrolisada ou a massa atômica do mesmo.

Kelvin é aluno do Colégio Militar da Polícia Militar Waldocke Fricke de Lira (3º CMPM), em Manaus, e está aprovado para cursar 3º ano do ensino médio em 2017.

Créditos:

Reprodução/Facebook/3cmpmoficial

De acordo com o portal A Crítica, o adolescente mostrou a equação para seus professores. Após os cálculos de confirmação, ele registrou a fórmula em cartório e a batizou com seu nome. Agora, a fórmula será encaminhada para avaliação do Conselho Internacional de Química.

“A fórmula é de extrema importância na área industrial porque pode ser utilizada na produção de alumínio na etapa da redução eletrolítica da alumina (óxido de alumínio (Al2O3), composto químico usado na produção de alumínio, abrasivos, refratários, isolantes elétricos e como catalisador em cromatografia), mas também para outras funções como folhagem de joias e revestir materiais para protegê-los da corrosão”, diz Kelvin ao portal.

Créditos:

Reprodução/Facebook/3cmpmoficial

Créditos:

Reprodução/Facebook/3cmpmoficial

O jovem conta que a inspiração surgiu enquanto estudava química no cursinho pré-vestibular. Daí ele percebeu que havia uma lógica entre massa eletrolisada de metal, NOX e peso atômico. Depois de dois meses de estudos ele chegou à fórmula, com exercícios e macetes para encontrar o número atômico do metal.

Além da química, suas matérias preferidas são biologia e matemática. Um conjunto essencial de disciplinas para quem quer prestar vestibular para medicina, que é o caso de Kelvin. E sua especialização será em ortopedia, afirma.

Na reportagem abaixo ele explica a construção da fórmula:

Clique aqui para conferir o artigo do portal A Crítica.

 

Fonte: https://catracalivre.com.br 

 

 


Travessia do mar vermelho explicada por cientistas

 

Divisão do Mar Vermelho é explicada por cientistas

Utilizando modelagem computacional, cientistas recriam o cenário relatado na Bíblia e descobrem que o evento seria possível respeitando as leis da Física

As simulações mostraram que um vento forte vindo do leste, soprando durante a madrugada, poderia ter “partido” as águas

A história bíblica da divisão do Mar Vermelho, registrada no livro do Êxodo, pode ter acontecido de verdade. Ou, pelo menos, poderia ter acontecido sem quebrar nenhuma lei da Física. Pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica dos Estados Unidos e da Universidade do Colorado mostraram como o movimento do vento descrito na Bíblia pode ter, de fato, afastado as águas e permitido a passagem de Moisés e o restante de seu povo.

Simulações feitas em computador mostraram que ventos fortes vindos do leste, soprando durante toda a madrugada, poderiam ter “partido” as águas em uma região onde um afluente antigo do rio Nilo teria se fundido com uma lagoa costeira no Mar Mediterrâneo.

Os ventos fortes teriam empurrado a água fazendo surgir uma passagem (veja o vídeo abaixo), permitindo que as pessoas atravessassem o local com segurança. Imediatamente após o cessar dos ventos, as águas teriam voltado ao normal. “As simulações combinam com o que aconteceu na história do Êxodo”, disse Carl Drews, chefe da pesquisa. “O vento empurra a água de acordo com as leis da Física, criando uma passagem segura com água dos dois lados, e então permite a volta da água abruptamente”.

Mas os próprios pesquisadores duvidam que os hebreus conseguissem fazer a travessia pela passagem com ventos tão fortes, de 107 km/h, soprando contra. O estudo pretende mostrar um possível cenário para eventos que podem ter ocorrido há mais de 3.000 anos, embora alguns especialistas tenham dúvidas de que ele de fato tenha acontecido.

A pesquisa foi baseada na reconstituição das localidades mais prováveis, levando-se em conta as transformações de relevo através do tempo. “As pessoas sempre se fascinaram com a história do Êxodo, questionando se ela vem de fatos históricos”, disse Drew. “O estudo mostra que a divisão de águas possui embasamento nas leis da Física”.

Fontes: 

http://veja.abril.com.br/ciencia/divisao-do-mar-vermelho-e-explicada-por-cientistas/

http://noticias.r7.com/domingo-espetacular/fotos/cientistas-explicam-a-abertura-do-mar-vermelho-cena-mais-aguardada-de-os-dez-mandamentos-02112015#!/foto/1

Arqueólogo apresenta “novas provas” da travessia do Mar Vermelho

Tecnologia foi fundamental na busca pelos vestígios após mais de 3 mil anos

O professor de hebraico antigo e arqueólogo Michael Rood está lançando um DVD em que promete mudar o entendimento da narrativa bíblica de Êxodo, em especial da travessia do Mar Vermelho. Tudo está documentado em um filme de aproximadamente duas horas, disponível em DVD e Blu-Ray, mas por enquanto apenas em inglês.

Ele fez gravações de vídeo subaquáticas no local historicamente identificado como o ponto de travessia. E diz que encontrou formações de corais que se parecem com as rodas das carruagens egípcias, além de ossos humanos e outras evidências do relato do Antigo Testamento.

Rood afirma: “Ateus zombaram da simples menção disso, religiosos modernos negam sua veracidade, especialistas afirmam que os locais tradicionais estão errados. Mas você verá [em vídeo] as evidências científicas e arqueológicas que ficaram preservadas em corais e pedras como testemunho para esta geração da travessia do Mar Vermelho e dos eventos no verdadeiro Monte Sinai”.

Durante meses, Michael Rood e uma equipe internacional de cientistas e exploradores documentaram os achados arqueológicos que consideram um dos mais importantes da história da raça humana.

Eles vasculharam o antigo “Yam Soph” (o moderno “Golfo de Aqaba” também conhecido como “Mar Vermelho”), usando câmeras submarinas robóticas que mostram um grande campo de batalha submarino, onde o que sobrou do exército de Faraó ainda permanece incrustado no fundo do mar.

Segundo o arqueólogo, do exército que perseguiu o povo de Deus, estima-se que cerca de 20.000 carruagens foram destruídas naquele dia. Algumas formações de corais encontradas ainda hoje mostram, com a ajuda da tecnologia, que se tratam de vestígios de rodas com quatro pontos de sustentação, que são idênticas aos desenhos encontrados em tumbas egípcias do mesmo período.

E mais, as rodas estão cobertas por uma fina camada de ouro, algo pouco comum, que lhes concedem uma identidade única. O coral, por natureza, não se desenvolve sobre o ouro, o que permite que mesmo depois de tanto tempo os vestígios sejam facilmente identificáveis.

Além disso, ao longo da história, rodas de quatro, seis e oito raios foram usadas, mas as encontradas pela equipe são da 18 ª dinastia, ou seja, de 1.446 aC, quando acredita-se que o êxodo ocorreu.

Traduzido e adaptado de WND e Ark Discovery

Fonte: https://noticias.gospelprime.com.br/arquelogo-apresenta-novas-provas-da-travessia-mar-vermelho/

As provas concretas da Travessia do Mar Vermelho

O Êxodo comprovado pela Ciência

Também podemos mencionar Ronald Eldon Wyatt (1933 – 4 de agosto de 1999) que foi um arqueólogo contestado por suas supostas descobertas arqueológicas a respeito de localidades bíblicas. Ele afirmava ter encontrado a verdadeira Arca da Aliança, a Arca de Noé, a Rota do Exôdo e as cidades de Sodoma e Gomorra. 

Expedições comprovaram algumas de suas descobertas, Dra. Viveka Pontén, Dr. Jonathan Gray e outros como Penny Caldwell, Bob Cornuke e Larry Williams. Apoiam também algumas de suas descobertas o arqueologista Dr. Ebba M. During e os egiptologistas Dr. Manfred Bietak e Prof. Ken Kitchen.

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

Image and video hosting by TinyPic

 


 

            A fé cristã é irracional?

                                    Resultado de imagem para imagens de a fé cristã não é irracional

Uma das controvérsias mais debatidas no mundo moderno é a questão da existência de Deus e o papel das religiões na sociedade.

O Iluminismo – movimento surgido no século XVIII – preconizava que, pelo progresso das ciências e pela racionalidade crítica da filosofia, haveríamos de encontrar explicações para o mundo natural e para o comportamento humano sem qualquer necessidade de doutrinas religiosas ou crença na existência de um criador.

Friedrich Nietzsche ilustrou esse conceito de forma expressiva ao afirmar: “O mundo precisa ser informado de que Deus morreu e a ciência o sepultou”. Um dos expoentes do neodarwinismo, Richard Dawkins, nos afirma: “Enquanto a crença científica se baseia em evidências publicamente verificáveis, a fé religiosa não apenas carece de evidências; sua independência de evidências é sua alegria, proclamada do alto dos telhados”. E o bem sucedido e premiado filósofo Robert M. Pirsig vai ainda mais longe ao proclamar: “Quando um indivíduo sofre de um delírio, chama-se a isso de insanidade. Quando muita gente sofre de um delírio, chama se a isso de religião”.

O tema assume com frequência um caráter dogmático de ambos os lados do debate mas, com o surgimento da chamada escola de pensamento neodarwinista, temos observado o surgimento do que poderiam ser chamadas linhas de argumentação “religiosas” surpreendentemente do lado dos defensores da não existência de Deus. Sobre este tema, vale a pena ler o artigo The Wars Over Evolution, de Richard C. Lewontin, biólogo da Universidade de Harvard.

Será, porém, que todas essas afirmações a respeito da fé estão alicerçadas em evidências científicas e racionalidade crítica? O objetivo deste ensaio é demonstrar que não. Ao contrário, apresentam claramente uma linha de argumentação dogmática e, porque não dizer, “religiosa”. Fundamentaremos nosso raciocínio nos ensinamentos das Escrituras e depoimentos de notáveis cientistas e filósofos de ambos os lados do debate. Grandes descobertas da ciência dos séculos XX e XXI nos campos da cosmologia, genética e bioquímica fortalecem, a cada novo avanço, a convicção de que a descoberta de uma explicação final para os fenômenos da natureza se torna cada vez mais distante e que a existência de um Deus criador não é algo insano ou fruto de uma fé irracional.

Mas onde estão as provas de que a fé cristã independe de evidências?

Diretamente das Escrituras, tiramos as palavras de João em seu evangelho: “Estes sinais [evidências] foram escritos para que vocês creiam”. Paulo, em sua carta aos Romanos, nos diz com clareza que a natureza fornece provas que suportam a existência de um criador, ao que parece incentivando a busca do entendimento de Deus por observação e estudo de suas obras: “Pois os seus atributos invisíveis [Deus], o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas”. Os próprios apóstolos, conforme descrito em inúmeras passagens do livro de Atos, se envolveram em debates, provas, demonstrações e argumentações defendendo a fé cristã por meio de argumentação lógica.

Já no século IV, dizia Agostinho de Hipona, um dos primeiros filósofos e teólogos cristãos, convertido aos 33 anos de idade: “Quem não vê que primeiro é pensar e depois crer? Ninguém acredita em algo se antes não pensa no que há de crer. Embora certos pensamentos precedam de um modo instantâneo e rápido a vontade de crer, e esta vem em seguida, e é quase simultânea ao pensamento, é mister que os objetos da fé recebam acolhida depois de terem sido pensados. Assim acontece, embora o ato de crer nada mais seja que pensar com assentimento. Pois, nem todo o que pensa, crê, havendo muitos que pensam, mas não creem; mas todo aquele que crê, pensa, e pensando crê e crê pensando”.

Finalmente, convém lembrar que a explosão de conhecimento ocorrida entre os séculos XVI e XVII teve um grande fundamento teísta. Como discorre o matemático e filósofo Alfred North Whitehead: “A ciência moderna deve ter se originado da insistência medieval na racionalidade de Deus […]. Minha explicação é que a fé na possibilidade da ciência, gerada antes do desenvolvimento da teoria científica moderna, foi uma consequência inconsciente da teologia medieval”. Visão claramente resumida por um dos gigantes da filosofia cristã do nosso século, C. S. Lewis: “Os homens se tornaram cientistas porque esperavam haver leis na natureza, e esperavam haver leis na natureza, porque acreditavam num legislador”.

Concluímos, portanto, que a visão de Dawkins e de tantos outros é, claramente, equivocada: não faz parte da cosmovisão cristã exigir que se acredite em coisas sem que haja qualquer evidência. Exatamente como na ciência, fé, razão e provas caminham juntas e é uma atitude demasiado simplista assumir que ciência e fé em Deus são inimigas.

A Doutrina da Evolução

Examinemos agora a tão famosa e incompreendida Teoria da Evolução (e mais adiante falaremos sobre o uso do termo “doutrina”), brilhantemente criada por Charles Darwin, generalizando suas observações sobre os tentilhões das ilhas de Galápagos, no Equador. A palavra-chave é generalizando. Darwin fez o que qualquer cientista faria: com base em observações experimentais, generalizou-as, criando uma nova teoria que pudesse explicar como surgiram as diversas espécies na natureza.
O que está faltando, até aos dias de hoje, é a evidência experimental demonstrando que as teses de Darwin de fato estão corretas. Que novas espécies de fato se formam mediante pequenas mudanças nas espécies existentes, acumuladas ao longo de períodos de tempo suficientemente extensos. O próprio Darwin, em seu trabalho, admitiu que um dos grandes desafios para sua teoria era a falta de evidências arqueológicas mostrando todas as linhagens intermediárias levando de uma espécie a outra. Nos dias de hoje, mais de 150 anos após Darwin, com mais de 100 milhões de fósseis coletados, cobrindo 250.000 espécies, as lacunas continuam não preenchidas.

Em julho de 2011, foi publicado um artigo na Scientific American, de autoria de Trevor D. Lamb, “demonstrando” mais uma vez como o olho teria se formado segundo os princípios da evolução (Scientific American – Evolution of the Eye). Diz o subtítulo: “Agora os cientistas têm uma visão clara de como o notável órgão de visão se formou”. No entanto, ao lermos o artigo com atenção, ficaremos surpreendidos com a quantidade de ocorrências de termos tais como “postulamos”, “podemos inferir”, “provavelmente”, “possivelmente”, “eventualmente” e tantos outros termos que dificilmente poderiam ser associados a uma clara e irrefutável explicação de como o olho veio a se formar por processos graduais de aperfeiçoamento ao longo de vários milhões de anos. Para piorar as coisas, os paleontologistas nos asseveram que o trilobita, um fóssil com aproximadamente 450 milhões de anos, já possuía um órgão de visão com lentes mais complexas do que qualquer coisa encontrada hoje na natureza. O projeto ótico do olho do trilobita usa mecanismos que só foram descobertos por René Descartes e Christiaan Huygens em meados do século XVII. E surgiu, aparentemente pronto, sem que tenham sido encontradas quaisquer evidências de que teria se formado por meio de processos de aperfeiçoamento graduais.

O que a natureza nos mostra é que as espécies parecem surgir e desaparecer de forma pontual, sem qualquer evidência de evolução gradual (ver Equilíbrio Pontuado – Stephen J. Gould e Niles Eldredge). Dawkins admite isso em sua obra O Relojoeiro Cego: “Os resultados vivos da seleção natural nos dão a esmagadora impressão de terem sido projetados por um relojoeiro de rara maestria, nos passam a ilusão de terem sido planejados com um propósito”.

E, mais adiante, ao comentar a chamada Explosão Cambriana, ocorrida 600 milhões de anos atrás: “Os estratos cambrianos são os mais antigos em que observamos a maioria dos grupos invertebrados. E encontramos a maioria deles num estado muito avançado de evolução. É como se tivessem sido colocados lá, sem qualquer histórico evolucionário. Desnecessário dizer que esta aparência de surgimento repentino é uma das maiores alegrias dos criacionistas”.

Quase dois séculos depois da publicação da Origem das Espécies, não foi até hoje observado na natureza ou replicado em laboratório qualquer processo evolutivo que levasse ao surgimento de uma nova espécie, fenômeno por vezes denominado Macro-evolução.

Moscas mutam mas continuam moscas. Bactérias evoluem e se tornam resistentes a antibióticos, mas continuam sendo a mesma bactéria. O parasita causador da malária sofreu uma mutação e se tornou resistente às drogas convencionais, mas continua sendo o nosso velho conhecido Plasmodium falciparum. A Teoria da Evolução já foi devidamente evidenciada como explicação para os fenômenos micro evolutivos e suas variantes, como a adaptação do bico dos tentilhões de Darwin (radiação adaptativa), mas continua sendo apenas uma hipótese para explicar o surgimento de novas espécies. A mudança macro evolutiva de uma espécie para outra foi inferida inúmeras vezes, mas jamais documentada.

O grande público em geral não faz ideia do quanto escassas e fragmentárias são as evidências existentes para os processos evolutivos, incluindo a evolução do ser humano. Porém, o maior desafio a vencer na demonstração de que Deus é desnecessário segundo uma perspectiva darwinista, surgiu com as grandes descobertas nos séculos XX e XXI, no campo da bioquímica.

James Shapiro, bioquímico das Universidades de Harvard e Chicago, um dos primeiros cientistas a isolar um gene de um organismo vivo, declara: “Não existem explicações darwinianas detalhadas para a evolução de qualquer sistema bioquímico, apenas uma variedade de especulações criativas.”

Sabemos hoje quais são os componentes fundamentais da vida e que mecanismos utilizam para que haja reprodução mas estamos ainda mais longe de poder explicar como esses processos surgiram, tamanha é a complexidade observada.
O DNA é formado por genes, que podem ser encarados como manuais de fabricação de proteínas. O ser humano tem aproximadamente 20.000 genes, que orientam a produção de aproximadamente 100.000 proteínas, compostas por cadeias com centenas de elos formados por diferentes combinações de 20 aminoácidos. Estes números nos mostram uma óbvia explosão combinatória, que torna estatisticamente irracional qualquer tentativa de explicar o surgimento desses componentes por processos evolutivos.

A única saída do impasse probabilístico é tentar aumentar drasticamente as probabilidades de os processos evolutivos caminharem mais rapidamente na direção de um alvo. É exatamente essa hipótese que Dawkins nos apresenta em O Relojoeiro Cego. Ele alega que a origem da vida está longe de ter ocorrido por mero acaso pois, se assim fosse, concorda ele, teríamos uma impossibilidade estatística. Devem existir, postula Dawkins, mecanismos que diminuam o número de etapas a seguir para que o alvo evolutivo seja atingido num horizonte de tempo razoável. E assim, mais uma vez, “demonstra” que tudo é perfeitamente explicável pela visão darwinista.

Perguntas que surgiram em decorrência das modernas descobertas no campo da genética e que permanecem sem resposta: 1) Como surgiram os aminoácidos? 2) Como surgiram as proteínas? 3) Como surgiram o DNA e o RNA? 4) Como se formou a primeira célula? 5) Como foi criado o código genético? 6) Como foi criado o processo de fabricação de proteínas? 7) Como foi criado o mecanismo de replicação? 8) Como tudo pode ter ocorrido simultaneamente, visto que tanto proteínas quanto ácidos nucleicos (DNA) são necessários para que ocorram os processos de replicação necessários à vida?.

Ao que parece, a cada nova resposta que encontramos surgem cada vez mais novas perguntas, o que torna muito razoável admitir que afinal talvez exista mesmo um projetista. Alternativamente, conforme argumenta Dawkins em O Gene Egoísta, pode-se postular que em algum ponto no tempo uma molécula tenha se formado, por acidente, batizada de replicador por ter a extraordinária propriedade de poder criar cópias de si mesma; assim “demonstramos” uma vez mais que existe sempre uma explicação que elimina a necessidade de se recorrer à existência de um criador. Basta ter criatividade suficiente para criar explicações, por mais especulativas que possam ser.

Ou, como o grande estudioso do DNA Leslie Orgel admite de forma mais sensata num artigo publicado em 1994 na Scientific American: “É extremamente improvável que proteínas e ácidos nucleicos (DNA), com toda a sua complexidade, possam ter se formado espontaneamente no mesmo lugar e ao mesmo tempo. À primeira vista, seríamos forçados a concluir que a vida não poderia nunca se originar por meios puramente químicos”.

Que não se conclua que nosso objetivo foi desacreditar a Teoria da Evolução, demonstrar sua falsidade científica ou sua incompatibilidade com princípios cristãos. Citando o grande evangelista Billy Graham: “Não creio que exista qualquer conflito entre a ciência contemporânea e as Escrituras. … A Bíblia não é um livro sobre ciência. A Bíblia é um livro sobre redenção, e é claro que eu aceito o seu relato sobre a criação. Eu creio que Deus criou o homem, e se ele surgiu por processos evolucionários e num determinado momento Ele o fez uma alma vivente, ou não, não muda o fato de que Deus o criou… seja qual for o meio que Deus usou, não faz qualquer diferença para o que o homem é e qual é a sua relação com Deus”.

A Teoria da Evolução deve ser respeitada como ciência em si, porém não podemos aceitar os excessos filosóficos de certos cientistas que fazem uso abusivo da teoria para promover o ateísmo, transformando-a numa doutrina. Não há porque introduzir o conceito de Deus na pesquisa científica, assim como não há por que usar a ciência para promover uma cosmovisão ateística.

O universo começou?

De um lado, intelectuais naturalistas nos dizem que a ciência eliminou Deus e, do outro lado, teístas dizendo-nos que a ciência confirma sua fé em Deus. As duas posições são defendidas por cientistas muito competentes. Não poucas vezes, encontramos ateus declarados expondo suas dúvidas sobre o tema.

Vejamos o que nos diz Stephen Hawking, de Cambridge, talvez o maior físico teórico do nosso tempo: “É difícil discutir o início do universo sem mencionar o conceito de Deus. Minha obra sobre o início do universo situa-se na fronteira entre a ciência e a religião, mas eu tento ficar do lado científico da fronteira. É bem possível que Deus atue de maneiras que não podem ser descritas por leis científicas”.

Continua Hawking, mas desta vez especulando a respeito do poder das teorias científicas, referindo-se à chamada Teoria Unificada ou Teoria de Tudo (veja o filme): “A abordagem comum da ciência de construir um modelo matemático não pode responder às perguntas que indagam por que deveria existir um universo a ser descrito pelo modelo. Porque o universo se dá a todo esse trabalho de existir? Seria a teoria unificada tão convincente a ponto de produzir sua própria existência? Ou será que ela precisa de um criador, e nesse caso, ele exerce algum outro efeito sobre o universo?”.

Paul Davies, da Universidade do Arizona, vai um pouco mais longe: “Não é necessário invocar nada sobrenatural nas origens do universo ou da vida. Jamais gostei da ideia de uma intervenção divina: para mim é muito mais inspirador crer que um conjunto de leis matemáticas possa ser tão engenhoso a ponto de fazer com que todas as coisas existam”.

Acredita-se que a cosmologia científica, ou seja, a busca das leis que governam o universo, teve seu início na Grécia Antiga, tendo sido objeto de estudos de Pitágoras e Aristóteles. No entanto, o problema da origem do universo começou a tomar forma em meados do século XIX, culminando na chamada Teoria do Big Bang, fruto dos trabalhos de Albert Einstein, Alexander Friedmann e Edwin Hubble. Segundo a Teoria do Big Bang, o universo teve seu início num processo semelhante a uma grande explosão, começando num ponto infinitamente pequeno e prosseguindo num processo acelerado de expansão que continua nos dias de hoje. Após diversas descobertas comprovando previsões teóricas, principalmente as de Penzias e Wilson em 1965, a Teoria do Big Bang passou a ser aceita pela comunidade científica em geral.

Curiosamente, a teoria provocou muita controvérsia nos meios acadêmicos, a ponto de o termo Big Bang ter sido utilizado pela primeira vez de forma depreciativa pelo eminente cosmologista e escritor Fred Hoyle por volta de 1950. Uma das razões para a controvérsia era a conclusão óbvia que, se o universo começou, então deveria haver uma causa, a primeira de todas as causas, e que esta causa seria Deus. Esta é uma descrição simplificada do chamado Argumento Cosmológico Kalam para a existência de Deus. Citando Sola Scriptura.org – Existência de Deus: “Se o universo foi causado, então esta causa não causada tem de ser infinita, imutável, todo-poderosa, onisciente e absolutamente perfeita. Este ser infinitamente perfeito é apropriadamente chamado Deus”.

Muitas outras descobertas modernas na área da física parecem mostrar que o universo foi finamente ajustado para o surgimento da vida como a conhecemos. Desde os parâmetros que governam a física atômica até aos parâmetros que governam a física cósmica, tudo parece ter sido objeto de um ajuste tão preciso que parece ser ilógico admitir que tudo não passaria de uma coincidência. Deve haver uma causa governando o universo e a essa causa chamamos Deus. Este é o chamado Argumento Teleológico para a existência de Deus: se existe um plano então existe um planejador; existe um plano, logo, existe um planejador.

Mas o debate e a pesquisa científica continuam. Havia algo antes do Big Bang? O que causou o Big Bang, se não foi Deus? Algumas referências: Teoria das Cordas, The String Theory Website, Andrei Linde – Multiversos, Video – Brian Greene: Is our universe the only universe?

Considerações finais e conclusão

Um dos pontos muito discutidos a respeito de Deus é porque ele permite a existência do mal. Mas, se entendemos que existe o mal, é porque temos consciência de que existe seu oposto, o bem. Ora, se entendemos a diferença entre o bem e o mal é porque existe algum padrão de avaliação universal que poderíamos chamar de lei moral. De onde veio a lei moral? Parece razoável admitir que exista um doador dessa lei moral, que deve ser absolutamente perfeito. A esse ser, apropriadamente chamamos Deus. Este é o chamado Argumento Moral.

Se você teve a paciência de ler o artigo até aqui, talvez tenha considerado que a existência de Deus pode até fazer algum sentido. Mas estou certo que uma pergunta insiste em ressoar em seu intelecto. Se ele existe, por que não se manifesta de forma inequívoca? Por que não mostra todo o seu poder à humanidade e encerra o debate de uma vez por todas?

Nada melhor que deixar um especialista responder. Em Cartas de um Diabo a Seu Aprendiz (C. S. Lewis), o mentor Fitafuso diz a seu aluno Vermebile: “Certamente você já se perguntou várias vezes porque o inimigo não utiliza os seus poderes para estar presente de modo perceptível para as almas humanas com a intensidade que ele escolher e sempre que desejar. Mas agora você percebe que o irresistível e o indisputável são duas armas que a própria natureza do seu desígnio o impede de usar. Para ele, de nada valeria simplesmente neutralizar a vontade humana (o que certamente aconteceria se ele os fizesse sentir sua presença do modo mais débil e suave possível). Ele não pode violentá-los; pode apenas cortejá-los. Pois sua ideia desprezível é ter ao mesmo tempo duas coisas incompatíveis: as criaturas devem ser um com ele, e ainda assim distintas”.

Encerramos com um comentário do filósofo Luiz Felipe Pondé, em entrevista à revista Veja em 13/7/2013, respondendo à pergunta “Por que o senhor deixou de ser ateu?”: “Comecei a achar o ateísmo aborrecido, do ponto de vista filosófico. A hipótese do Deus bíblico, na qual estamos ligados a um enredo e um drama morais muito maiores do que o átomo, me atraiu. Sou basicamente pessimista, cético, descrente, quase na fronteira da melancolia. Mas tenho sorte sem merecê-la. Percebo uma certa beleza, uma certa misericórdia no mundo, que não consigo deduzir a partir dos seres humanos, tampouco de mim mesmo. Tenho a clara sensação de que às vezes acontecem milagres. Só encontro isso na tradição teológica”.

Jacinto Mendes, engenheiro, professor, ex-ateu, membro da CBMoema

 

Fonte: http://cbmoema.com.br

 


 

Fatos científicos na Bíblia
100 razões para crer que a Bíblia tem uma origem sobrenatural

Autor:  Ray Comfort    -    http://www.wayofthemaster.com/


 

        Conteúdo

  Prefácio................................................................5

Capítulo 1  A Ciência e a Bíblia ...............................11
Capítulo 2   O Incrível livro de Jô..............................17
Capítulo 3   A Ciência Médica e a Bíblia ..................20
Capítulo 4  A Ciência e o Gênesis.............................24
Capítulo 5  Os Cientistas e a Bíblia...........................29
Capítulo 6  A Biologia e a Bíblia...............................35
Capítulo 7   As Profecias Bíblicas 100% precisas.......39
Capítulo 8  A Astronomia e a Bíblia..........................46
Capítulo 9  Personagens Históricos e a Bíblia.............50
Capítulo 10  A Arqueologia e a Bíblia.........................59
Capítulo 11  A Precisão Histórica da Bíblia.................67
Capítulo 12  A Evolução e a Bíblia.............................70
Capítulo 13  A Ciência e a Evolução..........................85
 

Page 5      Prefácio

Eu espero que você seja um cético

“Suponha que eu acreditasse ser  Deus e que eu cresse que todo o universo gira ao meu redor?” O jovem cheio de confiança esperava pela minha reação a sua pergunta. Eu simplesmente respondi: Eu acho que você seria um ser humano normal. Ele ficou um pouco surpreso de eu não ter me impressionado com o seu absurdo comentário, e me perguntou: “O que você quer dizer com isso?” Eu expliquei perguntando a ele o que ele achava que “aqui” era. Ele me disse que era onde ele estava.

 Todo ser humano pensa dessa mesma forma. Nós definimos “aqui” como sendo onde nós estamos. Todos as outras pessoas e todas as outras coisas estão lá. Cada um de nós pensa que é o centro do universo. Semântica? Vamos mais adiante. Defina “agora” para mim. Diga-me quando é. Você não consegue. Na fração de segundo que você tenta localizar o “agora” ele se torna passado. Eu geralmente explico a natureza do “agora” depois que eu pergunto a uma pessoa se ela já roubou alguma coisa. Esta é a típica resposta à pergunta: “Sim, já. Mas isso foi no passado.” Eu explico a elas que tudo está no “passado”. Você tem que definir até mesmo a leitura dessa frase como algo que você fez no passado.

 Esses pensamentos são um pouco estranhos, e você talvez esteja pensando que ainda há algumas coisas das quais nós (Page 6) podemos ter certeza – o sol ainda nasce, o céu ainda é azul, e “para cima” ainda é “para cima”. Não é verdade. O sol nunca nasce. A Terra gira, nos dando a impressão de que o sol está nascendo embora ele esteja parado (parece estar parado, mas na verdade está se movendo pelo universo). O céu não é azul. Pergunte a qualquer astronauta. Ele não tem cor. Nem “para cima” é para cima. Lembre-se que a Terra é redonda. Aquilo que é para cima para alguém no Pólo Norte não é a mesma coisa para alguém no Pólo Sul. Na verdade, se todo mundo na Terra apontasse para onde pensa que é para cima, nós todos apontaríamos em direções diferentes.

 Muitas coisas que pensamos serem algo certo não o são. A História  nos mostra que até aquilo que a ciência define como uma verdade hoje pode ser ridicularizado em cem anos.

 Então do que nós podemos ter certeza? Existe algo que seja “absoluto” ou uma verdade imutável? Nós falaremos disso adiante nesse livro.

 Em abril de 2001, por meio de uma série de circunstâncias estranhas, eu acabei falando na Associação Americana de Ateus, durante a Convenção Nacional em Orlando no estado da Flórida. A platéia de 250 pessoas foi razoavelmente educada ... até que eu afirmei que a Bíblia estava repleta de fatos científico e médicos, que foram escritos milhares de anos antes do homem descobri-los. A reação foi escárnio imediato.

 A reação deles era compreensível. Se eu estivesse falando a verdade a Bíblia teria que ter uma origem sobrenatural. Um pensamento desagradável para um ateu convicto. Isso, no entanto, não é uma noticia de todo ruim para o incrédulo. Se a Bíblia provar ser a Palavra (Page 7) daquele que criou todas as coisas, faria sentido folhear suas páginas. Ao final das contas, o tempo levará a todos nós para o caixão. Se houver uma chance em um milhão de que a promessa bíblica de imortalidade e a ameaça de condenação forem verdade, nós mesmos devemos estudá-la.

 A Bíblia não tenta defender sua inspiração. Gênesis simplesmente inicia com as palavras “Deus disse”. Essas palavras são repetidas nove vezes no primeiro capítulo. A frase “O Senhor falou” é usada 560 vezes nos primeiros cinco livros da Bíblia e pelo menos 3.800 vezes em todo o Antigo Testamento. Isaías alegou pelo menos 40 vezes que a sua mensagem vinha diretamente de Deus; Ezequiel, 60 vezes; e Jeremias, 100 vezes.

 A maioria das pessoas não está ciente que a Bíblia foi escrita ao longo de um período de 1.600 anos, por mais de 40 autores, que escreveram em três continentes diferentes em três línguas diferentes. Eles falaram sobre centenas de assuntos controversos, e mesmo assim escreveram palavras que concordavam entre si.

 Esses fatos tornam a informação contida nessa publicação ainda mais inacreditável.

 Antes de olharmos esses fatos científicos na (Page 8) Bíblia, eu devo dizer algumas informações importantes. Para fazer isso, eu terei que citar trechos da Bíblia. Isso não significa que eu vou usar “raciocínio circular”. Eu simplesmente quero explicar algo que é relevante para o que eu vou apresentar.

 Há muitos anos atrás, eu coordenei um clube de crianças. Ao final da reunião, eu disse para cerca de cem crianças que fizessem uma fila para ganhar doces. Logo houve um tumulto, e a fila foi arranjada de um jeito que eu percebi que era uma fila da ganância. Os garotos maiores e mais egoístas ficaram na frente, e os pequenos e tímidos ficaram na parte de trás. Então eu fiz algo que me deu grande satisfação. Eu disse para as crianças virarem para trás. Todos fizeram isso. Depois eu disse para ficarem onde elas estavam, e fiquei muito alegre em ir para a outra ponta da fila e em dar os doces primeiro para as crianças menores e mais tímidas.

 Num mundo onde os ricos ficam mais ricos e os pobres são pisoteados, nós somos informados que Deus foi para a outra ponta da fila com a mensagem de vida eterna (eu sei que talvez você não acredite na existência de Deus, mas tenha um pouco de paciência). Isto é o que nos dizem:

Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem ...Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, E aniquilarei a inteligência dos inteligentes... Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; e Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, (Page 9) e as que não são, para aniquilar as que são; para que nenhuma carne se glorie perante ele. (1Coríntios 1:18,19,27-29)
 Como Deus foi para a outra ponta da fila? Simplesmente ao escolher aquilo que era louco, fraco, vil, e desprezível. Deixe-me ilustrar o que Ele fez.

 Você acredita que os seguintes relatos bíblicos aconteceram de verdade?

· Adão e Eva;
· Arca de Noé;
· Jonas e a baleia;
· Josué e as muralhas de Jericó;
· Sansão e o seu longo cabelo;
· Daniel e a cova dos leões;
· Moisés e o Mar Vermelho.

Se você é um ateu, é claro que não acredita. Para você, acreditar em histórias tão fantásticas seria o mesmo que desistir da sua dignidade intelectual. Quem em perfeito juízo faria uma loucura dessas? A resposta é somente aqueles que entendem que Deus escolheu as coisas fracas, loucas, vis, e desprezíveis deste mundo para confundir aqueles que pensam ser sábios.

Veja a ofensa intelectual no tom desta carta que eu recebi, em relação ao debate de Orlando sobre o tema “Deus existe?”:

 Que triste você ter desistido do seu intelecto por causa de um livro pré-científico e ignorante. Eu sei do seu debate que vai ocorrer... (Page 10) eu não estarei lá, mas eu tenho certeza que a platéia vai ter umas boas risadas com a sua apresentação. Literalistas bíblicos talvez não sejam inteligentes, mas eles são extremamente engraçados.
 Eu espero que você tenha aberto esse livro com uma boa dose de ceticismo. Você deve fazer isso mesmo. O mundo está cheio de pessoas simplórias que fariam um templo para um nó de madeira em um tronco de árvore que se assemelha a um “santo” morto. Você é prudente ao verificar as evidências antes de decidir se algo é ou não é verdade.

Onde está a evidência?

Imagine que você está olhando um transatlântico luxuoso navegando em águas calmas. Para o seu espanto, cerca de uma dúzia de pessoas pulam do navio e se agarram a um bote salva-vidas. Você observa enquanto o resto dos passageiros no navio riem deles. Você consegue entender a reação deles. O que aquelas poucas pessoas fizeram era tolo. Não fazia sentido.

 De repente, o navio colide com um iceberg não avistado e naufraga, levando consigo todos que permaneceram a bordo. Agora você entende que os passageiros que pareciam tolos eram sábios, mas os que permaneceram no navio e pareciam ser sábios, eram tolos.
 Nós temos na Bíblia uma ordem para pular do transatlântico luxuoso deste mundo. Antes de você rir de cristãos bobocas, pergunte-se se há alguma prova de que suas afirmações são verdadeiras. As próximas páginas fornecem evidências convincentes de que a Bíblia não é um livro comum.

Page 11
 

Fatos científicos na Bíblia

Capítulo 1


    A Bíblia e a posição da Terra no espaço

Em um tempo que se acreditava que a Terra estava situada em cima de um grande animal ou gigante (1.500 A.C.), a Bíblia falou da posição da Terra no espaço: “O norte estende sobre o vazio; e suspende a terra sobre o nada.” (Jó 26:7). A ciência não descobriu que a Terra não era sustentada por nada até 1650.


    As Escrituras falam de uma estrutura invisível

Só há pouco tempo atrás, a ciência descobriu que tudo que nós vemos é composto de coisas que não conseguimos ver – átomos. Em Hebreus 11:3, escrito há 2000 anos atrás, a Escrituras nos dizem que “aquilo que se vê não foi feito do que é aparente”.


    A Bíblia revela que a Terra é redonda

As Escrituras nos dizem que a Terra é redonda: “Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra” (Isaías 40:22).

Page 12

A palavra traduzida como “círculo” aqui é a palavra em hebraico chuwg, que também pode ser traduzida como “circuito” ou “bússola” ( dependendo do contexto). Ou seja, ela indica algo esférico, arredondado ou arqueado – não algo que é plano ou quadrado. O livro de Isaías foi escrito aproximadamente entre 740 e 680 anos A.C. São pelo menos 300 anos antes de Aristóteles sugerir, em seu livro Sobre os Céus, que a Terra talvez fosse uma esfera. Dois mil anos depois (num tempo em que a ciência acreditava que a Terra fosse plana) as Escrituras inspiraram Cristóvão Colombo a navegar ao redor do mundo.


    A Bíblia e a ciência da Oceanografia

Mathew Maury (1806 – 1873) é considerado o pai da oceanografia também chamada de oceanologia. Ele percebeu a expressão “veredas dos mares” em Salmos 8:8 ( escrito 2.800 anos antes) e disse, “Se Deus disse que há veredas no mar, eu vou encontrá-las”. Maury então acreditou literalmente no que Deus disse e foi procurar essas veredas, e nós devemos muito a sua descoberta das correntes continentais quente e fria. O seu livro sobre oceanografia permanece um texto básico sobre o assunto e ainda é usado em universidades.


    A Bíblia e as ondas de rádio

Deus fez a Jó uma pergunta muito estranha em 1.500 a.C. Ele perguntou: “Ou mandarás aos raios para que saiam, (Page 13) e te digam: Eis-nos aqui?” (Jó 38:35). Isso parece ser uma afirmação cientificamente ridícula – que a luz pode ser enviada, e depois se manifestar em fala. Mas você sabia que toda radiação eletromagnética, de ondas de rádio ao raio-X, viaja na velocidade da luz? É por isso que você fazer uma comunicação instantânea sem fio com alguém do outro lado do mundo. O fato de que a luz podia ser enviada e depois se manifestar em fala não foi descoberto pela ciência até 1846 ( 3.300 anos depois) , quando “o cientista britânico James Clerk Maxwell sugeriu que a eletricidade e as ondas leves eram duas formas da mesma coisa” (Modern Century Illustrated Encyclopedia).


    A Bíblia e Entropia

Três lugares diferentes na Bíblia (Isaías 51:6; Salmos 102:25,26; e Hebreus 1:11) indicam que a Terra está se deteriorando. Isso é o que a Segunda Lei da Termodinâmica (a lei da entropia crescente) afirma: que em todos os processos físicos, todo sistema ordenado ao longo do tempo tende a se tornar mais desordenado. Tudo está se desgastando e deteriorando à medida que a energia está se tornando cada vez mais escassa. Isso significa que o Universo irá se deteriorar ao ponto que (em tese) haverá uma “morte da energia térmica” e portanto não haverá mais energia disponível para o uso. Isso só foi descoberto pela ciência recentemente, mas a Bíblia afirma isso de forma concisa.


    A Bíblia e o ciclo da água

As Escrituras nos informam “Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr.” (Eclesiastes 1:7). Essa frase parece não ser profunda. Mas quando é considerada com outras passagens bíblicas, ela torna-se mais fantástica. Por exemplo, o rio Mississipi despeja aproximadamente 518 bilhões de galões de litros de água a cada 24 horas no Golfo do México. Para onde vai toda essa água? E esse é só um entre milhares de rios. A resposta está no ciclo hidrológico, tão bem explicado na Bíblia.

 Eclesiastes 11:3 diz que “Estando as nuvens cheias, derramam a chuva sobre a terra”. Olhe para as palavras resumidas da Bíblia em Amós 9:6 Ele ... o que chama as águas do mar, e as derrama sobre a terra”. A idéia de um ciclo completo da água só foi compreendido pelos cientistas no século dezessete. Entretanto, dois mil anos antes das descobertas de Pierre Perrault, Edme Mariotte, Edmund Halley, e outros, as Escrituras mencionaram claramente um ciclo da água.


    A Bíblia e a primeira Lei da Termodinâmica

As Escrituras dizem, “Assim os céus, a terra e todo o seu exército foram acabados.” (Gênesis 2:1). O original em hebraico usa o particípio para indicar que uma ação completada no passado nunca mais iria acontecer. A criação foi “acabada” de uma vez por todas. Isso é exatamente o que a primeira lei da termodinâmica diz. Essa lei (chamada geralmente de lei da conservação da energia ou massa) afirma que nem a massa nem a energia podem ser criadas ou destruídas.

 Foi por causa dessa lei que a teoria do “Estado-imutável” ou “Criação contínua” foi desconsiderada. Hoyle dizia que em alguns pontos do universo chamados “irtrons”, a matéria ou a energia estava sendo criada constantemente. Mas, a primeira lei da termodinâmica afirma exatamente o contrário. Realmente não há “criação” ocorrendo hoje em dia. Tudo está “acabado” exatamente como a Bíblia diz.


    A Bíblia e a dimensões de um navio

Em Gênesis 6, Deus revelou a Noé as dimensões da arca de 42 milhões de litros cúbicos que ele deveria construir. Em 1609 em Hoor na Holanda, um navio foi construído de acordo com essas medidas (30:5:3), revolucionando a construção de navios. Por volta do ano 1900 todos os grandes navios nos oceanos tinham aproximadamente a mesmas proporções da arca (confirmado pelo “Registro de Navio de Lloyd” no Almanaque Mundial).


    A Bíblia e as leis meteorológicas

A Bíblia descreveu um “ciclo” de correntes de ar dois mil anos antes de os cientistas descobrirem: “O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos.” (Eclesiastes 1:6). Nós sabemos agora que o ar ao redor da Terra gira em gigantescos círculos, no sentido horário em um hemisfério e no sentido anti-horário no outro hemisfério.


    A Bíblia e a Ciência

“Na antiguidade e no que foi chamado de Idade das Trevas, o homem não sabia o que ele sabe hoje sobre a humanidade e o cosmos. Eles não conheciam a fechadura, mas eles possuíam a chave, que é Deus. Agora muitos têm excelentes descrições da fechadura, mas eles perderam a chave. A solução ideal é a união entre ciência e religião. Nós devemos ser proprietários da fechadura e da chave. A verdade é que à medida que a ciência avança, ela descobre o que foi dito há milhares de anos na Bíblia” Richard Wurmbrand, Provas da Existência de Deus.


 

"Fatos científicos na Bíblia"
Fonte: <http://www.creationism.org/portuguese/ComfortScientificFactsInBible_pt.htm>

 

 


 

Ciência e Fé na vida de Michael Faraday

por Colin Russell / tradução Breno Perdigão

                         Resultado de imagem para imagens de michael faraday

Sobre o autor

Prof. Colin Russell FRSC é professor emérito de História da Ciência e Tecnologia na Open University e foi anteriormente chefe do Departamento de História da Ciência e Tecnologia da Open University e presidente da Sociedade Britânica de História da Ciência. Livros recentes do Prof. Russell incluem uma biografia de Michael Faraday intitulada Michael Faraday: física e fé (Oxford University Press, 2000). 

Resumo

Michael Faraday (1791-1867) é um dos mais conhecidos de todos os cientistas britânicos cujas descobertas transformaram nosso mundo e que foi pioneiro no entendimento público da ciência em suas palestras na Royal Institution. Ele era igualmente uma pessoa de profunda fé religiosa, cuja ciência foi praticada dentro de uma visão de mundo cristã que moldou suas atitudes e práticas, uma visão de mundo que, em alguns casos imiscuiu mais diretamente sobre as suas teorias científicas. Este artigo sugere que a ‘convergência’ ao invés do modelo ‘divergente’ melhor descreve a ciência e a fé na vida de Michael Faraday. 

Introdução

Michael Faraday (1791-1867) foi um dos fundadores do eletromagnetismo, arquiteto da teoria clássica dos campos, descobridor de duas leis de eletrólise e de compostos químicos numerosos, tais como benzeno e hidrocarbonetos clorados totalmente. Ao todo, ele publicou cerca de 400 publicações científicas. Ele tem sido muito estudado, e em 1971 tinha sido alvo de mais biografias do que a maioria dos cientistas atraem. [1]

Sua teologia foi recentemente examinada com muito cuidado, especialmente por G. Cantor [2], embora um artigo anterior por R. E. D. Clark apareceu em 1967 [3]. Este trabalho incidirá sobre as interações entre a teologia de Faraday e sua ciência. 

As raízes das crenças de Faraday

Quando, anos mais tarde, Michael Faraday foi questionado sobre sua religião, ele respondeu: “Eu sou de uma muito pequena e desprezada seita conhecida dos cristãos, se conhecida em tudo, como sandemanianos, e nossa esperança é fundada sobre a fé que há em Cristo.” [4] Esta foi a fé de seus pais que tinham florescido em um canto remoto de Cumbria, e foi ter efeitos profundos em todos os departamentos da sua vida. Fundada em Scotland pelo ministro presbiteriano John Glas em 1724, foi uma busca pelo Cristianismo primitivo revelado no Novo Testamento e foi promovido pelos escritos teológicos de peso do genro de Glas, Robert Sandeman.

Assim como com muitos naquela época a família Faraday tinha uma longa tradição de ‘dissidência’ religiosa (ou seja, não conformavam com a Igreja da Inglaterra). No início do século XVIII, Robert Faraday conseguiu uma pequena propriedade no noroeste de Yorkshire e no devido tempo se juntou a Capela Sandemaniana em Wenning Bank, Clapham, Yorkshire. Foi nas devoções simples de sua igreja, com o seu apelo à autoridade bíblica e suas altas exigências éticas, que os filhos de Robert Faraday foram criados. Claramente evangélico, sua fé também foi fortemente calvinista, enquanto os costumes da igreja eram levados a sério.

O filho de Robert, James, tornou-se um ferreiro em Mallerstang, na estrada dos antigos tropeiros da Escócia para Londres. Então, em 1791, James e sua esposa Margaret mudaram-se para Londres. Pouco tempo depois, em setembro do mesmo ano, seu terceiro filho nasceu. Ele foi chamado de Michael, segundo o pai de Margaret.

Nós passamos pelos primeiros anos de penúria de Faraday, baixa escolaridade, aprendizado com um encadernador e tentativas de auto-educação de Faraday, captando a narrativa quando Faraday estava na residência no Royal Institution de Londres. Ele devia sua introdução lá ao químico Humphry Davy, cujas aulas ele tinha assistido, e em 1813 Faraday foi contratado como assistente de Sir Humphry Davy no Royal Institution, onde passou os próximos cinquenta e quatro anos, tornando-se diretor de seu próprio laboratório em 1825. Desde 1816 Faraday também morava lá, no alto do edifício e livre de intrusões indesejáveis, continuando seu hábito de infância de frequentar a capela Sandemaniana na alameda de Paulo, na cidade de Londres. Semana após semana ele iria ouvir a leitura e exposição da Escritura e adicionar sua própria contribuição melodiosa ao canto de hinos.

Aos poucos, talvez de modo imperceptível, ele adotou os respectivos valores como seus e foi identificado de maneira mais profunda com a sua comunidade.

O mundo privado da casa de Faraday se fundiu inextricavelmente com o de sua igreja. Entre os jovens membros da congregação Sandemaniana estava Sarah Barnard, filha de Edward Barnard, ancião da capela e membro de idade de uma família Sandemaniana . Percebendo que ele estava apaixonado por ela, Faraday a perseguiu com uma energia geralmente reservada para investigações científicas. Ele foi inteiramente bem-sucedido e, em 12 de Junho de 1821, eles se casaram na igreja anglicana de Santa Fé na cidade de Londres, onde o casamento foi registrado embora não tenha havido qualquer serviço religioso.

Dentro de dias do casamento Faraday procurou membros da igreja Sandemaniana, que sua esposa tinha se juntado dois anos antes. Seu casamento pode, eventualmente, ter precipitado sua ação, embora quando Sarah lhe perguntou por que eles não tinham falado sobre sua adesão, ele deu a resposta memorável “Isso é entre mim e meu Deus”. Juntando-se a igreja era, em certo sentido, a conclusão natural de um processo que tinha começado na infância, e isso significava um grande negócio para Faraday. Tendo sido considerado ‘para entender e acreditar na VERDADE, e expressar a disposição de fazer o que Cristo ordenou’, ele recebeu a imposição de mãos, beijo santo e uma calorosa recepção dentro dessa pequena comunidade de crentes em Londres.

Em casa, no seu gabinete privado no Royal Institution, Faraday podia relaxar em perfeito contentamento e boas-vindas à extensa família da fé Sandemaniana. A maioria dos domingos foram gastos em sua igreja, onde o serviço de comunhão era imprensado entre dois outros serviços para o ensino e oração, cada um, muitas vezes com duração de três horas. Depois de uma maratona tão espiritual haveria tempo para reuniões de família, e um outro encontro que aconteceria na quarta-feira à noite. Durante a semana, Michael Faraday iria visitar outros sandemanianos, especialmente aqueles em necessidade. Isto tornou-se mais um dever após a sua admissão como diácono (1832) e ancião (1840), e ele tornou-se gradualmente envolvido em pregar nas reuniões Sandemaniana em Londres e muito mais longe. O físico John Tyndall, não é amigo da religião institucional, mas um simpático biógrafo contemporâneo de Faraday, que atribuía a força para os dias da semana de Faraday à ‘seus exercícios de domingo’, acrescentando que ‘ele bebe de uma fonte no domingo, que refresca sua alma para a semana’.

Devemos agora perguntar como esta fé reagiu com a ciência de Faraday. Surgem dois modelos possíveis. 

Um modelo divergente

Esta é uma visão convencional, de que entre ciência e a fé há um grande abismo fixo. São dois mundos diferentes, entitades divergentes.

Nas próprias palavras de Faraday 

Não há filosofia [ciência] na minha religião … Embora as obras naturais de Deus nunca possam, por qualquer possibilidade entrar em contradição com as coisas mais elevadas que pertencem a nossa existência futura, elas devem em tudo concernente a Ele, sempre glorificá-Lo, ainda assim eu não penso que seja de todo necessário amarrar o estudo da ciência natural e a religião juntos, e na minha relação interna com estes semelhantes, o que é religioso, e aquilo que é filosófico, já foram duas coisas distintas. 

Sir John Meurig Thomas escreve: 

Sereno na segurança de sua convicção religiosa, ele estava preocupado com o aparente conflito entre a ciência e as crenças religiosas. Ele poderia esfolar os espiritualistas por sua ingenuidade da fé e, ao mesmo tempo aceitar, como fizeram seus companheiros Sandemanianos, a verdade literal da Bíblia. Resoluto em sua busca por excelência como professor e dedicado à realização dos mais altos padrões da Royal Institution em Albemarle St, ele aceitou com serenidade os pronunciamentos teológicos primitivos de seus companheiros de adoração na Capela Paul’s Alley em Aldersgate Street. [5] 

Em outras palavras a prática científica é mantida separada de convicções religiosas. A imagem é a de separação.

Geoffrey Cantor expressou isso de uma maneira diferente. Quando Faraday desce do mundo privado da sua casa para o mundo público de suas palestras “uma máscara desliza sobre seu rosto”. Pois aqui ele não está “em casa” e tem de encontrar valores alienígenas aos do Sandemanianismo que governou supremo em seus quartos privados. Na medida em que muitas pessoas têm uma distinção entre suas vidas privadas e públicas isso não é particularmente notável. Também não é surpreendente que uma palestra na artificial – mesmo sufocante – mundo do Teatro Royal Institution, deve ser uma espécie de performance, onde é necessária e esperada uma “máscara”.

No entanto, há um outro elemento na análise de Cantor, e que é um de seletividade. Ele continua a argumentar que ‘no domínio público da Royal Institution Faraday evitou os aspectos da vida mundana, que eram hostis ao Sandemanianismo ‘. É certamente o caso que o que poderia ser interpretado como questões de discórdia como a idade da Terra, a universalidade do dilúvio, e a continuidade das espécies são cuidadosamente evitados por Faraday. No entanto, todos esses foram fatores tão distante de seus projetos imediatos que eles nunca poderiam ter sido graves candidatos para debate.

Assim, na separação ou na seletividade, a religião de Faraday pode ser vista como divergente da sua ciência. Mas por que deveria ser assim? A resposta parece estar em dois movimentos contemporâneos contra os quais Michael Faraday reagiu. 

Idealismo Romântico

Este foi um movimento que deve muito a Naturphilosophie alemã. Sua ênfase na “unidade” foi refletida no trabalho dos poetas românticos como Wordsworth e Coleridge, e há evidências de que a ênfase romântica na conexão de toda a criação foi útil para Faraday no desenvolvimento de algumas das suas ideias científicas (ver abaixo). Mas onde a unidade foi aplicada a Deus e ao homem, ou a Deus e ao universo, a fé Sandemaniana de Faraday se levantou incrédula. Além disso, a ênfase romântica na intuição como um caminho para a verdade, na religião ou na ciência, era totalmente incompatível com sua compreensão da revelação através da Bíblia ou através de experimentos. Portanto, a ideia de unidade e de ligação entre ciência e religião era um anátema para Michael Faraday.

Teologia natural

Este foi um fenômeno britânico, especialmente popularizado pelos escritos de Paley e nos tratados de Bridgewater, que podem ser resumidos na frase: “Da natureza até à natureza de Deus”. No entanto, entre os evangélicos, isto produziu muitas vezes efeitos negativos, pois parecia colocar a razão acima da revelação, a natureza acima da Escritura. Então, quando Faraday anunciou a famosa frase ‘não existe “filosofia” em minha religião’, ele estava negando que o conhecimento científico (” filosofia “) poderia iluminar a religião ou levar os homens a Deus.

No entanto, quando tudo isso é reconhecido, os problemas permanecem. Fortes evidências sugerem que Faraday não pode ter tido a intenção de dizer que não havia nenhuma conexão entre a verdade científica e a verdade religiosa. Como seu biógrafo Pearce Williams colocou, “suas intuições mais profundas sobre o mundo físico surgiram a partir desta fé religiosa na origem divina da natureza”. Nós agora podemos ir ainda mais longe do que isso e ver como essa mesma fé deu sentido, propósito e forma a toda a sua vida, científica e de outras formas. Mesmo seu amigo agnóstico John Tyndall reconheceu que “o seu sentimento religioso e sua filosofia não poderiam ser mantidas separadas” [6]. Um modelo alternativo parece melhor para encaixar os fatos. 

Um modelo convergente

Aqui a ciência e a fé Sandemaniana são vistos nteragindo em uma variedade de formas. 

(a) A vocação para a ciência

Como um jovem aprendiz, Faraday estava profundamente insatisfeito. A aquisição de habilidades de encadernação de livros, embora digna em si mesmo, nunca conseguiria satisfazer uma necessidade da qual ele rapidamente tornou-se consciente. Trabalhando em um ambiente com livros ao seu redor, começou a ansiar pelo conhecimento, por um encontro com a verdade sobre a natureza, assim como sua fé Sandemaniana garantia-lhe o acesso à verdade sobre Deus. Embora ele não houvesse colocado bem assim, era como se Sandemanianismo e a ciência pudessem ser parceiros individuais em um empreendimento que havia sido recomendado há muito tempo por Francis Bacon, que escreveu sobre os dois “livros” da Escritura e da natureza. Muitos anos depois, o próprio Faraday falou sobre “o livro da natureza”, que foi “escrito pelo dedo de Deus” [7]. Há um isomorfismo marcante entre a ciência de Faraday e sua fé que apenas um modelo convergente pode acomodar.

Um aspecto da vocação de Faraday com a ciência era o seu exercício de competências experimentais excelentes [8]. Tyndall observou que ele era “o maior filósofo experimental que o mundo já viu”. Essas habilidades podem ter se derivado das habilidades de manipulação de seu pai ferreiro, habilidades para as quais Faraday fez questão de prestar homenagem. Em um sentido mais geral, o Sandemanianismo encorajou as artes manuais, a perseverança e o espírito de indagação intelectual. 

(b) Os conceitos da Ciência

É sempre notoriamente difícil de provar uma ligação entre crenças metafísicas e as partes cognitivos da ciência. No entanto, há dois exemplos da ciência do Michael Faraday, onde tais ligações são altamente prováveis. 

As teorias de campo

Por muitos anos Faraday tinha vindo a desenvolver suas investigações em eletricidade atual e em magnetismo. Ele fora perseguido por perguntas a respeito de como as influências, elétricas ou magnéticos, foram efetivamente transmitidas. Haviam dois tipos bastante comuns de explicação que ele rejeitava. Uma delas foi a de átomos materiais, como os propostos pelo químico John Dalton. A outra foi a antiga doutrina de ação-em-um-distância: corpos são atraídos um pelo outro sem quaisquer organismos intermédios para passar os efeitos inferiores de uma cadeia, por assim dizer. Eventualmente Faraday chegou a sua teoria dos “campos”, que fosse uma espécie de agêntes mecânicos para transportar energia através de uma distância.  Possivelmente ele também estava em débito com algumas ideias semelhantes propostas pelo matemático italiano R. J. Boscovich no século XVIII. Mas em acrescima a contribuição “secular” pode haver uma a partir da teologia também. Alguns anos atrás, um documento foi descoberto na Biblioteca da Instituição de Engenheiros Elétricos, um memorando privado por Faraday, nunca destinado a publicação, escritoa fim de esclarecer suas idéias sobre átomos e campos. Ao contrário de seus artigos publicados este contém várias referências a Deus, uma das quais se perguntava se Deus não podia facilmente colocar “poder” ao redor de pontos centrais como pôde sobre os núcleos materiais. Sua teologia de um Deus todo-poderoso o levou à idéia de centros de ponto e, portanto, de campos ao seu redor. O professor Trevor Levere de Toronto, que descobriu este documento, observou que estas novas ideias estavam ‘equipadas com a visão de mundo imposta por sua religião” [9]. Depois disso, como outro comentarista afirmou, “Faraday estava, literalmente, brincando nos Campos do Senhor”. [10]

 

Paramagnetismo de gases

Faraday também abordou a teoria de que todas as substâncias efectivamente não paramagnéticas (isto é, não são facilmente alinhandas quando colocadas dentro de um campo magnético) devem apresentar um comportamento diamagnético em vez disso (isto é, a tendência para se posicionar em ângulos retos com o eixo magnético).

Então, o que é aplicado a sólidos e líquidos igualmente aplicável aos gases. Os primeiros resultados foram decepcionantes, mas Faraday parece ter sido estimulado por uma descoberta do cientista italiano Michele Bancalari em 1847 de diamagnetismo em chamas (que são, afinal de contas, queima de gases). Depois de repetir grande parte das descobertas de Bancalari, ele mostrou que muitos gases comuns eram diamagneticos, mas que o oxigênio era consideravelmente paramagnético. Este resultado surpreendente foi usado para formular uma teoria do magnetismo da Terra que usou o fato do paramagnetismo de oxigênio. Embora equivocada, essa teoria parecia confirmar mais uma vez a grande interconexão de todo o universo digitalizado pela ciência. Em parte, isso pode ter sido um legado romântico, mas Pearce Williams provavelmente estava certo quando escreveu: “Sua crença fortemente realizada na unidade das forças da matéria. . . revelou sua fé na harmonia da criação provocada pela beneficência do Criador “, que fez o universo inteiro para trabalhar junto em harmonia. [11] 

(c) Comunicação da Ciência

Faraday foi um dos grandes divulgadores científicos de todos os tempos, nos primeiros dias tomando lições de elocução. Ao evitar maneirismos convencionais de retórica ou complicada lógica ele estava na verdade reproduzindo o estilo dos melhores pregadores em sua igreja Sandemaniana (que demonstraram nenhum dos floreios até mesmo dos maiores pregadores como Wesley). Ele escreveu notas completas e preparadas em grande detalhe. Os cientistas atuais que lamentam sua própria incapacidade de se comunicar efetivamente fariam bem em tomar nota da técnica de Michael Faraday. Acima de tudo eles devem ler o seu “A história química de uma vela” (1860-1).

Deixe que apenas um membro regular de seu público fale por todos: 

Nenhum ouvinte atento já saiu de uma das palestras de Faraday sem ter os limites de sua visão espiritual ampliado, e sem sentir que sua imaginação tenha sido estimulada a algo além da expressão de fatos físicos. 

(d) Aplicação da Ciência 

Química

No início do século XIX a química era vista como um grande benfeitor da humanidade, e Faraday foi descobrir que era altamente adequado a sua fé Sandemaniana. Ele falou dos “dons de Deus” concedidos para o benefício humano, de operar na natureza “para o nosso bem” e da aplicação das leis científicas para adicionar ao bem-estar humano. O maior químico Inglês de seu tempo, ele realizou várias análises de pequena escala para a indústria, e foi muito requisitado por seus serviços químicos fora da Royal Institution. 

Trinity House

Em 1836, Faraday foi nomeado consultor científico da Trinity House (a autoridade que gerenciou faróis da Grã-Bretanha). Ele foi consultado sobre a ventilação; luzes elétricas; óleos de aquecimento, etc. Sua energia era inesgotável. Mesmo em 1860, quando ele tinha sessenta e nove anos de idade, ele relatou: 

Na sexta-feira eu fui novamente para Dover. . . na esperança de encontrar os caminhos claros da neve; eles ainda estavam bloqueados para o farol, mas escalando cercas, paredes e campos, consegui chegar lá e fazer as investigações e observações necessárias. 

A ciência teve que ser aplicada em benefício da sociedade, neste caso, sobre os altos mares. Ele estava ciente da fragilidade humana, bem como da grandeza da natureza, uma ênfase tão forte no livro de Jó, que em sua Bíblia é o livro mais fortemente marcada no Antigo Testamento. 

(e) o estilo de vida na Ciência

Em suas relações pessoais dentro da ciência Faraday mostrou o que seus adversários poderiam ter caricaturado como pietismo, mas, na realidade, era uma manifestação simples de sua fé Sandemaniana. Embora ele pudesse estar com raiva ele nunca foi vingativo e, embora tratado de forma caluniosa por Davy durante a fase inicial de sua carreira, quando ele trabalhou como assistente de Davy, nunca iria ouvir críticas de seu antigo mentor, mas iria virar as costas e ir embora. E as honras terrenas que um brilhante cientista poderia ter esperado foram rejeitadas, incluindo a Presidência da Sociedade Real e até mesmo o titulo de cavaleiro.

Foi levantada a questão de saber até que ponto a alguém como um “irrealista” como Faraday poderia ter sido feliz em receber um rendimento muito generoso para o tempo (até 1000 libras por ano). Como Sandemaniano, no entanto, ele estava comprometido com uma visão bíblica da riqueza que incluiu injunções como “Não podeis servir a Deus e a Mamom [valores mundanos]” (Mat. 6:24) e “Buscai primeiro o reino de Deus” (Mt . 6:33). Evidências interessantes relevantes para fé interior de Faraday vem de suas Bíblias (a antiga versão autorizada, é claro) que foram examinados por H. T. Pratt. [12]

Elas são bem marcadas e as marcações sugerem certos valores que Faraday considerava extremamente caros. Assim, há linhas visíveis verticais feitas a lápis contra a longa passagem que contém este último verso, e muitos outros, incluindo: 

O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males (I Tim. 6:10);

E

Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam: mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam (Mat.6:19-20).

 

O físico John Tyndall, um colega na Royal Institution, afirmou que, na década de 1830 a renda externa de Faraday diminuiu rapidamente a nada e sabemos que nos últimos anos o seu salário extra de £ 200 para serviços a Trinity House muitas vezes não foi tomado. Foi dito que ele poderia ter ganho £ 5000 p.a. depois de 1832 caso assim o desejasse. [13] E Faraday não patenteou nenhuma de suas invenções. Tudo isto acrescenta-se a uma imagem consistente de um homem que sentou-se levemente no que se refere a riqueza mundana. Há muito nos manuscritos de Faraday que confirmam este ponto de vista. Não é surpreendente que outro verso claramente marcado na sua Bíblia era Gálatas 6:9: “E não nos cansemos de fazer o bem: Porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.”. 

Os últimos anos

Por volta de 1860, ficou claro que Faraday, agora em seus setenta anos, teria que enfrentar a aposentadoria com todas as perdas que isso inevitavelmente significava. Em 1864, ele renunciou a sua liderança na igreja Sandemaniana e em 1865 desceu da posição de Superintendente da Casa na Royal Institution, e cortou sua longa relação com Trinity House. Pelos dois anos restantes da sua vida, ele foi confinado à sua cadeira em casa, e aqueles que vieram vê-lo foram impressionados tanto pela sua Serenidade como pela sua retirada do mundo da ciência que ele tinha servido tanto tempo.

Uma breve carta que escreveu em 1861 a de la Rive revela algo da força interior que ele tirou de sua fé cristã que o mundo que ele tinha conhecido por tanto tempo estava começando a entrar em colapso ao seu redor. 

Essa paz está somente no dom de Deus e, como é Ele que a dá por que deveríamos ter medo? Seu dom inefável em Seu Filho amado é o fundamento de esperança não duvidosa. [14] 

Como o fim se aproximava visitantes e cuidadores da mesma forma testemunharam sua confiança tranquila. Em seus momentos de lucidez, ele falou de seu conforto em Cristo, e habitou em passagens tais como os Salmos 23 e 46. Então, em 25 de Agosto 1867, ao sentar-se em silêncio em sua cadeira estudo, ele morreu.

Quatro dias mais tarde o seu funeral ocorreu no cemitério de Highgate, no norte de Londres. Apenas familiares próximos e alguns amigos pessoais estavam presentes. Não havia, a seu pedido, nenhuma cerimônia ou pompa. Como era costume Sandemaniano seu corpo foi colocado para descansar no solo não “consagrado” por cerimónia eclesiástica, sem um serviço religioso (pois nenhum foi ordenado nas Escrituras), e em perfeito silêncio. À frente da sepultura uma pedra simples trazia as palavras:

MICHAEL FARADAY Nascido em  21 de Setembro de 1791

Faleceu em 25 de Agosto de 1867

 O epitáfio de seu amigo agnóstico Tyndall foi: ‘Justo e fiel cavaleiro de Deus’.

Michael Faraday estava em sua própria classe, onde a ciência era o interesse – um gigante entre pigmeus. Em sua síntese de ciência e Cristianismo, em sua forte confiança na autoridade das Escrituras, e em sua fé simples em Cristo, Faraday era típico de um grande número de cientistas talentosos, tanto antes como depois. Para eles, e para ele, a tarefa de exploração científica não foi apenas emocionante e gratificante. Em um sentido muito real, era uma vocação cristã.

Notas:

[1] – Três volumes recentes são Agassi, J. Faraday como um filósofo natural, Chicago e

Londres: University of Chicago Press (1971), p.1x .; Williams, L. P. Michael Faraday,

Londres: Chapman & Hall (1965); Thomas, J. M. Michael Faraday e a Royal

Institution, Bristol: Hilger (1991).

 

Houve várias tentativas de publicar

As cartas de Faraday, a última (e mais bem sucedido), sendo por James, F. As

Correspondências de Michael Faraday, Londres: Institution of Electrical Engineers

(De 1991).

[2] – Cantor, G. Michael Faraday: Sandemaniano e cientista. Um estudo da ciência e da religião no século XIX, Basingstoke: Macmillan (1991).

[3] – Clark, R.E.D. Hibbert Journal (1967), 144-147.

[4] – Bence Jones, H. A vida e as cartas de Faraday, Londres: Longmans (1870), vol. ii,

pp.195-196.

[5] – Thomas, J. M. op. cit., (1), pp. 116-117.

[6] – Tyndall, J. Faraday como um descobridor, Londres: Longmans (1868), p.178.

[7] – Cantor, G. op. cit., (6), p.200.

[8] – Um caso notável foi o seu isolamento de benzeno por destilação de óleo de baleia. Um trabalho recente demonstrou que a mistura contém mais de 300 compostos químicos, muitos dos quais Faraday foi capaz de separar: Kaiser, R. Angew. Chem.Int. EDN. (1968), 7, 345.

[9] – Levere, T.H. Jornal britânico para a História da Ciência (1968) 4, 95-107

[10] – Berman, M. Mudança social e organização científica, Londres: Heinemann (1978),p.162.

[11] – Williams L.P. op. cit., (1), p. 396.

[12] – Pratt, H.T. Boletim de História da Química (1991) 11, 40-47; reimpresso em Ciência & Fé Cristã (1993) 5, 103-115.

[13] – Thompson, S. P. Michael Faraday: sua vida e obra, Londres: Cassell (1901), p. 63.

[14] – Letter to A. de la Rive, 19 de Setembro de 1861.

 

Fonte: http://www.cristaosnaciencia.org.br 

 

 


 

Stephen Hawking define data limite para humanidade

POSTADO EM 21/11/2016              

antos filmes retratam o fim do mundo? Inúmeros. Podemos dizer o mesmo de quadrinhos, livros, séries, quadros e vários tipos de arte. A humanidade tem uma obsessão em retratar o próprio fim. Porém, Stephen Hawking, físico célebre que não exige introduções, não está fugindo desse barco e praticamente definiu um limite para existirmos no planeta Terra: 1 mil anos.

Durante um evento na Oxford Union, antes de comentar sobre o derradeiro fim, Hawking disse que "o fato de que nós, humanos, que somos partículas meramente fundamentais na natureza, pudemos chegar tão perto de compreender as leis que nos governam e o universo é certamente um triunfo".

É preciso se lembrar de olhar para as estrelas e não para baixo dos pés

Sobre as últimas décadas, o físico de 74 anos disse este é "um tempo glorioso para estar vivo e realizar pesquisas em física teórica (...) Talvez, um dia sejamos capazes de usar as ondas gravitacionais para olhar diretamente no coração do Big Bang".

"Mas nós precisamos continuar indo ao espaço para o futuro da humanidade. Eu não acho que sobreviveremos mais 1 mil anos sem escapar e ir além de nosso frágil planeta", definiu Hawking.

Segundo o professor, os próximos 100 anos serão os preocupantes, porque devem definir as nossas atitudes "espaciais" — e ele ainda não acredita que teremos colônias em Marte antes disso. Ainda, atualmente, Hawking acredita que devemos ter mais medo do capitalismo do que de robôs.

Antes de ir embora, após jogar esse "pensamento bomba", Stephen Hawking disse que ainda assim é preciso "se lembrar de olhar para as estrelas e não para baixo dos pés". "Tente dar sentido ao que você vê, pergunte sobre o que faz o universo existir. Seja curioso. No mais difícil que a vida possa parecer, sempre há algo que você pode fazer e ter sucesso. O mais importante é que você não desista".

 

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com  

 


 

A influência do cristianismo na origem da ciência moderna

Por G. Veríssimo

 

Postado em 13/11/2016

Analisando a história, percebe-se que as grandes civilizações como os gregos, os hindus, os árabes e os chineses desenvolveram conhecimentos e técnicas consideráveis mais ou menos ao mesmo tempo. Dominavam a astronomia, as navegações, construíam edifícios, catapultas, armas, etc. No entanto, nenhum desses povos foi capaz de desenvolver a ciência como um movimento progressivo, como aconteceu na Europa Cristã no final da Idade Média.

O conhecimento do mundo e as técnicas em posse de outras culturas não eram suficientes em si para manter em andamento a ciência como a conhecemos. O que faltava a esses povos era a estrutura certa que pudesse propiciar a confiança e a motivação necessárias para que o estudo científico florescesse.

O filósofo John Macmurray afirmou: “a ciência é filha legítima de um grande movimento religioso e sua genealogia remonta a Jesus Cristo”1.

Stanley Jack, historiador da ciência, em seu livro "Science and creation"2, diz:

“A investigação científica só encontrou solo fértil depois que a fé num criador pessoal, racional, realmente impregnou toda uma cultura, a partir dos séculos da Idade Média Alta. Essa foi a fé que forneceu uma dose suficiente de crédito na racionalidade do universo, confiança no progresso e valorização do método qualitativo – todos eles, ingredientes indispensáveis da investigação científica”

A Bíblia revela que Deus cria ordem do caos, por um ato de livre vontade (Hb 11:3), e que, a cada instante, o universo depende de Deus para continuar existindo (Hb 1:3). Considerando que Deus agiu livremente, e não podemos ter a pretensão de adivinhar o que ele fez, o único meio que temos para descobrir a criação e entendê-la é o estudo por meio da observação e da experimentação.

Textos como Gênesis 1 e 8:22 sustentam a ideia de que Deus é um criador pessoal, racional e digno de confiança. Portanto, pode-se esperar que sua criação seja ordenada e racional. Foi sobre esse fundamento que os primeiros cientistas desenvolveram o conceito de leis naturais e começaram a procurá-las.

De acordo com Gn 1:26-27, os seres humanos são feitos à imagem e semelhança de Deus. Essa ideia deu aos primeiros cientistas a segurança necessária para que pudessem crer que suas mentes eram imagens finitas da mente de Deus e que, portanto, eram capazes de entender sua criação e suas leis naturais. Eles tinham motivos para confiar na razão e na lógica humana.

As ordens de dominar a terra (Gn 1:28) e de cuidar do Jardim do Éden (Gn 2:15) forneceram um estímulo religioso para o estudo científico da natureza, visto como uma forma de cumprir aqueles mandamentos de Deus.

No contexto atual, poucos cientistas entendem ou aceitam tal estrutura cristã para aquilo que fazem. O fato é que, no início, a pesquisa científica encontrou seu propósito e significado fora de si mesma, na teologia cristã. Mesmo nos dias de hoje, quando esse propósito e significado são negligenciados, é difícil encontrar alguma outra base amplamente aceitável para a ciência.

1 Reason and emotion, John Macmurray (p.172), Humanity Books (February 1999)
2 Science and creation, Stanley Jaki (p. VIII), University Press Of America (September 28, 1990)

_____
Gustavo Veríssimo é professor e pesquisador do departamento de engenharia civil da Universidade Federal de Viçosa, MG.

 

 

Fonte: http://www.ultimato.com.br VIA http://www.freewebs.com/kienitz/recursos.htm 

 

 


 

Quando a matemática se junta ao diálogo entre fé e ciência

Postado em 04/11/2016

            Resultado de imagem para imagens sobre matematica e fé cristã   Resultado de imagem para imagens sobre matematica e fé cristã

por Cara Daneel* / tradução Aquila Mazzinghy

Para um cientista e matemático, a questão do “o que é real?” está fortemente ligada àquilo que se pode provar (proofs). Em seu seminário, no mês passado, no Faraday Institute, o matemático e filósofo P. Douglas Kindschi afirmou que “há um lugar na mesa da ‘Ciência-e-Fé’ para a matemática”. Ele destacou que as provas (proofs) são os elementos sobre os quais está balizada a matemática, e que, historicamente, ela teve o forte papel de indicar aquilo que era real. Grandes mentes da ciência e da matemática do passado afirmaram coisas semelhantes:

“As leis da natureza são apenas os pensamentos matemáticos de Deus.”
Johannes Kepler

“O grande livro da natureza só pode ser lido por aqueles que conhecem a língua em que está escrito. E esta linguagem é a matemática.”
Galileo Galilei

“Este bonito sistema composto por sol, planetas e cometas poderia somente proceder do conselho e domínio de um Ser inteligente e poderoso… Este Ser governa todas as coisas, não como a alma do mundo, mas como Senhor sobre tudo.”
Isaac Newton

A tradição também diz que, há séculos, Platão teria colocado uma placa acima da entrada de sua academia em Atenas dizendo: “Que nenhum ignorante da geometria possa entrar neste lugar”. Mesmo que as ideias científicas tenham sido revistas e substituídas muitas vezes desde os tempos de Platão, os teoremas matemáticos descobertos, comprovados e utilizados pelos primeiros cientistas continuam válidos até hoje. A matemática tem um poder único para nos ajudar a compreender o mundo, descobrindo as regras e as relações que compõem a estrutura da realidade.

Antes que matemáticos possam ficar muito orgulhosos de si mesmos e outros cientistas se sentirem um pouco subestimados, devemos reconhecer que a realidade é melhor descrita em termos de matéria mais estrutura. A ciência é fantástica ao estudar a matéria, quer sejam partículas subatômicas ou galáxias inteiras. O cientista irá projetar experimentos que minimizam a influência do intérprete humano e deixar o objeto nos dizer o que é real. A ciência trabalha em objetos, e eles são uma parte crucial do mundo que nos rodeia e da realidade em que vivemos.

Por outro lado, para a matemática já é diferente. Por acaso os objetos matemáticos realmente existem em um experimento matemático? Os números existem? Onde eles estão? Você pode fazer um experimento com o número três? Você, por um acaso, já viu um número três? Esse número só faz sentido no âmbito da estrutura do número onde o conhecemos, no relacionamento como sendo maior do que dois e menor do que quatro. Números matemáticos, conceitos e ferramentas obtêm o seu significado a partir dos relacionamentos e não têm significado fora dessa estrutura.

Como as palavras na literatura e as notas da música, o significado dos números emerge de sua relação com os outros. Por exemplo, a letra V significa muito pouco até que seja colocada após A e antes de E, por exemplo. Da mesma forma, a palavra tem significado limitado até que seja posta em relação com outras palavras para criar declarações, sentimentos e expressões de grande enlaço ou histórias. A nota musical “dó” pode até ser agradável ao ouvido, mas quanto mais agradável ela se torna quando se comunica quando tocada em parceria com o resto das notas durante uma interpretação da 9ª Sinfonia de Beethoven? O relacionamento é essencial.

O que podemos aprender com isso? Provaremos teoremas que descrevem verdades sobre teologia? Não, pelo contrário. É possível perceber que existem semelhanças e metáforas sobre como a matemática funciona e se concentra na estrutura e que pode nos ajudar a compreender a religião e teologia. As definições matemáticas são relacionais. Nossas tradições de fé falam ou definem Deus em termos relacionais. Deus é Pai, Deus é rei, e Deus ouve e se preocupa com nossas orações. Termos relacionais são a maneira pela qual compreendemos as nossas ideias religiosas.

A matemática é não- redutora (“non-reductive”), o que significa que não se pode entender mais sobre algo ao desmontá-lo e estudar as partes individualmente. Não se pode entender um triângulo estudando os pontos sozinhos, ou compreender números naturais por um estudo cuidadoso do número três. Da mesma forma, na linguagem ou na música, não se pode descobrir mais sobre a maravilha de uma peça de Shakespeare ou de uma partitura musical através da análise da composição química da tinta e do papel. O significado não está em um ponto isolado de mancha de tinta, mas na estrutura, no padrão regular e nas relações entre as manchas de tinta. Não é possível compreender certos conceitos religiosos, reduzindo-as a objetos ou sujeitos em uma parábola. São as relações travadas na história é que carregam o significado.

Tanto a matemática quanto a fé expressam algo real e oferecem uma lente para termos uma melhor compreensão do mundo que nos rodeia. A matemática oferece uma lente que ajuda o cientista a focar na estrutura do mundo físico. Da mesma forma, a fé tem sido convocada a ser uma lente que nos ajuda a dar sentido ao mundo por nós experienciado e vivido – nossa própria vida, a forma como entendemos a nós mesmos, por que existimos, nosso sentido último.
Então, cientistas, matemáticos e teólogos são todos capazes de entender mais da realidade, utilizando os seus campos para trazer um foco mais claro à realidade que nos rodeia. Vamos trazer a matemática para a mesa e ver o que podemos aprender uns com os outros!

  • Cara Daneel é um assistente de pesquisa do Faraday Institute. Formou-se em Biologia Marinha e Oceanografia pela University of Cape Town, África do Sul. Cara trabalhou com projetos de conservação e educação em vários países, nos Hemisférios Norte e Sul.

Original: The Faraday Institute


https://scienceandbelief.org/2016/05/05/have-you-ever-seen-a-three-mathematics-joins-the-science-and-religion-discussion/

 

Fonte: http://www.cristaosnaciencia.org.br

 


 

As, Assim Chamadas, Provas Racionais da Existência de Deus

            Publicado em 22/10/2016

              Resultado de imagem para imagens sobre a existência de deus

 

No transcurso do tempo foram elaborados alguns argumentos em favor da existência de Deus. Acharam ponto de apoio na teologia, especialmente pela influência de Wolff. Alguns deles já tinham sido sugeridos, em essência, por Platão e Aristóteles, e outros foram acrescentados modernamente por estudiosos da filosofia da religião. Somente os mais comuns podem ser apresentados aqui.

1. O ARGUMENTO ONTOLÓGICO.

Este argumento foi apresentado em várias formas por Anselmo, Descartes, Samuel Clark, e outros. Foi apresentado em sua mais perfeita forma por Anselmo. Este argumenta que o homem tem a ideia de um ser absolutamente perfeito; que a existência é atributo de perfeição; e que, portanto, um ser absolutamente perfeito tem que existir. Mas é evidente que não podemos tirar uma conclusão quanto à existência real partindo de um pensamento abstrato. O fato de que temos uma ideia de Deus anda não prova a Sua existência objetiva. Além disto, este argumento pressupõe tacitamente como já existente na mente humana o próprio conhecimento da existência de Deus que teria que derivar de uma demonstração lógica. Kant declarou, com ênfase, insustentável este argumento, mas Hegel o aclamou como um grande argumento em favor da existência de Deus. Alguns idealistas modernos sugeriram que ele poderia ser proposto de forma um tanto diferente, como a que Hocking chamou, “O registro da experiência”. Em virtude podemos dizer: “Tenho ideia de Deus: portanto, tenho experiência de Deus”.

2. O ARGUMENTO COSMOLÓGICO.

Este argumento tem aparecido em diversas formas. Em geral se apresenta como segue: Cada coisa existente no mundo tem que ter uma causa adequada; sendo assim, o universo também tem que ter uma causa adequada, isto é, uma causa indefinidamente grande. Contudo, o argumento não produz convicção, em geral. Hume questionou a própria lei de causa e efeito, e Kant assinalou que, se tudo que existe tem uma causa adequada, isto se aplica também a Deus, e, assim, somos suposição de que o cosmo teve uma cauda única, uma causa pessoal e absoluta, e, portanto, não prova a existência de Deus. Esta dificuldade levou a uma construção ligeiramente diversa do argumento como, por exemplo, a que B.P.Bowne fez. O universo material aparece como sistema interativo e, portanto, como uma unidade que consiste de várias partes. Daí, deve haver um Agente Integrante que veicule a interação das várias partes ou constitua a base dinâmica da existência delas.

3. O ARGUMENTO TELEOLÓGICO.

Este argumento também é causal e, na verdade, é apenas uma extensão do imediatamente anterior. Pode ser exposto da seguinte forma: Em toda parte o mundo revela inteligência, ordem, harmonia e propósito, e assim implica a existência de um ser inteligente e com propósito, apropriado para a produção de um mundo como este. Kant considera este argumento o melhor dos três que mencionamos, mas alega que ele não prova a existência de Deus, nem de um criador, mas somente a de um grande arquiteto que modelou o mundo. É superior ao argumento cosmológico no sentido de que explicita aquilo que não é firmado no anterior, a saber, que o mundo contém evidências de inteligência e propósito. Não se segue necessariamente que este ser é o Criador do mundo. “A prova teológica”. Diz Wright.1 “indica apenas a provável existência de uma mente que, ao menos em considerável medida, controla o processo do mundo, suficiente para explicar a quantidade de teleologia que nele transparece”. Hegel considerava este argumento válido, mas o tratava como um argumento subordinado. Os teólogos sociais dos nossos dias rejeitam-no, juntamente com todos os outros argumentos, como puro refugo, mas os neoteístas o aceitam.

4. O ARGUMENTO MORAL.

Como os outros argumentos, este também assumiu diferentes formas. Kant tomou seu ponto de partida no imperativo categórico, e deste deferiu a existência de alguém que, como legislador e juiz, tem absoluto direito de dominar o homem. Em sua opinião, este argumento é muito superior a qualquer dos outros. É o argumento em que se apoia principalmente, em sua tentativa de provar a existência de Deus. Esta pode ser uma das razões pelas quais este argumento é mais geralmente reconhecido do que qualquer outro, embora nem sempre com a mesma formulação. Alguns argumentam baseados na desigualdade muitas vezes observada entre a conduta moral dos homens e a prosperidade que eles gozam na vida presente, e acham que isso requer um ajustamento no futuro que, por sua vez, exige um árbitro justo. A teologia moderna também o usa amplamente, em especial na forma de que o reconhecimento que o homem tem do Sumo Bem e a sua busca de uma ideal moral exigem e necessitam a existência de um ser santo e justo, não torna obrigatória a crença em um Deus, em um Criador ou em um Ser de infinitas perfeições.

5. O ARGUMENTO HISTÓRICO OU ETNOLÓGICO.

Em geral este argumento toma a seguinte forma: Entre todos os povos e tribos da terra há um sentimento religioso que se revela em cultos exteriores. Visto que o fenômeno é universal, deve pertencer à própria natureza do homem. E se a natureza do homem naturalmente leva ao culto religioso, isto só pode achar sua explicação num ser superior que constituiu o homem um ser religioso. Todavia, em resposta a este argumento, pode-se dizer que este fenômeno universal pode ter-se originado num erro ou numa compreensão errônea de um dos primitivos progenitores da raça humana, e que o culto religioso referido aparece com mais vigor entre as raças primitivas e desaparece à medida que elas se tornam civilizadas.

6. CONCLUSÃO

Ao avaliar estes argumentos racionais, deve-se assinalar antes de tudo que os crentes não precisam deles. Sua convicção a respeito da existência de Deus não depende deles, mas, sim, da confiante aceitação da auto-revelação de Deus na Escritura. Se muitos em nossos dias estão querendo firmar sua fé na existência de Deus nesses argumentos racionais, isto se deve em grande medida ao fato de que eles se negam a aceitar o testemunho da palavra de Deus. Além disso, ao usar estes argumentos na tentativa de convencer pessoas incrédulas, será bom ter em mente que de nenhum que nenhum deles se pode dizer que transmite convicção absoluta. Ninguém fez mais para desacreditá-los que Kant. Desde o tempo dele, muitos filósofos e teólogos os têm descartado como completamente inúteis, mas hoje os referidos argumentos estão recuperando apoio e o seu número está crescendo. E o fato de que em nossos dias tanta gente acha neles indicações satisfatórias da existência de Deus, parece indicar que eles não são inteiramente vazios de valor. Têm algum valor para os próprios crentes, mas devem ser denominados testimonia, e não argumentos. Eles são importantes como interpretações da revelação geral de Deus e como elementos que demonstram o caráter razoável da fé em um ser divino. Além disso. Podem prestar algum serviço na confrontação com os adversários. Embora não provem a existência de Deus além da possibilidade de dúvida e a ponto de obrigar o assentimento, podem ser elaborados de maneira que estabeleçam uma forte probabilidade e, por isso, poderão silenciar muitos incrédulos.

 


Fonte: Louis Berkhof - Teologia Sistemática, Editora Cultura Cristã

 

 


 

A Guerra entre o Cristianismo e a Ciência

Postado em 01/11/2016

                              Resultado de imagem para Imagens de ciencia e fé

Para muita gente a relação entre o cristianismo e a ciência sempre foi conflituosa, uma história de guerras e tensões contínuas. Uma das razões para essa concepção é que geralmente se pensa que as duas coisas estão em campos totalmente opostos e não intersectáveis. A religião trata da alma, do sobrenatural, do transcendente, de valores e conceitos acima da possibilidade padrão de verificação. A ciência, por sua vez, nada teria a ver com religião, ou quando muito, teria um papel de desmistificação, explicando através das leis naturais aquilo que os religiosos acreditam que é a mão de Deus na história, na natureza e na realidade humana.

Uma outra causa dessa visão beligerante entre religião e ciência são obras cujo propósito foi desbancar o cristianismo e estabelecer o naturalismo como filosofia subjacente da ciência, como por exemplo, History of the Conflict between Religion and Science [História do conflito entre Religião e Ciência], de John William Drapper (1811-1882) e History of the Warfare of Science with Theology [História da Guerra entre a Ciência e a Teologia] de Andrew Dickson White (1832-1918). A tese de White nessa obra é que em toda a história moderna, a interferência da religião na ciência resultou nos males mais terríveis tanto para a religião como para a ciência. Além disso, outras obras historiaram as grandes descobertas científicas abstraindo-as do contexto religioso dos cientistas, pesquisadores e filósofos que as fizeram, mesmo que, em quase todos os casos, foram os pressupostos cristãos dessas pessoas que as levaram a elaborar hipóteses e achar caminhos que nos deram a moderna ciência.

Atualmente, uma nova perspectiva surge na academia causada, em primeiro lugar, pela redescoberta do papel decisivo da Europa cristianizada para os primórdios da ciência moderna. Em segundo lugar, recentes historiadores da ciência têm demandando que o relato das grandes descobertas científicas seja feito levando-se em conta o papel das convicções religiosas dos pesquisadores e cientistas e a contribuição das mesmas para tais descobertas, especialmente aquelas que lançaram os fundamentos da moderna ciência. Defendem uma abordagem holística da história da ciência.

Essas mudanças acima fortalecem a convicção de que a história da relação entre o cristianismo e a ciência, longe de ter sido uma história de conflitos constantes, foi de cooperação. As obras recentes de cientistas e historiadores cristãos como Hooykaas, Russell, Kuyper, Pearcey, entre outros, mencionam alguns fatos históricos que apontam para essa relação, que resumo aqui para conforto dos leitores do nosso blog. Começo com a constatação de que várias culturas orientais da antiguidade - desde chineses até os árabes, passando pelos egípcios e sumérios - alcançaram um nível de conhecimento e de tecnologia muito superior ao alcançado no Ocidente cristianizado. Contudo, a ciência, como disciplina sistemática, nasceu no Ocidente, na Europa, à época dominada por uma visão cristianizada de mundo, em que pesem os abusos e erros da Igreja Romana.

O que há no cristianismo, de modo geral, que permitiu que isso acontecesse? Nem todos os cientistas e pesquisadores eram cristãos devotos, mas a maioria deles operava com uma visão intelectual de mundo moldada de acordo com o conceito bíblico da criação e do governo de Deus na realidade natural e humana, o que acabou por fornecer à cultura ocidental diversos pressupostos fundamentais sobre o mundo natural. Menciono alguns.

1. A natureza é real. O mudo existe objetivamente, fora de nós. Muitas outras religiões consideram o mundo como irreal, como uma manifestação do divino ou manifestações do ser absoluto e infinito, como o panteísmo e o idealismo. No hinduismo, o mundo é maya, ilusão. Além disso, ela é de grande valor. Ela é boa. Isso difere da visão do dualismo oriental entre matéria e espírito, que equiparava a matéria à desordem. "E Deus viu que era bom" é o veredito do Criador sobre a natureza.

2. A natureza não é Deus, mas uma criação dele. As religiões orientais são panteístas ou animistas, vendo o mundo como habitação das divindades ou extensões delas. No cristianismo, Deus não é a alma do mundo, mas seu criador. Foi essa "desdeificação" (Hooykaas) da natureza que permitiu que ela fosse estudada e pesquisada, como pré-condição essencial para a ciência. No panteísmo, o homem, a natureza e Deus fazem parte da mesma realidade, o que torna impossível ao homem transcender a natureza para poder analisá-la. A visão cristã da criação deu ao homem a coragem necessária para examinar a natureza sem medo de ofender os deuses.

3. No mundo os acontecimentos ocorrem de maneira confiável e regular, pois foi criado de forma ordenada, coerente e unificada por um Deus de ordem. O mundo é regido por leis naturais ordenadas e implantadas por Deus e não por forças misteriosos que escapam à nosso conhecimento. Portanto, suas manifestações são legítimas e compreensíveis. As irregularidades não devem ser consideradas como anomalias dessas forças misteriosas, mas um desafio para uma pesquisa mais profunda e a descoberta de leis que possam explicá-las. O uso da matemática na ciência reflete essa convicção de que o mundo é ordenado por leis que podem ser expressas em fórmulas. A convicção fundamental da ciência é que o mundo é ordenado. Ela é dádiva da visão cristã de que o mundo foi criado por um único Deus e não por vários deuses ambíguos, contraditórios, incoerentes e caprichosos, a partir da matéria caótica, como acreditavam algumas religiões orientais.

4. O homem foi dotado de inteligência, ao ser criado à imagem e semelhança de Deus, e portanto pode interpretar as leis do universo. De acordo com o grande estudioso da cultura chinesa Joseph Needham, a cultura chinesa não desenvolveu a ciência moderna porque os chineses não crêem numa ordem inteligível no universo e nem na capacidade da mente humana em decodificar essa ordem, caso ela existisse. Da perspectiva cristã, todavia, o homem foi criado para a glória de Deus e com a missão de conhecê-lo mais e mais pelo conhecimento da Sua criação, bem como com o propósito de dominar essa criação e usá-la em benefício do seu próximo.

Foram cientistas com essas convicções acima, no todo ou em parte, que lançaram as bases da moderna ciência, como os astrônomos Kepler e Galileu, os químicos Paracelso e Van Helmont, os físicos Newton e Boyle e os biólogos Ray, Lineu e Cuvier, para citar alguns. Não estou dizendo que eles foram cristãos no sentido evangélico, mas que, no mínimo, independentemente de sua relação pessoal com Cristo, operaram a partir dos pressupostos acima mencionados, que ainda prevaleciam na cultura de sua época.

Infelizmente, a fé cristã foi mais e mais empurrada para fora da academia, que apesar disso continua a operar com o capital acumulado pelo cristianismo, a começar com aquele que é o pressuposto central da ciência, que é a existência objetiva de um mundo ordenado por leis regulares e universais. A pergunta é, por mais quanto tempo esse pressuposto continuará a manter a ciência? (N. Pearcey).

[Essa homilia se inspirou parcialmente no primeiro capítulo de A Alma da Ciência de Nancy Pearcey, que deverá estar na Universidade Presbiteriana Mackenzie em setembro desse ano, para palestras a comunidade acadêmica e ao grande público]

Augustus Nicodemus Lopes
Chanceler

 

Fonte: http://www.mackenzie.br 

 


Existência histórica de Jesus Cristo é inquestionável, afirmam especialistas

Fontes cristãs, judaicas e pagãs evidenciam historicidade do homem.
Menções lacônicas fora do Novo Testamento mostram desimportância.

Reinaldo José LopesDo G1, em São Paulo

Tamanho da letra

Viciados em teorias da conspiração adoram a idéia: Jesus nunca teria existido. As histórias sobre sua vida, morte e ressurreição que chegaram até nós seriam mera colagem de antigos mitos egípcios e babilônicos, com pitadas do Antigo Testamento para dar aquele saborzinho judaico. Na prática, Cristo não seria mais real do que Osíris ou Baal, dois deuses mitológicos que também morreram e ressuscitaram.

 

 

 

 

 

Leia mais reportagens da série Ciência da Fé


No entanto, para a esmagadora maioria dos estudiosos, sejam eles homens de fé ou ateus, a tese não passa de bobagem. A figura de Jesus pode até ter “atraído” elementos de mitos antigos para sua história, mas temos uma quantidade razoável de informações historicamente confiáveis sobre ele, englobando pistas de fontes cristãs, judaicas e pagãs. 

 

 De Paulo a Tácito

Começamos, no Novo Testamento, com as cartas de São Paulo, escritas entre 20 anos e 30 anos após a crucificação do pregador de Nazaré. Cerca de 40 anos depois da morte de Jesus, surge o Evangelho de Marcos, o mais antigo da Bíblia; antes que o século 1 terminasse, os demais Evangelhos alcançaram a forma que conhecemos hoje. A distância temporal, em todos esses casos, é a mais ou menos a mesma que separava o historiador Heródoto da época da guerra entre gregos e persas, que aconteceu entre 490 a.C. e 479 a.C. – e ninguém sai por aí dizendo que Heródoto inventou Leônidas, o rei casca-grossa de Esparta.


Outra fonte crucial é Flávio Josefo, autor da obra "Antigüidades Judaicas", também do século 1. O texto de Josefo sofreu interferências de copistas cristãos, mas é possível determinar sua forma original, bastante neutra: Jesus seria um “mestre”, responsável por “feitos extraordinários”, crucificado a mando de Pilatos, cujos seguidores ainda existiam, apesar disso. Duas décadas depois, o historiador romano Tácito conta a mesma história básica, precisando que Jesus tinha morrido na época de Pilatos e do imperador Tibério (duas referências que batem com o Novo Testamento).

 

 

 


Esses dados mostram duas coisas: a historicidade de Jesus e também sua relativa desimportância diante das autoridades romanas e judaicas, como um profeta marginal num canto remoto e pobre do Império.

 

Fonte:http://g1.globo.com/Noticias/ 

 

 


 

   

 


 

Deus e a Ciência

 

Postado em 22/10/2016

                             

A principal bandeira dos neo-ateus é a ciência. A tática consiste em colocar a si mesmo do “lado da ciência”, em oposição ao “lado da religião”. Ou você está no eixo da ciência e milita contra a religião, ou você está no eixo da religião e milita contra a ciência. É lógico que este quadro só faz sentido na mente fantasiosa do neo-ateu – na verdade, trata-se de uma evidente falácia de falsa dicotomia, que é quando um falacioso tenta te colocar em uma posição onde você se vê obrigado a aceitar uma proposição e rejeitar outra, quando na verdade você pode aceitar as duas, ou nenhuma das duas, ou uma gama muito maior de opções.

 

Por exemplo, ninguém seria insano em tentar opor ciência e culinária, de modo a passar a ideia de que devemos estar “do lado da ciência” ou “do lado da culinária”. Simplesmente são magistérios diferentes, que atuam em esferas distintas. Da mesma forma, não há sentido em opor ciência e religião, uma vez que elas não habitam na mesma esfera. Elas não são “concorrentes”, simplesmente tocam em pontos distintos, tornando perfeitamente possível a existência de cientistas cristãos, como mostrei neste artigo. A ciência é a forma pela qual nós estudamos a natureza, e a teologia estuda o que está além da natureza – Deus.

 

Os ateus, no entanto, argumentam que a ciência tem tornado Deus cada vez mais “inútil”, jogando-o para trás, sem ter mais onde se esconder. Os cristãos supostamente adoram a um “deus das lacunas”, e essas lacunas tem sido explodidas pelo conhecimento científico. No entanto, os exemplos passados pelo neo-ateus são em geral bastante infantis, que provam justamente o contrário daquilo onde eles querem chegar. Por exemplo, eles afirmam que há muito tempo atrás alguns povos antigos pensavam que os raios eram sinais da ira de um deus, por não compreender o processo natural que explica os raios. Afirmam também que, pela mesma época, os antigos adoravam o sol, por não compreenderem a existência do sol, pensando assim tratar-se de mais um deus.

 

Esses exemplos, contudo, não provam nada contra o Deus judaico-cristão, por um motivo simples: a teologia judaico-cristã nunca ensinou nada disso! Não há nas páginas da Escritura nada que assevere que os raios são enviados pelo dedo de um Deus malvado para castigar os homens, e nada que nos mande adorar o sol, a lua, as estrelas ou pedaços de pau e de pedra. Contra essa concepção pagã do “deus das lacunas”, a teologia judaico-cristã sempre ensinou justamente o oposto: que Deus está além da natureza – é transcendental. Perceba o nítido contraste entre a visão judaico-cristã e o politeísmo antigo: enquanto para os pagãos os deuses eram imanentes, na concepção judaico-cristã Deus é transcendente.

 

Os gregos, por exemplo, pensavam que os deuses habitavam no famoso monte Olimpo. Platão enfatizou a eterna pré-existência das almas, significando que Deus não nos criou, mas que somos eternamente pré-existentes junto com Deus. Na antiga carta do cristão Teófilo ao descrente Autólico (em cerca de 150 d.C), ele ressalta que “os gregos e as outras nações cultuam pedras, madeiras e outras matérias, que são representações de homens mortos”[1]. Em direto contraste a isso, a concepção judaica de Deus, de onde também provém o Cristianismo, afirma enfaticamente a existência de um único Deus transcendental, que, de fora da natureza, deu início ao espaço-tempo em que estamos hoje – embora isso contrariasse todas as religiões antigas e suas falsas concepções sobre Deus.

 

Com o avanço da ciência, o que temos? A refutação à concepção cristã? Não, mas justamente o contrário. A ciência provou que todas aquelas outras religiões eram falsas, pois, se Deus existe, ele tem que ser transcendente. E a própria lógica assevera que não pode haver dois deuses ao mesmo tempo, pois, se um fosse onipotente, o outro já não poderia ser. Portanto, a ciência nos coloca em um patamar onde sabemos que, se há um Deus, ele é monoteísta e transcendental – exatamente o mesmo que judeus e cristãos já afirmam há milênios. Longe da caricatura do “deus das lacunas”, que só serve para refutar o mesmo paganismo que desde sempre foi rebatido por judeus e cristãos, o Deus cristão só tem sido favorecido pelo avanço da ciência.

 

Tome como exemplo o argumento cosmológico. Ele foi sintetizado pela primeira vez por Tomás de Aquino, ainda em pleno século XIII, na Idade Média. Mas o argumento ainda não parecia ser forte o bastante, porque a concepção que se tinha até então era de que o Universo fosse eterno, e se o Universo é eterno nós não precisamos exatamente de um “Criador”, isto é, de uma “Causa Primeira”. O Universo seria a causa de si mesmo. Foi assim que os cientistas creram até a época de Einstein, quando impactantes descobertas científicas deitaram por terra com a hipótese de o Universo ser infinito (clique aqui para ler sobre isso).

 

O que as novas evidências demonstraram de forma esmagadora é que, de fato, o Universo teve um início a partir do “nada”, isto é, de um ponto em que não havia nem tempo, nem matéria, nem espaço. Tudo passou a surgir com o que hoje chamamos de “Big Bang”. Portanto, o avanço da ciência novamente não destruiu o Deus judaico-cristão; ao contrário, serviu apenas para fortalecer mais ainda o argumento filosófico de Tomás de Aquino, agora reformulado de forma mais científica por William Lane Craig e Alvin Plantinga, dentre outros. Se antes o argumento da Causa Primeira estava puramente no âmbito da filosofia, agora é a própria ciência que dá fundamento ao argumento.

 

É por isso que comparar Deus com fadas, gnomos, sereias e bules voadores é tão infantil: porque se compara o transcendente com algo imanente. Analogias como essas são tão bobas quanto as tentativas de igualar o Deus judaico-cristão com os milhares de deuses do paganismo antigo ou do politeísmo moderno. Elas fracassam pela mesma razão: confundem um ser necessário com um contingente. Deus não é um ser contingente para depender de algo: ele é a própria Causa Primeira, o ser necessário para existir algo em vez de nada. Tentar refutar a Causa Primeira transcendental comparando-a com coisas contingentes só prova o quanto o ateu realmente não entendeu nada do argumento.

 

À luz das evidências, a ideia de que a ciência está em uma guerra mortal contra Deus e o tornando cada vez mais obsoleto não passa de pura jogada de marketing neo-ateu. Mas o ateu ainda tem uma última carta na manga, para provar que os cristãos estão do lado oposto da ciência: “Se você toma remédio você é a favor da ciência; se cresse em Deus iria apenas orar!”.

 

Quem argumenta nessas bases parte do pressuposto de que Deus premeditadamente é contra toda e qualquer forma de remédio e decidiu irrevogavelmente só curar pessoas através da oração. Mas Deus nunca disse isso. É bem mais razoável supor que, uma vez que Deus criou os seres humanos e lhes dotou de inteligência, seja do Seu aprazo que o homem investigue e estude a natureza de modo a encontrar remédios para curar os próprios problemas do homem. Isso não significa que devamos parar de orar por cura, mas sim que o dilema “remédio ou oração” se trata de mais uma falsa dicotomia.

 

Um Deus transcendente é capaz de realizar intervenções na natureza por ele criada (e que nós conhecemos pelo nome de “milagre”), mas ele não a criou para que intervenções deste tipo sejam o modus operandi da criação. Ele impôs leis que regem o Universo e dotou o ser humano com capacidade cognitiva suficiente para evoluir e resolver seus próprios problemas. Isso não significa que “Deus não existe”, significa apenas que o estudo da natureza (ciência) é algo que agrada a vontade do próprio Deus. Da mesma forma que um pai de família cuida do seu filho até a idade da maturidade, e quanto mais ele cresce mais independente tem que ser, assim também Deus não quer que ganhemos tudo de mão-beijada, mas que lutemos para conquistar nossos próprios objetivos, e, em um sentido mais amplo, o bem da humanidade. Essa não é uma caminhada sem oração, mas com oração e ação.

 

Estudar a ciência é estudar as obras de Deus, e descobrir como Ele fez o mundo. Como diz o Salmo 111:2, “grandes são as obras do Senhor, e para serem estudadas por todos os que nelas se comprazem”. Esta é a inscrição presente acima da porta dos laboratórios da Universidade de Cambridge, que formou milhares de cientistas e recebeu mais prêmios Nobel do que qualquer outra instituição. O próprio Einstein dizia: “Quero saber como Deus criou o mundo... quero conhecer os pensamentos de Deus; o resto são detalhes”[2].

 

Em suma, o estudo da ciência não prova a inexistência de Deus mais do que o estudo do funcionamento de um computador prova a inexistência de um criador do computador. Estudar a ciência é descobrir o como; estudar sobre Deus é descobrir quem.

 

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

 

Por Cristo e por Seu Reino,

Lucas Banzoli (www.facebook.com/lucasbanzoli1)

 

Fonte: http://ateismorefutado.blogspot.com.br

 

 


 

Cinco “provas” que não provam a evolução

                 
                  Publicado em 16/10/2016
O jornalista científico Salvador Nogueira assina a coluna “Mensageiro Sideral” na Folha de S. Paulo, e em seu texto desta semana – “Cinco provas da evolução das espécies” – ele foi realmente estratosférico: passou longe de provar aquela que é considerada por muitos a teoria mais controversa de nosso tempo. O título de seu artigo é simplesmente absurdo, porque a teoria da evolução não pode ser “provada” em tudo aquilo que ela afirma. É, para dizer o mínimo, ufanista, panfletário e leviano. Antes de tratar das tais “provas”, Nogueira faz uma exposição das diferenças entre ciência e religião. Portanto, antes de falar sobre as “provas” apresentadas, vou comentar a introdução do texto do meu colega de profissão.

Ele escreveu: “Este é um assunto dos mais controversos: a origem das espécies, desde as bactérias mais simples até os orgulhosos seres humanos [note que ele já assume a macroevolução como fato]. A razão básica da confusão é que algumas pessoas querem fazer crer que existe um conflito intrínseco entre a teoria da evolução pela seleção natural e as religiões. É mentira. A ciência, aliás, não é inimiga da religião. As duas são naturalmente complementares, e existe beleza no equilíbrio.” Aqui Nogueira comete o erro básico (se intencional, não sei) de confundir ciência com evolucionismo e opô-los à religião. Método científico é uma coisa, teoria da evolução é outra. Com o método, a teologia bíblica está em pleno acordo. Com a macroevolução, não. Os evolucionistas até podem se valer do método científico para validar algumas de suas afirmações, mas não todas. Há aspectos do evolucionismo que estão relacionados com as ciências históricas e outros que são pura hipótese mesmo, como a origem da vida a partir da não vida, ou a macroevolução e o surgimento e o aumento da informação genética. Não há absolutamente prova alguma dessas coisas. Apenas conjecturas e cenários imaginários.

O jornalista prossegue: “Uma diferença importante entre elas é que a ciência, por sua própria natureza, se propõe a estabelecer (tanto quanto possível) fatos objetivos. Já a religião fala de ‘verdades’ pessoais. Por isso cada um de nós pode ter suas próprias crenças, mas temos todos em comum uma única ciência. E também é por isso que neste texto, daqui em diante, vamos discutir apenas ciência.”

Tudo muito bonito, se fosse assim tão simples. Cientistas (e não a ciência) até se propõem a “estabelecer fatos objetivos”, mas eles são seres humanos e, portanto, carregados de subjetividades e interpretações não tão objetivas. É lógico que o método científico é o melhor que temos para compreender a realidade (física) que nos cerca, mas não podemos ser assim tão ufanistas a ponto de achar que ele é a única ferramenta disponível para isso. A realidade é muito mais ampla do que nossos microscópios e telescópios podem alcançar.

Nogueira também erra ao dizer que “a religião fala de ‘verdades’ pessoais”. Falo pela religião cristã: ela é muito mais do que uma experiência pessoal (embora também seja isso). O cristianismo é uma religião racional e razoável, cujo livro sagrado tem resistido ao teste do tempo e contado com inúmeras confirmações por parte da arqueologia. O pano de fundo histórico da Bíblia e vários de seus personagens têm sido confirmados ano após ano, descoberta após descoberta (confira aqui). Há várias antecipações científicas nas páginas das Escrituras e a própria ressurreição de Cristo pode ser encarada como evento histórico (confira). É claro que “cada um de nós pode ter suas próprias crenças”, mas, se quiser ser honesto (ou seja, não estiver em busca de uma religião de conveniências), deverá procurar a religião que compatibiliza fé e razão, afinal, o Deus bíblico não é irrazoável.

Depois de usar o fenômeno da chuva como exemplo, Nogueira conclui: “Grosso modo, a confirmação de nossa hipótese a converte em teoria. Ela não é mais só um exercício racional de adivinhação. Ela é uma explicação concreta que nos permite compreender e até mesmo prever fenômenos.”

Mas, se a intenção foi comparar isso com a teoria da macroevolução, o jornalista forçou a barra. A chuva é um fenômeno perfeitamente observável em qualquer lugar do mundo, em qualquer época. Ao contrário, hipóteses como a origem não biótica da vida e a macroevolução não podem ser observadas pelo simples fato de que hipoteticamente levam bilhões de anos para se processar. Tudo o que temos são exemplos de “microevolução” ou diversificação de baixo nível. O resto é extrapolação, usando o tempo como desculpa resposta. Seria mais ou menos como estudar uma molécula de água e querer determinar a partir disso como ocorrem as chuvas.

Para Nogueira, “é de uma desonestidade intelectual profunda acusar a evolução pela seleção natural de ser ‘apenas uma teoria’. Em ciência, uma teoria é o máximo que uma ideia pode chegar a ser. E ela atinge esse ponto só depois que foi corroborada por observações e experimentos. Só depois que ela se mostra a melhor explicação possível para um certo conjunto de dados”.

E ele está certo, em parte. Argumentar que a evolução é “apenas uma teoria” e tentar desacreditá-la por causa disso é ignorar o fato de que existe também uma teoria da gravidade, por exemplo. A atração dos corpos é descrita pela Lei da Gravidade e possui uma equação universal que calcula a força de atração. A Teoria da Gravidade é mais complexa do que isso. Ela tenta explicar por que essa atração ocorre. Quando pedimos a um evolucionista “provas” da evolução, ele geralmente se refere às evidências de “microevolução”, como a diversificação morfológica de animais como os tentilhões e as mudanças limitadas nas bactérias que adquirem resistência a antibióticos. Jamais se responde como e/ou por que a evolução teria ocorrido ou como a vida teria surgido a partir da não vida. Isso se assume como fato, a priori, metafisicamente.

Prevendo a oposição ao uso da palavra “prova”, Nogueira já se justifica logo de início: “Os mais atentos talvez queiram criticar meu uso da expressão ‘provas’, lembrando o filósofo da ciência Karl Popper, que sugere que observações só podem refutar teorias, mas nunca prová-las. Concordo com Popper. Mas uso aqui o termo ‘provas’ no sentido jurídico. Imagine que estamos num tribunal, que julgará a veracidade da teoria da evolução. O Mensageiro Sideral se apresenta como promotor, apontando provas circunstanciais conclusivas.”

Eu não diria os “mais atentos”, mas os mais honestos. Nogueira começa falando em ciência e muda para o contexto jurídico. Isso não me parece honesto porque, como jornalista, ele sabe que o título de seu texto e o uso da palavra “prova” induz os leitores a pensar exatamente o que ele quer. É controle de opinião. Por mais que ele tente se justificar dizendo que usa a palavra “prova” “no sentido jurídico”, o leitor menos atento ou desavisado vai ler as cinco “provas” pensando que elas são exatamente isso, e não tentativas de argumentação em favor de uma hipótese que deveria ser confirmada pelos fatos, e não julgada em um “tribunal”. Mas vamos, finalmente, aos fatos de Nogueira, com meus comentários entre colchetes:

ANTES DE MAIS NADA, O QUE É A TEORIA DA EVOLUÇÃO?
“Formulada por Charles Darwin e Alfred Russel Wallace independentemente e apresentada em 1858, ela parte de pressupostos simples e incontestáveis. A primeira premissa é que os seres vivos de uma determinada espécie, por mais parecidos que sejam, apresentam, naturalmente, pequenas diferenças entre si. Isso é mais do que evidente. Basta olhar ao seu redor. Somos todos humanos, mas cada um é um pouquinho diferente do outro. Um mais baixo, um mais alto, um loiro, um moreno, e assim por diante.

“A segunda premissa é que os seres vivos podem transmitir essas pequenas diferenças que os caracterizam a seus descendentes. E isso também é mais do que evidente. Por isso filhos de morenos são morenos, filhos de altos são altos, e por aí vai.

“A terceira – e crucial – premissa é que, no mundo natural, algumas características são mais vantajosas que outras. Hoje, na população humana, isso não é muito evidente. Mas ainda acontece. Um exemplo: um pequeno número de pessoas na África parece ser imune ao HIV. Muitos esforços têm sido feitos pelos médicos para reduzir o impacto que o vírus da aids tem na mortalidade humana, mas imagine um mundo sem medicamentos. O que aconteceria na África? Os que não resistem ao HIV morreriam, em muitos casos sem deixar descendentes. Os imunes sobreviveriam e teriam mais filhos. Ao longo das gerações, aumentaria a porcentagem de pessoas com imunidade natural ao HIV. Isso é seleção natural. É a pressão que a natureza exerce para selecionar certas características e eliminar outras.

“Pois bem. Até aí, absolutamente nada de controverso. O salto que Darwin e Wallace deram foi partir dessas premissas e concluir que, ao longo de períodos muito grandes de tempo, esse processo de seleção natural poderia produzir novas espécies a partir de um ancestral comum. Como eles chegaram a essa conclusão? Observando o mundo natural. Note, por exemplo, o clássico exemplo apresentado pelo próprio Darwin, ao refletir sobre os tentilhões – grupo de espécies de pássaro – das ilhas Galápagos, que o naturalista estudou pessoalmente ao passar pela América do Sul, em 1835. Ele notou que cada ilha do arquipélago tinha suas próprias espécies de tentilhões, cada uma com um formato de bico próprio.

“Como explicar isso? Darwin imaginou que todos eles tinham um ancestral comum. Separados em suas respectivas ilhas, eles enfrentaram ambientes naturais ligeiramente diferentes, que por sua vez selecionariam características diversas. Ao fim de milhões de anos, terminamos com espécies diferentes de tentilhão.”

[Evidentemente que as três premissas apresentadas acima são fatuais e qualquer criacionista as aceita tranquilamente. A argumentação vai parecer lógica porque começa com fatos observáveis e corretos. Ocorre que um detalhe muitas vezes passa despercebido: depois de supostos milhões de anos de evolução, os tentilhões continuaram sendo tentilhões. Não surgiu em qualquer ilha um tipo de pássaro totalmente diferente; um papagaio, por exemplo. O mesmo tipo de conclusão pode ser tirado a partir das pesquisas com as moscas-das-frutas. Por favor, tome algum tempo para ler esta postagem. Quanto aos africanos resistentes ao HIV, se o mundo e a raça humana durassem milhões de anos, certamente os cientistas do futuro se deparariam com uma população inteira resistente ao vírus da aids, mas todos eles continuariam sendo humanos. Adaptação não é macroevolução. Resistência a um tipo de vírus e mudança de cor da pele/plumas não explicam de onde teria surgido a informação genética necessária para originar uma pata onde antes havia uma nadadeira ou um olho onde antes não havia nada.]

“O mesmo raciocínio pode ser aplicado a toda a vida na Terra, e foi o que Darwin e Wallace fizeram. Se imaginarmos [e aqui o “fato” vira imaginação, o que é típico] que todos os seres vivos atuais têm um ancestral comum separado de nós por cerca de 4 bilhões de anos de seleção natural, temos uma explicação [explicação?] para a origem de todas as espécies. Uma explicação que é passível de teste. E que foi testada e corroborada de forma contundente, como veremos a seguir [quero ver mesmo].

“Um senão importante é que a teoria diz respeito exclusivamente à origem das espécies. Ou seja, como, a partir de uma única forma de vida, acabamos com uma biosfera tão incrível e diversa como a nossa. A teoria nada fala sobre a origem da vida em si. Como o primeiro ser vivo submetido ao processo de seleção natural veio a ser é outro mistério, um que ainda não tem uma solução científica clara (embora diversos caminhos promissores já se insinuem a esse respeito) [a velha desculpa de sempre...].”

PROVA NÚMERO UM – O DNA


“Manja teste de DNA, aquele usado corriqueiramente para determinar paternidade de bebês? Você acredita nele? Pois bem. Hoje temos tecnologia para comparar o DNA não só de humanos diferentes, mas de diversas espécies diferentes. Essa análise revela que todos os seres vivos que já investigamos têm algum grau de parentesco com todos os demais. Trata-se de uma confirmação incrível da teoria da evolução pela seleção natural. Tão contundente como um teste de paternidade diante de um juiz de família.”

[A semelhança genética pode ser interpretada também como a marca/assinatura do Criador e não necessariamente como evidência de ancestralidade comum. Assim como as semelhanças entre um carro, um trem e um avião não revelam ancestralidade comum entre eles. O problema é que os evolucionistas sempre focalizam as semelhanças e minimizam as tremendas diferenças.]

“Se olharmos para o DNA humano e compararmos com o do chimpanzé, descobrimos que a diferença entre eles é de cerca de 4%. Ou seja, a receita para a fabricação de um chimpanzé é, em 96%, idêntica à que produz um ser humano. O que isso significa, que nós evoluímos dos macacos? Claro que não! A afirmação de que o homem veio do chimpanzé está errada. Tanto o homem como o chimpanzé evoluíram de um ancestral comum, que não era nem uma coisa, nem outra.” [Essa falácia também já foi desconstruída. Confira aqui.]

PROVA NÚMERO DOIS – MUTAÇÕES
“Hoje conhecemos bem os mecanismos que existem no interior de cada célula para replicar o DNA [mecanismos tão finamente ajustados, dependentes de máquinas moleculares – nanotecnologia! – e processos ultraprecisos com reparação de erros, inclusive, que fica muito difícil entender como, a partir do rudimentar, essas coisas teriam vindo paulatinamente à existência, se a vida depende delas desde o início exatamente como são; depende dessa complexidade que não pode ser menor, caso contrário, a vida desandaria]. Há um sistema integrado de monitoramento e correção que tenta identificar falhas na replicação e impedir que elas se perpetuem – se preciso for, induzindo o próprio suicídio celular [e como a célula “se virava” antes da existência desse mecanismo?]. No entanto, sabemos também que esse sistema não é à prova de falha. De vez em quando, pequenas mudanças passam. Acontece direto. Nas suas células. Agora. Na maior parte das vezes, ocorre em trechos do DNA que não codificam informação genética, e aí pode não haver consequência nenhuma. Se acontecem num pedaço de DNA que tem informação importante, podem produzir efeitos bem sérios. Na maior parte das vezes, esses efeitos são ruins – o câncer é resultado de mutações em células, alterações que atingem justamente o sistema que induz ao suicídio celular quando há falhas de replicação do DNA. As células saem de controle e se multiplicam sem parar, às custas do resto do organismo. Contudo, em alguns casos, as mutações podem produzir manifestações que não incapacitam a pessoa. E, claro, quando acontecem nas células germinativas, precursoras de espermatozoides e óvulos, elas não afetam o sujeito em si, mas afetarão a geração seguinte – para o bem ou para o mal.”

[Mutações benéficas não significam mutações que adicionem informação ao organismo. Isso não existe. As mutações ou são deletérias ou, no máximo, conservativas, promovendo apenas modificações. Isso não explica, repito, o surgimento de novos órgãos funcionais, nem mesmo novos planos corporais. Mutações casuais não podem explicar nem mesmo o surgimento de espermatozoides e óvulos, que dependem de hormônios específicos, órgãos sexuais distintos e até mesmo de motores moleculares (como no caso do espermatozoide), tudo isso – e muito mais – funcionando bem e ao mesmo tempo. Mas tem mais: precisariam ter ocorrido no mesmo tempo e na mesma região (a fim de que macho e fêmea pudessem se encontrar) mutações que dessem origem a órgãos sexuais distintos e compatíveis, a células germinativas distintas e compatíveis, a hormônios distintos com funções distintas, e a um organismo (feminino) proveniente de outras tantas mutações que o teriam tornado capaz de abrigar a nova vida (não a expelindo, como seria de esperar pela atuação do sistema de defesa também originado a partir de muitas mutações), com deslocamento de órgãos internos, mecanismos de manutenção da vida intrauterina e adaptações musculares e até ósseas que permitiriam a “expulsão” do bebê quando completamente formado. Mas Nogueira (e os evolucionistas) “resolvem” tudo isso com um simples “mutações podem produzir”. Sinceramente, não tenho tanta fé assim!]

Mais declaração de fé: “Sabendo que isso [mudanças] acontece e que a vida tem quase 4 bilhões de anos na Terra, o difícil é inventar um mecanismo que impeça a evolução. É muito mais complicado termos espécies estáticas, imutáveis, do que espécies em eterna transmutação ao longo das eras geológicas, movidas por mudanças pequenas e graduais.”

[Se essa foi uma crítica discreta ao fixismo – doutrina segundo a qual as espécies não mudam e seriam as mesmas do Gênesis até hoje –, Nogueira está correto, mas erra ao pensar (se pensa isso) que os criacionistas bem informados creem nessa ficção. Repito: criacionistas aceitam as diversificações de baixo nível, mas não concordam com as extrapolações hipotéticas usadas para justificar a macroevolução. No parágrafo acima, Nogueira deixa mais uma vez claro que o deus da teoria da macroevolução é o tempo.]  

PROVA NÚMERO TRÊS – FÓSSEIS


“Na época de Darwin, os fósseis já estavam na moda, embora fossem poucos e incompreendidos. Foi justamente naquele tempo que começaram a ser identificados os primeiros dinossauros. Sabemos hoje com base em evidências geológicas concretas que eles viveram entre 230 milhões e 65 milhões de anos atrás [evidências também passíveis de interpretação, afinal, já foram até encontrados tecidos moles de T-Rex e ovos de dinossauro com proteína identificável]. E uma olhada neles revela o que a evolução é capaz de fazer ao longo de períodos imensos de tempo.

“Sabemos, por exemplo, que as aves modernas têm como ancestrais dinossauros terópodes. E como podemos saber disso? Além de observarmos características similares entre os ossos de um grupo e de outro, há algumas espécies extintas que parecem uma exata mistura dos dois. Pegue o arqueoptérix, por exemplo, que viveu cerca de 150 milhões de anos atrás. Ele é metade ave, com penas capazes de voo e asas, e metade dinossauro, com dentes e tudo. Tanto dinossauros como aves são as únicas criaturas que têm aquele famoso ‘ossinho da sorte’. E uma análise de proteínas remanescentes de uma coxa de tiranossauro mostrou em 2005 que o colágeno dos músculos do bichão é muito parecido com o das galinhas modernas. São provas incontestes do processo evolutivo.”

[Um ossinho e semelhança entre colágeno são “provas incontestes”? Puxa vida! A vagina e os tubarões também guardam um tipo de semelhança assim, sabia? (confira) O que dizer disso? Muitos animais de espécies totalmente diferentes guardam semelhanças interessantes. Pense no ornitorrinco. Quanto aos dinossauros, a verdade é que se sabe muito pouco sobre eles, conforme se admite nesta pesquisa. Sobre a suposta evolução das aves a partir dos dinos, você pode ler algo aqui, aqui e aqui; e sobre o arqueoptérix, aqui e aqui.]

“E toda a árvore da vida está cheia dessas formas intermediárias, hoje extintas [não, a “árvore da vida” de Darwin vem contando outra história]. Diversos hominídeos descobertos mostram um aumento crescente da caixa craniana de nossos ancestrais [o neandertal tido como nosso primo ancestral tinha caixa craniana maior que a nossa. E mesmo entre populações e indivíduos contemporâneos as dimensões do crânio variam bastante]. Obviamente, aumento de cérebro (e de inteligência) foi favorecido pela seleção natural, o que explica o processo.” [Não me parece algo tão óbvio assim.]

[O fato é que, se a teoria da evolução fosse real, deveria haver milhões de elos transicionais no registro fóssil, como esperava Darwin. Mas essa não parece ser a realidade, afinal, quando analisamos esse registro, podemos identificar claramente plantas, peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Nada de elos entre esses grandes grupos, apenas variações entre eles, conforme prevê o criacionismo.]

PROVA NÚMERO QUATRO – COMPORTAMENTO ANIMAL

“Os etólogos (estudiosos do comportamento animal) encontram cada vez mais evidências de que muitos dos atributos originalmente concedidos só aos humanos estão presentes no reino animal. Veja os chimpanzés mesmo. Eles são menos espertos que os humanos, fato, mas ainda assim são bem espertos. E fazem coisas que, até outro dia, achávamos que fossem exclusividades nossas. Chimpanzés não falam, mas são capazes de aprender linguagem de sinais e conseguem comunicar ideias simples. Constroem e usam ferramentas rudimentares. Seu nível de inteligência para o uso de ferramentas é comparável ao de uma criança de cinco anos! Gostam de montar quebra-cabeças só por diversão, como nós. Conseguem contar até 40 e fazer operações aritméticas simples. E são capazes de algum nível de empatia. Não são animais estúpidos. São mais parecidos conosco do que gostaríamos de admitir. Não há vergonha nenhuma em ser primo dos chimpanzés. Apesar daquela mania horrível de jogar cocô nos outros, eles são legais e representam nosso elo mais próximo na imensa corrente da vida na Terra.”

[O que dizer da capacidade de compor sinfonias, construir naves espaciais, estudar bioquímica e biologia molecular, ter senso de transcendência e noção de passado e futuro, além de espiritualidade? Como disse antes, é preciso focalizar mais as diferenças do que as semelhanças. O que os evolucionistas sempre tentam fazer é humanizar o macaco e macaquizar o ser humano.]

PROVA NÚMERO CINCO – PSEUDOGENES

“Em meio ao DNA dos mais de 7 bilhões de humanos, existem pedaços de genes de nossos ancestrais comuns, inativos, mas ainda lá. [...] Especula-se que genes inativos possam, com novas mutações, tornarem-se ativos novamente, produzindo características novas que se submetam à seleção natural [mais especulação... Aliás, o que aconteceu com o chamado “DNA lixo” deveria inspirar cautela nos cientistas].

“Os cientistas mais ousados, por exemplo, especulam sobre a possibilidade de reconstruir os genomas de dinossauros extintos ‘pescando’ pseudogenes em seus descendentes – as aves modernas – e reativando-os [mas como saber que pseudogenes são esses?]. Difícil? Sem dúvida. Talvez até impossível para essas criaturas, que sumiram há 65 milhões de anos [segundo a cronologia evolucionista]. Mas pode ser uma estratégia viável para trazer os mamutes, extintos há 12 mil anos, de volta à vida. São incríveis perspectivas que só se abrem porque a evolução é um fato.”

[Eita! Teoricamente, existem em aves e existiram (como sabem?) em dinossauros genes semelhantes e inativos. E há mamutes cuja carcaça foi preservada no gelo, o que torna sua clonagem, em tese, possível. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, mas ambas provam a evolução! Por que a possível clonagem de mamutes seria uma “prova” da evolução?]

O RESUMO DA ÓPERA

“Como se pode ver, a evolução por seleção natural é uma teoria que explica muita coisa [essa é a conclusão de um jornalista que já apresentou sua tese no título da matéria]. Ela poderia ser superada por outro paradigma científico no futuro? Em tese sim. Mas onde está esse paradigma?”

[Não precisa realmente haver um novo paradigma (embora haja rumores de uma nova teoria da evolução não selecionista em gestação...) para explicar a biodiversidade. A seleção natural explica bem isso. Explica como o mais apto sobreviveu, mas nada diz sobre como ele surgiu. E, curiosamente, o livro do incensado Darwin tem como título (resumido) não A Sobrevivência das Espécies, nem A Variação das Espécies, mas A Origem das Espécies.]

“Alguns dizem que a melhor explicação para a diversidade da vida seja o que eles chamam de Design Inteligente – a ideia de que a vida é sofisticada demais para que suas incríveis nuances fossem produzidas pela seleção natural, e que somente uma consciência superior poderia ter produzido os seres vivos terrestres, individualmente, espécie por espécie.”

[Ele está certo: o Design Inteligente não explica nada nessa questão de origem e evolução da vida – afirma unicamente que há sinais de inteligência empiricamente detectados na natureza. Quanto às provas da evolução, o jornalista está inferindo além das evidências encontradas no contexto de justificação teórica.]

“Se o Design Inteligente estiver certo, não devemos encontrar parentesco claro entre todas as espécies estudadas ao investigar seu DNA. Afinal de contas, se cada uma delas foi individualmente projetada por uma inteligência superior, não haveria razão para termos, por exemplo, distribuição similar dos genes pelos cromossomos em diferentes espécies. Aliás, deveríamos encontrar distribuições bem diferentes, otimizadas para cada forma de vida. Não é o que vemos.”

[E quem disse que, se o Criador – Designer – existe, Ele não poderia ter usado recursos criativos semelhantes em tipos de vida diferentes. É uma questão de interpretação: onde o evolucionista vê ancestralidade comum, o criacionista vê a assinatura do Artista.]

Para desmerecer o design inteligente do ser humano, Nogueira diz que “nós, humanos, supostamente o suprassumo, temos um apêndice, cuja única função parece ser causar apendicite, e os dentes do siso, que precisam ser extraídos na maior parte de nós porque não nos cabem na boca. Que diabo de projeto inteligente é esse? Por que temos órgãos vestigiais? Por que o Designer se deu ao trabalho de disfarçar toda a biosfera para fazer de conta que ela evoluiu, se esse não foi o caso?”

[Lá vem ele com essa velha história de “órgão vestigial”! No passado, achava-se que tivéssemos centenas desses “órgãos vestigiais”. Hoje há poucos considerados assim. Mesmo o apêndice se sabe que tem função, e em herbívoros como os ruminantes ele é até indispensável. Será que não foi assim em nós também, numa época em que nossa dieta era inteiramente vegetariana? E quanto ao dente do siso, isso revela simplesmente que nossa arcada dentária está diminuindo – logo, no passado, ela tinha o tamanho ideal para comportar todos os dentes. E quem disse que o culpado por esses problemas é o Designer? E se houver outra explicação para esses defeitos e problemas? Uma explicação histórico/teológica ignorada pelos evolucionistas?]

“Deixo, afinal, uma pergunta para reflexão. Qual é o Designer mais inteligente: aquele que constrói um relógio automático, liga-o e vê, satisfeito, como cada ponteiro avança sozinho no momento preciso para marcar o tempo, ou aquele que constrói um relógio e fica, em sua paciência infinita, empurrando os ponteiros com o dedo a cada segundo para mantê-lo sempre marcando a hora certa?”

[Essa é uma questão que renderia muitas e muitas páginas de discussão e que foge ao escopo desta análise, mas acabamos por descobrir que, além de ultradarwinista, Nogueira parece ser, também, um deísta.]

Autoria: Michelson Borges - jornalista e mantém o blog criacionismo.

 

Fonte: www.cienciaefe.net

 

 


 

Menino de 9 anos irá se tornar astrofísico: "Quero provar que Deus existe"

Com apenas 9 anos, William Maillis começou a cursar o ensino superior com uma missão: estudar física e provar que Deus existe.

 

           POSTADO EM 04 OUTUBRO DE 2016

(Foto: Post-Gazette).
(Foto: Post-Gazette).

Aos 9 anos, William Maillis vive como um monte de outros meninos de sua idade, joga vídeo game, conta piadas, pratica esportes e sai com os amigos. Mas, ele não é tão comum quando se trata de assuntos acadêmicos. Em maio desse ano, ele se formou no Ensino Médio e agora é um estudante universitário que já está trabalhando em suas próprias teorias sobre como o universo foi criado.

Com apenas 9 anos, ele já comemorou sua formatura colegial em Penn Towship, na Pensilvânia (EUA). Hoje o garotinho cursa o ensino superior na Community College of Allegheny County. A maioria dos outros meninos de sua idade está na quarta série.

Com isso, ele pretende se acostumar com o nível de ensino acadêmico e futuramente pleitear uma vaga em uma instituição maior, como a Carnegie Mellon University. William tem uma missão: estudar física e provar que Deus existe.

Segundo informações do site da revista People, ele quer atestar que somente uma força externa seria capaz de formar o universo. E para que ele possa avançar em seus estudos, o pequeno gênio pretende se aprofundar em física e química, fazer um doutorado e trabalhar como astrofísico.

Assim, ele pode tentar mostrar que teorias dos físicos Albert Einstein e Stephen Hawking sobre o universo não estão corretas.

Ainda de acordo com a People, a família da criança afirma que desde bebê, William já se destacava em comparação às pessoas da mesma idade. Com apenas 6 meses ele já reconhecia números e começou a dizer frases completas aos 7 meses. Já aos 2 anos, ele já conseguia ler, escrever e usar a multiplicação. Com 4 anos passou a ler grego e, aos 5, já dominava a geometria. O menino chegou a dominar conceitos de trigonometria aos 7 anos.

O professor de William, Aaron Hoffman, declarou que, além da idade, um detalhe difere o menino dos outros alunos: ele é o único que não anota nada em sala de aula. Apenas, ouve, lê e absorve conhecimentos.

 

Fonte: http://www.guiame.com.br com informações de PEOPLE e G1

 

 


 

Cientista prova a existência de Deus e ganha um dos prêmios mais cobiçados

  POSTADO EM 04/10/2016
  Michael Keller    Resultado de imagem para IMAGENS DO CIENTISTA  DE DEUS Michael Keller

 

Através de leis da física e da filosofia, pesquisador polonês Michael Heller mostra que Deus existe e ganha um dos mais cobiçados prêmios. Ele montou a sua metodologia a partir do chamado “Deus dos cientistas”: o big bang, a grande explosão de um átomo primordial que teria originado tudo aquilo que compõe o universo.

Como um seminarista adolescente que se sente culpado quando sua mente se divide, por exemplo, entre o chamamento para o prazer da carne e a vocação para o prazer do espírito, o polonês Michael Keller se amargurava quando tentava responder à questão da origem do universo através de um ou de outro ramo de seu conhecimento, ou seja, sentia culpa.

Ocorre, porém, que Keller não é um menino, mas sim um dos mais conceituados cientistas no campo da cosmologia e, igualmente, um dos mais renomados teólogos de seu país. Entre o pragmatismo científico e a devoção pela religião, ele decidiu fixar esses seus dois olhares sobre a questão da origem de todas as coisas: pôs a ciência a serviço de Deus e Deus a serviço da ciência. Desse no que desse, ele fez isso.

O resultado intelectual é que ele se tornou o pioneiro na formulação de uma nova teoria que começa a ganhar corpo em toda a Europa: a “Teologia da Ciência”. O resultado material é que na semana passada Keller recebeu um dos maiores prêmios em dinheiro já dados em Nova York pela Fundação Templeton, instituição que reúne pesquisadores de todo o mundo: US$ 1,6 milhão.

O que é a “Teologia da Ciência”?
Em poucas palavras, ela se define assim: a ciência encontrou Deus. E a isso Keller chegou, fazendo- se aqui uma comparação com a medicina, valendo-se do que se chama diagnóstico por exclusão: quando uma doença não preenche os requisitos para as mais diversas enfermidades já conhecidas, não é por isso que ela deixa de ser uma doença. De volta agora à questão da formação do universo, há perguntas que a ciência não responde, mas o universo está aqui e nós, nele. Nesse “buraco negro” entra Deus.

Com repercussão no mundo inteiro, o seu estudo e sua coragem em dizer que Deus rege a ciência naquilo que a ciência ainda tateia abrem novos campos de pesquisa. “Por que as leis na natureza são dessa forma? Keller incentivou esse tipo de discussão”, disse a ISTOÉ Eduardo Rodrigues da Cruz, físico e professor de teologia da PUC de São Paulo.

Keller montou a sua metodologia a partir do chamado “Deus dos cientistas”: o big bang, a grande explosão de um átomo primordial que teria originado tudo aquilo que compõe o universo. “Em todo processo físico há uma seqüência de estados. Um estado precedente é uma causa para outro estado que é seu efeito. E há sempre uma lei física que descreva esse processo”, diz ele. E, em seguida, fustiga de novo o pensamento: “Mas o que existia antes desse átomo primordial?”

Essas questões, sem respostas pela física, encontram um ponto final na religião – ou seja, encontram Deus. Valendo-se também das ferramentas da física quântica (que estuda, entre outros pontos, a formação de cadeias de átomos) e inspirando-se em questões levantadas no século XVII pelo filósofo Gottfried Wilhelm Leibniz, o cosmólogo Keller mergulha na metáfora desse pensador: imagine, por exemplo, um livro de geometria perpetuamente reproduzido.

Embora a ciência possa explicar que uma cópia do livro se originou de outra, ela não chega à existência completa, à razão de existir daquele livro ou à razão de ele ter sido escrito. Keller “apazigua” o filósofo: “A ciência nos dá o conhecimento do mundo e a religião nos dá o significado”. Com o prêmio que recebeu, ele anunciou a criação de um instituto de pesquisas. E já escolheu o nome: Centro Copérnico, em homenagem ao filósofo polonês que, sem abrir mão da religião, provou que o Sol é o centro do sistema solar.

Michael Keller usou algumas ferramentas fundamentais para ganhar o tão cobiçado prêmio científico da Fundação Templeton. Tendo como base principal a Teoria da Relatividade, de Albert Einstein, ele mergulhou nos mistérios das condições cósmicas, como a ausência de gravidade que interfere nas leis da física. Como explicar a massa negra que envolve o universo e faz nossos astronautas flutuarem? Como explicar a formação de algo que está além da compreensão do homem? Jogando com essas questões, que abrem lacunas na ciência, Keller afirma a possibilidade de encontrarmos Deus nos conceitos da física quântica, onde se estuda a relação dos átomos. Dependendo do pólo de atração, um determinado átomo pode atrair outro e, assim, Deus e ciência também se atraem. “E, se a ciência tem a capacidade de atrair algo, esse algo inexoravelmente existe”, diz Keller.

“Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia a obra de suas mãos”
Salmo 19:1

 

Fonte: http://momentocurioso.com.br 

 

 


 

"Os ateus usam princípios bíblicos, mas ainda rejeitam Deus", diz cientista cristão

O cientista criacionista Ken Ham afirmou que os ateus fazem uso de princípios cristãos, seguindo padrões de "certo e errado" na sociedade, mas continuam rejeitando a existência de Deus.

POSTADO EM 28/09/2016

Ken Ham é um cientista cristão e fundador do parque temático cristão

Ken Ham é um cientista cristão e fundador do parque temático cristão "Ark Encounter", nos EUA. (Foto: Ark Encounter)

O cientista criacionista norte-americano Ken Ham, que frequentemente fala contra o crescimento do ateísmo na sociedade, disse que os ateus "fazem uso da cosmovisão cristã, mas continuam rejeitando a Deus", uma vez que a visão de mundo ateísta é "falida, sem sentido e sem esperança".

"Como os ateus determinam o que é certo e o que é errado? Bill Nye me disse que há 'um consenso da tribo', mas, em seguida, tudo é subjetivo. Como os ateus poderiam falar sobre a moralidade? Sem uma base absoluta de onde eles desenhar suas linhas? Quem desenha as linhas? em última análise, isto falha", Ham escreveu no Facebook na segunda-feira.

"Os ateus pedem emprestado a visão cristã de mundo, eles pegaram emprestado as 'leis da natureza', as 'leis da lógica'. Estas visões assumem Deus, a quem os ateus rejeitam. A cosmovisão secular é, em última instância totalmente falida, sem propósito, sem sentido e sem esperança. Propósito, esperança e significado são encontrados apenas em Cristo", acrescentou.

Ham, em seguida postou o link de um artigo de seu blog "Answers in Genesis" ("Respostas no Gênesis"), publicado no início desta semana, no qual ele admitiu que quando ele fala sobre o ateísmo nas mídias sociais, os ateus ficam chateados com ele.

"Eles odeiam ver o ateísmo sendo citado como uma religião ou uma crença. Mas é exatamente isso o que ele é", escreveu Ham.

O artigo, em seguida, enumerou as diferentes formas em que o ateísmo por si só não oferece coisas como esperança, significado ou propósito.

Parte de exposição dentro do Museu da Criação, em Kentucky. (Foto: Christian Post)

 

No texto, Ken Ham disse que a Bíblia revela haver uma visão sombria da vida sem Deus.

"O livro de Eclesiastes (Antigo Testamento) traz um olhar filosófico no sentido da vida, expressa o desespero do vida vazio sem Deus com o refrão constante 'tudo é vaidade' (Eclesiastes 1: 2, 14, 2:17)", indicou o artigo.

No passado, Ham argumentou que as lutas dos ateus contra os cristãos em suas batalhas legais não dizem respeito à separação entre Igreja e Estado nos EUA, mas se opõem a Jesus Cristo e Sua mensagem contra-cultural.

"A mensagem do cristianismo e da ressurreição de Jesus Cristo é contra-cultural. Nossa cultura [pós-moder] não gosta da mensagem de que existe apenas um caminho para salvação, que somos pecadores, merecedores de punição e que devemos nos arrepender e confiar em Cristo para sermos salvos", escreveu o cientista que fundou, não apenas o blog criacionista, mas também o Museu da Criação e o parque temático 'Ark Encounter' ('Encontro da Arca'), que proporciona um tour por uma réplica em tamanho real da Arca de Noé.

"Esta mensagem tem deixado as pessoas com raiva desde os dias de Jesus até hoje. As pessoas não vão parar de lutar contra ela até a volta de Cristo", acrescentou.

O parque 'Ark Encounter', em Kentucky irá sediar a estreia mundial do novo filme do evangelista Ray Comfort, "The Atheist Delusion" ("A Desilusão Ateísta"), destinado a combater as crenças dos ateus, no dia 22 de outubro.

Comfort disse que é uma "honra" contar com o apoio do "Answers in Genesis" na estreia de seu filme.

"Desde o início, estávamos preocupados que as pessoas não levassem a sério um filme que 'destrói o ateísmo com uma pergunta científica'. Mas ele faz exatamente isso, cientificamente confirmando a existência de Deus", disse o evangelista em um comunicado enviado ao 'Christian Post'.

 

Fonte: http://guiame.com.br  COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

 


 

                                           

 

Deus e a ciência

Na França, um senhor de 70 anos viajava de trem tendo ao seu lado um jovem universitário que, compenetrado lia o seu livro de ciências.

O senhor por sua vez lia um livro de capa preta. Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia. Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

- O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

- Sim. - disse o senhor - Mas não é um livro de crendices, é a Palavra de Deus. Estou errado? Com uma risadinha respondeu:

- Claro que está! Creio que o senhor deveria estudar a história geral. E veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, fez o favor de mostrar a miopia da religião. Somente pessoas sem cultura ainda crêem nessa história de que Deus criou o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre que os cientistas dizem sobre isso.

- É mesmo? - perguntou o velho cristão - E o que dizem os cientistas sobre a Bíblia?

- Bem, - respondeu o universitário - agora eu vou descer na próxima estação, mas deixe o seu cartão que eu lhe enviarei o material pelo correio.
O velho então cuidadosamente abriu o bolso interno do paletó, e deu seu cartão ao universitário. Quando o jovem leu o que estava escrito abaixou a cabeça, e saiu cabisbaixo.

O cartão dizia: "Louis Pasteur, Diretor do Instituto de Pesquisas Científicas da École Normale de Paris". Isso aconteceu em 1892.

 

Louis Pasteur
(Vida e Obra)

Louis Pasteur, ilustre pesquisador francês que descobriu a vacina anti-rábica e impulsionou a criação do Instituto Pasteur de Paris e várias outras instituições, que receberam o mesmo nome, no mundo todo.

Louis Pasteur nasceu em Dôle, parte oriental da França, em 27 de dezembro de 1822.

Em 1847 completou seus estudos de doutorado na Escola de Física e Química em Paris.

Em 1848 foram anunciadas suas primeiras descobertas sobre assimetria dos cristais.

Em 1854 tornou-se Professor de Química e Reitor da Faculdade de Ciências de Lille.

Em 1857 iniciou manuscritos sobre a fermentação láctea e recebeu a medalha da Sociedade Real de Londres por seus estudos sobre cristalografia. Pasteur também pesquisou muito sobre a geração espontânea.

Em 1861 recebeu um prêmio da Academia de Ciências por seus estudos sobre fermentação.

Em 1865 iniciou estudos sobre o processo que mais tarde levaria seu nome - a pasteurização.

Em 1880 Pasteur começou seus estudos sobre a raiva, lançando no ano seguinte os primeiros manuscritos sobre essa zoonose.
Em 1881 publicou estudos sobre a vacina contra o antrax e contra a cólera aviária.

Em 1884 apresentou, em Copenhagen, um trabalho sobre "Patogenia microbiana e vacinas". Iniciou estudos sobre vacinação anti-rábica em animais.

Em 1885 efetuou o primeiro tratamento contra a raiva humana. Os primeiros pacientes foram Joseph Meister e Jean Baptiste Jupille.

Em 1886 obteve licença internacional para fundação do Instituto Pasteur, devotado ao estudo e tratamento de raiva, assim como a outros estudos microbiológicos.

Em 14 de novembro de 1888, o Instituto Pasteur de Paris foi inaugurado.

Em 1892 o Jubileu de Pasteur (70 anos) foi comemorado na Sorbonne de Paris, com grandes solenidades.

Louis Pasteur faleceu aos 73 anos, em 28 de setembro de 1895, em Chateau de Villeneuve l'Etang, perto de Paris.

 

Fonte: http://www.saude.sp.gov.br 

 

 


 

5 fatos da Bíblia que a Ciência confirma

Apesar de ser considerado um livro sagrado pelos cristãos, muitos fatos da Bíblia não são levados à sério pelos mais cético. Nem mesmo a comunidade científica, como historiados, arqueólogos e outros especialistas relacionados, costumam dar bola para algumas descrições que as “sagradas escrituras” dão de alguns fenômenos, lugares e personagens do mundo antigo.

Há algum tempo, no entanto, isso tem começado a mudar. Isso porque, ao contrário a expectativa dos ateus ou agnósticos, alguns fatos da Bíblia estão se mostrando reais há alguns anos, especialmente quanto aos lugares descritos em seus ensinamentos.

Um bom exemplo disso, como você vai ver, é a possibilidade, comprovada pela física, de a arca de Noé realmente ter existido um dia. Da mesma forma é com a existência do personagem Pôncio Pilatos, que se tornou, na década de 60, mais um dos fatos Bíblicos confirmados pela Ciência, depois que evidências físicas foram descobertas em uma escavação.

Claro que muita coisa sobre a história religiosa da Bíblia e a própria vida do profeta Jesus Cristo ainda está encoberta ou gera discordâncias. A possibilidade da existência de uma esposa de Jesus é um grande exemplo disso, como você já conferiu aqui, no Segredos do Mundo.

Mas, controversas à parte, a verdade é que fatos da Bíblia estão sendo desvendados e comprovados. Isso, com certeza, se mostra uma vitória para os religiosos e uma riqueza imensurável para os historiadores. Ou seja, todos ganham, não é mesmo?

Confira, abaixo, 5 fatos da Bíblia que a Ciência confirma:

5. Cidadela da Primavera

5

Uma dos fatos da Bíblia já confirmados pela Ciência é a existência da Cidadela da Primavera. No livro sagrado, ela é mencionada na passagem de Samuel, como conquistada pelo rei Davi, e é  o local onde Salomão foi ungido rei.

Na vida real, a cidadela bíblica foi encontrada na Cidade de Davi, principal sítio arqueológico de Jerusalém, e que já vinha sendo escavado há 20 anos. Segundo os arqueólogos, o local foi construído para proteger a água da Fonte do Giom de possível conquistadores e para proteger as pessoas que iam até ali para beber água.

4. Parede do rei Salomão

4

A parede do rei Salomão, mencionada no primeiro livro dos reis, ainda no Antigo Testamento, fala sobre uma muralha, construída por ordem do rei Salomão, em Jerusalém. Esse é um dos fatos da Bíblia que se confirmaram verdadeiros, recentemente, pela Ciência.

A descoberta aconteceu em 2010, quando uma parte dessa gigantesca construção foi encontrada, durante as escavações conduzidas pela Universidade Hebraica de Jerusalém. Conforme os registros da descoberta, a muralha conta com um guarita de segurança e tem 70 metros de comprimento por 6 metros de altura.

3. Reservatório de Siloé

3

Em 2005, encanadores acabaram encontrando, em Jerusalém, uma reserva de água. Estudiosos, notificados do achado, tomaram parte da escavação e concluíram, no final das contas, que se tratava do Reservatório de Siloé.

Para quem não sabe, esse é o reservatório citado no livro de João, e é dele que Jesus Cristo coleta água para curar os olhos de um cego de nascença. Até alguns anos atrás, a Ciência não acreditava que esse poderia ser um lugar real, apenas mais um simbolismo bíblico, mas o Reservatório de Siloé estava exatamente no local descrito por João.

2. Pedra de Pôncio Pilatos

2

E, para quem pensa que muitos personagens, assim com os fatos da Bíblia, são apenas invenções ou simbolismos usados pelos apóstolos de Jesus, fique sabendo que esse é um grande engano. Em 1961, por exemplo, arqueólogos descobriram a primeira evidência física de que o personagem Pôncio Pilatos existiu no passado.

Uma pedra, que ficou conhecida depois como a Pedra de Pôncio Pilatos, foi encontrada durante as escavações de um teatro construído por Herodes, em Cesareia, Israel. Conforme os estudiosos, as inscrições da pedra diziam: “Pôncio Pilatos, prefeito da Judeia, a dedica”.

1.  Arca de Noé

1

Esse talvez, seja um dos fatos da Bíblia mais chocantes a serem confirmados pela Ciência até agora. Bom, não foi exatamente a existência da arca que eles encontraram, mas cientistas conseguiram provar a viabilidade física de a arca ter existido e conseguido flutuar por águas turbulentas enquanto carregava um par de animais de cada espécie do planeta.

Para chegar a esse resultado positivo, em 2014, quatro alunos de Física, da Universidade de Leicester, na Inglaterra, começaram a testar, etapa por etapa, o processo de construção da arca descrito na Bíblia.

Para isso eles começaram convertendo os cúbitos, uma unidade de medida usada no livro sagrado, em centímetros. Logo de cara, eles conseguiram dimensionar a arca de Noé, que teria 145 metros de comprimento, 24 metros de largura e 14 de altura.

Além disso, o “manual de instruções” de Noé dizia para usar madeira de gofer, cuja densidade é parecida com a madeira do cipreste, utilizada pelos estudantes para os cálculos. Com isso, eles descobriram também o peso da arca vazia: 1,2 milhão de quilos.

Finalizando os estudos de probabilidades, os estudantes descobriram que a arca poderia carregar 51 milhões de quilos, o suficiente para carregar um casal de bichos de cada espécie, sem deixar com que a arca afundasse, já que ela precisava, apenas, de ter sua densidade menor que a da água.

 

Fonte: Galileu  Via http://segredosdomundo.r7.com 

 

 


 

O Deus das ondas gravitacionais

Por Jenna Freudenburg 

Postado em 29/08/2016                                                                                                         Resultado de imagem para imagens de ondas gravitacionais                               Resultado de imagem para imagens de ondas gravitacionais

A descoberta das ondas gravitacionais no ano passado foi aclamada como o início de uma nova era na astrofísica. Estas vibrações no espaço-tempo, que reivindicam a teoria da gravidade de Einstein cem anos depois que ele a propôs pela primeira vez, nos permitem “ouvir” o cosmos, bem como enxergá-lo.

Cientificamente falando, as ondas gravitacionais são uma nova forma de experimentar nosso universo – e quem pode afirmar o que se irá descobrir, ouvir e ver a partir de agora? Eu sou cristã e astrônoma, então eu não tenho outra alternativa senão considerar o que isso significa para a minha fé quando as fronteiras da ciência avançam de maneira tão expressiva.

Muitos cristãos acham essa descoberta ameaçadora. Eles raciocinam da seguinte forma: Se a ciência é capaz de explicar cada vez mais os fenômenos do mundo natural, então haverá cada vez menos espaço no cenário para Deus. O criacionismo é o exemplo mais conhecido dessa lógica. Um criacionista acredita que a teoria da evolução é insidiosa porque, à sua maneira de pensar, se aceitarmos a ideia de que a vida surgiu a partir da “sopa primordial” e evoluiu para os seres humanos, como podemos reivindicar que ela foi criada por um Criador divino?

Este tipo de raciocínio surge com tanta frequência que o apelidamos de o “Deus das lacunas”. Para os cristãos, o problema de raciocínio com o “Deus-das-lacunas” é que ele coloca a ciência e a fé uma contra a outra. Se aceitarmos a premissa de que as reivindicações da Bíblia devem ser sopesadas contra as teorias científicas, então, inevitavelmente tem-se que escolher uma e desprezar a outra. Como ocorrem as descobertas científicas e as “lacunas” em nosso conhecimento científico diminuem, precisamos cada vez menos da ideia de Deus para explicar o mundo físico. Em uma batalha fé-contra-ciência, a fé está em desvantagem – pela simples razão de que a ciência é muito eficiente para explicar as coisas que vemos ao nosso redor.

Não é nenhuma surpresa, então, que apontar para o raciocínio “Deus-das-lacunas” é uma tática favorita de Richard Dawkins e outros críticos do cristianismo. Por outro lado, estudiosos cristãos reconhecem que uma imagem como a que eu acabei de descrever não é uma teologia muito robusta.

Ambos os lados parecem considerar insustentável qualquer filosofia que se baseia em nossa falta de conhecimento para criar espaço para Deus.

Não me interpretem mal, mas Deus não é útil enquanto uma teoria científica. Pensar em Deus desta maneira foge do ponto. Toda a noção de um Deus das lacunas depende de uma imagem filosófica em que a ciência tem um ponto final. Por isso, quando descobrimos ondas gravitacionais, ou encontramos um novo número primo, ou fazemos progressos em direção à cura da doença crônica, nos aproximamos do “fim” [finalidade] da ciência.

Esta é uma noção muito empobrecida do que é ciência, e eu ainda não encontrei um cientista que pensa dessa maneira. A ciência diz respeito a um processo de fazer perguntas. A tentativa de responder às nossas perguntas sobre como as coisas funcionam leva a uma compreensão mais profunda do mundo que nos rodeia, mas sempre levanta mais questões. A ciência é uma resposta humana ao desconhecido – por isso, enquanto houver humanos para fazer perguntas, nunca haverá um fim para a ciência.

Pela mesma razão, não devemos ter medo de abraçar o desconhecido – as lacunas no nosso conhecimento do divino – como um caminho para a compreensão de Deus. Na fé, assim como na ciência, fazendo perguntas quando confrontados com o mistério é a natureza humana. É ingênuo pensar que temos a capacidade de diminuir o poder, amor, ou o âmbito da ação de Deus, simplesmente fazendo perguntas. Na verdade, eu defendo que um espírito questionador deve desempenhar um papel importante na vida de fé de um cristão. Longe de desencorajar o pedido, a Bíblia exorta: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á.”, disse Jesus no Sermão da Montanha. [Mateus 7: 7-8]

Nossas perguntas assumem diferentes formas. Podemos usar nosso raciocínio para sondar o universo físico que Deus criou. Podemos desafiar a Deus por respostas em momentos de dor e tristeza; podemos ler a Escritura e perguntar o que ela significa para as nossas vidas. É claro que, em nenhum lugar ela nos garante respostas concretas. Mais frequentemente do que um “não”, Deus não dá respostas completas, mas em vez disso ele responde com mais perguntas.

O Livro de Jó é uma exploração profunda deste questionamento dinâmico. Quando Jó desafia Deus, exigindo uma explicação para suas aflições, cada um de seus amigos oferece um raciocínio diferente. Quando Deus o responde, varre ao longe suas respostas simplistas, e, ao invés de uma resposta pronta, interroga Jó: “…porque te perguntarei, e tu me responderás. Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Faze-mo saber, se tens entendimento.”[Jó 38: 3-4].

A narrativa da criação que se segue, sob a forma de perguntas dirigidas a Jó, é uma das passagens mais impressionantes nas Escrituras. Quando Deus concluiu, Jó realmente não teve uma resposta para a pergunta original – Por que estou aflito? – Mas ele teve uma nova e mais profunda compreensão de Deus.

“Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te veem.” [Jó 42: 5]

Nós já tínhamos visto o universo com a visão dos olhos, mas agora nossos ouvidos o ouvem. Ondas gravitacionais levantam mais perguntas do que respostas, mas sua descoberta nos dá uma maneira profunda de compreender o cosmo que não tínhamos antes. Se temermos as lacunas em nosso conhecimento, retrocedemos em fazer as perguntas que nos levam a descobertas como essa, e perdemos a oportunidade de conhecer a Deus um pouco melhor através da criação.

Jenna Freudenburg é astrônoma na Ohio State University.

Traduzido e adaptado por Áquila Mazzinghy.

 

 


 

  

 

         

 

 

 


 

cobra-de-quatro-patas-brasileira

Ateus ficam revoltados: Arqueólogos descobrem como era a serpente antes da maldição de Deus no Éden

Então Yahweh Deus determinou à serpente: “Porque fizeste isso, és maldita entre todos os animais domésticos e o és entre todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o teu próprio ventre, e comerás do pó da terra todos os dias da tua vida. -Gênesis 3:14

                 

Muitos pensam que a frase “Sobre o seu ventre você rastejará” significa que a cobra quando foi criada por Deus podia ficar em pé, e que depois de tentar Eva, Deus amaldiçoou a rastejar em seu peito. Essa teoria não possuía nenhuma base científica que a comprovasse até algum tempo atrás, quando uma equipe de pesquisadores no Brasil encontraram um fóssil de uma cobra com quatro pernas.

E a BBC fez um relatório que publicou as fotografias do fóssil.

Apesar de não ser a primeira vez que encontram um fóssil de cobra com pernas, que acredita-se ser o ancestral direto das cobras atuais. “Este é o fóssil de cobra mais primitiva conhecida, e isso é muito claro que a água “disse Nick Longrich, um pesquisador da Universidade de Bath, no Reino Unido, e um dos autores do estudo.

Segundo Longrich disse à BBC, a forma da cauda da criatura não é como as cobras atuais e não há sinais da presença de barbatanas.

               

Em vez disso, seu tronco longo e focinho curto são as características típicas de um animal escavado. Sua traseira e membros anteriores (4 mm e 7 mm, respectivamente) são muito pequenas e altamente especializadas, com os dedos muito finos e garras na ponta.

Bruno Simões, um especialista em cobras do Natural History Museum, ficou surpreendido pelo bom estado de conservação do fóssil e tão bem desenvolvido que são seus membros.

“É uma surpresa, especialmente por causa de sua proximidade com cobras atuais”, disse Simões à BBC.

“Isso nos dá uma ideia clara de que era um ancestral das serpentes”.

 

 

 

FONTE: Christian Daily


         

A Teoria do “O Big Bang” e o relato bíblico da Criação

Postado em 09/06/2016
0BB2E

A Teoria do “O Big Bang” e o relato bíblico da Criação

Big-Bang-a-Teoria

Gerald Schroeder é um cientista com mais de trinta anos de experiência em pesquisa e ensino. Obteve seu bacharelado, mestrado e doutorado diretamente do renomado Instituto de Tecnologia de Massachusetts – MIT, considerado um dos melhores e mais brilhantes institutos de engenharia do mundo.

Entre os assuntos analisados estão as coincidências e as diferenças entre a Teoria do Big Bang e o relato bíblico da Criação, as inexploradas consequências da criação ex nihilo, as controvérsias envolvendo a idade do Universo, o estado do nosso planeta durante sua criação, as forças naturais usadas pelo Criador para recondicionar esse mundo e o enigma da natureza da luz primeva.

O objetivo é elucidar um mistério com o qual algumas das mentes mais criativas se debateram por séculos. Como disse certa vez o físico britânico James Hopwood Jeans (1877-1946): “O Universo parece ter sido desenhado por um matemático puro”. [1]

Nos anos 40, o regime comunista soviético rejeitou completamente as conclusões de Hubble e Gamow – conhecida como Teoria do Big Bang – apesar de sua consistência científica, baseados em que suas hipóteses não combinavam com os princípios da ideologia marxista leninista (isto é, o ateísmo). A opinião dos soviéticos sobre o Big Bang foi sumarizada pelo camarada Andre Zhdanov: “Falsificadores da ciência querem fazer reviver o conto de fadas sobre a origem do mundo a partir do nada” [2]

Os soviéticos perseguiram os físicos que apoiavam a Teoria do Big Bang. Alguns cientistas pagaram com a vida por esse apoio, como Matvei Bronstein, que foi fuzilado após ser acusado de espionagem.

Como afirmou o físico inglês, laureado com o Prêmio Novel, George Thomson: “Provavelmente, cada cientista acreditaria na Criação narrada na Bíblia se, infelizmente, não tivesse dito alguma coisa anteriormente que pareceria agora ultrapassada”. [3]

Como qualquer pessoa que já leu os versículos iniciais da Bíblia bem sabe, essas poucas palavras que relatam como Deus trouxe a nossa realidade à existência são fascinantemente densas, desafiadoras e crípticas, e se referem a um assunto ao qual somos naturalmente atraídos: o início da vida.

A questão da origem da nossa existência, do planeta que chamamos de nosso lar e do Universo ao qual estamos familiarizados sempre engajou pessoas de todas as idades e credos no decorrer da História. Nenhum outro conjunto de palavras gerou tantos estudos; nenhum outro conjunto de sentenças provocou mais discussões inteligentes e nenhuma outra passagem despertou tanta curiosidade quanto o relato bíblico do Gênesis – o início do universo.

Assista: A Teoria do Big Bang e o relato bíblico da Criação

 



 

>> Leia também: A Origem das Teorias: Como Tudo Começou?

 

 

 

 

Cientistas afirmam que Deus produziu o Big Bang

Especialistas judeus afirmam que Big Bang e criacionismo se complementam, não se anulam.

download

No debate milenar entre a ciência e a religião, os cientistas e os religiosos apresentam seus argumentos tentando convencer os demais. Uma minoria busca um “mínimo denominador comum” convincente.

Esta semana, contudo, o embate entre criacionismo e Big Bang pode ter ganhado um capítulo importante. O professor Nathan Aviezer, da Universidade Bar Ilan de Israel veio a público defender fortemente que as crenças científicas e religiosas podem viver juntas em harmonia.

Ao lançar seu livro “In the Beginning” [No Princípio], ele afirmou que os cientistas há décadas estão buscando pelas ondas produzidas pela gravidade, mas esse tem sido um feito difícil. Afinal, a gravidade é um bilhão de bilhão de vezes mais fraca que as forças elétricas, que também produzem ondas.

Contudo, argumenta, “se houve uma enorme mudança gravitacional, então talvez com algum equipamento muito sensível, você poderia detectá-las.” Para ele, o Big Bang causou essa mudança “por isso não havia esperança de que talvez você pudesse ver as ondulações causadas pelo Big Bang”. É nesse momento que entra o relato do primeiro versículo de Gênesis, onde mostra que Deus criou o céu e a Terra.

Embora todos os cientistas também usem um momento inicial para o estabelecer o surgimento do universo, eles não necessariamente atribuem isso a Deus, preferindo argumentar que aconteceu espontaneamente.

Nessa disputa pelo primeiro momento, os cientistas apostam na explosão conhecida como Big Bang, enquanto judeus e cristãos defendem que foi o momento em que Deus disse “Haja luz”.

“A criação da luz foi essencialmente a criação do universo”, resume Aviezer. “Cada palavra escrita na Torá [Antigo Testamento] se encaixa nas descobertas científicas mais recentes. Elas estão em harmonia exata com as palavras da Torá. ”

O renomado rabino Benny Lau, concorda que essa teoria científica é compatível com a história judaica revelada no Livro de Beresheet [Gênesis]. Para ele, os conceitos de tempo na Bíblia não são os mesmos que aqueles que usamos agora, pois ‘um dia’ pode perfeitamente ser o mesmo que um milhão de anos. Mesmo assim, para Lau, as últimas descobertas científicas não alteram o entendimento judaico sobre como tudo começou.

O debate voltou a ocorrer após o material divulgado pelo astrônomo John M Kovac, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian. Esta semana, a equipe de cientistas americanos do projeto BICEP2, anunciou ter encontrado resíduos deixados pela chamada “inflação cósmica”. Esse é o nome dado ao crescimento exponencial pelo qual o universo passou em seu primeiro quadrilionésimo de segundo.

Usando poderosos telescópios situados no Polo Sul, eles comprovaram a existência de “micro-onda cósmica de fundo”, uma radiação muito fraca que permeia todo o universo. Tais ondas gravitacionais deixam marcas ao percorreram o espaço em sua “fase inflacionária”. As chamadas ondas gravitacionais funcionam na cosmologia como uma espécie de “eco” do Big Bang.

“Isso abre uma janela para um novo mundo da física, aquele que ocorreu na primeira fração de segundo do universo”, disse Kovac, que liderou as equipes do BICEP2 (Background Imaging of Cosmic Extragalactic Polarization 2)

Caso seja confirmada, a descoberta dos astrofísicos poderá lhes render um prêmio Nobel, pois seriam as provas necessárias para apoiar a teoria que o universo teve um começo.

O escritor e educador judeu Izzy Greenberg escreveu ao Jerusalém Post que: “Quando perguntamos sobre como o mundo foi criado, nós poderíamos ter tanto um Big Bang [Grande Explosão] quanto um Big Banger [Grande Explodidor]. Lembra que o famoso rabino-chefe de Israel Yitzchak Eizik HaLevi Herzog, em 1957 escreveu: “Segundo uma perspectiva científica, acreditamos que Deus criou bilhões de átomos, para os quais estabeleceu certas leis naturais. Esses átomos mais tarde desenvolveram-se e evoluíram de acordo com essas leis. Mas isso não é diferente que acreditar, segundo o relato simples de Gênesis, que Deus criou os céus e a Terra, no primeiro dia…”.

O professor Aviezri S. Fraenkel, do Instituto Weizmann, expressou um sentimento semelhante. Ele defende que a moderna teoria da cosmologia e a religião judaica, na verdade, podem se ajudar e se explicar mutuamente. Elas não anulam uma à outra. “Na verdade, as teorias modernas, mesmo que se aprofundem cada vez mais, ainda não explicam todos os fatos observados no cosmos, conferindo apenas um novo significado para o versículo de Salmo 92:5: “Quão grandes são, SENHOR, as tuas obras! Mui profundos são os teus pensamentos“.Com informações de Jerusalem Post e GOSPEL PRIME.

  • Referências:
    [1] Jeans, James. The Mysterious Universe. New York: Macmillan, 1937. Pg. 122.
    [2] Singh, Simon. Big Bang: The Origin of the Universe. New York: Fourth Estate, 2004. Pg. 363
    [3] Otto Struve, Continuous Creation, Astronomical Society of the Pacific: Leaflets, vol. 6, 1951. Pg. 154.
  • Tradução: Renan Poço
    Revisão: cpac
    Visite: http://tradutoresdedireita.org/
    Vídeo traduzido no YouTube: https://youtu.be/xeyNdP1yRv4
    Vídeo original: https://youtu.be/2fsfm1Ua6cs

 

 

FONTE: Tradutores de Direita  Via http://www.apocalipsenews.com 


                A Terra é mesmo plana?

                        Image657

A Terra é mesmo plana? Conclusões!

Knowledge is Power

Image657

Nos últimos meses, a antiga teoria da Terra Plana começou a ganhar popularidade na Internet e novos adeptos consequentemente (especialmente entre os fundamentalistas cristãos). A princípio fiquei bastante surpreso que essa teoria pudesse ressurgir e imediatamente comecei a pesquisar sobre o assunto e também a pensar nos motivos que poderia existir por trás desse retorno.

Toda vez que surge uma nova “teoria da conspiração” ou um acontecimento estranho, sempre mantenho minha mente aberta e começo a buscar por informações alternativas, evidências, perguntas sem respostas etc. para verificar se a teoria realmente procede, pois nem tudo é uma conspiração. Na internet, por exemplo, existem teorias de que a Terra é oca, de que existe um sociedade de aliens vivendo no fundo do oceano, de que a lua é um holograma, ou seja, existem centenas dessas teorias e, na minha opinião, nem todas procedem, pois carecem evidências mais sólidas. Não é porque eu tenho um blog de “teorias da conspiração” que eu darei créditos a qualquer uma delas. Eu sempre investigo e tento filtrar ao máximo as informações que repasso aqui.

Minha experiência com a teoria da Terra Plana foi bastante diferente. Eu passei meses lendo sobre o assunto e confesso que em nenhum momento eu encontrei alguma informação que me impressionasse. A maioria das fontes que defendem essa tese apresentavam informações erradas sobre um determinado ponto ou percepções pessoais dos próprios autores. O que me impressionou foi a quantidade de pessoas que aderiram a essa tese sem ao menos verificarem que as informações estavam erradas.

Durante esse período de pesquisas, acho que acabei encontrando muito mais evidências de que a Terra não é plana do que o contrário. Uma das maiores evidências seriam as rotas dos aviões que levariam muito mais tempo no modelo da Terra plana. Um voo para da América do Sul para a Austrália não poderia passar próximo da Antártida, pois na tese dos terraplanistas, o polo sul não existe, mas isso acontece todas as semanas e dura apenas 14 horas. Facilmente verificável.

Será que a teoria da Terra Plana está sendo popularizada para descredibilizar as demais “teorias das conspiração” (pois a maioria dos terraplanistas também são adeptos das “teorias Illuminati”)? É possível que sim. Tem havido um esforço constante para descredibilizar as “teorias da conspiração”, como já mostramos nesse site inúmeras vezes. No entanto, seja lá o que você queira acreditar, acredite com sua própria cabeça, pesquisando por si mesmo, e não porque alguém de “renome” simplesmente lhe disse que a Terra é plana ou esférica.

Assista ao vídeo:

                   

FONTE: Knowledge is Power  Via http://www.apocalipsenews.com 

  Resultado de imagem para imagens de ateismo, ateu   Resultado de imagem para imagens de ateismo, ateu

(por Marilyn Adamson, revisado por Débora Fernandes)

Pelo menos uma vez na vida, você não adoraria que alguém simplesmente lhe mostrasse a prova da existência de Deus? Sem quebra-de-braço, sem afirmações como: “Você tem que acreditar”. Bem, tentaremos apresentar aqui algumas das razões que sugerem a existência de Deus.

Mas, considere que, se alguém se opõe radicalmente à possibilidade de Deus existir, então qualquer prova ou explicação apresentada aqui poderá ser imediatamente refutada. Ou seja, isso seria como se uma pessoa se recusasse a acreditar que o homem andou na lua. Nenhuma informação, por melhor que fosse, iria mudar o seu modo de pensar. Imagens via satélite de homens andando na lua, entrevistas com os astronautas, pedras lunares… todas as provas seriam sem valor porque a pessoa já concluiu que o homem não pode ir à lua.

Quanto à existência de Deus, a Bíblia diz que há pessoas que têm prova suficiente de que Ele existe, mas encobrem essa verdade (Romanos 1:19-21). Por outro lado, há aquelas que querem saber se Deus existe; a essas Ele diz: “Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo coração. Eu me deixarei ser encontrado por vocês…”. (Jeremias 29:13-14) Antes que você olhe para os fatos relacionados à existência de Deus, pergunte-se: “Se Deus realmente existe, eu gostaria de conhecê-lo?”.

1. Deus Existe? Durante a história, em todas as culturas do mundo, as pessoas vêm sendo convencidas de que há um Deus.

Podemos dizer, com algum grau de confiança, que todas essas pessoas estiveram ou estão erradas? Bilhões de pessoas, que representam diversos compostos sociológicos, intelectuais, emocionais, educacionais etc., todas chegaram à mesma conclusão de que há um Criador, um Deus para ser adorado:

Pesquisas antropológicas atuais indicam que entre os povos primitivos mais distantes e remotos, existe uma crença universal em Deus. E, nas primeiras lendas e histórias dos povos de todo o mundo, o conceito original era de um único Deus, o qual foi o Criador. Um Deus altíssimo e original parece ter, uma vez, estado em suas consciências, mesmo naquelas sociedades que hoje se apresentam politeístas (Paul E. Little, Saiba O Porquê Você Acredita, Victor Books, 1988, pág. 22).

2. Deus Existe? A complexidade do nosso planeta aponta para um Desenhista, que, intencionalmente, não apenas criou nosso universo, mas também o sustenta hoje.

Poderiam ser dados muitos exemplos mostrando o desenho que Deus fez da criação, e, possivelmente, não chegaríamos ao fim desse desenho. Mas aqui estão alguns traços dele:

A Terra… seu tamanho é perfeito. O tamanho da Terra e a sua gravidade correspondente seguram uma camada fina de gases nitrogênio e oxigênio que se estendem, em sua maioria, até uns 80 quilômetros desde a superfície da Terra. Se a Terra fosse menor, a existência de uma atmosfera seria impossível, como ocorre no planeta Mercúrio. Se a Terra fosse maior, sua atmosfera conteria hidrogênios livres, como em Júpiter (R.E.D. Clark, A Criação, London, Tyndale Press, 1946, pág. 20; As Maravilhas da Criação de Deus, Moody Institute of Science, Instituto de Ciências Moody, Chicago, Il). A Terra é o único planeta conhecido que é provido de uma atmosfera com a mistura na medida exata de gases para sustentar vida humana, animal e vegetal.

A Terra localiza-se na distância exata do sol. Pense nas variações de temperatura que enfrentamos, aproximadamente entre -34.4 a + 48.9 graus. Se a Terra fosse um pouco mais distante do sol, nós todos congelaríamos. Um pouco mais perto e nós nos queimaríamos. Até mesmo uma variação fracionária da posição da Terra em direção ao sol tornaria a vida impossível no planeta. A Terra mantém sua distância perfeita do sol enquanto gira em torno dele numa velocidade de aproximadamente 107.825 kph. Também gira em torno de seu próprio eixo, permitindo que toda a superfície seja apropriadamente aquecida e refrescada todos os dias.

Nossa lua tem o tamanho perfeito e está à distância exata da Terra por causa da força da gravidade. A lua cria movimentos importantes nas marés para que as águas não estagnem e ainda impede que os nossos oceanos massivos não inundem os continentes (The Wonders of God’s Creation, Moody Institute of Science, Chicago, IL).

Água… incolor, inodora e insípida e ainda assim nenhum ser vivente pode sobreviver sem ela. Plantas, animais e seres humanos consistem, na sua maioria, de água (cerca de dois terços do corpo humano é composto por água). Você verá porque as características da água são tão particularmente apropriadas para a vida:

A água possui pontos máximos de fervura e de congelamento incomuns, nos permitindo viver em um ambiente com temperaturas variantes, enquanto mantém nossos corpos em temperatura constante de 37 graus.

A água é o solvente universal. Pegue um copo cheio d’água e adicione uma colher de açúcar e nada vai transbordar; a água simplesmente absorve o açúcar. Essa propriedade da água significa que milhares de produtos químicos, minerais e nutrientes podem ser carregados pelo nosso corpo todo e até dentro de vasos sangüíneos minúsculos (Ibid.).

A água também não apresenta mudanças químicas. Sem afetar o composto das substâncias que carrega, a água permite que comidas, remédios e minerais sejam absorvidos e usados pelo organismo.

A água apresenta uma tensão de superfície única, pois, nas plantas, ela pode subir contra a ação da gravidade, trazendo nutrientes vivificantes até o topo da árvore mais alta.

A água congela de cima para baixo, formando uma crosta que flutua; assim, os peixes podem viver no inverno.

Noventa e sete por cento da água da Terra encontram-se nos oceanos. Mas, em nosso planeta, existe um sistema que retira o sal da água e a distribui para todo o globo. É o processo de evaporação, que absorve as águas do oceano, deixando para trás o sal; depois forma nuvens que são facilmente levadas pelo vento a fim de dispersar, pela chuva, a água sobre a vegetação, animais e pessoas. Esse sistema purifica e recicla os recursos hídricos do planeta, para sustentar a vida aqui (Ibid.).

O cérebro humano… processa simultaneamente uma quantidade incrível de informações. O cérebro reconhece todas as cores e objetos que você vê; assimila a temperatura à sua volta; a pressão de seus pés contra o chão; os sons ao seu redor; o quão seca sua boca está e até a textura deste artigo em suas mãos. O seu cérebro registra respostas emocionais, pensamentos e lembranças. Ao mesmo tempo, seu cérebro não perde a percepção e o comando dos movimentos ocorrentes em seu corpo, como o padrão de respiração, o movimento da pálpebra, a fome e o movimento dos músculos das suas mãos.

O cérebro humano processa mais de um milhão de mensagens por segundo (Ibid.). Ele avalia a importância de todos esses dados, filtrando o que é relativamente sem importância; um processo de seleção que lhe permite interagir com o ambiente em que você se encontra e se desenvolver de modo eficaz nele…

O cérebro é algo que lida com mais de um milhão de informações por segundo, enquanto avalia as mais importantes, permitindo que o homem aja somente com as mais relevantes… Podemos mesmo dizer que esse tão órgão fascinante foi criado pelo mero acaso?

Quando a NASA lança um foguete espacial, sabemos que não foi um macaco que planejou o lançamento, e sim mentes inteligentes e instruídas. Como explicar a existência do cérebro humano? Apenas uma mente mais inteligente e instruída do que a humanidade poderia tê-lo criado.

3. Deus Existe? Mero “acaso” não é uma explicação adequada.

Imagine-se olhando para o Monte Rushmore, onde se encontram talhados os semblantes de Washington, Jefferson, Lincoln e Theodore Roosevelt. Você poderia acreditar que eles foram criados por acaso? Mesmo com a ação do tempo, vento, chuva e acaso, ainda fica difícil acreditar que algo como aquilo, ligado à história, tenha sido formado na montanha a esmo. O bom senso nos diz que pessoas planejaram e, talentosamente, talharam aquelas imagens.

Este artigo apenas toca em poucos aspectos maravilhosos do nosso mundo: a posição da Terra em relação ao sol; algumas propriedades da água; um órgão do corpo humano. Alguma dessas coisas poderia ter sido criada por acaso?

O distinto astrônomo, Sir Frederick Hoyle, mostrou como os aminoácidos, juntando-se a uma célula humana, são, matematicamente, um absurdo. Sir Hoyle ilustrou a fraqueza do “acaso” com a seguinte analogia. “Qual é a chance de um tornado soprar sobre um ferro-velho que contém todas as peças de um boing 747; montá-lo por acidente e deixá-lo pronto para decolar? A possibilidade é tão ínfima a ponto de ser negligenciada, ainda que um tornado soprasse sobre ferros-velhos suficientes para encher todo o universo!” (Little, pág. 24)

Quando se pensa sobre a complexidade da vida e do universo, é lógico pensar que um Criador inteligente e amoroso nos forneceu tudo que precisamos para viver. A Bíblia apresenta Deus como sendo o Criador e aquele que sustenta a vida.

4. Deus Existe? A noção de certo e errado inerente à espécie humana não pode ser explicada de modo biológico.

Sempre emerge de dentro de todos nós, vindos de qualquer cultura, o sentimento de certo e errado. Até mesmo um ladrão se sente frustrado e mal tratado quando alguém o rouba. Se alguém rapta uma criança da família e a violenta sexualmente, há uma revolta e raiva que confrontam aquele ato como maléfico, independente da cultura. De onde vem essa noção de errado? Como explicamos uma lei universal na consciência de todas as pessoas, que diz que assassinato por diversão é errado?

Em áreas como coragem, morrer por uma causa, amor, dignidade, dever e compaixão; de onde vem isso tudo? Se as pessoas são meros produtos da evolução física, “sobrevivência do mais forte”, por que nos sacrificamos uns pelos outros? De onde herdamos essa noção interior de certo e errado? A nossa consciência pode ser mais bem explicada por um Criador amoroso que se importa com nossas decisões e a harmonia da humanidade.

5. Deus Existe? Deus não apenas Se revelou no que pode ser observado na natureza, e na vida humana, mas Ele se mostrou mais especificamente na Bíblia.

Os pensamentos de Deus, personalidade e atitudes podem ser conhecidos somente se Deus resolve revelá-los. Tudo mais seria especulação humana. Nós perderíamos muito se Deus não quisesse ser conhecido. Mas Deus quer que o conheçamos e nos contou na Bíblia tudo o que precisamos saber sobre Seu caráter e como nos relacionarmos com Ele. Isto torna a fidedignidade da Bíblia algo de importância.

As descobertas arqueológicas continuam confirmando, ao invés de refutarem, a precisão da Bíblia. Por exemplo, uma descoberta arqueológica no nordeste de Israel, em 1993, confirmou a existência do Rei Davi, autor dos muitos Salmos na Bíblia (Thomas McCall, “A Pedra da Casa de Davi”, A Carta Levita, Zola Levitt Ministries, Ministérios Zola Levitt, setembro de 1993). Os pergaminhos do Mar Morto, e outras descobertas arqueológicas, continuam a provar, de modo substancial, a precisão histórica da Bíblia.

A Bíblia foi escrita em um período de mais de 1.500 anos, por mais de 40 autores diferentes, em diferentes locais e em continentes separados, escrita em 3 línguas diferentes, falando sobre questões diversas, em diferentes pontos da história (Josh McDowell, Evidências Que Exigem Um Veredito, San Bernardino, CA, Here’s Life Publishers, 1979, pág. 16). Ainda assim existe uma consistência incrível em sua mensagem. A mesma mensagem aparece por toda a Bíblia:

  1. Deus criou o mundo em que vivemos e nos criou especificamente para termos um relacionamento com Ele;
  2. Ele nos ama profundamente;
  3. Ele é santo e conseqüentemente não pode ter um relacionamento com pessoas pecadoras;
  4. Deus nos deu um caminho para nossos pecados serem perdoados;
  5. Ele nos pede para que aceitemos o Seu perdão e que tenhamos um relacionamento com Ele que durará toda a eternidade.

Além desse roteiro central, a Bíblia nos revela, de modo específico, o caráter de Deus. O Salmo 145 é um resumo típico da personalidade, pensamentos e sentimentos de Deus por nós. Se você quiser conhecer Deus, aqui está Ele.

6. Jesus Cristo é a imagem mais clara e específica de Deus, diferente de outras revelações dEle.

Por que Jesus? Veja que em todas as outras principais religiões do mundo, você constatará que Buda, Maomé, Confúcio e Moisés se apresentam como mestres ou profetas; nenhum deles disse ser igual a Deus. Surpreendentemente, Jesus disse. E é nisto que Jesus se distingue de todos os outros. Jesus disse que Deus existe e que você estava olhando para o próprio Deus ao contemplá-lo. Apesar de Ele falar de Deus como Seu Pai Celestial, não era da perspectiva de separação, mas de uma união bem chegada, única para toda a espécie humana. Jesus falou que todo aquele que O tinha visto, tinha visto o Pai; todo aquele que acreditasse nEle, acreditaria no Pai.

Ele disse: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida”. (João 8:12) Ele disse ter atributos pertencentes somente a Deus: ser capaz de perdoar as pessoas de seus pecados; libertá-las de hábitos pecaminosos; dar às pessoas uma vida mais abundante, dando-lhes, no céu, vida eterna. Diferente de outros mestres que faziam as pessoas se focarem nas palavras deles, Jesus faz as pessoas seguirem a Ele mesmo. Ele não disse: “sigam as minhas palavras e vocês encontrarão a verdade”. Ele disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai a não ser por mim”. (João 14:6)

Quais as provas que Jesus deu para dizer que era divino? E os pensamentos, expectativas e sentimentos de Deus pela raça humana? Ele fez o que as pessoas não podem fazer. Jesus fez milagres. Ele curou as pessoas: cegos, aleijados, surdos e até fez alguns viverem depois de estarem mortos. Ele teve poder sobre objetos: criou comida praticamente do nada; o suficiente para alimentar uma multidão de milhares de pessoas. Ele fez milagres na natureza: andou sobre um lago, ordenou uma tempestade em fúria parar por causa de uns amigos. Pessoas de todos os lados seguiam Jesus, porque Ele sempre ia ao encontro de suas necessidades fazendo algo miraculoso. Ele disse: “Creiam em mim quando digo que estou no Pai e que o Pai está em mim; ou pelo menos creiam por causa das mesmas obras”. (João 14:11)

O que Jesus revelou da personalidade de Deus? O que Ele nos mostrou sobre os pensamentos, expectativas e sentimentos de Deus pela raça humana? Jesus Cristo mostrou que Deus é gentil, amoroso, consciente do nosso egoísmo e defeitos e ainda assim quer ter um relacionamento conosco. Jesus revelou que, apesar de Deus nos ver como pecadores merecedores da Sua punição, Seu amor por nós venceu. Jesus mostrou que Deus propôs um plano diferente, fazendo com que o seu Filho recebesse a punição por nossos pecados. Jesus aceitou esse plano de livre e espontânea vontade.

Jesus foi torturado com um chicote de nove pontas afiadas. Uma “coroa” de espinhos de cinco centímetros cada foi colada em volta de sua cabeça. Prenderam-no em uma cruz, marretando pregos em Suas mãos e pés até a madeira. Tendo feito tantos milagres, esses pregos não O prenderam na cruz; o Seu amor por nós, sim. Jesus morreu em nosso lugar para que pudéssemos ser perdoados. Dentre todas as religiões conhecidas pela humanidade, apenas através de Jesus você verá Deus estendendo Suas mãos para os homens. Dando-nos uma maneira de termos um relacionamento com Ele, Jesus prova que há um coração divino que nos ama, indo ao encontro das nossas necessidades e nos aproximando dEle. Por causa da morte de Jesus, podemos ser perdoados, aceitos completamente por Deus e amados de forma genuína por Ele. Deus diz: “Eu a amei com amor eterno; com amor leal a atraí.” (Jeremias 31:3) Esse é Deus em ação!

A prova mais conclusiva de que Jesus é igual a Deus é o milagre mais esquadrinhado de Jesus – Sua própria ressurreição de dentre os mortos. Jesus disse que três dias depois de ser enterrado, Ele voltaria a viver. No terceiro dia depois de Sua crucificação, a pedra de quase duas toneladas que estava na frente do Seu túmulo tinha sido jogada para uma ribanceira (Josh McDowell, Mais Que Um Carpinteiro, Wheaton, Il: Tyndale House, 1977, pág. 88). A guarda de bem treinados soldados romanos viu uma luz cegante e um anjo. O túmulo estava vazio, exceto pelos panos de enterro que haviam sido enrolados no corpo de Jesus. Durante todos esses anos, análises legais, históricas e lógicas vêm sendo aplicadas à ressurreição de Jesus e a única conclusão possível até agora é a de que Jesus voltou de dentre os mortos.

Deus existe? Se você quer saber, investigue sobre Jesus Cristo. Ele mesmo falou: “Pois Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3:16)

Você quer começar um relacionamento com Deus e realmente saber se é aceito por Ele?

Essa é uma decisão sua, não há coerção aqui. Mas se você quer ser perdoado por Deus e vir a ter um relacionamento com Ele, você pode fazer isso agora mesmo, pedindo-lhe perdão e convidando-O para entrar em sua vida. Jesus disse: “Eis que estou à porta [do seu coração] e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei…” (Apocalipse 3:20) Se você quiser assim fazer, mas não sabe muito bem como colocar em palavras, isto pode ajudar: “Jesus, obrigado por morrer por meus pecados. Você conhece a minha vida e sabe que preciso ser perdoado. Eu peço para que me perdoe agora mesmo e peço que entre em minha vida. Obrigado por querer ter um relacionamento comigo. Amém.”

Deus vê seu relacionamento com Ele como algo permanente. Referindo-se a todos que nEle acreditam, Jesus disse: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão.” (João 10:27-29)

E então, Deus existe? Olhando para todos esses fatos, pode-se concluir que realmente existe um Deus amoroso e que Ele pode ser conhecido de uma maneira íntima e pessoal. Se você precisar de mais informação sobre a deidade de Jesus, ou sobre a existência de Deus ou mesmo uma pergunta de importância similar, pode nos enviar um e-mail.

Sobre a autora: Como uma ex-ateísta, Marilyn Adamson achou difícil refutar as contínuas respostas de oração e a qualidade de vida de uma pessoa amiga chegada. Ao desafiar a crença dessa pessoa amiga, Marilyn ficou maravilhada ao saber da quantidade de provas objetivas que apontavam para a existência de Deus. Por volta de um ano depois de um questionamento persistente, ela respondeu à oferta de Deus de entrar em sua vida e O encontrou pela fé.

Fonte: http://www.suaescolha.com

  

 

                                 A fé em Deus e a ciência se contradizem?

                                                 Resultado de imagem para imagens de fé e ciencia

 

Pergunta: "A fé em Deus e a ciência se contradizem?"

Resposta:
A ciência se define como “a observação, identificação, descrição, investigação experimental e explicação teórica de fenômenos”. A ciência é um método que a humanidade pode usar para obter uma maior compreensão do universo natural. É uma busca pelo conhecimento através da observação e adivinhação. Os avanços na ciência demonstram o alcance da lógica e imaginações humanas. Entretanto, a crença de um cristão na ciência nunca deve ser como nossa crença em Deus. Um cristão pode ter fé em Deus e respeito pela ciência, contanto que nos lembremos do que é perfeito e do que não é.

Nossa crença em Deus é uma crença de fé. Cremos em Seu Filho para a salvação, temos fé em Sua Palavra para instrução e fé em Seu Santo Espírito para orientação. Nossa fé em Deus deve ser absoluta, pois quando colocamos nossa fé em Deus, confiamos em um Criador perfeito, onipotente e onisciente. Nossa crença na ciência deve ser intelectual, e nada mais. Podemos contar com a ciência para fazer muitas coisas importantes, mas também podemos ter por certo que a ciência cometerá erros. Se colocarmos fé na ciência, confiamos no homem imperfeito, pecador, mortal e limitado. A ciência através da história tem se equivocado a respeito de muitas coisas, como o formato da terra, vacinas, transfusões de sangue e até mesmo reprodução. Deus jamais se equivocou.

Um cristão não deve temer a verdade, e então não há razão para que um cristão tema ou odeie a boa ciência. Aprender mais sobre como Deus construiu nosso universo ajuda a raça humana a apreciar a maravilha da criação. Expandir nosso conhecimento nos ajuda a combater a enfermidade, a ignorância e mal entendidos. Contudo, é perigoso quando os cientistas buscam sua fé na lógica humana acima da fé em nosso Criador. Estas pessoas não se diferenciam em nada de qualquer devoto de uma religião: escolheram a fé no Homem, e encontrarão fatos para defendê-la.

Ainda assim, os cientistas mais racionais, mesmo aqueles que se recusam a crer em Deus, admitem que há um grande vazio em nosso entendimento do universo. Eles admitem que nem Deus nem a Bíblia podem ser provados ou deixar de ser provados pela ciência, assim como muitas de suas teorias favoritas também não podem ser provadas ou deixar de ser provadas. A ciência existe para ser uma disciplina verdadeiramente neutra, que busca somente a verdade. E Deus sempre teve a intenção de que viéssemos a Ele através da fé, e não através da lógica.

Grande parte da ciência apóia a existência da obra de Deus. Salmos 19:1 nos diz: “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.” Conforme a ciência moderna descobre mais a respeito do universo, mais evidências encontramos a respeito da Criação. A assombrosa complexidade da reprodução do DNA, as intrincadas e interconectadas leis da física e a absoluta harmonia das condições e química aqui na terra, tudo isso serve de prova à mensagem da Bíblia. Um cristão deve abraçar a ciência que busca a verdade, mas rejeitar os “sacerdotes da ciência” que colocam a sabedoria humana acima de Deus.

 Fonte:http://www.gotquestions.org

 

 


 

Encontrando a ciência na bíblia

Encontrando a ciência na bíblia

Encontrando a ciência na bíblia

Encontrando a ciência na bíblia

Deus fala com absoluta correção e precisão quando fala de ciência. Mas Ele não diz as coisas a partir da perspectiva dos cientistas e de um modo tal que tenhamos um entendimento mais fácil, porém falso (Isto é o que as modernas versões da Bíblia fazem, e não estamos querendo adotar nem adaptar os métodos delas)
Vejamos o que Deus diz sobre vários aspectos científicos [há muitos outros a que a ciência já chegou, e não os citamos por brevidade; há muitos outros a que a ciência ainda não chegou, talvez um dia a vejamos descobrindo-os]
[Primeiro daremos apenas os endereços dos versos. Depois, repetiremos tudo, mas citando os versos integralmente, para sua conveniência]
Ciclo Hidrológico Eclesiastes 1:7; Isaías 55:10
Evaporação Salmo 135:7; Jeremias 10:13
Núcleos de Condensação Provérbios 8:26
Condensação Jó 26:8; 37:11,16
Precipitação da Chuva Jó 36:26-28
Run-off Jó 28:10
Reservatório Oceânico Salmo 33:7
Neve Jó 38:22; Salmo 147:16
Equilíbrio Hidrológico Jó 28:24-26
Fontes no Mar Jó 38:16
Princípio da Isostasia Isaías 40:12; Salmo 104:5-9
Forma da Terra Isaías 40:22; Jó 26:10; Salmo 103:12
Gravidade Jó 26:7; 38:6
Erosão das Rochas Jó 14:18,19
Período Glacial Jó 38:29,30
Uniformitarianismo (prevalente, mas louco) 2Pedro 3:4
Dinossauros Jó 40,41
Tamanho do Universo Jó 11:7-9; 22:12; Isaías 55:9; Jeremias 31:37
Número de Estrelas Gênesis 22:17; Jeremias 33:22
Unicidade de Cada Estrela 1Coríntios 15:41
Precisão das Órbitas Jeremias 31:35,36
Circulação da Atmosfera Eclesiastes 1:6
Efeito Protetor da Atmosfera Isaías 40:22
Origem Oceânica das Chuvas Eclesiastes 1:7
Relação da Eletricidade com a Chuva Jó 28:26; Jeremias 10:13
Dinâmica dos Fluidos Jó 28:25
Circulação do Sangue Levítico 17:11
Psicoterapia Provérbios 16:24; 17:22
BioGênese e Estabilidade da Vida Gênesis 1:11,21,25
Unicidade do Homem Gênesis 1:26
Natureza Química da Carne Gênesis 1:11,242:7; 3:19
Homens da Caverna Jó 12:23-25; 30:3-8
Equivalência Massa-Energia Colossenses 1:17; Hebreus 1:3
Fonte de Energia para a Terra Salmo 19:6
Desintegração (Fissão) Atômica 2Pedro 3:10
Transmissão Eletrônica de Informação Jó 38:35
Televisão Apocalipse 11:9-11
Transporte Rápido Daniel 12:4
Ciclo Hidrológico:
“Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr.” (Ec 1:7)
“Porque, assim como desce a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come,” (Is 55:10)
Evaporação:
“Faz subir os vapores das extremidades da terra; faz os relâmpagos para a chuva; tira os ventos dos seus tesouros.” (Sl 135:7)
“Fazendo ele soar a sua voz, logo há rumor de águas no céu, e faz subir os vapores da extremidade da terra; faz os relâmpagos para a chuva, e dos seus tesouros faz sair o vento.” (Jr 10:13)
Núcleos de Condensação:
“Ainda ele não tinha feito a terra, nem os campos, nem o princípio do pó do mundo.” (Pv 8:26)
 
Condensação:
“Prende as águas nas suas nuvens, todavia a nuvem não se rasga debaixo delas.” (Jó 26:8)
“Também de umidade carrega as grossas nuvens, e esparge as nuvens com a sua luz.” (Jó 37:11)
“Tens tu notícia do equilíbrio das grossas nuvens e das maravilhas daquele que é perfeito nos conhecimentos?” (Jó 37:16)
 
Precipitação da Chuva:
“26 Eis que Deus é grande, e nós não o compreendemos, e o número dos seus anos não se pode esquadrinhar. 27 Porque faz miúdas as gotas das águas que, do seu vapor, derramam a chuva, 28 A qual as nuvens destilam e gotejam sobre o homem abundantemente.” (Jó 36:26-28)
 
Run-off:
“Dos rochedos faz sair rios, e o seu olho vê tudo o que há de precioso.” (Jó 28:10)
Reservatório Oceânico:
“Ele ajunta as águas do mar como num montão; põe os abismos em depósitos.” (Sl 33:7)
Neve:
“Ou entraste tu até aos tesouros da neve, e viste os tesouros da saraiva,” (Jó 38:22)
“O que dá a neve como lã; esparge a geada como cinza;” (Sl 147:16)
Equilíbrio Hidrológico:
“24 Porque ele vê as extremidades da terra; e vê tudo o que há debaixo dos céus. 25 Quando deu peso ao vento, e tomou a medida das águas; 26 Quando prescreveu leis para a chuva e caminho para o relâmpago dos trovões;” (Jó 28:24-26)
Fontes no Mar:
“Ou entraste tu até às origens do mar, ou passeaste no mais profundo do abismo?” (Jó 38:16)
Princípio da Isostasia:
“Quem mediu na concha da sua mão as águas, e tomou a medida dos céus aos palmos, e recolheu numa medida o pó da terra e pesou os montes com peso e os outeiros em balanças?” (Is 40:12)
“5 Lançou os fundamentos da terra; ela não vacilará em tempo algum. 6 Tu a cobriste com o abismo, como com um vestido; as águas estavam sobre os montes. 7 Å tua repreensão fugiram; à voz do teu trovão se apressaram. 8 Subiram aos montes, desceram aos vales, até ao lugar que para elas fundaste. 9 Termo lhes puseste, que não ultrapassarão, para que não tornem mais a cobrir a terra.” (Sl 104:5-9)
Forma da Terra:
“Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda, para neles habitar;” (Is 40:22)
“Marcou um limite sobre a superfície das águas em redor, até aos confins da luz e das trevas.” (Jó 26:10)
“Assim como está longe o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões.” (Sl 103:12)
Gravidade:
“O norte estende sobre o vazio; e suspende a terra sobre o nada.” (Jó 26:7)
“Sobre que estão fundadas as suas bases, ou quem assentou a sua pedra de esquina,” (Jó 38:6)
 
Erosão das Rochas:
“18 E, na verdade, caindo a montanha, desfaz-se; e a rocha se remove do seu lugar. 19 As águas gastam as pedras, as cheias afogam o pó da terra; e tu fazes perecer a esperança do homem;” (Jó 14:18-19)
Período Glacial:
“29 De que ventre procedeu o ge-lo? E quem gerou a geada do céu? 30 Como debaixo de pedra as águas se endurecem, e a superfície do abismo se congela.” (Jó 38:29-30)
Uniformitarianismo (prevalente, mas louco)
“E dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.” (2Pe 3:4)
Dinossauros:
… 15 ¶ Contemplas agora o BEEMOTE, que eu fiz contigo, que come a erva como o boi. 16 Eis que a sua força está nos seus lombos, e o seu poder nos músculos do seu ventre. 17 Quando quer, move a sua cauda como cedro; os nervos das suas coxas estão entretecidos. 18 Os seus ossos são como tubos de bronze; a sua ossada é como barras de ferro. 19 Ele é obra-prima dos caminhos de Deus; o que o fez o proveu da sua espada. 20 Em verdade os montes lhe produzem pastos, onde todos os animais do campo folgam. 21 Deita-se debaixo das árvores sombrias, no esconderijo das canas e da lama. 22 As árvores sombrias o cobrem, com sua sombra; os salgueiros do ribeiro o cercam. 23 Eis que um rio transborda, e ele não se apressa, confiando ainda que o Jordão se levante até à sua boca. 24 Podê-lo-iam porventura caçar à vista de seus olhos, ou com laços lhe furar o nariz?” (Jó 40:1-24)
“1 ¶ Poderás tirar com anzol o LEVIATÃ, ou ligarás a sua língua com uma corda? 2 Podes pór um anzol no seu nariz, ou com um gancho furar a sua queixada? 3 Porventura multiplicará as súplicas para contigo, ou brandamente falará? 4 Fará ele aliança contigo, ou o tomarás tu por servo para sempre? 5 Brincarás com ele, como se fora um passarinho, ou o prenderás para tuas meninas? 6 Os teus companheiros farão dele um banquete, ou o repartirão entre os negociantes? 7 Encherás a sua pele de ganchos, ou a sua cabeça com arpões de pescadores? 8 Põe a tua mão sobre ele, lembra-te da peleja, e nunca mais tal intentarás. 9 Eis que é vã a esperança de apanhá-lo; pois não será o homem derrubado só ao vê-lo? 10 Ninguém há tão atrevido, que a despertá-lo se atreva; quem, pois, é aquele que ousa erguer-se diante de mim? 11 ¶ Quem primeiro me deu, para que eu haja de retribuir-lhe? Pois o que está debaixo de todos os céus é meu. 12 Não me calarei a respeito dos seus membros, nem da sua grande força, nem a graça da sua compostura. 13 Quem descobrirá a face da sua roupa? Quem entrará na sua couraça dobrada? 14 Quem abrirá as portas do seu rosto? Pois ao redor dos seus dentes está o terror. 15 As suas fortes escamas são o seu orgulho, cada uma fechada como com selo apertado. 16 Uma à outra se chega tão perto, que nem o ar passa por entre elas. 17 Umas às outras se ligam; tanto aderem entre si, que não se podem separar. 18 Cada um dos seus espirros faz resplandecer a luz, e os seus olhos são como as pálpebras da alva. 19 Da sua boca saem tochas; faíscas de fogo saltam dela. 20 Das suas narinas procede fumaça, como de uma panela fervente, ou de uma grande caldeira. 21 O seu hálito faz incender os carvões; e da sua boca sai chama. 22 No seu pescoço reside a força; diante dele até a tristeza salta de prazer. 23 Os músculos da sua carne estão pegados entre si; cada um está firme nele, e nenhum se move. 24 O seu coração é firme como uma pedra e firme como a mó de baixo. 25 Levantando-se ele, tremem os valentes; em razão dos seus abalos se purificam. 26 Se alguém lhe tocar com a espada, essa não poderá penetrar, nem lança, dardo ou flecha. 27 Ele considera o ferro como palha, e o cobre como pau podre. 28 A seta o não fará fugir; as pedras das fundas se lhe tornam em restolho. 29 As pedras atiradas são para ele como arestas, e ri-se do brandir da lança; 30 Debaixo de si tem conchas pontiagudas; estende-se sobre coisas pontiagudas como na lama. 31 As profundezas faz ferver, como uma panela; torna o mar como uma vasilha de ungüento. 32 Após si deixa uma vereda luminosa; parece o abismo tornado em brancura de cãs. 33 Na terra não há coisa que se lhe possa comparar, pois foi feito para estar sem pavor. 34 Ele vê tudo que é alto; é rei sobre todos os filhos da soberba.” (Jó 41:1-34)
Tamanho do Universo:
“7 ¶ Porventura alcançarás os caminhos de Deus, ou chegarás à perfeição do Todo-Poderoso? 8 Como as alturas dos céus é a sua sabedoria; que poderás tu fazer? E mais profunda do que o inferno, que poderás tu saber? 9 Mais comprida é a sua medida do que a terra, e mais larga do que o mar.” (Jó 11:7-9)
“Porventura Deus não está na altura dos céus? Olha para a altura das estrelas; quão elevadas estão.” (Jó 22:12)
“Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” (Is 55:9)
“Assim disse o SENHOR: Se puderem ser medidos os céus lá em cima, e sondados os fundamentos da terra cá em baixo, também eu rejeitarei toda a descendência de Israel, por tudo quanto fizeram, diz o SENHOR.” (Jr 31:37)
 
Número de Estrelas
“Que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos;” (Gn 22:17)
“Como não se pode contar o exército dos céus, nem medir-se a areia do mar, assim multiplicarei a descendência de Davi, meu servo, e os levitas que ministram diante de mim.” (Jr 33:22)
Unicidade de Cada Estrela:
“Uma é a glória do sol, e outra a glória da lua, e outra a glória das estrelas; porque uma estrela difere em glória de outra estrela.” (1Co 15:41)
Precisão das Órbitas:
“35 ¶ Assim diz o SENHOR, que dá o sol para luz do dia, e as ordenanças da lua e das estrelas para luz da noite, que agita o mar, bramando as suas ondas; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome. 36 Se falharem estas ordenanças de diante de mim, diz o SENHOR, deixará também a descendência de Israel de ser uma nação diante de mim para sempre.” (Jr 31:35-36)
Circulação da Atmosfera:
“O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos.” (Ec 1:6)
Efeito Protetor da Atmosfera:
“Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda, para neles habitar;” (Is 40:22)
 
Origem Oceânica das Chuvas:
“Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr.” (Ec 1:7)
Relação da Eletricidade com a Chuva:
“Quando prescreveu leis para a chuva e caminho para o relâmpago dos trovões;” (Jó 28:26)
“Fazendo ele soar a sua voz, logo há rumor de águas no céu, e faz subir os vapores da extremidade da terra; faz os relâmpagos para a chuva, e dos seus tesouros faz sair o vento.” (Jr 10:13)
Dinâmica dos Fluidos:
“Quando deu peso ao vento, e tomou a medida das águas;” (Jó 28:25)
Circulação do Sangue
“Porque a vida da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação pela alma.” (Lv 17:11)
Psicoterapia:
“As palavras suaves são favos de mel, doces para a alma, e saúde para os ossos.” (Pv 16:24)
“O coração alegre é como o bom remédio, mas o espírito abatido seca até os ossos.” (Pv 17:22)
BioGênese e Estabilidade da Vida:
“E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente está nela sobre a terra; e assim foi.” (Gn 1:11)
“E Deus criou as grandes baleias, e todo o réptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies; e toda a ave de asas conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.” (Gn 1:21)
“E fez Deus as feras da terra conforme a sua espécie, e o gado conforme a sua espécie, e todo o réptil da terra conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.” (Gn 1:25)
Unicidade do Homem:
“E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.” (Gn 1:26)
Natureza Química da Carne:
“E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente está nela sobre a terra; e assim foi.” (Gn 1:11)
“E disse Deus: Produza a terra alma vivente conforme a sua espécie; gado, e répteis e feras da terra conforme a sua espécie; e assim foi.” (Gn 1:24)
“E formou o SENHOR Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fólego da vida; e o homem foi feito alma vivente.” (Gn 2:7)
“No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás.” (Gn 3:19)
 
Homens da Caverna:
“23 Multiplica as nações e as faz perecer; dispersa as nações, e de novo as reconduz. 24 Tira o entendimento aos chefes dos povos da terra, e os faz vaguear pelos desertos, sem caminho. 25 Nas trevas andam às apalpadelas, sem terem luz, e os faz desatinar como ébrios.” (Jó 12:23-25)
“3 De míngua e fome se debilitaram; e recolhiam-se para os lugares secos, tenebrosos, assolados e desertos. 4 Apanhavam malvas junto aos arbustos, e o seu mantimento eram as raízes dos zimbros. 5 Do meio dos homens eram expulsos, e gritavam contra eles, como contra o ladrão; 6 Para habitarem nos barrancos dos vales, e nas cavernas da terra e das rochas. 7 Bramavam entre os arbustos, e ajuntavam-se debaixo das urtigas. 8 Eram filhos de doidos, e filhos de gente sem nome, e da terra foram expulsos.” (Jó 30:3-8)
Equivalência Massa-Energia:
“E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele.” (Cl 1:17)
“O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas;” (Hb 1:3)
Fonte de Energia para a Terra:
“A sua saída é desde uma extremidade dos céus, e o seu curso até à outra extremidade, e nada se esconde ao seu calor.” (Sl 19:6)
Desintegração (Fissão) Atômica:
“Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.” (2Pe 3:10)
Transmissão Eletrônica de Informação:
“Ou mandarás aos raios para que saiam, e te digam: Eis-nos aqui?” (Jó 38:35)
Televisão:
“9 E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros. 10 E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra. 11 E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram.” (Ap 11:9-11)
Transporte Rápido:
“E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará.” (Dn 12:4)

Teno Groppi.
Traduzido por Valdenira N.M. Silva, 2004

 

Via amigodecristo.com

 


 

 

Deus e o Destino do Homem

Por Dave Hunt
Deus e o Destino do Homem
Deus e o Destino do Homem

 

Eternidade. O que significa essa palavra e por que motivo alguém deveria aceitar esse conceito, principalmente no que se refere  a Deus como destino do homem?Sabemos por experiência própria, e através da observação da natureza, que as coisas materiais se deterioram. A Segunda Lei da Termodinâmica nos diz que todo o universo está se desgastando, como um relógio que está perdendo a corda, e não vai durar para sempre. Portanto, é óbvio que ele teve um princípio, exatamente como diz a Bíblia.

Sabemos que o Sol não esteve sempre no céu, ou já teria consumido completamente todo o seu combustível. O mesmo vale para todas as outras estrelas. Fica claro, então, que houve uma época em que este universo não existia; nada existia, nem mesmo a energia da qual o universo parece ser constituído.

Por que o universo não poderia ter sua origem em alguma misteriosa energia cósmica que sempre existiu, sem ter tido um começo? Por causa da Segunda Lei da Termodinâmica, a lei da entropia. A energia não poderia ter existido desde sempre, desenvolvendo-se rumo a um “Big Bang” (“Grande Explosão”) que teria criado as estrelas e os planetas. Ela teria sofrido entropia antes de “explodir” – e explosões não criam ordem. Se o universo tivesse existido para sempre, agora tudo deveria ter a mesma temperatura: o calor sempre é transmitido para algo mais frio.

Além disso, a energia não tem nem intelecto, nem qualidades pessoais para fazer surgir a incrível complexidade da vida e para criar seres com personalidade própria. Inteligência e personalidade são imateriais e não poderiam ter sido geradas posteriormente a partir da energia ou da matéria e, portanto, devem tê-la precedido.

Não alguma força, mas um Ser pessoal de inteligência infinita e sem começo deve ter criado o universo. Não se trata da “causa original” da filosofia ou dos “deuses” do paganismo, que mudam, seguem seus caprichos e competem entre si. O Criador somente pode ser o “Eu Sou” que revelou a Si mesmo a Moisés na sarça ardente (Êxodo 3.14), o Auto-Existente sem começo e sem fim, de quem a Bíblia diz: “de eternidade a eternidade, tu és Deus” (Salmo 90.2).

Tudo que podemos ver – seja a olho nu, com um telescópio ou através de um microscópio eletrônico – veio do nada.

É óbvio que o intelecto e a personalidade são inteiramente diferentes da matéria e não são a substância constitutiva dela. Portanto, o universo não faz parte de Deus e nem é uma extensão dEle. Isso significa que tudo que podemos ver – seja a olho nu, com um telescópio ou através de um microscópio eletrônico – veio do nada. Isso é impossível, mas somos levados a essa conclusão pela própria lógica. Contudo, imaginar que a vida e a inteligência brotaram espontaneamente, por sua própria iniciativa e poder, do espaço morto e vazio, seria algo totalmente irracional. Portanto, alguma coisa diferente do universo e de seus componentes deve ter existido sempre.

Não alguma coisa, mas Alguém, sem início nem fim. Por que Alguém? Porque o universo, desde a estrutura atômica até uma célula humana, exibe uma ordem e uma complexidade tão extraordinárias que só uma inteligência infinita poderia ter planejado e executado – e nenhuma coisa, ou força, ou “poder superior” tem a capacidade de pensar, planejar e organizar. Além disso, a espécie humana é composta de personalidades individuais que têm a capacidade de conceber idéias conceituais, expressá-las em palavras ou desenhos e transformá-las em intrincadas estruturas que não existem na natureza. Os seres humanos também têm a capacidade de sentir amor e ódio, alegria e tristeza, perceber a justiça e a injustiça, e raciocinar sobre sua própria existência e destino.

Só uma Pessoa infinita poderia criar pessoas. Portanto, as evidências e a lógica nos levam a concluir que este universo só poderia ter começado a existir sob o comando de Alguém que não teve começo; Alguém que sempre existiu e que possui o gênio e o poder infinitos para trazer à existência todas as coisas e todos os seres, a partir do nada. Certamente não foi pela superstição corrente no Egito em seus dias, mas por revelação divina que Moisés declarou: “Antes que […] se formassem a terra e o mundo […] de eternidade a eternidade, tu és Deus […] mil anos, aos teus olhos, são como o dia de ontem que se foi, e como a vigília da noite” (Salmo 90.2,4).

Este não é o deus do paganismo, das religiões indígenas, ou de qualquer uma das grandes religiões do mundo, tais como o budismo (pouquíssimos budistas acreditam em Deus), o hinduísmo, o islamismo e muitas outras, mas sim o Deus da Bíblia que, do modo como é descrito nas Escrituras, qualifica-se de forma única e singular para ser o Criador de todas as coisas. Não consideramos o cristianismo como sendo uma das religiões do mundo, mas sim como algo inteiramente distinto de todas elas.

No princípio, criou Deus os céus e a terra.

A Bíblia jamais tenta provar a existência de Deus. Ela simplesmente a toma como um fato. Ela também não tenta explicar o que está além da nossa capacidade de compreensão. A Escritura simplesmente declara, no primeiro versículo: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1.1). Em gratidão ao Deus que o criou, o rei Davi afirmou: “Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem” (Salmo 139.14).

A ciência não foi, nem jamais será capaz de verificar, refutar ou aperfeiçoar essa declaração. Não podemos compreendê-la, mas devemos aceitá-la pela fé. Aqui temos um exemplo do que é a fé: um passo que nada tem de irracional, mas sim uma trajetória racional que pondera as evidências e segue a lógica até o ponto em que a razão consegue alcançar, e depois dá mais um passo além da razão, mas sempre na direção e no sentido que as evidências e a razão indicaram.

A Bíblia expressa esse princípio da seguinte forma: “Pela fé entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem” (Hebreus 11.3). Alguns autores já disseram que essa foi a primeira formulação da teoria atômica. Não, isso não é teoria; é a afirmação de um fato nas palavras do próprio Deus. No entanto, temos de ter o cuidado de não ler nesse versículo mais do que ele realmente diz. Ele não diz que tudo foi formado de algo invisível. Ele não diz, igualmente, que o universo foi formado de alguma coisa.

O que Hebreus 11.3 nos diz é que o universo visível não foi feito de algo visível, pois isso implicaria dizer que alguma coisa visível sempre existiu e que o universo foi simplesmente fabricado com os materiais disponíveis. Mas ele não poderia ter sido criado dessa forma, porque não existe nada visível que seja eterno. Na verdade, o universo foi criado pela Palavra de Deus: “Disse Deus: Haja […]” (Gênesis 1.3,6,9, e outros), e tudo que é visível passou a existir em obediência à Sua Palavra. Essa mesma Palavra que criou e sustenta todas as coisas falará novamente, e tudo que é visível na velha criação se dissolverá e tornará ao nada: “Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios” (2 Pedro 3.7).

Muito antes da formulação da Segunda Lei da Termodinâmica, Jesus afirmou muito claramente: “Passará o céu e a terra” (Mateus 24.35). Entretanto, o universo não está destinado, simplesmente, a se desgastar devido à passagem de incontáveis bilhões de anos. Sob a inspiração do Espírito Santo, Pedro explicou que toda a vida existente na face da terra será sumariamente eliminada e o universo inteiro será destruído por Deus como castigo pela rebelião do homem e de Satanás. Em seu lugar, será criado um novo universo: “[No] Dia do Juízo […] os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas […] os céus, incendiados, serão desfeitos […] Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (2 Pedro 3.7-13).

A palavra “céus” é usada de duas formas na Escritura: significando tudo o que há de físico no espaço dimensional exterior à terra, e referindo-se à habitação imaterial de Deus, que Jesus indicou quando disse: “Na casa de meu Pai há muitas moradas” (João 14.2). Um significado refere-se a algo visível e temporal, enquanto o outro fala de algo invisível e eterno. Este universo visível e temporário não é tudo o que existe. Há uma outra dimensão de existência que não é física nem visível – e que não se desgasta nem envelhece com a passagem do tempo, não pode ser destruída e jamais deixará de existir.

 

 

Dave Hunt – Devido a suas profundas pesquisas e sua experiência em áreas como profecias, misticismo oriental, fenômenos psíquicos, seitas e ocultismo, realiza muitas conferências nos EUA e em outros países, também sendo entrevistado freqüentemente no rádio e na televisão. Começou a escrever em tempo integral após trabalhar por 20 anos como consultor em Administração e na direção de várias empresas. Dave Hunt escreveu mais de 20 livros com vendas totais que passam dos 3.000.000 de exemplares.

 

Fonte: http://www.chamada.com.br

 

 

15 perguntas que os evolucionistas mais temem

1. Como é que a vida surgiu?

O evolucionista Paul Davies admitiu:

    Ninguém sabe como é que uma mistura de químicos sem vida espontaneamente se organizou de modo a gerar a primeira célula.
    (Davies, Paul, Australian Centre for Astrobiology, Sydney, New Scientist 179(2403):32, 2003.)

Andrew Knoll, professor de Biologia em Harvard, disse:

    Na verdade, nós não sabemos como é que a vida se originou neste planeta.
    (Knoll, Andrew H., PBS Nova interview, How Did Life Begin? July 1, 2004)

Por mais pequena que a célula possa ser, ela necessita de centenas de proteínas para poder levar a cabo as funções mais básicas. Mesmo que todos os átomos do universo fossem uma experiência com todos os aminoácidos presentes para todas as vibrações moleculares possíveis na suposta idade evolutiva do universo, nem uma única proteína funcional se formaria.

Como tal, como é que a vida, com centenas de proteínas, se originou apenas como efeito das forças da química (sem design inteligente)?
2. Como é que o código genético surgiu?

Um código é um sistema de linguagem sofisticado com letras e palavras onde o significado das palavras é independente das propriedades químicas das letras – tal como a informação neste texto não é produto das propriedades químicas da tinta (ou pixeis no ecrân)

Que outro sistema de código existe que não tenha sido efeito de design inteligente? Como é que o sistema de código do ADN surgiu sem ser obra de design inteligente?
3. Como é que as mutações – acidentes na cópia (“letras” do ADN trocadas, apagadas ou acrescentadas, duplicação de genes, inversão cromossómica, etc) – geraram os enormes volumes de informação de ADN nos sistemas biológicos?
Como é que tais erros poderiam gerar 3 mil milhões de letras de informação ADN de modo a modificar um micróbio num microbiólogo? Há informação para construir proteínas mas também para controlar o seu uso – tal como um livro de culinária possui os ingredientes mas também a forma como usar os ditos ingredientes. Um se o outro não serve para nada.

As mutações são conhecidas pelo seu poder destrutivo, incluindo mais de 1,000 doenças tais como a hemofilia. Muito raramente elas são fonte de algum tipo de ajuda. Como é que a mistura de informação ADN existente poderia gerar novos caminhos bioquímicos ou nano-máquinas biológicas?

 4. Porque é que a selecção natural, um princípio aludido por um criacionista 25 anos antes de Darwin, é ensinada como “evolução” como se isso explicasse a origem e diversidade da vida?

Por definição, a selecção natural (SN) é um processo selectivo (escolhendo entre informação genética que já existe) e como tal, não é um processo criativo. A SN pode explicar a sobrevivência dos mais aptos (como certos genes beneficiam um certo tipo de criaturas a viver num ecossistema específico) mas não a origem dos mais aptos

A morte de formas de vida mal-adaptadas a um ecossistema, bem como a sobrevivência dos melhor adaptados, não explica a origem das características que tornam um organismo melhor ajustado a um meio ambiente.

 5. Como é que as novas reacções bioquímicas, que envolvem múltiplos enzimas a operarem em sincronia, se originaram?

Todas as reacções químicas (bem as nano-máquinas) requerem múltiplos componentes “proteína + enzima” para funcionarem. Como é que acidentes fortuitos criaram apenas uma das tais estruturas?

O bioquímico evolucionista Franklin Harold escreveu:

    Temos que admitir que actualmente não existe nenhuma explicação darwiniana em torno da evolução de qualquer sistema bioquímico ou celular – apenas uma variedade de especulações esperançosas.
    (Harold, Franklin M. (Prof. Emeritus Biochemistry, Colorado State University) The way of the cell: molecules, organisms and the order of life, Oxford University Press, New York, 2001, p. 205.)

Porque é que as escolas públicas – pagas por todos – escondem este tipo de declarações?

 6. Os seres vivos têm a aparência de terem sido criados; como é que os evolucionistas sabem que eles não foram?

O militante ateu e evolucionista Richard Dawkins escreveu:

    A Biologia é o estudo de coisas complicadas que possuem a aparência de terem sido projectadas [criadas] com um propósito.
    (Dawkins, R., The Blind Watchmaker, W.W. Norton & Company, New York, p. 1, 1986)

Francis Crick, outro militante ateu e fervoroso evolucionista (e co-descobridor da estrutura dupla-hélix do ADN) escreveu:

    Os biólogos têm que se lembrar constantemente que o que eles observam não foi criado mas, em vez disso, evoluiu.
    (Crick, F., What mad pursuit: a Personal View of Scientific Discovery, Sloan Foundation Science, London, 1988, p. 138.)

O problema para os evolucionistas é que os seres vivos demonstram demasiado design. Quem é que levanta objecções a um arqueólogo quando ele declara que um certo tipo de cerâmica aponta para design intencional e inteligente?

No entanto, e numa total inversão da lógica e da ciência, os evolucionistas rejeitam qualquer interpretação da biologia que aponte para o Design Inteligente.

Porque é que as origens da biosfera se devem restringir apenas e só a causas que estejam de acordo com a versão actual do Naturalismo?
7. Como é que a vida multi-celular surgiu?

Como é que as células adaptadas para a sobrevivência individual “aprenderam” a cooperar para formar plantas e animais complexos?
8. Como é que o sexo surgiu?

A reprodução assexuada produz o dobro do sucesso reprodutivo que a reprodução sexual. Dada esta situação, como é que a última se tornou suficientemente vantajosa para ser seleccionada?

Como é que a forças da Física e da Química conseguiram, ao mesmo tempo, e na mesma área geográfica, inventar o aparato complementar necessário para a reprodução sexual? É importante não esquecer que processos não-inteligentes não conseguem planear futura coordenação entre macho e fêmea.
9. Porque é que os esperados incontáveis milhões de fósseis transicionais ainda estão em falta?

Darwin ressalvou o problema mas o mesmo ainda se mantém. As árvores evolutivas dos livros escolares baseiam-se na imaginação dos evolucionistas e não nos fósseis em si. O famoso evolucionista e paleontólogo Stephen Jay Gould escreveu:

    A extrema raridade das formas transicionais no registo fóssil continua a ser o segredo comercial da paleontologia.
    (Gould, Stephen Jay, Evolution’s erratic pace, Natural History 86(5):14, May 1977.)

Outros evolucionistas afirmam essencialmente o mesmo.
10. Como é que os “fósseis vivos” permanecem essencialmente na mesma durante os supostos “milhões de anos”, se a evolução transformou minhocas em seres humanos durante o mesmo período?

O evolucionista Gould escreveu:

    A persistência da estabilidade entre as espécies tem que ser considerada um problema evolutivo.
    (Gould, S.J. and Eldredge, N., Punctuated equilibrium comes of age. Nature 366:223–224, 1993.)

Não seria do interesse dos alunos saber que o padrão da vida não está de acordo com as expectativas evolutivas?
11. Como é que a química cega gerou a mente, a inteligência, o propósito, o altruísmo e a moralidade?

Se tudo evoluiu e o ser humano inventou Deus, qual é o propósito e o significado da vida – se é que há algum? Devem os estudantes receber aulas de niilismo (a vida não tem sentido) nas aulas de ciência?

 12. Porque é que os evolucionistas toleram histórias da carochinha?

Os evolucionistas usam com frequência histórias maleáveis e imaginativas como forma de “explicar” uma observação que contradiga a teoria da evolução. O falecido professor de Química Dr Philip Skell escreveu:

    As explicações darwinistas para coisas como essas são usualmente demasiado flexíveis: a selecção natural torna os homens mais egocêntricos e agressivos excepto — excepto quando os torna mais altruístas e pacíficos. Ou, a selecção natural produz homens viris que estão desejosos de disseminar a sua semente — excepto quando a selecção prefere homens que são protectores fiéis.

    Quando uma explicação é assim tão flexível que pode explicar qualquer tipo de comportamento, torna-se difícil testá-lo empiricamente — muito menos usá-la como catalisadora de descobertas científicas.
    (Skell, P.S., Why Do We Invoke Darwin? Evolutionary theory contributes little to experimental biology, The Scientist 19(16):10, 2005.)

Se uma teoria (evolução) explica dois comportamentos ou duas observações mutuamente exclusivas, será que se pode considerar a mesma uma teoria “científica”?
13. Onde estão os avanços científicos causados pela teoria da evolução?
Dr Marc Kirschner, fundador do Departamento de Biologia Sistemática, na Universidade de Harvard diz

    De facto, durante os últimos 100 anos, practicamente toda a biologia progrediu independente da teoria da evolução, excepto a própria biologia evolucionária.

    A Biologia Molecular, Bioquímica. Fisiologia não tiveram em conta a teoria da evolução.

    (citado no “Boston Globe” 23 de Outubro 2005)

O Dr Skell escreveu:

    É o nosso conhecimento da operacionalidade das formas de vida – e não especulações sobre a forma como eles surgiram há milhões de anos atrás – que é essencial para os médicos, veterinários, agricultores.
    (Skell, P.S., The Dangers Of Overselling Evolution; Forbes magazine, 23 Feb 2009)

Na verdade, a teoria da evolução impede o avanço científico. Porquê, então, as escolas e as universidades ensinarem o darwinismo de forma tão dogmática, retirando tempo à biologia experimental que tanto tem beneficiado a Humanidade?
14. A ciência envolve a experimentação como método de descobrir a forma como as coisas funcionam. Porque é que a evolução, uma “teoria” sobre o passado, é ensinada como se fosse o mesmo que a ciência operacional?

Nós não podemos experimentar — ou observar — o que ocorreu no passado. Quando questionado se a evolução alguma vez havia sido observada, o militante ateu e evolucionista Richard Clinton Dawkins disse:

    A evolução já foi observada; ela só não foi observada durante o período em que estava a ocorrer.
    (pbs.org/now/printable/transcript349_full_print.html>, 3 December, 2004.)

Não seria benéfico se os evolucionistas fossem honestos e revelassem ao mundo que a sua teoria é uma hipótese (entre muitas) sobre o que alegadamente ocorreu no passado?

 15. Porque é que uma ideia fundamentalmente religiosa, um sistema de crenças de falha em explicar as evidências, é ensinada nas aulas de ciência?

Karl Popper, famoso filósofo da ciência, disse:

    O darwinismo não é ciência testável mas sim um programa metafísico [religioso] de pesquisa.
    (Popper, K., Unended Quest, Fontana, Collins, Glasgow, p. 151, 1976)

Michael Ruse, um fervoroso evolucionista, declara:

    A evolução é promovida pelos seus aderentes como algo mais do que ciência.

    A evolução é promovida como uma ideologia, uma religião secular – uma alternativa ao Cristianismo, com propósito e moralidade.

    Eu sou um ardente evolucionista e um ex-Cristão, mas tenho que admitir que esta queixa – e o sr [Duane] Gish é um dos que a faz – os literalistas [criacionistas] estão correctos. A evolução é uma religião.

    Isto foi assim em relação à evolução no princípio e é assim em relação à evolução hoje.

    (Michael Ruse, “Saving Darwinism from the Darwinians,” National Post (May 13, 2000)
 


Observação: Se “não se pode ensinar religião nas aulas de ciência”, porque é que se ensina a “teoria” da evolução?

 

 

 


Eles desafiam Darwin

Marcos Eberlin, professor do Instituto de Química da Unicamp
Toda vez que é instada a dissertar sobre o início do universo e da vida, a maioria da comunidade científica apoia-se nos princípios de Charles Darwin (1809–1882), o biólogo e naturalista inglês que explicou a origem da diversidade da vida na terra com a Teoria da Evolução. Para esses darwinianos, novas espécies de seres vivos surgem por meio de mudanças graduais, geradas pela descendência e guiadas pela seleção natural.

Cresce no País, no entanto, um grupo de cientistas de currículos robustos dispostos a quebrar o paradigma da biologia evolutiva, defensores da Teoria do Design Inteligente (TDI). A vida, para eles, não se desenvolveu na Terra de forma natural, mas projetada por uma mente inteligente.

“Conhecimentos científicos em bioquímica e biologia molecular cada vez mais apurados nos permitiram abrir a caixa preta chamada célula e enxergar nela um conjunto imenso de máquinas moleculares dotado de uma complexidade irredutível”, diz Marcos Eberlin, professor do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “Não dá para pensar num motor desse tipo produzido por forças naturais. Foi decisão de uma inteligência que existe no universo.” Autor de mais de 650 artigos científicos com mais de dez mil citações e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico, Eberlin é o porta-voz brasileiro da TDI, um movimento que nasceu nos Estados Unidos no final dos anos 80.

Por lá, há cerca de três mil adeptos, como químicos, bioquímicos, biólogos e físicos. Aqui, os seguidores ganharam corpo com a Sociedade Brasileira do Design Inteligente, constituída no mês passado. Com Eberlin na presidência e um comitê científico composto por alguns ex-darwinistas, a entidade recentemente deu vida ao 1º Congresso Brasileiro do Design Inteligente, em Campinas, no interior de São Paulo.

Ao final do ciclo de palestras, no domingo 16, que contou com a presença de cientistas do exterior, como o filósofo com especialização em biologia evolucionária Paul Nelson, entre os 370 participantes, o número de membros da sociedade saltou de 220 para 300.

“Seremos 500 até o final do ano, mil até o ano que vem e cinco mil em cinco anos”, afirma o químico da Unicamp. “Não somos inimigos de Darwin, mas amigos da ciência. Queremos restabelecer a verdade científica”
, diz ele, que é membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC).

Por enquanto, porém, eles têm causado controvérsia na comunidade científica. Para o especialista em genética evolutiva Diogo Meyer, a TDI tem credibilidade quase nula.

“Eles não são da área para a qual pretendem contribuir. São químicos, pessoas que atuam na biologia molecular, bioquímica, e não trabalham com a evolução, diversidade biológica ou genética”, afirma ele, que é biólogo do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP). “É como se eu, que trabalho com evolução, argumentasse contra as interpretações mais convencionais da Revolução Francesa.”

Fonte: Revista isto É
 
Nota do cientista Dr. Marcos Eberlin: "Somos apenas 'meros' Químicos e 'Bioquímicos' e 'biólogos moleculares', portanto não entendem evolução... Gente, só quem vê a evolução via bicos de passarinhos e cascos de tartarugas que ainda crê em Darwin... Foi ao Nível Molecular que a porca da evolução torceu o rabo... aliás, foi juntando tudo, entenda como se dá os vários níveis intrincados, sincronizados e inter-dependentes e complexamente irredutíveis de mecanismos de camuflagem e mimetismo dos cefalópodes, por exemplo, por morfologia biológica e nível molecular (bio)químico, e dê adeus a Darwin!

A entrevista desastrosa do ateu Neil deGrasse Tyson

O animador de TV do cientificismo
 Na semana passada, o astrofísico Neil deGrasse Tyson concedeu entrevista à revista Veja. A peça tem como título “Não vejo evidências que corroborem a existência de Deus”. Segundo Veja, “Neil deGrasse Tyson é um dos rostos mais conhecidos da ciência por saber traduzir, com graça e elegância, o intrincado linguajar de estudiosos”. A partir das palavras do próprio Tyson, veremos o que o entrevistador sabujo entende por “graça e elegância”. Os comentários entre colchetes são do amigo Marco Dourado. Veja afirma que o Dr. Tyson - como é chamado - se assume como herdeiro de Carl Sagan, astrofísico que popularizou a exploração espacial com o programa televisivo Cosmos, dos anos 80.

[Ao contrário do fictício vilão Jeremias do hit “Faroeste Caboclo”, do Legião Urbana, Carl Sagan não “organizou a Rockonha” (o consumo da erva e de outros bagulhos foi disseminado pelos campi com o apoio da pregação subversiva de remanescentes da Escola de Frankfurt radicados na América e em parceria com o lúmpen moral e cultural dos EUA, os beatniks). Mas, à semelhança de sua alma-gêmea narcótica, Sagan “fez (ou ainda vai fazer) todo mundo dançar”. Este breve ad hominem (abusivo, reconheço) é só pra fazer um paralelo entre o destino do homem decaído narrado pelo livro de Gênesis e o destino iminente da série Cosmos: “...do pó vieste, ao pó voltarás.”]

Não por acaso, é dele a reedição da série, que apresenta na Fox. Tyson é defensor ferrenho do método científico como a melhor forma de explicar a origem de tudo o que existe.

[É pelfeitamente compleensível que, para a questão das origens, o Dr. Tyson use um “pouquinho” (80%? 90%?) de pressupostos metafísicos indemonstráveis - que ele qualifica, confira abaixo, de “extremamente imaginativos”.]

Seu livro busca compreender a origem de tudo, seja a vida, seja o Universo. Por que esse tema é tão recorrente na ciência? Se queremos analisar uma laranja, por exemplo, podemos verificar que ela é redonda, tem gosto cítrico. Se na experiência de laboratório destruímos a fruta, basta buscar outro exemplar e o trabalho prossegue. Essa lógica, de estudar a existência vale para tudo, de organismos a estrelas. Mas e se decidirmos compreender a origem da laranja? Aí a situação se complica. Primeiro, é simples notar que ela vem de uma árvore. E de onde veio a árvore? De uma semente. E a semente? Mais complicação. Quando se pergunta sobre a origem de qualquer coisa, os questionamentos não param. Em dado momento, é inevitável chegarmos a esta indagação filosófica clássica: “Qual é a origem da vida?” Para responder a essa questão, é preciso elaborar argumentos cuidadosos, factíveis, mas extraordinariamente imaginativos. Por isso, tantas das mentes brilhantes da humanidade se dedicaram ao desafio.

[Alguma imaginação pode até ser necessária para alcançar o que está além da percepção imediata. Já uma quantidade “extraordinária” dela tende a levar o imaginante para bem longe da realidade. Se a imaginação não for corroborada por fatos e evidências, nada mais é que histeria. Já “as mentes brilhantes da humanidade” - que formularam leis e cujo currículo não se mede, como hoje em dia, por citações acadêmicas mas por uma única linha contendo uma equação inaugural de alguma área da ciência moderna - essas mentes em sua quase totalidade eram cristãs. Dr. Tyson deveria ler a versão original de Principia, de Newton, ou as anotações dos experimentos de Copérnico e Kepler.]

Diante da dificuldade de chegarmos à origem de tudo o que está aí, uma busca infindável, aparentemente eterna, não seria o caso de aceitar com mais naturalidade e compreensão as interpretações religiosas? A religião de cada um tira conclusões precipitadas sobre o funcionamento do Universo.

[Ao generalizar o termo “religião”, o Dr. Tyson desconsidera, talvez por ignorância, que foi justamente na Europa Cristã que se deu a chamada Revolução Científica Moderna, a partir do finalzinho do século 16 - outras culturas religiosas: chinesa, hindu, islâmica, persa etc. possuíam uma interpretação da realidade incompatível com a elaboração e o desenvolvimento do método científico moderno, o que não aconteceu entre os cristãos, dada sua compreensão ordeira do mundo a partir da Revelação sobre a identidade e a natureza de Deus expostas nas Escrituras Sagradas. Quanto às “conclusões precipitadas”, que o Dr. Tyson atribui genericamente às religiões, poderíamos citar o mito da geração espontânea, que ainda resiste, graças aos argumentos extraordinariamente imaginativos de ideólogos ateus.]

A ciência, no entanto, realiza medições capazes de mostrar que essas impressões são falsas. Até hoje as pessoas dizem “God bless you” (Deus te abençoe, em inglês) quando alguém espirra. Por quê? No passado, acreditava-se, para valer, que, quando isso ocorria, a alma saía do corpo e deixava a pessoa vulnerável a demônios.

[Tentando demonstrar que qualquer crença religiosa é essencialmente irracional, o Dr. Tyson recorre à falácia do espantalho ao citar uma superstição medieval absolutamente antibíblica. Alma é um termo ocidental (latim: anima, ae => vulgarismo espanhol arcaico: alima) mal empregado para tradução do termo hebraico nephesh, que ao longo de suas 754 ocorrências ao longo do Tanach (i.e., o Antigo Testamento) possui 45 acepções distintas, nenhuma delas sequer sugerindo o dualismo antropológico grego, o qual contrasta uma suposta entidade imaterial interagindo com o corpo físico, por ela supostamente habitado e animado. Essa superstição (o ditado pós-espirro, não o dualismo corpo/alma) veio a se tornar um hábito tradicional, usado até por cientistas que contribuíram individualmente para a Revolução Científica Moderna (muitíssimo além, diga-se, da contribuição de certos animadores de séries televisas).]

Um religioso pode ver o mundo dessa maneira. A ciência verifica que há bactérias que causaram o espirro, e ponto.

[Dois pontos: (1) Dr. Tyson, como todo cientificista tarimbado, atribui, por metonímia, ao termo “ciência” o status de um (ou melhor de O) Ente Categórico de Razão (que para cristãos e judeus é exclusivo do Deus YHWH). Como a “ciência” (por ser apenas um domínio de conhecimento) não diz, não faz, não afirma, não nega nem demonstra (pois esses verbos indicam pessoalidade), seus atributos todo-abrangentes - para não dizer divinos - são imputados por derivação de sentido aos seus representantes de carne e osso: os cientistas, tornando-os, assim, sacerdotes da religião secularista do cientificismo, da qual o Dr. Tyson ocupa atualmente o posto de João, o Batista. (2) Quem verificou a existência de bactérias foi Louis Pasteur, proponente da Lei da Biogênese - um dos pilares científicos da Biologia. Nessa época, devotos da confissão mística da Geração Espontânea (base do credo de cientificistas como o Dr. Tyson) apelidaram maldosamente o cristão Pasteur - um dos gigantes do século 19 que fundaram a Microbiologia - de “pseudocientista crente”. E ponto.] 

Um religioso pode aceitar as descobertas e passar a usar passagens de suas escrituras, a exemplo da Bíblia, como metáfora, fonte de inspiração. Ou entrar em conflito conosco.

[Dr. Tyson usa aqui a falácia do falso dilema. Sendo ele profeta (do grego prophetos: porta-voz) do cientificismo, o qual POSTULA ser a “ciência” a única forma de compreender a realidade, quem não se adequar aos dogmas de sua ideologia de vezo religioso entrará em “conflito” com ela - e conflito, aqui, implica retaliações, perseguições e inquisições, como veremos ao final. Vejamos agora o que o Dr. Tyson chama de “metáforas” extraídas da Bíblia (*) - convém notar que as afirmações abaixo não resultam de aplicações do moderno método científico (que nem existia naquela época), mas isso as torna especialmente desconcertantes, considerando-se que foram escrita por pessoas da chamada Idade do Bronze. Como o Dr. Tyson definiria essas... “metáforas”? Como “extraordinariamente imaginativas”?:

“Olha agora para o céu, e conta as estrelas, se as podes contar” (Gn 15:5). O que há de tão fantástico nesse texto em que Deus desafia Abraão a imaginar o número de seus descendentes? Hoje, nada. Mas, na época em que ele foi escrito por Moisés, estimava-se que houvesse 5.119 estrelas no céu. Até a invenção do primeiro telescópio, é possível que essa declaração bíblica tenha causado muita estranheza. Hoje se sabe que somente em nossa galáxia existem cerca de 100 bilhões de estrelas. Se multiplicarmos esse número pela quantidade estimada de galáxias no Universo (entre 40 e 100 bilhões), teremos uma vaga ideia da quantidade fabulosa de estrelas que há no Universo.

“Ele [Deus] estende o norte sobre o vazio; suspende a Terra sobre o nada” (Jó 26:7). Imagine dizer que a Terra está pairando sobre o nada, no vácuo espacial, para alguém no ano 1520 a.C., ou seja, há mais de 3.500 anos! Naqueles tempos, alguns egípcios achavam que a Terra estava apoiada sobre cinco colunas e outros admitiam que nosso planeta havia sido chocado de um grande “ovo cósmico” que possuía asas e voava. Os “estudos científicos” aceitos no Egito no tempo de Moisés, segundo recentes descobertas arqueológicas, davam conta de que, enquanto aquele enorme ovo voava, completou-se dentro da casca o processo de mitose e este mundo surgiu! Era a última novidade ensinada no Egito naqueles dias. Moisés estudou na “Universidade Federal do Egito”, no entanto, onde está, nos escritos mosaicos, a teoria de que a Terra apoiava-se em cinco colunas ou de que fora chocada de um enorme “ovo voador”?

“Ele [Deus] é o que está assentado sobre a redondeza da Terra” (Is 40:22). Esse é um texto curioso e cercado de polêmica. Estaria Isaías revelando que a Terra é um “globo”, como sugerem outras versões bíblicas, ou estaria apenas se referindo à impressão que se tem de que a Terra é circular? Difícil saber... Mas o que alguns fazem é acusar a Bíblia de ensinar que a Terra é plana.

“Quando regulou o peso do vento, e fixou a medida das águas” (Jó 28:25). O barômetro, instrumento usado para medir a pressão atmosférica, só foi inventado em 1643, pelo físico italiano Evangelista Torricelli (1608-1647). Entretanto, a Bíblia já declarava que o ar (ou o vento) tem peso, três mil anos antes de a ciência descobrir esse fato!

A Bíblia também traz muitas importantes noções de sanitarismo: “Todos os dias em que a praga estiver nele, será imundo; imundo está, habitará só; a sua habitação será fora do arraial” (Lv 13:46). Por centenas de anos a temida doença da lepra matou milhares de pessoas na Europa. A medicina da época não tinha como minimizar o fato. Como última opção, resolveu-se adotar o conceito de contágio apresentado no verso citado acima. Logo que as nações europeias observaram que a aplicação da quarentena pública trazia a lepra sob controle, aplicaram o mesmo princípio contra a peste negra. Os resultados foram igualmente surpreendentes e milhões de vidas foram salvas.

Doenças intestinais como a disenteria e a febre tifoide continuavam a levar muitas vidas. O costume geral era que o excremento fosse atirado nas ruas sujas, que não eram pavimentadas. As moscas se encarregavam de espalhar as doenças, matando milhões. Muitas vidas teriam sido salvas se as orientações de Deuteronômio 23:12 e 13, que são lições de sanitarismo básico, tivessem sido seguidas: “Também terás um lugar fora do arraial, para onde sairás. Entre os teus utensílios terás uma pá; e quando te assentares lá fora, então com ela cavarás e, virando-te, cobrirás os teus excrementos.” Rudolph Virchow, conhecido como o pai da patologia moderna, disse: “Moisés foi o maior higienista que o mundo já viu. Ensinou, em seus pontos essenciais, quase todos os princípios de higiene praticados hoje.”

O fato é que Moisés não aprendeu sobre “medicina preventiva” no Egito. Lá havia muito misticismo e alguns “tratamentos” e “remédios” administrados aos doentes eram bastante exóticos. A expectativa de vida no Antigo Egito não era muito alta, no entanto, quando os hebreus saíram de lá e passaram a viver como nômades no deserto, a duração da vida deles foi significativamente aumentada, sem contar o fato de que não mais ficaram doentes. Tudo fruto da proteção de Deus, sem dúvida, e da “medicina preventiva” ensinada por Ele a Moisés.

Outros textos bíblicos poderiam ser mencionados (como Amós 5:8, Jó 36:27, 28 e Eclesiastes 1:7, que falam do ciclo hidrológico).

(*) (Excertos do livro A História da Vida, do meu amigo, jornalista e mestre em teologia, Michelson Borges, com o qual  tive a honra e o prazer de colaborar, ainda que só um pouquinho)]

Há muitos, contudo, que souberam separar os tópicos, ver a religião como motivação moral, e a ciência como a forma de realmente explicar a natureza.

[Dr. Tyson insiste em enfiar o Cristianismo no balaio de gato das “religiões”, entre muitas das quais se encontram as crenças mais absurdas e as práticas mais monstruosas. Com essa generalização indevida, busca ele, por contraste, ganhar autoridade argumentativa para emplacar como ciência o que não passa de cientificismo.]

Exemplo contemporâneo é o geneticista Francis Collins, cristão e um dos intelectuais mais respeitados da atualidade. Ele tira sua base moral da Bíblia, mas jamais responderá a uma pergunta sobre a origem do Universo dizendo: “Bem, vamos verificar no Gênesis.”

[“No princípio criou Deus o céu e a terra” (Gn 1:1) bastou para o Dr. Collins, mas não basta para o Dr. Tyson. Como também não bastava para nenhuma das religiões não abrâmicas às quais ele tenta agregar o Cristianismo. Dr. Tyson ignora - talvez finja ignorar - que, à exceção do judaísmo, cristianismo e islamismo - nenhuma outra religião apresentava entre seus dogmas uma cosmogonia, mas apenas teogonias - eventos mitológicos através dos quais teriam nascido as divindades, que então teriam organizado o universo já existente (e portanto eterno) para só depois criar o homem, que invariavelmente possuía apenas finalidade servil e de pouca importância. Essa crença pagã de um universo eterno impregnou a mentalidade científica até o primeiro quarto do século 20; quando desabou, os cientificistas, em vez adotar alguma humildade, se tornaram cada vez mais intransigentes, mais dogmáticos e mais persecutórios.]

Os religiosos veem a aparente ordem do Universo, regida pelas leis da física, como prova de que há uma lógica superior organizando tudo... Sim, a natureza se repete, e por isso definimos regras, como a lei da gravidade. Mas é preciso tomar cuidado com essa abordagem.

[Entretanto, o Dr. Tyson evita tomar o cuidado que ele próprio recomenda. “Leis” são comportamentos regulares verificados ao longo da natureza. Entretanto, não temos como afirmar taxativamente que esses comportamentos são propriedades inerentes aos elementos ou eventos que as apresentam ou se são resultado da ação contínua de algum agente metafísico. Pela Navalha de Occam (pluritas non est ponenda sine necessitate), tendemos a buscar a explicação mais simples, ou seja, a primeira. Contudo, a Navalha não se afigura, per si, uma forma de validação. Nesse particular, lemos várias passagens nas Escrituras Sagradas afirmando ser a realidade (que abrange desde os aglomerados de galáxias até às partículas subatômicas) mantida pela graça e pelo trabalho mantenedor ininterrupto de Deus. Como a mente hebraica não distinguia a ação direta da ação permissiva de Deus (como é o caso do mal - físico ou moral), não podemos optar em definitivo pelas duas possibilidades.]

Ok, Deus então fez as leis da física, como já definia o filósofo Baruch Espinosa no século 17. Só que isso quer dizer que Ele ouve suas preces? Ou que ajuda religiosos a vencer guerras contra outros religiosos? Ou que Ele tem barba? Foi esse Deus que falou com Moisés? Se tudo isso for tomado como verdade, então podemos dizer que Deus deixa pessoas inocentes ser atropeladas na rua. Ele permite, portanto, que uma criança morra de leucemia. Ou ainda faz vista grossa diante de furacões e vulcões que matam milhões, incluindo jovens e humanitários.

[Para se esquivar de responder sobre a causa primeva da existência da realidade a partir de um início preciso (talvez há 13,5 bilhões de anos) e como essa realidade - tanto o Universo quanto a vida - depende do fino ajuste de milhares de propriedades e características que jamais poderiam apresentar variações além do irrisório, Dr. Tyson apela à falácia da distinção de emergência: dá um salto triplo carpado, passando da questão ontológica (a existência de um Deus planejador, organizador e mantenedor) para a questão teológica (as formas como Deus Se releva e atua na História). Vemos, daí, o entrevistador, Filipe Vilicic, se comportando como Cynara Menezes (a tal Socialista Morena) entrevistando Lula ou Dilma. Vergonha alheia.]

Para acreditar em Deus, é preciso levar tudo em conta.

[Pena que esse “tudo” do Sr. Tyson não inclua sua abissal - e intencional - ignorância teológica.]

Se Ele está por trás de tudo, é muito bom em matanças. Afinal, mais de 99,9% das espécies de seres vivos que passaram pela Terra foram extintas. Isso é o acaso da natureza? Ou é Deus? Seja qual for a resposta escolhida, é preciso assumi-la tanto para o lado belo como para o terrível.

[A única eficiência em matanças da parte de Deus, Dr. Tyson, foi, segundo revela Sua Palavra, assassinar Seu Unigênito com extremos inimagináveis de crueldade para que gente como o senhor tivesse a escolha de buscá-Lo ou de desperdiçar a vida aplicando a ela a navalha de Hanlon (já chegaremos lá). Responda, Dr. Tyson: O senhor faria isso com seu filho único apenas para salvar uma percentagem irrisória de micro-organismos que infectassem uma dentre milhões de Placas de Petri que o senhor cultivasse?]

O senhor acredita em Deus? Dediquei tempo para pesquisar listas de deuses na internet. Demora muitos minutos só para passar com o mouse, sem ler, por um compilado de divindades nas quais a humanidade acredita. São milhares! Quer dizer que a escolha de um desses deuses pressupõe, sem escapatória, a ilegitimidade de todos os outros?

[Respondendo primeira à última pergunta, legitimidade não significa autenticidade. Apesar disso, YHWH afirma não levar em conta os tempos de ignorância, mas julga as respostas individuais ante os apelos da terceira pessoa da Divindade à consciência; essas respostas, sim, serão inevitavelmente julgadas - isso significa que pagãos herdarão a vida eterna, ao contrário da pós-morte ironizada em um vídeo marreta do grupo Porta dos Fundos. Outra das formas da revelação divina é a própria natureza, que o Dr. Tyson insiste em atribuir ao acaso. Dr. Tyson também não diz quantas das divindades “pesquisadas” por ele apresentam uma teologia consistente a partir de uma revelação escrita, preservada milagrosamente ao longo de milênios e que convida o leitor a escrutiná-la pela própria experiência pessoal e também em comparação com diversas áreas do conhecimento humano. Imagine-se a seguinte experiência: um megabilionário, tentando encontrar um filho que ele não conheceu, oferece 50 bilhões de dólares ao rapaz desaparecido. Obviamente se apresentarão milhares, talvez milhões de aspirantes ao prêmio. Pela lógica tyseana, como todos os pretendentes não podem ser uma única e mesma pessoa, então não existe herdeiro - mesmo que o verdadeiro não tenha se apresentado junto com os demais. É estupefaciente como alguém com a lógica de Neil Tyson escape à desconstrução e à desmoralização, e, pior, ainda mantenha intocado seu status de “representante da ciência”.]

Esse conflito de ideias não é tranquilo, levou a muitas guerras.

[Segundo a Encyclopaedia of Wars (apud: http://goo.gl/g75GlU), 123 guerras, ou seja, apenas 6,98% das as guerras registradas de TODA a História são classificadas como religiosas. Delas, 66 foram iniciadas por nações islâmicas. Considerando haver um grupo religioso em específico responsável por metade dessas guerras (e retirando-o do quadro), teríamos o resto da “religião em geral” responsável por apenas 3,23% de todas as guerras ocorridas no globo. A evidência é conclusiva: a religião não é, como o Dr. Tyson deixa subentendido, a fonte principal de guerras. Não são, portanto, as religiões que levam às guerras, embora possam ser usadas como pretexto. O que leva à guerra é o gregarismo inerente aos homens, que se manifesta na disputa por recursos, seja pela sobrevivência seja para enriquecimento. Um caso típico é que na primeira metade do século 20 as guerras por expansão territorial/comercial ou para escravização de povos inteiros por tiranos domésticos matou mais gente que todas as guerras acumuladas de que se tem registro na História. Nenhuma delas foi por motivação religiosa - pelo menos não a religião convencional, de que o Dr. Tyson desdenha. As grandes matanças genocidas partiram de religiões ideológicas, todas fundadas no ateísmo e tendo como dogma exultante o cientificismo, que o Dr. Tyson promove à ciência. Eu associei anteriormente Neil Tyson à Navalha de Halon. Explico agora: trata-se de uma lei epigramática segundo a qual “nunca se deve atribuir à malícia o que pode ser adequadamente explicado como estupidez”. Adequando Hanlon a Dr. Tyson, diríamos: “Nunca atribua SOMENTE à malícia o que pode ser adequadamente explicado TAMBÉM como estupidez.”]

Indo além, debrucei-­me sobre o Deus mais popular do Ocidente, o judaico-cristão. Quais são suas propriedades celebradas? A bondade, o poder absoluto e a onisciência. Visto quanto a natureza mata, quer dizer que Ele é assassino? Se sim, não é bondoso. Se não, Ele não é onisciente, ou todo-­poderoso.

[Dr. Tyson requenta, a seu modo, o Paradoxo de Epicuro, do qual o sujeito que o entrevista nem deve fazer ideia. Se Deus (no caso, “o Deus mais popular do Ocidente, o judaico-cristão”) é bom, onisciente e todo-poderoso, Ele não deveria permitir o mal; se permite, das duas, uma: ou não é bom ou não é onisciente nem todo-poderoso. Simples assim? Vejamos. O quanto será que o Dr. Tyson estudou das Escrituras Sagradas, Revelação do Deus judaico-cristão? Passando o mouse em uma “lista de deuses da internet”? O quanto sabe ele da história do Grande Conflito, iniciado no Céu e ora provisório e restrito à Terra? Entende ele as consequências inerentes de se possuir o livre-arbítrio? Sendo ele crente das teorias de Darwin, como pode definir o que é bom e o que é mal sem apelar a uma moralidade objetiva, que transcenda seus próprios interesses e idiossincrasias tanto como individuo quanto como integrante de uma espécie que luta, como as outras, pelas sobrevivência? Dr. Tyson, posto em um ringue de debates filosóficos, não sobreviveria à primeira pergunta.] 

Para mim, essas escolhas parecem randômicas. Não vejo evidências que corroborem a existência de Deus. Se há um terremoto, não é fúria divina. Geólogos avisaram que a área era vulnerável. Não adiantava rezar pelo Haiti. O terremoto que abalou o país recentemente ocorreria de qualquer jeito. Não me importo se acreditam em deuses. Só acho que quem segue essa linha cega não pode distribuir culpas por aí.

[Se o Dr. Tyson se recusa a identificar projetos inteligentes nas estruturas orgânicas e nos processos bioquímicos dos seres vivos (ainda que certamente considerasse evidência de vida extraterrestre inteligente um sinal espacial em quantidade e regularidade baseada em números-primos), como poderia exarar juízos de valor sobre Alguém que Se afirma infinito no tempo e no espaço? Com base em que Dr. Tyson pretende que as causas das catástrofes naturais só possam ser avaliadas e compreendidas a partir das capacidades cognitivas humanas e de métodos e instrumentos de pesquisa, ambos seguramente limitados? Pode ele taxativamente afirmar que não existem agentes metafísicos envolvidos, agentes que transcenderiam nossas limitações de percepção? Não, não se trata aqui de evocar o “deus das lacunas”, mas de questionar a presunção do Dr. Tyson quanto a não existirem lacunas - e é justamente disso que se trata a ideologia cientificista.]

O senhor utiliza frequentemente o termo “polícia do pensamento”.

É uma forma de definir a postura religiosa que ignora solenemente o pensamento científico? Quando emprego essa definição, é para falar das pessoas que tentam ter e exercer poder pela força de seus pensamentos. Ou seja, impondo o que todos podem, ou devem, acreditar. Essa é a “polícia”. Na ciência, não fazemos isso. A ciência é inimiga da “polícia do pensamento”.

[O entrevistador sabujo, caluniando os cristãos - obliquamente chamados por ele de “religiosos” - levanta a bola para Dr. Tyson cortar com uma inversão leninista (acuse-os de fazer o que você faz). Pena que o astrofísico estufou as próprias redes. Vejamos. Tirante o embuste maroto de extrapolar a definição de ciência como domínio de conhecimento restrito a iluminados como ele, o Dr. Tyson ao menos diz uma verdade: os que exercem a atividade científica - através do método científico, bem entendido - não deveriam cometer patrulhamento contra os que não concordam com suas pressuposições, suas hipóteses e suas conclusões. Já os sacerdotes do cientificismo não podem abrir mão de “policiar o pensamento” dissonante ou então suas fraudes e falácias desabam e derretem. Ora, no exercício de suas prerrogativas acadêmicas, pessoas que partilham os conceitos científicos do Dr. Tyson, principalmente no que se refere à origem do Universo e da vida, perseguem professores e pesquisadores, escalam leões-de-chácara ideológicos como peer-reviewers, cortam verbas e destroem carreiras. Então resta provado que o Dr. Tyson (e ele é somente um animador midiático falastrão) e muitos outros integram aquilo que o professor Enézio de Almeida Filho apelidou de Nomenklatura Científica. E aqui encerro, repassando um post dele, que pode ser lido aqui.]
 Fonte: http://www.cienciaefe.net

 

Carta a um universitário cristão

 

                                                         Resultado de imagem para imagens de alderi souza matos

Alderi Souza de Matos [1]

Caro irmão em Cristo,

Você tem o privilégio de frequentar um curso superior, algo que não está disponível para muitos brasileiros como você. Todavia, esse privilégio implica em muitas responsabilidades e em alguns desafios especiais. Um desses desafios diz respeito a como conciliar a sua fé com determinados ensinos e conceitos que lhe têm sido transmitidos na vida acadêmica.

Até ingressar na universidade, você viveu nos círculos protegidos do lar e da igreja. Nunca a sua fé havia sido diretamente questionada. Talvez por vezes você tenha se sentido um tanto desconfortável com certas coisas lidas em livros e revistas, com opiniões emitidas na televisão ou com alguns comentários de amigos e conhecidos. Porém, de um modo geral, você se sentia seguro quanto às suas convicções, ainda que nunca tivesse refletido sobre elas de modo mais aprofundado.

Agora, no ambiente secularizado e muitas vezes abertamente incrédulo da universidade, você tem ficado exposto a ideias e teorias que se chocam frontalmente com a sua fé até então singela, talvez ingênua, da infância e da adolescência. Os professores, os livros, as aulas e as conversas com os colegas têm mostrado outras perspectivas sobre vários assuntos, as quais parecem racionais, científicas, evoluídas. Algumas de suas crenças e valores parecem agora menos convincentes e você se sente pouco à vontade para expressá-los. No intuito de ajudá-lo a enfrentar esses desafios, eu gostaria de fazer algumas considerações e chamar a sua atenção para alguns dados importantes.

Em primeiro lugar, você não deve ficar excessivamente preocupado com as suas dúvidas e inquietações. Até certo ponto, ter dúvidas é algo que pode ser benéfico porque ajuda a pessoa a examinar melhor a sua fé, conhecer os argumentos contrários e adquirir convicções mais sólidas. O apóstolo Paulo queria que os coríntios tivessem uma fé testada, amadurecida, e por isso recomendou-lhes: "Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé; provai-vos a vós mesmos" (2 Co 13.5). As dúvidas mal resolvidas realmente podem ser fatais, mas quando dão oportunidade para que a pessoa tenha uma fé mais esclarecida e consciente, resultam em crescimento espiritual e maior eficácia no testemunho. O apóstolo Pedro exortou os cristãos no sentido de estarem "sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós" (1 Pe 3.15).

Além disso, você deve colocar em perspectiva as afirmações feitas por seus professores e colegas em matéria de fé religiosa. Lembre-se que todas as pessoas são influenciadas por pressupostos, e isso certamente inclui aqueles que atuam nos meios universitários. A ideia de que professores e cientistas sempre pautam as suas ações pela mais absoluta isenção e objetividade é um mito. Por exemplo, muitos intelectuais acusam a religião de ser dogmática e autoritária, de cercear a liberdade das pessoas e desrespeitar a sua consciência. Isso até pode ocorrer em muitos casos, mas a questão aqui é a seguinte: Estão os intelectuais livres desse problema? A experiência mostra que os ambientes acadêmicos e científicos podem ser tão autoritários e cerceadores quanto quaisquer outras esferas da atividade humana. Existem departamentos universitários que são controlados por professores materialistas de diversos naipes - agnósticos, existencialistas e marxistas. Muitos alunos cristãos desses cursos são ridicularizados por causa de suas convicções, não têm a liberdade de expor seus pontos de vista religiosos e são tolhidos em seu desejo de apresentar perspectivas cristãs em suas monografias, teses ou dissertações. Portanto, verifica-se que certas ênfases encontradas nesses meios podem ser ditadas simplesmente por pressupostos ou preconceitos antirreligiosos e anticristãos, em contraste com o verdadeiro espírito de tolerância e liberdade acadêmica.

Você, estudante cristão que se sente ameaçado no ambiente universitário, deve lembrar que esse ambiente é constituído de pessoas imperfeitas e limitadas, que lidam com seus próprios conflitos, dúvidas e contradições, e que muitas dessas pessoas foram condicionadas por sua formação familiar e/ou educacional a sentirem uma forte aversão pela fé religiosa. Tais indivíduos, sejam eles professores ou alunos, precisam não do nosso assentimento às suas posições antirreligiosas, mas do nosso testemunho coerente, para que também possam crer no Deus revelado em Cristo e encontrem o significado maior de suas vidas.

Todavia, ao lado dessas questões mais pessoais e subjetivas, existem alegações bastante objetivas que fazem com que você se sinta abalado em suas convicções cristãs. Uma dessas alegações diz respeito ao suposto conflito entre fé e ciência. O cristianismo não vê esse impasse, entendendo que se trata de duas esferas distintas, ainda que complementares. Deus é o criador tanto do mundo espiritual quanto do mundo físico e das leis que o regem. Portanto, a ciência corretamente entendida não contradiz a fé; elas tratam de realidades distintas ou das mesmas realidades a partir de diferentes perspectivas. O problema surge quando um intelectual, influenciado por pressupostos materialistas, afirma que toda a realidade é material e que nada que não possa ser comprovado cientificamente pode existir. O verdadeiro espírito científico e acadêmico não se harmoniza com uma atitude estreita dessa natureza, que decide certas questões por exclusão ou por antecipação.

Mas vamos a alguns tópicos mais específicos. Você, universitário cristão, pode ouvir em sala de aula questionamentos de diversas modalidades: acerca da religião em geral (uma construção humana para responder aos anseios e temores humanos), de Deus (não existe ou então existe, mas é impessoal e não se relaciona com o mundo), da Bíblia (um livro meramente humano, repleto de mitos e contradições), de Jesus Cristo (nunca existiu ou foi apenas um líder carismático), da criação (é impossível, visto que a evolução explica tudo o que existe), dos milagres (invenções supersticiosas, uma vez que conflitam com os postulados da ciência), e assim por diante. Não temos aqui espaço para responder a todas essas alegações, mas perguntamos: Quem conferiu às pessoas que emitem esses julgamentos a prerrogativa de terem a última palavra sobre tais assuntos? Por que deve um universitário cristão aceitar tacitamente essas alegações, tantas vezes motivadas por preferências pessoais e subjetivas dos seus mestres, como se fossem verdades definitivas e inquestionáveis?

O fato é que, desde o início, os cristãos se defrontaram com críticas e contestações de toda espécie. Nos primeiros séculos da era cristã, muitos pagãos acusaram os cristãos de incesto, canibalismo, subversão e até mesmo ateísmo! Foram especialmente contundentes as críticas feitas por homens cultos como Porfírio e Celso, que questionaram a Escritura, as noções de encarnação e ressurreição, e outros pontos. Eles alegavam que o cristianismo era uma religião de gente ignorante e supersticiosa. Em resposta a esses ataques intelectuais surgiu um grupo de escritores e teólogos que ficaram conhecidos como os apologistas e os polemistas. Dentre eles podem ser citados Justino Mártir, Irineu de Lião, Tertuliano, Clemente de Alexandria e Orígenes, que produziram notáveis obras em defesa da fé cristã.

Em nosso tempo, também têm surgido grandes defensores da cosmovisão cristã, tais como Cornelius Van Til, C. S. Lewis, Francis Schaeffer, R. C. Sproul, John Stott e outros, que têm utilizado não somente a Bíblia, mas a teologia, a filosofia e a própria ciência para debater com os proponentes do secularismo. Além deles, outros autores têm publicado obras mais populares acerca do assunto, apresentado argumentos convincentes em resposta às alegações anticristãs. Um bom exemplo recente é o livro de Lee Strobel, Em Defesa da Fé, que possui um capítulo especialmente instrutivo sobre uma questão até hoje não aclarada pela ciência, ou seja, a origem da vida. É importante que você, universitário cristão, leia esses autores, familiarize-se com seus argumentos e reflita de maneira cuidadosa sobre a sua fé, a fim de que possa resistir à sedução dos argumentos divulgados nos meios acadêmicos.

Outra iniciativa importante que você deve tomar é aproximar-se de outros estudantes que compartilham as mesmas convicções. É muito difícil enfrentar sozinho as opiniões contrárias de um sistema ou de uma comunidade. Por isso, envolva-se com um grupo de colegas cristãos que se reúnam para conversar sobre esses temas, compartilhar experiências, apoiar-se mutuamente e cultivar a vida espiritual. Muitas universidades têm representantes da Aliança Bíblica Universitária (ABU) e de outras organizações cristãs idôneas que visam precisamente oferecer auxílio aos estudantes que se deparam com esses desafios. Não deixe também de participar de uma boa igreja, onde você possa encontrar comunhão genuína e alimento sólido para a sua vida com Deus.

Em conclusão, procure encarar de maneira construtiva os desafios com que está se defrontando. Veja-os não como incômodos, mas como oportunidades dadas por Deus para ter uma fé mais madura e consciente, para conhecer melhor as Escrituras, para inteirar-se das críticas ao cristianismo e de como responder a elas, para dar o seu testemunho diante dos seus professores e colegas, por palavras e ações. Saiba que você não está só nessa empreitada. Além de irmãos que intercedem por sua vida, você conta com a presença, a força e a sabedoria do Senhor. Muitos já passaram por isso e foram vitoriosos. Meu desejo sincero é que o mesmo aconteça com você. Deus o abençoe!



[1] Alderi Souza de Matos é doutor pela Boston University e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

 


 

Big Bang apoia criação bíblica, junto com a descoberta de onda gravitacional

'A Bíblia foi a primeira a prever a cosmologia do Big Bang', relata especialista

PorLuciano Portela | Repórter do The Christian Post tradutor Alexandre Correia


Alguns cristãos especialistas em ciências acreditam que a descoberta da "onda gravitacional", anunciada no início dessa semana, por cientistas que trabalham no telescópio BICEP2 (Imagiologia de Fundo de Polarizão Cósmica Extragalática 2) localizado no polo sul, confirma o relato bíblico da criação, ao amparar a teoria do "Big Bang".

  • big bang
    (Foto: Divulgação/NASA)

"A Bíblia foi a primeira a prever a cosmologia do Big Bang", de acordo com Hugh Ross, presidente e fundador do Reasons to Believe, uma organização de criacionismo de Terra antiga que acredita que cristianismo e ciência são complementares.

Em uma entrevista ao Christian Post (CP) no último dia 18 de março, Ross explicou que a detecção de ondas gravitacionais resultantes da rápida expansão do universo, teoria denominada como "inflação", mostra que, "quando o universo tinha um trilionésimo de trilionésimo de segundo de idade, ele dilatou mais rápido que a velocidade da luz.

Essas ondas gravitacionais são um tipo específico de flutuação quântica - pequenas ondulações no tecido do espaço-tempo – que mostram quão rápido a luz se espalhou e o universo aumentou.

As ondas parecem sugerir que o universo se expandiu a uma velocidade maior do que a velocidade da luz por uma fração de segundo, um fato que Ross afirma ser essencial para a formação da vida humana.

"Se o universo é termodinamicamente conectado, ele não tem a homogeneidade e uniformidade necessária para a vida ser concebível", disse Ross.

Ele segue explicando que se o universo é muito velho ou se esfria muito rápido, as estrelas necessárias para se ter formas de vida avançadas vão se esgotar, antes que a vida possa aparecer.

Ross argumenta que os seres humanos estão no "fim da linha", pois não vão demorar muito até que o sol se torne muito quente para qualquer tipo de vida na Terra". Ele completou dizendo que o universo inteiro é "hostil diante de formas de vida avançadas, exceto no planeta Terra", e mesmo a Terra seria hostil se o universo não tivesse se expandido dessa maneira.

Leslie Wickman, diretor do Centro de Pesquisa em Ciências da Azusa Pacific University, disse ao CP na terça que, "a evidência para o Big Bang, geralmente, nos diz que houve um início", e "se houve um início, pela simples lógica de causa e efeito, deve ter havido um agente desse início".

Wickman também acredita que a teoria do Big Bang concorda com a cosmovisão cristã.

"Uma das minhas paixões na vida é fazer as pessoas entenderem que não precisamos ter de escolher entre ciência ou fé. Você pode ser um bom cientista e um cristão fiel", acrescentou Wickman.

Stephen Meyer, diretor do Centro de Ciência e Cultura no Discovery Institute, e autor do best-seller "A dúvida de Darwin: A origem explosiva da vida animal e o caso para o design inteligente"(tradução livre), disse ao CP que ele também acredita que a "teoria do Big Bang dá suporte ao entendimento bíblico da criação".

"Se você olhar para a história científica, a teoria que persistiu antes do Big Bang foi a teoria do universo estático, que, se enquadra bem com a famosa frase de Carl Sagan que 'O universo é tudo que foi, tudo que é, e tudo que vai ser'", segundo Meyer. Ao sugerir um início concreto, o Big Bang aponta pra a criação, ao invés de um universo eterno, como proposto por Sagan e apresentado na sua nova série "The Cosmos".

Meyer ainda sugere que a recente evidência da chamada inflação corrobora com a descrição da escritura de um universo em expansão.

"Vemos repetidamente no Velho Testamento, tanto nos Profetas quanto nos Salmos, que Deus está espalhando ou ainda, estendeu os céus", afirma. Ele ressalta que existem "pelo menos uma dúzia de referências" a essa ideia na Escritura.

"O Espaço expandiu rapidamente, e essa é uma evidência adicional apoiando a ideia da inflação", disse ele, referindo-se ao estudo.

Nem todos os cristãos que praticam ciência, no entanto, acreditam que o Big Bang suporta o relato bíblico da criação.

Danny Faulkner, professor de astronomia no Creation Museum, e que possui um pHD na área, disse ao CP que "Meu problema com o Big Bang é que ele não é bíblico".

Ele pensa em uma interpretação literal, com dias de 24 horas de Genesis 1, e afirma que o universo tem apenas 6.000 anos, enquanto o modelo do Big Bang estima uma idade para o universo de aproximadamente 13,8 bilhões de anos.

"Na Bíblia, vemos que a Terra estava lá desde o início, as estrelas vieram depois", disse ele.

Ele também sugere que os cristãos não deveriam tentar misturar a cosmovisão bíblica com descobertas científicas, pois a ciência muda frequentemente.

"Quando só cristãos tentam incorporar o pensamento cristão nas teorias vigentes, o paradigma muda e traz descrédito a Palavra", observa.

Faulkner mencionou a Revolução de Copérnico, a descoberta científica de que a Terra gira em torno do Sol, como um exemplo do que acontece quando os cristãos tentam incorporar ciência na leitura da Escritura. Quando Galileu desafiou a ideia de que o Sol gira em torno da Terra, a cristandade pareceu tola por acreditar no contrário.

"O problema é que as pessoas estão tentando interpretar a Bíblia em termos do entendimento humano da cosmologia, ao invés de fazer ao contrário", explicou Falkner.

Ele ainda aponta que a descoberta das ondas gravitationais pode ser resultado da necessidade da inflação para o modelo do Big Bang.

"Se a inflação não ocorreu, então o modelo do Big Bang está em grandes apuros", então existe uma pressa no julgamento dessa questão para muitas pessoas". Faulkner leu o relatório, e conta que "eles estão basicamente argumentando que 'achamos que encontramos isso', o que não é a mesma coisa que dizer que nós definitivamente encontramos".

Os experimentos, ele notou, eliminaram uma hipótese contra o modelo da inflação que não prova que a inflação aconteceu.

Em resposta, Meyer declarou que entende a nota de aviso, mas acrescentou que "A defesa de um universo finito vem crescendo e crescendo desde o início do século 20". Ele também indica que "é realmente estranho para pessoas com uma perspectiva Criacionista negar uma teoria que diz que o universo veio do nada".

Ross também citou a Escritura para argumentar contra a visão literal de seis dias de 24 horas, mencionando Hebreus 4, João 5 e o Salmo 95 para suportar a sua ideia de que a humanidade está vivendo no sétimo dia da criação.

De acordo com Genesis 1, Deus fez o Homem, macho e fêmea, no sexto dia. Ross acredita que isso significa que o dia sexto foi um longo período de tempo porque, Genesis 2 narra que Adão cuidou do jardim, deu nome aos animais e percebeu que estava sozinho antes de Deus criar Eva.

Meyer também aponta que três grandes descobertas cientificas no último século sustentam a narrativa bíblica para a criação: O Big Bang, que diz "o universo teve um começo", o "ajuste fino do princípio antrópico", que afirma que as regras da matéria funcionam de maneira mais adequada para a vida humana, e das propriedades de condução de informação do DNA, que evidencia que os elementos da base da vida têm algum tipo de conhecimento.

E ele também comentou em seu artigo " A volta da hipótese de Des" (tradução livre) no qual ele explica que somente o teísmo, e não o deísmo, panteísmo ou materialismo podem explicar essas novas descobertas.

Meyer reiterou sua crença, de que os cristãos devem usar seu melhor conhecimento científico e seu melhor entendimento da Bíblia para reconciliar os dois.

Por: Tyler O'Neil

Fonte:http://portugues.christianpost.com/news

  


 

   Fé e Ciência - Entrevista

 

 Resultado de imagem para imagens de augustus nicodemus lopes

 

 

 

Fé e Ciência - Entrevista com Karl Heinz Kienitz

Aguardem para breve o vídeo do programa Academia em Debate onde entrevistei Dr. Karl Heinz, do Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Enquanto isto, ele gentilmente permitiu que a entrevista viesse de forma escrita aqui para o blog.

Dr. Karl Heinz é engenheiro de eletrônica, graduado e pós-graduado (mestrado) pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Obteve seu doutorado em engenharia elétrica pela Escola Politécnica Federal de Zurique, na Suíça. Atualmente é professor no ITA. Sua área de especialidade chama-se Sistemas e Controle, a parte da engenharia diretamente relacionada à automação. Ele é membro da Igreja Batista em São José dos Campos.

É autor do blog Fé e Ciência, onde trata da relação entre estas duas realidades.

Segue abaixo a entrevista.


Augustus - O senhor é professor numa das escolas de tecnologia mais respeitadas do país, onde certamente os métodos científicos são seguidos com rigor. Ao mesmo tempo, o senhor é um cristão, que professa acreditar nos relatos da Bíblia. Existe alguma coisa na ciência que o obrigaria a desacreditar na Bíblia?

Karl - É quase o contrário: há coisas na Bíblia que me ajudam a confiar no método científico como uma ferramenta útil. Entre outras coisas, a Bíblia nos revela que Deus é consistente em seu governo da criação, e não cheio de caprichos (por exemplo em Romanos 1.20,  “Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis.”) Assim, de antemão espero descobrir padrões regulares no estudo da natureza, e é a isso que se propõe o método científico.

Augustus Por que algumas pessoas insistem que há uma incompatibilidade radical entre a fé cristã e a ciência moderna?

Karl - Porque tais pessoas não possuem conceitos consistentes de ciência e fé (por exemplo confundem fé, religião e teologia, ou confundem ciência com plausibilidade), ou possuem motivos ideológicos para dogmatizar uma incompatibilidade entre fé cristã e ciência, que de fato não existe.

Augustus - Poderia dar uma definição de ciência? E dizer por que ela não conflita com a fé cristã de que há um Deus que criou todas as coisas?

Karl - Ciência é o conhecimento ou um sistema de conhecimentos que abarca verdades gerais ou a operação de leis gerais identificadas e testadas através do método científico. O método científico é um conjunto de regras básicas que fazem uso da razão para juntar evidências observáveis, empíricas e mensuráveis.

Embora procedimentos variem de uma área da ciência para outra, é possível determinar certos elementos que diferenciam o método científico de outros métodos. Primeiramente o cientista propõe hipóteses para explicar certo fenômeno ou observação de interesse. Baseado em suas hipóteses, o cientista faz previsões e então desenvolve experimentos e verificações para testar suas previsões. Previsões não confirmadas levam à rejeição das hipóteses. Hipóteses não rejeitadas eventualmente podem ser consolidadas em teorias. Toda hipótese ou teoria deve necessariamente permitir a formulação de previsões e permanece constantemente sujeita a novos testes, podendo ser refutada à luz de nova informação experimental. Todo o processo precisa ser objetivo, para que o cientista seja imparcial na interpretação dos resultados.

Outra expectativa básica do método científico é que todo o procedimento precisa ser documentado, tanto os dados quanto os procedimentos, para que outros cientistas possam analisá-los e reproduzi-los. Cientistas são fabricantes de mapas do mundo físico. Nenhum mapa nos diz tudo o que poderia ser dito sobre um terreno particular, mas numa determinada escala pode representar a estrutura existente com boa fidelidade. No sentido de uma verosimilitude crescente, de aproximações cada vez melhores da verdade sobre a matéria, a ciência nos proporciona um domínio cada vez mais firme da realidade material.

Retorno aos motivos para um “não-conflito” entre fé cristã e ciência, citando um motivo apenas. Como dito anteriormente, a Bíblia nos revela que o Criador é consistente em seu governo da criação. Portanto de antemão espero descobrir padrões regulares no estudo da natureza, ao que se propõe o método científico.

Augustus - Existem provas científicas da existência de Deus?

Karl - Não. Mas existem evidências científicas que apontam para a existência de um Criador. Várias dessas evidências motivaram a Teoria do Design Inteligente. Adicionalmente, evidências históricas, argumentos filosóficos e teológicos mostram ser mais razoável admitir a existência de Deus do que negá-la.

Augustus - As estatísticas nos dizem que mais 90 por cento da população brasileira crê em Deus e que apenas um mínimo é ateu. Mas quando a pesquisa é feita no âmbito da academia, a situação muda – a maioria dos cientistas afirma ser ateu ou agnóstico. Por que isto?

Karl - Uma grande parte do atual ceticismo, ateísmo e agnosticismo na academia deve-se ao espaço que damos a intelectuais impulsivos, que – em muitas ocasiões – deveriam pesquisar mais e falar menos. Como acadêmicos, precisamos ser críticos e pragmáticos para não aceitar discursos ideológicos. Deixe-me citar um exemplo. Em 1888 Nietzsche anotou a frase “Quanto mais próximo se está da ciência, maior é o crime de ser cristão,” num texto com o título Das Gesetz wider das Christenthum. Toda sua conduta e seu ensino transpiravam tal noção. O sórdido da frase é que ela foi escrita poucos anos depois que os cristãos Joule, Maxwell e Pasteur deram suas monumentais contribuições à ciência.

Hoje, na academia, a muitos parece adequado optar pela adoção simultânea da ideologia anticristã de Nietzsche e da ciência dos cristãos Joule, Maxwell e Pasteur, a quem Nietzsche - pela generalidade da sua frase – classifica de “criminosos”. Essa opção é essencialmente cultural e, na minha opinião, merecedora de reconsideração crítica.

Augustus - Entre os fundadores da moderna ciência há muitos pesquisadores que eram cristãos convictos, criacionistas – por que este fato é omitido quando o trabalho deles é mencionado em sala de aula?

Permita-me propor uma pequena reformulação na parte inicial da pergunta: não foram “muitos” cristãos convictos entre os fundadores da ciência moderna; foram todos, com poucas possíveis exceções, das quais não lembro uma sequer...

A menção à fé de cristãos que atuaram como cientistas é omitida em sala de aula por um de dois motivos: (a) o professor não tem a mínima ideia de que aqueles cientistas foram cristãos; ou (b) o professor é da opinião de que a fé cristã daqueles cientistas não teve relação alguma com a ciência que praticavam, o que em muitos casos – talvez na maioria dos casos – está em total desacordo com o entendimento dos próprios cientistas. Nos casos de Kepler, Joule e Maxwell, para citar 3 nomes apenas, a motivação para fazer ciência estava intimamente ligada à sua fé cristã. Mas a fé cristã não tem impacto somente na motivação para se fazer ciência: o respeito à vida humana, à integridade física e emocional de pessoas envolvidas na pesquisa, preocupação com os animais e com o meio ambiente, etc. são preocupações normais p/ um cientista de fé cristã.

Um cientista bastante conhecido na Europa, que enfatizou a importância da fé cristã para que se pratique uma ciência que sirva à humanidade e não prejudique à natureza foi Max Thürkauf, químico que recebeu o prêmio Ruzicka de Química, em 1963.

Augustus - Muitos jovens cristãos acabam perdendo a fé e abandonando o cristianismo quando entram no ambiente do ensino superior. Quais seriam as causas, na sua opinião?

Karl - O jovem cristão muitas vezes não está preparado para ter sua fé questionada. Além disso, muitas vezes, sucumbe ao “efeito rebanhão” (fazer, dizer e acreditar o que todo mundo à sua volta acredita) e/ou à “síndrome da admiração dos semi-deuses” (aceitar sem reflexão crítica o que professores afirmam). Nas igrejas os jovens precisam ser ensinados a expor, perguntar, debater, questionar e defender suas opiniões.

Augustus - Atualmente há um movimento crescente dentro da academia liderado por pesquisadores cristãos e não cristãos que questionam a afirmação do darwinismo naturalista de que a vida em toda a sua complexidade é decorrente de mutações e adaptações genéticas que  aconteceram meramente por acaso e que o propósito que se percebe na natureza é somente aparente. É possível para um cientista cristão que crê no Deus da Bíblia concordar que o acaso está por detrás da realidade?

Karl - Não vejo possibilidade de explicar a diversidade da vida com o acaso. Mas isto não decorre da minha fé no Deus da Bíblia. Cálculos de probabilidades feitos por diversos cientistas de renome deixam claro que em algum ponto de um (alegado) processo evolucionário seria necessário algo como um “direcionamento útil,” o que tornaria o processo “não-darwiniano”. Como cristão eu tenho certeza de que Deus tudo criou. Essa certeza é “pela fé”, exatamente como explicado na carta aos Hebreus, na Bíblia. Como engenheiro estou preocupado em trabalhar com a natureza e cuidar dela. Vejo grandes limitações para a investigação e articulação de uma compreensão abrangente das origens daquilo de que nós (inclusive nossa capacidade explicativa) somos parte integrante. A teoria de sistemas não suporta expectativas de que esse tipo de empreitada dê certo. Essa é a principal razão para que eu não me dedique a conjecturas sobre origens.

Augustus - Que conselhos o senhor daria a um jovem cristão que entra no ensino superior e especialmente na área das ciências exatas?

Karl - Acho importante que o jovem cristão conheça e leia sua Bíblia, pratique sua fé, mantenha contato com outros estudantes cristãos, leia bons livros e conheça a história dos grandes cientistas, inclusive daqueles com fé no Deus da Bíblia. (A todos os estudantes cristãos recomendo a leitura do livro “A mente cristã num mundo sem Deus”, de James Emery White; essa recomendação vale para estudantes de todas as áreas.)

Augustus - A ciência hoje está em guerra com a religião?

Karl - Ciência natural não está em guerra com a fé cristã; a segunda favoreceu o surgimento da primeira. Como disse Max Planck, a prova mais imediata da compatibilidade entre fé cristã e ciência natural, mesmo sob análise detalhada e crítica, é o fato histórico de que justamente os maiores cientistas de todos os tempos, homens como Kepler, Newton, Leibniz, foram cristãos. Mas alguns cientistas e alguns teólogos estiveram em conflito em várias ocasiões ao longo da história por motivos que precisam ser estudados e entendidos, para que aprendamos as lições pertinentes.

Augustus - A ciência elimina ou corrobora a fé em Deus? 

Karl - Teólogos de Alexandria (séc. IV e V) enfatizaram: (a) a unidade racional do universo e sua criação do nada por Deus; (b) a inteligibilidade do universo para a mente humana; (c) a liberdade contingente do universo. Essa concepção alexandrina favoreceu tanto o entendimento e usufruto da obra de Cristo quanto o desenvolvimento e uso do método científico. Grosseteste e Roger Bacon, que eu considero os primeiros cientistas (no sentido de usarem o método experimental) tinham o mesmo entendimento dos alexandrinos. O teólogo T. F. Torrance argumenta que o mesmo valeu para outros cientistas, como por exemplo Maxwell. Nesse contexto, entendo que a ciência, como bom fruto da dedicação intelectual e prática desses cristãos, acaba corroborando sua fé.

Augustus - Como é possível eliminar a tensão entre relatos científicos e religiosos sobre a origem do universo e da vida?

Karl - Entendo que há tensão entre interpretações teológicas específicas das Escrituras e interpretações e extrapolações de observações por cientistas. Teólogos e cientistas devem continuar trabalhando com dedicação, buscando sempre um entendimento compatível com a realidade.

Augustus - Para fazer ciência é necessário supor que o universo e a natureza são inteligíveis para a mente humana. Quais são as pressuposições metafísicas e epistemológicas que justificam a atividade científica?

Karl - Abaixo listo exemplos de crenças filosóficas que encorajam a pesquisa científica:

  1. Eventos no mundo natural tipicamente tem causas (imediatas) no mundo natural.
  2. O tempo é “linear”. 
  3. Causas e efeitos no mundo natural têm alguma regularidade no espaço e tempo.
  4. Causas e efeitos podem ser – ao menos em parte – racionalmente compreendidas.
  5. Os constituinte e comportamentos naturais fundamentais não podem ser deduzidos pela lógica a partir de princípios fundamentais. Precisamos utilizar observações e experimentos para aumentar nossa lógica e intuição.
  6. Estudar a natureza da forma indicada no item anterior é um investimento válido de tempo e talento.

Augustus - O universo e a vida são auto-existentes, auto-suficientes, auto-organizados, ou estão fundados numa realidade que transcende o nexo espaço-tempo-matéria-energia?

Karl - A história mostra que a quebra (pelos teólogos alexandrinos) da noção Aristotélica da eternidade do mundo foi seminal para o surgimento do método científico. Hoje a Física relata evidências que apontam para um início para o universo. Decido-me pelo entendimento cristão de que tudo que existe está fundado numa realidade que transcende o nexo espaço-tempo-matéria-energia; vejo dificuldades para quem prefere a outra opção.

Augustus - Há limites sobre o que a ciência pode nos dizer para explicar a origem e a realidade do universo e da vida? 

Karl - Há limites. Eu já indiquei minha “desconfiança” sobre o uso do método científico para encontrar uma explicação abrangente acerca da origem do homem. Louis Neel, Nobel de Física de 1970, disse que a busca do cientista por uma explicação abrangente da sua origem equivaleria à reconstrução da história do automóvel por um dos pistões de um motor automotivo.

Augustus - Sendo as teorias e os modelos científicos meros construtos humanos, com limites heurísticos, passíveis de revisão e até o descarte ao serem submetidas ao contexto de justificação teórica, as afirmações dos cientistas sobre a origem e evolução do universo e da vida não deveriam ser menos assertivas? 

Karl - Sim, definitivamente. Veja só esta declaração do Prof. Franz M. Wuketits (professor das Univ. Viena e Graz): “Nós pressupomos a correção de princípio da teoria da evolução biológica, pressupomos que a teoria da evolução possui validade universal.” Pressuposições desse tipo são incompatíveis com ciência.

Augustus - Hoje a ciência está fundada no materialismo reducionista. Os seres vivos, especialmente os humanos, e o resto da natureza, são o resultado apenas de matéria e energia?

Karl - A assertiva antes da pergunta não é verdadeira. A ciência está fundada no método científico e não no materialismo reducionista. Que o ser humano é resultado apenas de matéria e energia pode ser opinião de muitos, mas é uma opinião que esbarra em toda a ordem de problemas na discussão de ética, estética, emoções, consciência, etc.

Augustus - Esse materialismo reducionista ajuda ou atrapalha o avanço da boa ciência?

Karl - O materialismo reducionista atrapalha a boa ciência, entre outras coisas, pelos problemas éticos que provoca. O Prof. Max Thürkauf, a quem já mencionei, deixou claro que o materialismo precisa ser responsabilizado por muitas catástrofes nucleares e ecológicas que presenciamos no século XX. Thürkauf disse que, se quisermos uma ciência que sirva ao homem, o cientista precisa “orar e trabalhar”.

Augustus - Ideias, até as ideias científicas, têm consequências. Como conciliar a visão religiosa do ser humano ter lugar diferenciado na natureza e a visão darwinista que o reduz ao nível dos demais animais?

Karl - Não vejo possibilidade de conciliação.

Augustus - Se Deus não existe, tudo é possível (Dostoievski). Se a ciência na sua limitação heurística não pode falar sobre valores, por que os cientistas rejeitam a moralidade derivada das Sagradas Escrituras, e desvalorizam o ser humano – imago Dei supostamente baseados na ciência? 

Karl - A rejeição mencionada na pergunta ocorre por conveniência. O fenômeno já era explicado por Pascal: “A vontade, que prefere um aspecto a outro, afasta a mente de considerar as qualidades daquilo que não gosta de ver.” “O coração tem razões que a própria razão desconhece.”

Augustus - Os atuais avanços em diversas áreas científicas estão fortalecendo cada vez mais os relatos de criação das religiões monoteístas, mas a comunidade científica não aborda essas questões. Seria temor da falência do materialismo científico e que Deus retorne às universidades como uma ideia filosófica e cientificamente plausível?

Karl - Sim, acho que este temor existe em parte da academia. Porém fé monoteísta não resulta da interpretações científicas. Não é este o caminho a seguir. Em particular, a fé cristã tem uma natureza “a priorística” na medida em que pressupõe uma noção de Deus. Nesse contexto, algo como uma teologia natural pode ajudar um pouco. Acho que Romanos 1.20 legitima tal percepção.

Pessoalmente também considero interessantes argumentos filosóficos acerca da existência de Deus. Mas, o que é realmente importante (e independente de se crer em Deus ou não), é nos ocuparmos com a pessoa de Jesus, cuja obra e ministério estão descritos de forma confiável no Novo Testamento. Seus relatos nos obrigam a uma tomada de posição ou à ignorância deliberada, que seria incompatível com qualquer pretensão de seriedade. É ocupação com história... Além disso, fé cristã resulta em realidade observável na própria vida. A partir dela, se estabelece uma dinâmica do conhecimento de Deus, semelhante à dinâmica do conhecimento científico.

Acho muito útil a explicação de T.F. Torrance sobre a estratificação do conhecimento de Deus, para entender um pouco melhor a semelhança que existe entre conhecimento científico e conhecimento teológico cristão.

 

 Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com.br

 


 

Grandes cientistas e a fé

James Clerk Maxwell (1831-1879), um físico que teve sua biografia publicada pela prestigiosa editora John Wiley com o título O homem que mudou tudo, escreveu [23]: "Penso que os cientistas assim como outras pessoas, precisam aprender de Cristo, e acho que os cristãos cujas mentes dedicam-se à ciência são chamados a estudá-la para que sua visão da glória de Deus possa ser tão extensa quanto possível." Muitos cientistas viveram vidas e carreiras compatíveis com esse pensamento de Maxwell. Como exemplo, cito oito cientistas homenageados pelo SI (o Sistema Internacional de Unidades), conhecidos também por sua profissão da fé cristã. Leia mais...

Muitos cientistas que professa(ra)m a fé cristã falaram ou escreveram sobre sua fé. Vários cientistas não cristãos também se manifestaram sobre fé e / ou sobre religião. A seguir são reproduzidas (apenas) algumas das citações de cientistas bastante conhecidos. Ao final da página encontram-se informações sobre as referências de onde as citações foram obtidas.



foto

Isaac Newton (1643-1727), matemático e físico

"Devemos crer em um Deus e não ter outros deuses além dele. Ele é eterno, onipresente, onisciente, onipotente, criador de todas as coisas, sábio, justo, bom e santo. Devemos amá-lo, temê-lo, honrá-lo e confiar nele, orar a ele, dar-lhe graças, louvá-lo e santificar seu nome, cumprir seus mandamentos e dispor de tempo para honrá-lo em culto." [1]




foto

Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716), matemático, engenheiro, filósofo e diplomata

"A verdadeira felicidade consiste no amor a Deus, porém num amor sem preconceitos, cujo fogo arde na luz do conhecimento. Este tipo de amor gera a alegria com boas ações, que dá apoio à virtude e, tendo Deus como centro, eleva o humano ao divino." [1]




foto

Leonhard Euler (1707-1783), matemático e físico

"A verdadeira felicidade pode ser encontrada somente em Deus, todos os outros prazeres nada mais são do que uma máscara vazia e são capazes de produzir apenas uma satisfação momentânea." [2]




foto

Alessandro Volta (1745-1827), físico

"Submeti as verdades fundamentais da fé a um estudo minucioso. Li as obras dos apologetas e de seus adversários, avaliei as razões a favor e contra e assim obtive argumentos relevantes que tornam a religião (bíblica) tão digna de confiança ao espírito científico que uma alma com pensamentos nobres ainda não pervertida por pecado e paixão não pode senão abraçá-la e afeiçoar-se a ela. Peço a Deus que minha profissão de fé, que me foi solicitada e que eu forneço com alegria, escrita de próprio punho e por mim assinada, possa ser apresentada a todos, pois não me envergonho do Evangelho." [1]




foto

Wilhelm von Humboldt (1767-1835), linguista, cofundador da primeira universidade de Berlim

"Os mistérios de Deus não são compreendidos; são adorados." [1]




foto

Karl Friedrich Gauss (1777-1855), matemático e físico

"Existem questões a cuja resposta eu daria um valor infinitamente maior do que às matemáticas, por exemplo questões sobre ética, sobre nosso relacionamento com Deus, sobre nosso destino e nosso futuro. Para a alma existe uma satisfação de espécie superior, para a qual dispenso o que é material" [1]




foto

Friedrich Rückert (1788-1866), filólogo, pioneiro da orientalística na Alemanha

"Fé é uma necessidade do coração. Ausência de fé não preenche lacunas. Onde se lançou fora a fé proliferará a superstição." [3]




foto

Augustin Louis Cauchy (1789-1857), matemático e físico

"Sou um cristão, isto significa: creio na divindade de Jesus Cristo juntamente com Tycho Brahe, Copérnico, Descartes, Newton, Fermat, Leibniz, Pascal, Grimaldi, Euler, Guldin, Boscowitsch, Gerdil, com todos os grandes astrônomos, todos os grandes pesquisadores das ciências naturais, todos os grandes matemáticos dos séculos passados. E se porventura me perguntarem pela razão, terei prazer em explicá-la. Verão que minha convicção é resultado de estudo cuidadoso e não de preconceitos." [1]




foto

Michael Faraday (1791-1867), físico e químico

"Eu confio em certezas. Eu sei que meu Redentor vive, e porque Ele vive eu também viverei." [4]




foto

Karl Ernst von Baer (1792 - 1876), biólogo, pai da embriologia

"O bondoso Criador colocou quatro desejos no homem, pelos quais podemos dizer que este é segundo a imagem de Deus: a fé, a consciência, o desejo de saber, o sentido pela estética." (citação resumida) [1]




foto

Justus von Liebig (1803 - 1873), químico, patrono da Universidade de Giessen, Alemanha

"O conhecimento da natureza é o caminho para a admiração do Criador." [1]




foto

Alexis de Tocqueville (1805 - 1859), cientista político e historiador

"O povo, se quiser ser livre, há de ter convicções religiosas. Em não tendo fé, servirá." [5]




foto

James Prescott Joule (1818-1889), físico

"Após conhecer e obedecer à vontade de Deus, o próximo alvo deve ser conhecer algo dos Seus atributos de sabedoria, poder e bondade evidenciados nas obras de Suas mãos." [6]




foto

Louis Pasteur (1822-1895), microbiólogo e químico

"Quanto mais eu estudo a natureza mais fico impressionado com a obra do Criador. Nas menores de suas criaturas Deus colocou propriedades extraordinárias..."

"Proclamo Jesus como filho de Deus em nome da ciência. Meu espírito científico, que dá grande valor à relação entre causa e efeito, compromete-me a reconhecer que, se ele não o fosse, eu não mais saberia quem ele é. Mas ele é o filho de Deus. Suas palavras são divinas, sua vida é divina, e foi dito com razão que existem equações morais assim como existem equações matemáticas." [1]




foto

James Clerk Maxwell (1831-1879), físico e matemático

"Juntamente com a Assembléia de Westminster e todos que a precederam eu creio que 'o fim principal do homem é glorificar a Deus e apreciá-lo para sempre.'" [7]




foto

John William Strutt, Lord Rayleigh (1842-1919), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1904

"Muitas pessoas excelentes temem a ciência como tendendo ao materialismo. Não é surpreendente que tal apreensão exista, pois, infelizmente, há escritores, falando em nome da ciência, que se fixaram a fomentá-la. É verdade que entre os homens de ciência, como em outros ramos, pontos de vista pouco refletidos podem ser encontrados a respeito das coisas mais profundas da natureza; mas que as crenças a que Newton, Faraday e Maxwell aderiram toda uma vida seriam incompatíveis com o hábito científico da mente é, sem dúvida, uma proposição que eu não preciso me delongar em refutar." [8]




foto

Ruy Barbosa de Oliveira (1849-1923), filólogo e cientista político

"Nunca senti pelas vilanias humanas mais enjoos e pela sorte de nossa terra mais desânimo. Felizmente a fé em Deus se me vai acendendo, à medida que se me apaga a confiança nos homens. No meio de tantos desconfortos e iniquidade tenho-me entregado estes dias exclusivamente à leitura do Evangelho, a eterna consolação dos malferidos nos grandes naufrágios." [9]

"Nem o ateísmo reflexivo dos filósofos, nem o inconsciente ateísmo dos indiferentes são compatíveis com as qualidades de ação, resistência e disciplina essenciais aos povos livres. Os descrentes, em geral, são fracos e pessimistas, resignados ou rebeldes, agitados ou agitadores. Mas ainda não basta crer: é preciso crer definida e ativamente em Deus, isto é, confessá-lo com firmeza, e praticá-lo com perseverança." [9]




foto

Max Planck (1858-1947), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1919

"... desde a infância a fé firme e inabalável no Todo Poderoso e Todo Bondoso tem profundas raízes em mim. Decerto Seus caminhos não são nossos caminhos; mas a confiança Nele nos ajuda a vencer as provações mais difíceis." [1]

"Religião e ciência natural combatem unidos numa batalha incessante contra o ceticismo e o dogmatismo, contra a descrença e a superstição. E a palavra de ordem nesta luta sempre foi e para todo sempre será: em direção a Deus!" [10]

"A prova mais imediata da compatibilidade entre religião e ciência natural, mesmo sob análise detalhada e crítica, é o fato histórico de que justamente os maiores cientistas de todos os tempos, homens como Kepler, Newton, Leibniz, estavam imbuídos de profunda religiosidade." [10]




foto

Roberto Landell de Moura (1861- 1928), teólogo, inventor, pioneiro do rádio

"Eu sempre vi nas minhas descobertas uma dádiva de Deus. E como, além disso, sempre trabalhei para o bem da humanidade, tentando provar, ao mesmo tempo, que a religião não é incompatível com a ciência, folgo em ver hoje realizado na prática utilitária, aquilo que foi meu sonho de muitos dias, muitos meses, muitos anos." [11]




foto

George Washington Carver (1864-1943), botânico, agrônomo

"Quando eu trabalhava em projetos que atendiam a uma real necessidade humana, forças trabalhavam através de mim que me surpreendiam. Frequentemente eu adormecia com um problema aparentemente insolúvel. Ao acordar, a resposta estava lá. Por que, então, devemos nós crentes em Cristo nos surpreender com aquilo que Deus pode fazer com um homem de boa vontade em um laboratório?" [12]




foto

Herbert George Wells (1866-1946), historiador e escritor

"Como historiador preciso admitir que este pobre pregador da Galileia inevitavelmente é o centro da história." [1]




foto

André Siegfried (1875-1959), educador e cientista político

"Nossa visão espiritual e não apenas puramente racional do homem..., nós a devemos à tradição judaica, que teve no Evangelho um desdobramento tão grandioso. Os profetas de Israel, aqueles brilhantes e devotos líderes do seu povo, plantaram no nosso espírito a sede de justiça que caracteriza socialmente o Ocidente." [1]




foto

Albert Einstein (1879-1955), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1921

"A todo cientista minucioso deve ser natural algum tipo de sentimento religioso, pois não consegue supor que as dependências extremamente sutis por ele vislumbradas tenham sido pensadas pela primeira vez por ele. No universo incompreensível revela-se uma razão ilimitada. A opinião corrente de que sou ateu baseia-se num grande engano. Quem julga deduzi-la de minhas teorias científicas, mal as compreendeu. Entendeu-me de forma equivocada e presta-me péssimo serviço..." [13]




foto

Friedrich Dessauer (1881-1963), físico, pai da engenharia biomédica

"No fundo o ideal do homem cristão é a superação heroica de tudo o que rebaixa..., naturalmente não apenas por força própria, que é insuficiente, mas com ajuda da graça (de Deus)." [14]




foto

Arthur Holly Compton (1892-1962), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1927

"Para mim, a fé começa com a constatação de que uma inteligência suprema chamou o universo à existência e criou o homem. Não me é difícil crer isso, pois é inegável que onde há um plano, há também inteligência - um universo ordenado e em desdobramento atesta a verdade da declaração mais poderosa que jamais foi proferida: 'No princípio Deus criou'." [15]




foto

Georges Lemaître (1894-1966), teólogo, engenheiro, físico, astrônomo, pai da teoria do “big-bang”

“Ele (o pesquisador cristão) sabe que coisa alguma em toda a criação foi feita sem Deus, mas ele sabe também que Deus em nenhum lugar assume o lugar de suas criaturas. Atividade divina onipresente em todos os lugares é essencialmente escondida. Jamais esteve em questão reduzir o Ser supremo ao posto de uma hipótese científica.” [24]

“Talvez os próprios teólogos tenham alguma responsabilidade no mal-entendido que coloca a ciência contra a fé. Quando uma aparência de conflito se origina entre um ponto tradicional de ensino religioso e uma nova hipótese que começa a estabelecer-se com base em fatos, eles mostram uma tendência cômoda demais de esperar até o último momento, quando a hipótese seria definitivamente provada. Eles teriam feito trabalho muito mais útil investigando cuidadosamente esses pontos da doutrina que parecem levar a conflitos... De qualquer forma, sua cortesia inteligente seria muito apreciada nos meios científicos, e constituiria uma apologética do melhor tipo.” [24]




foto

Arnold Joseph Toynbee (1889-1975), historiador

"E agora, quando olhamos para a outra margem, um único vulto ergue-se das águas e preenche todo o horizonte. É o Salvador - Deus encarnado no homem Jesus de Nazaré." [1]




foto

Werner Heisenberg (1901-1976), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1932

"O primeiro gole do copo das ciências naturais torna ateu; mas no fundo do copo Deus aguarda." [16]




foto

Walter Heinrich Heitler (1904-1981), físico, recebedor da Medalha Max Planck de 1968

"Natureza definitivamente não pode ser discutida de modo completo em termos científicos sem incluir também a indagação por Deus." [17]




foto

Nevill Mott (1905-1996), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1977

"Os milagres da história humana são aqueles em que Deus falou aos homens. O supremo milagre para os cristãos é a ressurreição. Alguma coisa aconteceu àqueles poucos homens que conheciam Jesus que os levou a acreditar que Jesus estava vivo, com tal intensidade e convicção que esta fé permanece a base da igreja cristã dois mil anos depois." [18]




foto

Carlos Chagas Filho (1910-2000), médico, membro da Acad. Bras. Ciências

"Estou procurando mostrar que não há incompatibilidade entre a verdade científica e a revelação: são duas coisas que tratam de espaços diferentes. Uma trata da realidade da vida, a outra trata do transcendental. E a Bíblia, que é um livro muito interessante de ser lido (principalmente Isaías), não procura ensinar à gente nada de ciência, e sim uma ordem moral. ... a Bíblia não quer ensinar como é que se fez o céu, mas quer ensinar como é que se vai ao céu. Trata-se de um preceito teológico muito importante, relativo à questão de graça: a pessoa acredita ou não. Agora, como eu respeito as pessoas que não creem, quero também que elas respeitem a sinceridade de minha fé." [19]




foto

Wernher von Braun (1912-1977), pioneiro da exploração espacial

"Minhas experiências com ciência conduziram-me a Deus. Desafiam a ciência a provar a existência de Deus. Mas precisamos realmente acender uma vela para ver o sol?" [20]




foto

Charles H. Townes (1915-2015), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1964

"Você pode perguntar: onde exatamente Deus entra em tudo isto? Talvez minha narrativa possa lhe dar algumas respostas, mas para mim a pergunta quase não faz sentido. Se você crê em Deus, não existe um 'onde' em particular. Ele sempre está presente... Para mim Deus é pessoal e também onipresente. Uma grande fonte de força, Ele fez uma enorme diferença para mim." [16]




foto

Arthur L. Schawlow (1921-1999), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1981

"... eu encontro uma necessidade por Deus no universo e em minha própria vida ... Somos afortunados em termos a Bíblia, e especialmente o Novo Testamento, que nos fala de Deus em termos humanos muito acessíveis, embora também nos deixe algumas coisas difíceis de entender." [18]




foto

Antony Hewish (1924-), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1974

"Eu creio em Deus. Não faz o menor sentido para mim supor que o universo e nossa existência são apenas um acidente cósmico, que a vida emergiu por processos aleatórios em um ambiente que apenas por acaso tinha as propriedades certas." [16]

"Como um cristão, começo a compreender o que é a vida através da fé num Criador... revelado por um homem nascido há cerca de 2000 anos." [16]




foto

John Polkinghorne (1930- ), físico, teólogo, ex-presidente do Queen's College, Cambridge

"Eu creio apaixonadamente na teoria quântica, mas tal crença não ameaça mudar minha vida de forma significativa. Não posso crer em Deus, no entanto, sem saber que devo ser obediente a Sua vontade para mim, à medida que ela se torna conhecida a mim. Deus não está aí apenas para satisfazer minha curiosidade intelectual, ele está aí para ser honrado e respeitado e amado como meu Criador e Salvador. Cuidado! Deixe-me fazer um aviso teológico de saúde, ou melhor, uma promessa: 'Ler a Bíblia pode mudar sua vida.'" [21]




foto

Arno Allan Penzias (1933- ), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1978

"Eu olho para Deus através das obras de suas mãos e estas obras implicam intenções. Destas intenções recebo uma impressão do Todo Poderoso." [16]




foto

Donald Ervin Knuth (1938- ), cientista da computação, ganhador do Prêmio Turing de 1974

"Algumas coisas estão além da racionalidade e da demonstração, e eu não acho que Deus quer que elas sejam analisáveis ou demonstráveis." [25]




foto

William Daniel Phillips (1948- ), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1997

"Muitos cientistas são também pessoas com uma fé religiosa bastante convencional. Eu, um físico, sou um exemplo. Creio em Deus como Criador e como Amigo. Isto é, creio que Deus é pessoal e interage conosco." [16]




foto

Francis Sellers Collins (1950- ), geneticista, ex-diretor do Projeto Genoma Humano

"Não tenho razão para ver uma discordância entre aquilo, que sei como cientista que passa o dia inteiro estudando o genoma humano, e aquilo, que creio como alguém que presta muita atenção ao que a Bíblia me ensinou sobre Deus e sobre Jesus Cristo. ... A noção de que você deve escolher entre um e outro é um mito terrível que tem sido proposto, e que muitas pessoas têm aceito sem real oportunidade de examinar a evidência." [22]


 

[1] Traduzido de J. Gutzwiller - Das Herz, etwas zu wagen, Friedrich Bahn Verlag: Neukirchen-Vluyn, 2000. ISBN 3761593031. Essa é uma coletânea de citações compilada por Jörg Gutzwiller, capelão do governo e parlamento suíço de 1979-1999.

[2] Traduzido da coletânea Letters of Euler on Different Subjects in Natural Philosophy, W. & C.Tait, Edinburgh, 1823.

[3] Tradução livre das últimas quatro linhas do poema Die Lücke des Glaubens, de Friedrich Rückert.

[4] Traduzido de citação em L. Charles - Michael Faraday: Father of Electronics, 1978, Herald Press, Scottsdale, PA.

[5] Traduzido de citação no documento Discurso no Colégio Anchieta, Fundação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 1981.

[6] Traduzido de citação em A. Lammont - "James Joule", Creation 15 (2): 47-50, março de 1993.

[7] Traduzido de citação em Ian Hutchinson, "James Clerk Maxwell and the Christian Proposition", 1998.

[8] A declaração de Lord Rayleigh consta da sua palestra na 54a reunião da British Association for the Advancement of Science, 1884, e foi traduzida de Kneller, K.A. - Christianity and the leaders of modern science, B. Herder, Freiburg im Breisgau, 1911.

[9] As frases de Ruy Barbosa constam do documento Discurso no Colégio Anchieta, Fundação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 1981.

[10] Traduzido de M. Planck - Vorträge und Erinnerungen, S. Hirzel Verlag, Stuttgart, 1949.

[11] As frases de Roberto Landell de Moura constam de entrevista concedida ao jornal Última Hora, Porto Alegre, em novembro de 1924.

[12] A citação de Carver foi obtida de William J. Federer, George Washington Carver - His Life & Faith in his Own Words, Amerisearch, 2002.

[13] Traduzido de H. Muschalek (Ed.) - Gottbekenntnisse moderner Naturforscher, quarta edição, Morus, Berlim, 1964.

[14] Traduzido de F. Dessauer - Erbe und Zukunft des Abendlandes, Francke, Tübingen, 1948.

[15] Tradução de uma frase que consta de um discurso de Compton de 1936, publicado no Chicago Daily News e citado em Gitt, W. - So steht's geschrieben, 7a edição, CLV, Bielefeld, 2008. ISBN 9783893979800.

[16] Heisenberg, Hewish, Townes, Penzias e Phillips tiveram citações traduzidas de T. Dimitrov - 50 Nobel laureates and other great scientists who believe in God. A declaração de Heisenberg consta também de Nobel Laureates pro Intelligent Design (ID) of the Universe and Life (revisão de 22.4.2007), uma coletânea disponibilizada por Wolf-Ekkehard Lönnig, cientista do Max Planck Institute for Plant Breeding Research, Alemanha.

[17] Traduzido de W.H. Heitler - Die Natur und das Göttliche, Klett und Balmer, Zug, 1974. ISBN 3720690016.

[18] Traduzido de H. Margenau; R.A. Varghese (Eds.) - Cosmos, bios, theos: scientists reflect on science, God, and the origins of the universe, life and homo sapiens, Open Court, Chicago, 1992. ISBN 0812691865.

[19] A citação de Carlos Chagas Filho é parte de entrevista concedida a Darcy F. de Almeida, publicada em julho/agosto de 1983 e disponível no CanalCiência, do IBICT.

[20] Traduzido de citação que consta de uma carta de von Braun ao California State Board of Education, em 1972.

[21] Traduzido de J. Polkinghorne - Searching for Truth, Crossroad, New York, 1996.

[22] Traduzido de B. Abernethy - "Bob Abernethy's interview with Dr. Francis Collins, director of the Human Genome Project at the National Institutes of Health", PBS Religion & Ethics Newsweekly, 2000.

[23] Traduzido de L. Campbell & W. Garnett - The Life of James Clerk Maxwell. MacMillan, Londres, 1882.

[24] As citações de Georges Lemaître foram traduzidas de J. R. Laracy, “The faith and reason of father George Lemaître,” onde foram incluídas conforme O. Godart & M. Heller, Cosmology of Lemaître, Pachart Publishing House, 1985.

[25] A citação de Donald Knuth foi traduzida de seu livro Things a computer scientist rarely talks about, CSLI Publications, 2001.

 

 Fonte: http://www.freewebs.com/kienitz/

 

 


 

 

Dossiê: Paradigma pós-religional – Artigo original

 

                                                 A EXPERIÊNCIA RELIGIOSA

 

A experiência religiosa pós-moderna e o fenômeno
da aceleração em comparação com as temporalidades
pré-moderna e moderna
Religious experience in post modernity and the phenomena of acceleration
in comparison with pre-modern and modern temporalities, Helmut Renders

Resumo
A modernidade tardia é caracterizada por processos da aceleração tecnológica, das mudanças sociais e do ritmo
de  vida.  Estas  transformações  das  estruturas  temporais  levam  não  somente  a  uma  reestruturação  da  vida
cotidiana  profissional  e  privada,  das  estruturas  econômicas  e  das  políticas  públicas,  mas,  também  da  vida  e
experiência religiosa. O artigo parte da compreensão de uma dinâmica interação entre a experiência religiosa e
seu  respectivo  contexto  temporal.  Para  isso  compara  tipos  de  experiência  religiosa  com  características  das
temporalidades da antiguidade, modernidade e modernidade tardia. Na antiguidade favoreciam -se experiências
religiosas capaz de lidar com a ordem imutável de todas as coisas, por exemplo, a ab negação. Na modernidade
popularizaram-se  metáforas  religiosas  processuais  que  ainda  abrangiam  todo  o  ciclo  da  vida  em  perspectiva
pessoal,  porém,  ainda  comunitária,  como  é  o  caso  da  categoria  “ordo  salutis”  ou  da  metáfora  “caminho  da
salvação”.  Já  ao  processo  da  aceleração  do  tempo  na  modernidade  tardia  parece  corresponder  a  ênfase  em
experiências instantâneas, e de plenitudes emocionalmente sentidas, como é o caso de experiências extáticas
em geral e do “batismo no Espírito Santo” em especial.
Palavras-chave: Experiência religiosa; pós-modernidade; temporalidade; aceleração do tempo;
mudanças sócias; ritmo de vida.
Abstract
Late  modernity  is  characterized  by  processes  of  technological  acceleration,  the  acceleration  of  social  changes
and the pace of life. These transformations of temporal structures lead not only to a restructuration of work and
private everyday life, economic structures and public policies, but also to religious experience. The article begins
with the  understanding of the  dynamic of interaction between religious  experiences and  its respective  temporal
contexts.  Different  kinds of  religious experience  are related to specific characters of  antique, modern and late
modern temporality. During Antiquity, religious experiences capable to handle the immutable order of all things,
for example,  self-denial was favored. In modernity,  processional religious metaphors  become popular, however
still  encompassing  life as a whole and still in a communitarian and   personal perspective,  as the creation of the
category  “ordo  salutis”  or  metaphor  "way  of  salvation".  In  turn,  the  process  of  acceleration  of  time  in  late
modernity  seems  to emphasis on  instant  experiences,  a kind of  emotionally  heartfelt  fullness,  as is the  case of
ecstatic experiences in general and the "baptism in the “Holy Spirit” in particular.
Keywords: religious experience; post modernity; temporality; acceleration time; social changes;
pace of life.
Artigo recebido em 02 de novembro de 2014 e aprovado em 20 de março de 2015.

Doutor  em  Ciência  da  Religião  e  Professor  da  Universidade  Metodista  de  São  Paulo.  País  de  origem:  Brasil.  E-mail:
helmut.renders@metodista.br
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   429
Introdução
Parte-se, às vezes, quanto à compreensão  da experiência religiosa, da ideia
de uma constante antropológica: a forma humana de experimentar o mundo e  a  si
mesmo  em  relação  a  ele,  basicamente  não  teria  mudado  entre  a  antiguidade  e  a
modernidade tardia. Outros já acham que isso pode ser até o caso, porém, nunca
saberemos,  porque  às  formas  passadas  das  experiências  religiosas  não  teríamos
mais um acesso direto: entre nós e o passado sempre estaria a hermenêutica. Neste
artigo partimos da compreensão do ser humano como um ser aberto que interage
com  as  mudanças  ambientais  e  sociais  através  de  uma  contínua  construção,
desconstrução e reconstrução da sua cultura e da sua forma de se relacionar com
ela, do seu estar no mundo. Pretendemos verificar, quanto ao aspecto religioso da
cultura, mais especificamente, da religiosa cristã, como o processo da aceleração do
tempo  (FLUSSER,  1962;  ATTALI,  1982;  ELIAS,  1998;  PELBART,  1998;  ROSA,
2005)  influencia  é  modifica  as  condições  da  experiência  religiosa  comunmente
ensinada e aceita como padrão (GLEICK, 1999; GARCIA, [s.d]; ROSA, 2013). Isso,
por  sua vez, baseia-se na hipótese que as transformações das estruturas temporais
do  cotidiano  resultam  em  reestruturações  da  vida,  inclusive  da  vida  religiosa,  do
processo  de  formação  da  identidade  e  subjetividade  religiosa,  da  relação  do  ser
humano com o mundo e da sua percepção do processo da história e da sua inserção
no mesmo.
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   430
1 Experiência religiosa na antiguidade e pré-modernidade: os sacramentos e a
transmissão da fé de geração a geração
“Andai com sabedoria para com os que estão de fora, remindo o tempo”.
(Colossenses 4.5, segunda a Bíblia Almeida, Revisada e Corrigida).
1.1  A temporalidade da antiguidade e época medieval
A  citação  de  Colossenses  4.5  mostra  a  necessidade  de  “ler  os  sinais  do
tempo” na igreja primitiva. De fato, representava esse discernimento temporal uma
revolta  contra  os  aspectos  sociais  da  temporalidade  dominante  da  sua  época,
reclamando  o  kairós  em  meio  de  um  éon  que  se  apresentáva  com  “eterno”  e
imutável. A temporalidade pré-moderna dominante partiu de uma cosmovisão que
entendeu o universo e as estruturas da vida, inclusive, da vida religiosa, dentro dos
ciclos  da  natureza,  como  estável  e,  assim,  previsível
1
.  A  compreensão  da
inalterabilidade  do  cosmo  nasce  de  uma  necessidade  existencial,  não  de  um
exercício racional. Nesta perspectiva, garante e promove a vida aquele que observa
as  regras  do  passado  e  aceita  o  presente  como  ele  é  (ROSA,  2013,  p.  20-22).
2
Possíveis  mudanças  vão  além  desta  imutável  realidade  e  são  literalmente
localizados  no  transcendente.  A  felicidade  é  a  capacidade  de  não  enfrentar  o  que
não pode ser modificado (escola filosófica do estoismo) e consequentemente são na
antiguidade os heróis ou parâmetros da fé,  os[as] mártires,  e na época,  medieval,
os[as] místicos[as]. Os[As] mártires testemunham a fé e sofrem as consequências
no embate entre instituições que se entendem como eternas e os adeptos da nova
crença  como  ateus.  Os[As]  místicos[as]  entram  em  cena  quando  em  outra  época
agora a própria instituição da igreja, passa por uma profunda crise e com ela a ideia
da igreja como sacramento. Isso ocorre na transição da Antiguidade para a época
Medieval,  da  época  Medieval  para  a  Modernidade  e  da  Modernidade  para  a
Modernidade tardia, porém sempre sobre condições distintas.
1
Isso deve ser o caso em grande parte também para as cosmologias da América Latina (cf. CARRASCO, 2014). Para o mundo ocidenta l
veja Thomas Kuhn (1957, 2000), os primeiros três capítulos ou Adam Frank (2012).
2
Nesta perspectiva o herético sempre é quem perturba ou desafia a ordem estabelecida.  
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   431
Em  um  cosmo  imutável  Deus  também  é  preferencialmente  considerado
inalterável.  O  movedor  imóvel  da  filosofia  grega  corresponde  a  esta  cosmovisão.
3
Nestas  circunstancias  pode  se  enfatizar  nas  religiões  a  obediência  aos  cultos  que
garantem a sagrada ordem da vida, ou a fé na sagrada ordem da vida que ainda  se
espera  no  porvir,  também  descrito  como  eternidade  que  articula  um  tempo  ideal
fora do tempo, porém, sem fim. A variável, nesta época  de um planeta ainda não
superlotada,  é  o  espaço.  Consequentemente,  descreve-se  libertação  de
circunstâncias imutáveis como migração: o recomeço passa pelo espaço alternativo,
na terra ou no céu, não pela alteração das ordens estabelecidas.
1.2  Características da experiência religiosa na antiguidade e época medieval
Para  relacionar  a  respectiva  temporalidade  com  a  experiência  religiosa
precisamos  favorecer  as  expressões  que  se  dirigem  à  grande  maioria  de  pessoas,
que  se  comunicam  a  esta  maioria  e  que  são  praticadas  por  ela.  Com  isso  não
valorizamos  em  seguida  experiências  religiosas  consideradas  extraordinárias,
reservadas  a  um  grupo  menor,  eventualmente  até  consideradas  experiências  que
revelam  supostamente  mais  intimidade  com  Deus,  ou  intensidade  da  fé,  como  a
experiência  mística,  reservada  a  poucos  santos,  normalmente  monges.  Estas
experiências, porém, sendo elas consideradas inatingíveis pela grande maioria das
pessoas  de  uma  época,  e  de  um  povo,  no  mesmo  momento  que  elas  certamente
também  não  escapam  da  respectiva  temporalidade,  também  não  a  representam
amplamente.
4
A  mais  importante  forma  de  mediação  ou  provocação  de  experiência
religiosa  na  época  medieval  são  os  sacramentos  e,  dentre  eles,  na  celebração
dominical,  a  eucaristia.  O  foco  está   na   “...  união   vital  do   cristão  com  Cristo
3
Nos textos bíblicos, a descrição do Deus criador aproxima-se mais a este conceito. Tudo indica, porém, que esta ênfase na divindade
não é a mais antiga. Pelo contrário, o testemunho do Deus que liberta da casa da servidão a antecede.
4
Isso vale para o ideal medieval da união mística, propagada também pela reforma católica durante a época da modernidade.
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   432
mediador na Igreja, [...] graça aos sacramentos” (GILBERT, 1999, p.  100). Ela está
no  centro  do  culto  e  representa  a  presença  substancial  do  divino  na  vida  dos
crentes. Desde a missa de Gregório,  que reafirma esta ênfase no nono século e que
marca a espiritualidade medieval, a mediação sacramental era considerada o único,
mas  também  o  caminho  suficiente  para  conhecer  a  Deus  e  se  manter  na  sua
presença.  Esta  lógica  sacramental,  esta  capacidade  de  “mentalizar  o  sacro”  ou  o
sagrado,  pela  contemplação,  junto  a  elementos  básicos  da  vida,  que  assim  não
deixam de ser outra coisa do que substâncias, esta habilidade de entender  a  Cristo,
relacionado de forma inseparável junto as coisas e, assim, juntando  as vidas, marca
a  época.  Ela  é  tão  importante  e  evidente  que  até  boa  parte  das  experiências
extáticas  e  extraordinárias  da  união  mística  acabam  sendo  vinculadas  com  a
contemplação de elementos da Santa Ceia, transformada em devoção.
5
Em termos
temporais,  a  transmissão  sacramental  da  fé  foca  na  articulação  da  experiência
religiosa  das  gerações  anteriores,  de  geração  em  geração.  Isso  explica  também  a
compreensão  da  própria  igreja  como  sacramento:  instituições  tem  em  primeiro
lugar  a  tarefa,  depois  das  fases  carismáticas  das  origens,  de  garantir  a  fiel
transmissão  de  geração  em  geração.  Elas  entram  em  crise  quando  as  mudanças
ocorrem  com  uma  velocidade  que  atinge  a  alteração  das  gerações  ou,  como  hoje,
quando as transformações nem esperam mais a sucessão de uma nova geração. No
momento  que  cada  geração  precisa  se  reencontrar  no  mundo,  cada  dia  mais
diferente ou distante do mundo das gerações anteriores, instituições acabam sendo
obsoletas quanto à sua função clássica da transmissão da tradição.
6
5
A devoção do Sagrado Soração ou a forma mais europeia a São Benedito, o Benedito com o menino Jesus em um pano – em distinção,
por exemplo, do Benedito do Rosário dos[as] escravos[as] –, ou ensinam a contemplar os elementos da eucaristia ou são memórias do
seu impacto nas biografias dos respectivos santos.
6
As transições da Antiguidade para  a Época Medieval e da Época Medieval para a Modernidade mostram também que,  depois de um
tempo  de  desconstrução  de  instituições,  elas  resurgem,  eventualmente,  em  um  novo  formato  (o  que  significa  “igreja  sempre
reformanda” senão uma tentativa de adaptação à nova temporalidade, com sua exigência de mudanças contínuas?).
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   433
2 Experiência religiosa na temporalidade da modernidade: conversão e caminho
da salvação como ênfase na apropriação e desenvolvimento pessoal da fé
“Até  agora  houve  aparentemente  duas  grandes  formas  ou  sistemas
culturais  em  busca  de  garantir  a  responsividade  do  mundo:  as  religiões
que  permitem  um  ou  mais  Deuses  “lá  fora”,  e  a  arte  –  poesia  e
especialmente  a  música  –,  que,  segundo  a  imaginação  dos  românticos,
acorda o mundo para responder com uma canção” (ROSA, 2013, p 147).
A  forma  como  o  ser  humano  se  experimenta  no  mundo  mudou  com  a
modernidade de forma profunda. A noção da responsividade, de fazer parte de um
universo bem estruturado, com intencionalidade, etc. deu,  passo a passo,  espaço a
noção de um mundo “calado, frio, desinteressado e até repugnante” (ROSA, 2013,
p. 146) e de um ser humano desencantado com Deus, com este mundo e consigo,
alienado de si e do mundo. Mais uma vez, conjugaram-se uma nova cosmovisão e a
temporalidade,  com profundo impacto na forma de experimentar religiosamente a
vida.
2.1  A temporalidade da modernidade
A  temporalidade  moderna  é  acompanhada  pela  revolução  copernicana
(KUHN, 1957, 2009; KOYRÉ, 1973), a reorientação da c osmovisão do geocentrismo
para o heliocentrismo.
7
Apesar de representar uma perspectiva radicalmente nova
para a época
8
, entendemos hoje que na época o universo ainda   visto  segundo uma
lógica mecânica que partiu do modelo do relógio
9
. A sensação era de uma  novidade
radical,  porém,  ainda  calculável.  Mesmo  que  no  modelo  heliocêntrico  a  terra  se
movia, o sol era ainda o centro do universo e a terra,  relacionada com este centro,
tinha  forma firme. Em outras palavras, o  cosmo  era ainda visto como basicamente
estável, um cenário que favoreceu a pesquisa em busca da compreensão dessa nova
7
A primeira  previsão  exata das posições dos planetas era, porém, do astrônomo alemão Johannes Kepler (1571-1630), evidenciado,
depois pelo astrônomo italiano Galileo Galilei (1564 - 1642).
8
A ideia, porém, já tinha sido desenvolvida pela primeira vez por Aristarco de Samos (310 - 230 a.C.).
9
A  metáfora  é  atribuída  a  Isaac  Newton,  porém,  ela  já  é  usada  no  século  12  (cf.  FRANK,  2012).  Sem  dúvida  nenhuma  porém,  se
apropriou dela depois o deismo.
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   434
situação  e  do  seu  controle.  Esta  novidade  acabou  se  estendendo  à  compreensão
temporal.
Mudou-se  a  perspectiva.  Se  a  ênfase  temporal  da  pré-modernidade  foi  o
passado, a temporalidade moderna se concentra no futuro (ROSA, 2013, p. 22-24).
Isso articula, em primeiro lugar, uma insatisfação com o passado e o presente, e em
segundo  lugar,  indica  o  caminho  para  a  sua  superação.  Isso  vale  também  para  o
mundo  religioso  como  sistema  de  ver  e  se  colocar  neste  mundo.  Surge  a
necessidade  de  encontrar  novas  certezas,  entre  elas,  a  “certeza  da  fé”.  Neste
horizonte  utópico,  a  promessa  não  é  mais  meramente  celestial,  mas  também
terrestre,  no  inicio  menos,  ao  longo  dos  séculos  mais  e  mais ,  inclusive  até
finalmente prometer ou visualizar  –  já nas suas releituras seculares  –  o paraíso ou
o reino de mil anos na terra.
Agora,  tanto  o  tempo  como  o  espaço  são  mutáveis.  Apesar  de  que  se
projetem ainda novos mundos em lugares de migração, por exemplo, nas colônias,
começa-se  agora  imaginar  que  o  espaço  também  pode  ser  modificado.  Reforma,
transformação  e,  finalmente,  revolução  descrevem  agora  a  relação  com  o  espaço
terrestre  e  a  sociedade  humana,  onde  agora  se  pretende  “antecipar”  o  tempo  do
porvir.  Deus  é  nestas  circunstâncias  visto  de  formas  muito  alternativas:  os
governantes  e  as  suas  instituições  reclamam-no  para  si  e,  de  grau  crescente,
também as classes subalternas. Às vezes, apresenta-se como cobrador dos pobres e
fiador dos ricos, às vezes como promot or de amor, justiça e misericórdia.
2.2  A experiência religiosa na modernidade
Transparece na vida religiosa, mais fortemente então, a ideia de construção e
colaboração entre Deus e o ser humano, como possibilidade e dever. Discute-se na
religião agora não somente o perigo da profanização, mas, também do fanatismo. A
profanização  –  as  atitudes  que  não  cabem  no  templo  (fanis)  –  é  criticada  por
àqueles  que  pensam  o  mundo  em  uma  perspectiva  teocêntrica;  o  fanatismo  –  as
atitudes extremas daqueles que pertencem ao templo  –  é criticado por àqueles que
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   435
pensam  o  mundo  em  uma  perspectiva  mais  antropocêntrica.  Como  na  vida
particular,  o  ser  humano  como  individuo  precisa  agora  construir  o  seu  caminho
religioso.  A  possibilidade  da  escolha  e  a  ênfase  na  liberdade  da  f é  fazem  da
conversão  condição  e  início  da  vida  cristã,  como  confirmam  o  Catecismo  de
Heidelberg (1563, perguntas 86 e 87) e a Formula de Concórdia (1577), mesmo que
insistam que essa responsabilidade é baseada na experiência da graça de Deus.
A  razão  para  essa  grande  mudança  está  novamente  relacionada  com  as
mudanças  temporais.  A  partir  da  modernidade  muda  o  mundo  com  uma  nova
velocidade. Cada geração precisa  se encontrar em um mundo diferente do mundo
dos seus antecessores. Pessoas escolhem agora as suas profissões, seus parceiros de
vida,  sua  religião.  Nesta  perspectiva,  há  muitos  “novos  começos”.
Consequentemente,  qualquer  tipo  de  plenitude  é  vista  como  resultado  de  um
processo  que  abrange  uma  “vida  toda”  e  “toda  a  vida”.  Não  se  podem  favorecer
experiências pessoais únicas, mas etapas correlacionadas,  que em conjunto visam
para frente. A conceituação desse processo e das suas etapas em termos religiosos
ocorreu  consequentemente  no  século  18.  Refere-se  ao  ordo  salutis  na  teologia
luterana  ou  ao  caminho  da  salvação  na  teologia  arminiana.  Sintetiza-se  um
processo  que inicia  com  o batismo infantil  e  vai  até  o  fim  da  vida.  Espera-se  não
somente perseverança  –  para justificar a entrada na eternidade ou  no tempo pleno
e melhor –, mas santidade, perfeição, como sinais de maturidade. Trata-se também
de uma articulação teológica onde se procura valorizar o aspecto humano  ao lado
do aspecto divino, que resultou no debate sobre sinergismo e o papel da graça e das
obras na vida cristã. A experiência religiosa nem é mais  marcada pela era recepção,
contemplação ou devoção, nem pela mera construção. A discussão dessa mudança,
porém, causa rupturas e longas discussões.
10
10
Na teologia calvinista há a tensão entre a dupla predestinação, que representa um tipo de hiperteocentrismo, e a teologia do batismo
e da santa ceia de Zwínglio, e sua abordagem radicalmente humanista. Lembra a discussão sobre sinergismo entre teologia luterana,
calvinista e arminiana, e a discussão sobre a justificação imputada e compartilhada..
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   436
3 Experiência religiosa na pós-modernidade: o desejo da plenitude imediata e
instantânea em um mundo momentâneo e líquido
“Por  falta  de  tranquilidade,  nossa  civilização  se  transforma  numa  nova
barbárie.  Em  nenhum  outro  tempo  os  ativos,  isto  é,  os  intranqüilos,
valeram tanto.”
11
Friedrich Nietsche (1988, p. 232 [aforismo 285]).
3.1  A temporalidade da modernidade tardia
A temporalidade pós-moderna coincide novamente com uma modificação da
cosmovisão.  A  descoberta  que  o  sol  não  é  o  centro  da  nossa  galáxia  (1918),  e
também não  o é  do universo
12
, a existência de outras galáxias (1920)
13
,  e as teorias
sobre a  expansão do universo (1927),  radicalizaram a sensação de estar no  cosmo
do  ser  humano.
14
Ser  parte  de  um  cosmo  composto  por  cerca  de  100  bilhões  de
galáxias,  em  movimento,  em  aceleração,  desafiou  ainda  mais  a  ideia  da
humanidade como coroa da criação e objetivo principal da criação do universo.
Se a ênfase temporal da pré-modernidade foi o passado, e da temporalidade
moderna  o  futuro,  a  pós-modernidade  se  caracteriza  pela  ênfase  no  presente
(ROSA,  2013,  p.  24-26).  Isso  resulta  em  uma  perda  dupla:  por  um  lado,  das
tradições, por outro lado, das utopias. A aceleração de todas as coisas confronta o
ser humano com a experiência do rápido vencimento da validade de conhecimento
tecnológico,  da  sabedoria  cultural  e  da  validade  social  de  comportamentos  e
atitudes comunitários. Com a perda de tradições perde-se também, ou no mínimo,
enfraquece-se,  a  noção  de  descendência  e  da  permanência  a  algo.  Já  a  perda  das
utopias  é  efeito  colateral  da  ênfase  na  inovação.  Uma  inovação  é  a  estranha
combinação  de,  por  um  lado,  o  anúncio  do  alcance  de  algo  supostamente  nunca
11
A tradução é de José Carlos Bruni (2002, p. 34).
12
Pelo astrônomo americano Harlow Shapley (1885-1972).
13
Pelo astrônomo americano Edwin Powell Hubble (1889-1953).
14
Os  diversos  modelos  atuais  a  respeito  do  fim  do  universo  no  big  crunch  (retraição),  big  freeze  (expansão  não  invertida  leva  ao
congelamento) ou big rip  (grande ruptura) também não contribuem para a ideia de um significado cósmico da humanidade e da vida
terrestre. O título  Relativistic Cosmology de George F. R Ellis, MAARTENS,  Roy Maartens e Malcolm A. H. MacCallum. de 2012 indica o
recolocamento do ser humano.
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   437
visto,  e, por outro lado, de algo com uma provável data de validade.
15
A inovação é
uma  utopia  realizada  e  superada  num  prazo  relativamente  curto.  Não  por  acaso
migra a inovação mais e mais para o campo da estética, sendo a estética muito mais
apta de acompanhar ciclos acelerados de novidades,  de seis em seis meses, como é
o  caso  da  moda,  do  desenho  e  do  visual.  No  nível  existencial,  articula-se  esse
fenômeno duplo pela reclamação em conjunto que o mundo pós -moderno  seria um
mundo sem valores e sem utopias.
A relação modificada com o passado e futuro muda também a relação com o
espaço. Com a aceleração do tempo  diminui o presente,  no sentido  de um tempo
onde o passado já não prevalece mais e o futuro ainda não vale  (Agostinho). Este
encurtamento  do  tempo  presente  é  também  acompanhado  por  uma  relativização
do  espaço.  Em  consequência,  Deus  eterno  perde  o  seu  “espaço”  no  mundo  pósmoderno, o Deus imutável, ou  ainda  o Deus das longas narrativas das instituições
religiosas.  Isso  ocorreu  nos  últimos  duzentos  anos.  Já  na  atual  fase  dessa
aceleração,  que  nós  experimentamos  como  fragmentação  das  nossas  vidas
particulares, o próprio ser humano perde mais e mais espaço no mundo. Ele se não
sente mais em casa neste mundo, no mínimo, sente-se incomodado nessa forma de
civilização,  uma  civilização  onde  os  processos  da  aceleração  acabam-se
desvinculando dos seus ciclos da vida.
3.2  A experiência religiosa na modernidade tardia
Mais  uma  vez  observamos  tendências  mais  amplas,  tendências  de  “moda”,
caminhos que atraem um número significativo de pessoas e que também apelam a
um número ainda maior de pessoas. Os diversos aspectos da nova temporalidade
criam ambientes mais densos. A aceleração tecnológica, por exemplo, possibilitou
uma comunicação em nível global, quase na hora do acontecimento. Esperamos, na
15
A aceleração dos ciclos da inovação faz que ela se reduz já cada dia a meras inovações estéticas. Assim mostra Reckwitz (2012) que
identifica na relação entre criatividade e estética uma das mais importantes aspectos das sociedades pós -modernas. Criatividade é uma
categoria paralela a categoria da inovação.
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   438
década 70,  o tempo necessário para o envio de uma carta e a recepção da resposta
em  até  uma  semana.  Respondemos  hoje  e-mails  no  mesmo  dia  ou  até  na  mesma
hora.  Pior:  quem  não  responde  com  esta  velocidade  é  considerado  esquecido,
desinteressado  ou,  no  mínimo,  deselegante,  ou,  em  outras  palavras,  uma  pessoa
que não está à altura dos acontecimentos (em aceleração). Na vida pessoal criou-se
então a ideia da satisfação    quase instantânea de  seus desejos, ideia    promovida e
explorada  pelo  mundo  de  consumo.  E  como  o  desejo  natural  aparentemente  não
basta,  cria-se  se  permanentemente  desejos  novos  e  específicos  a  serem
imediatamente  “respondidos”  por  um  produto.  Isso  conquistou  também  o campo
da religião e da experiência religiosa.
Na  modernidade,  a  satisfação  do  desejo  religioso  era  ainda  vista  como
resultado  de  um  caminhar  longo,  com  a  expectativa  de  se  aproximar  à  perfeição
somente  no  final  da  sua  vida.  Na  pós-modernidade,  mudou-se  a  ênfase  na
experiência religiosa da plenitude, não só para o início da caminhada religiosa, mas
para  uma  nova  densidade,  com  uma  abrangência  nunca  antes  vista.  Isso  explica,
por  sua vez,  a proximidade estrutural e a diferença social entre a ênfase medieval
na união  mística e a ênfase na modernidade tardia no batismo no Espírito Santo,
como experiências altamente prestigiadas. Ambas as ênfases do encontro com Deus
no interior do ser humano  –  ou de Deus  –  ocorrem em um momento de transição
de épocas  nas  quais as instituições –  que normalmente cuidam da transferência de
experiências  antigas  para  as  próximas  gerações  –  geralmente  não  são  mais
preferencialmente procuradas em busca de respostas às perguntas essenciais. Pelo
contrário,  fala-se  da  ampla  crise  de  todas  as  instituições  que  compuseram  a
sociedade  moderna.  A  diferença  entre  a  experiência  mística  medieval  e  pósmoderna esta na inversão temporal: na época medieval esperava-se a união mística
no  final  de  um  longo  caminho  de  esvaziamento,  seguida  pela  iluminação;  na
modernidade tardia a experiência do batismo pelo Espírito Santo é esperada logo
depois do início  da iniciação  na fé cristã, confissão e batismo. É uma experiência
esperada já no presente. Consequentemente, sofre uma universalização. Perde-se a
ideia do extraordinário e alega-se agora a sua acessibilidade  por cada pessoa, o que
se  desdobra depois na  afirmação do  dever de passar por essa experiência religiosa.
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   439
Não  ter  esta  experiência  significa  literalmente  perder  tempo  por  não  poder
avançar, sinônimo de estagnação e  de  ficar atrás, se desvincular do ritmo da vida
religiosa  pós-moderna.  Mais  corretamente  seria  dizer  que  isso  significa  se
desvincular  do  ritmo  da    temporalidade    pós-moderna  e,  por  sua    vez,  ter  como
característica  se  desvicular  dela  mesma  e  do  ritmo  da  vida.  Alega  Hartmut  Rosa
que  a  aceleração social (2013, p. 15-20),  como aceleração, técnica (p. 2013, p. 20-21), a mudança social (2013, p. 22-26) e do tempo de vida (2013, p. 26-33), criaram
um círculo de aceleração  na  “qual as três categorias acima chamadas [...] tenham
formado  um  sistema  de  feedback  autofortalecente  que  a  si  mesmo  se  lançava,  de
forma ininterrupta” (2013, p. 42). Entretanto, “as normas temporais se distinguem
em um ponto fundamental das normas morais, políticas e religiosas em vigor em
outras  culturas  e  outros  tempos”  (2013,  p  111):  elas  são  vistas  como  naturais  –  o
tempo pertence ao ciclo da natureza e do  cosmo, ou seja, o indivíduo se submete ao
seu regime, sem noção que é resultado de trabalho cultural.
4  Excurso: A sobreposição das temporalidades e da busca da experiência
religiosa no cotidiano
Não devemos ignorar outro aspecto da modernidade tardia, o do paralelismo
de  discursos  alternativos,  agora  não  mais  como  discursos  únicos  e  dominantes  –
mesmo  que  isso  ainda  se  defenda   no  campo  religioso por um ou outro dos seus
representantes.  Somos  ainda  acostumados  a  representar  essas  diferenças
conceitual,  doutrinária  ou  confessionalmente,  enquanto  novos  movimentos  e
grupos  religiosos  já  integram  esta  multiplicidade  paralela  –  inclusive  de
temporalidades  –  em  suas  vivências  e  propostas  religiosas,  de  forma  muito
dinâmica e eclética.
Observamos, por exemplo, uma releitura da mediação sacramental, porém,
com  novos  focos  e  não,  necessariamente,  como  retorno  para  a  reafirmação  nova
dos sacramentos  mais  clássicos,  como  o  Batismo  e  a  Santa  Ceia,  como  lugares
para  experiências  religiosas  constitutivas.  Enquanto  leituras  teocêntricas  e,  por
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   440
causa  disso,  sacramentais  do  batismo,  preferencialmente  de  crianças,  e  da  ceia,
como  mediação  da  presença  real  do  Cristo  em  substância  ou  no  mínimo
consubstancial,  aparentemente  se  comunicam    menos    em  nossa    temporalidade
acelerada pós-moderna, mesmo assim surgem novas dinâmicas sacramentais.
Em  casos  como  da  Igreja  Universal  do  Reino  de  Deus,  essa  dinâmica  se
reflete  numa  contínua  produção  de  novos  artefatos  e  ritos  com  funções
supostamente sacramentais, como a fogueira santa, o saquinho  da trindade, a rosa
abençoada,  ou  a  sessão  do  descarrego  etc.,  etc.  Facilmente  podemos  interpretar
essa  produção  como  a  busca  de  atender  pessoas  que  vivem  na  temporalidade
“medieval”  e  consequentemente  procuram  instituições-sacramentos  e  seus
“sacramentos” para ter acesso ao sagrado. Neste sentido,  é o templo de Salomão da
IURD significante para o projeto da igreja, por ser diferente das outras igrejas e por
simbolizar o lado institucional do sagrado. Sendo uma igreja nova, ela precisa ter
novos  meios  da  graça  que  a  distingue  das  demais  igrejas,  sem,  porém,  poder
escapar dos seus aspectos formais: um sacramento requer uma teologia teocêntrica
com uma clara distinção entre o sagrado,  e não somente o profano, mas  também  o
sagrado e o demoníaco. Parte dessa dependência de formas religiosas estabelecidas
é  também  a  durabilidade  da  sessão  de  descarrego.  Esta  prática  ritualista  e
sacramental  é  uma  citação  de  uma  prática  de  outra  religião,  a  releitura  dessa
prática    e  sua   integração    e  ressignificação dentro    de  um   sistema  cristão,  que   é
favorecida  pela  tradição  já  constituída.  Porém,  dentro  da  perspectiva  da
temporalidade,  esse  fenômeno  somente  se  reproduz  enquanto  as  pessoas  vivem
existencialmente  na  respectiva  temporalidade.  O  templo  de  Salomão  é  uma
tentativa  de  materializar  simbolicamente  a  durabilidade  da  instituição  IURD
sugerindo “raízes” que vão até além do cristianismo.
Da  mesma  forma  explica-se  o  aparecimento  de  garrafinhas  com  óleo  nos
“altares” de igrejas protestantes. Por um lado, isso ocorre no momento paralelo da
desconstrução  dos  sacramentos  clássicos  do  batismo  e  da  Santa  Ceia.  Em termos
temporais, representam a rejeição do batismo de criança e a ênfase na celebração
da  Ceia  como  mero  memorial,  a  perspectiva  antropocêntrica  da  temporalidade
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   441
moderna  com  sua  ênfase  na  escolha  e  na  necessidade  de  construção.  Por  outro
lado, a  garrafinha com    óleo    assumiu    um    lugar    de    destaque,    inclusive    junto    a
uma resignificação da mesa  do senhor ou da mesa  de comunhão como “altar”. Esta
popular  ressignificação  transforma  um  lugar  da  interação  divino-humano  em  um
espaço  da  mera  ação  divina.  Em  outras  palavras,  abraça  a  temporalidade  prémoderna.  A  sacralidade  do  objeto  “garafinha  de  óleo”  se  revela  no  momento  que
alguém quer usar o mesmo sem autorização “sacerdotal” e, por exemplo, quer tirá lo  do  “altar”.  Isso  é  negado,  por  que  fora  desse  lugar  o  sacramento  perde  seu
significado,  por ser desvirtuado do espaço que representa o acesso ao  divino. Em
termos temporais, porém, representa o retorno  de um conceito chave medieval  –
altar  –  e de uma representação substancial  do sagrado  –  o  óleo  –  uma ênfase na
temporalidade  pré-moderna,  que  se  sustenta  religiosamente  por  formas  mais
materiais e institucionais. Não é incomum que encontremos em comunidades que,
por  um  lado  enfatizam  a  fala  em  línguas  estranhas,  ou  o  batismo  no  espírito,  ou
seja, experiências estáticas,  ao  mesmo tempo  tenham  a garrafinha com o  óleo  no
“altar”.
Considerações finais
No Brasil, convivem cosmovisões pré-modernas, modernas e pós-moderna,
e no campo religioso parecem, às vezes, posicionamentos pós-modernos,  como um
retorno  para  posicionamentos  pré-modernos.
16
Todas  estas  formas  de  “estar  no
mundo”  convergem  com  formas  de  experientar  o  mundo  e  a  vida,  inclusive  de
forma  religiosa.  Dentro  disso,  não  se  nega  certa  tendência  da  religiosidade  cristã
pós-moderna  de  rejeitar  a  religiosidade  moderna  e  dialogar  com  cosmovisões
medievais,  eventualmente,  não  muito  diferente  do  projeto  da  renascença  de  se
inspirar  na  antiguidade  e  declarar  a  época  medieval  com  escura  e  retrocedida.
16
No cotidiano brasileiro relacionam-se diferentes atitudes diante do tempo com descrições regionais: o[a] paulistano[a] como mestre
da aceleração, nunca parada, porém sempre estressado, não perdendo tempo, mas, eventualmente a vida; o[a] baiano como mestre da
desaceleração,  bem  com  a  vida,  porém,  meio  parado  no  tempo  e  espaço.  Independente  do  caráter  pré-conceituoso  desse  tipo  de
afirmações generalistas, chama a atenção como a atitude do ser humana diante do tempo é considerado significante na tentativa  de
descrever pessoas na sua essência cultura.
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   442
Entretanto,  na  perspectiva  da  distinção  das  temporalidades  pré-modernas,
modernas e pós-modernas e da aceleração do tempo como fenômeno dinamizante,
abre-se também uma perspectiva que não identifica um mero retorno, mas ênfases
que  reciclam  elementos  antigos  em  formas  e  conteúdos  novos,  que  somente
pontualmente tem a ver com o passado medieval ou da reforma católica.
Chamamos a atenção que em geral os resultados dos processos de aceleração
do tempo são considerados algo natural:
As  normas  temporais  se  distinguem  em  um  ponto  crucial  das  normas
morais,  políticas  e  religiosas  de  outros  tempos  ou  culturas:  mesmo  que
sejam  sem  dúvida  nenhuma  também  socialmente  construídas,  elas  não
são  vestidas  por  um  etos.  [...]  Elas  funcionam  como  fatos  puros,  leis  da
natureza, inquestionáveis e indiscutíveis (ROSA, 2013, p. 111).
Nesta perspectiva eles pertenciam a nossa vida moderna e pós-moderna e se
deve  aprender  a  lidar  como  eles  e,  em  ultima  instância,  se  submeter  a  eles.  As
sensações de uma esmagadora presença das formas contemporâneas da mediação
religiosa,  às  quais  se  deve  obedecer  para  não  parecer  ou  desaparecer  como
instituição  ou  movimento  religioso,  têm  no  mínimo  parcialmente  a  sua  razão  na
aceitação  irrefletida  da  temporalidade  da  modernidade  tardia  como  natural  ou
imutável.
17
À  forte  tendência  da  nossa  cultura  de  materialização,  estetização  e
mercantilização  do  ser  humano,  responde-se  com  um  fortíssimo  acento  na
propagação  da  divinização  ou  da  transformação  e  santificação  instantânea  do
mesmo. Isso produz um novo tipo de alienação, o suposto  super homem  religioso
que  acredito  pular  “nas”  e  “através”  das  suas  experiências  religiosas  intensas,  as
instâncias e os processos da vida e da vida religiosa comum. Podemos interpretar
esta busca de experiências intensas e a crença na sua necessidade absoluta como a
busca  de  repostas  às  demandas  da  aceleração  do  tempo.  A  tragédia  anunciada  é,
17
Segundo a nossa percepção, isso  leva a  uma reavaliação das teses de Bittencourt Filho (2003). O atual sucesso da religião misticista
não  está  no  seu  formato  ou  na  sua  ênfase,  mas  na  sua  não  proximidade  à  temporalidade  contemporânea,  considerada  natural.  A
sensação e a propagação, do inevitável sucesso dessa religiosidade, andam de carona com a suposta irreversível dinâmica dos “tempos
modernos”, a aceleração. Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   443
porém,  que  os  processos  de  amadurecimento  e  do  discernimento  dependem  de
desenvolvimento de laços afetivos e não do mero acumulo de emoções vivenciadas.
Mudou então a experiência humana? Certamente mudaram as condições da
experimentação  humana  e,  com  elas,  as  formas  humanas  de  responder  a  elas.
Talvez  seja  exagerado  dizer  que  hoje  em  dia  o  ser  humano  experimenta  Deus
totalmente  diferente  do  que  2000  ou  500  anos  atrás.  No  mínimo,  parecem  as
formas  paralelas  indicar  processos  mais  demorados  que  não  se  resumem
simplesmente em um modelo de substituição radical.
Por outro lado, a aceleração do tempo levou o ser humano a uma reavaliação
das  preferências.  As  mais  antigas  formas  aparentemente  não  se  comunicam  mais
com tanta força. Novas formas caeem  no gosto do povo, entre elas, a aceleração da
experiência  religiosa.  Porém,  até  aqueles  considerados  “sucessos  pós -modernos”,
enquanto  instituições  –  de  certo  modo,  em  perspectiva  pós-moderna,  um
anacronismo em si –, como algumas das igrejas neo-pentecostais, recorrem em seu
simbolismo  religioso  aos  exemplos  antigos,  culturalmente  estabelecidos,  como  a
lógica sacramental. Esta e outras observações fazem nos a concluir que a aceleração
do  tempo  é  somente  um  fator  determinante  na  forma  como  seres  humanos
experimentam o sagrado, porém, um fator até agora subestimado.

 

REFERÊNCIAS

ATTALI, Jacques. Histoires du temps. Paris: Fayard, 1982.
AUGÉ, M. Não lugares: introdução a uma antropologia da super modernidade.
Campinas, SP: Papirus, 1994.
BITTENCOURT FILHO, José. Matriz religiosa brasileira: religiosidade e mudança
social. Petrópolis / Rio de Janeiro: Vozes / Koinonia, 2003. 260 p.
BRUNI, José Carlos. “O tempo da cultura em Nietzsche”. Ciência e Cultura, São Paulo,
v. 54, n. 2, p. 31-35, out. 2002.
Dossiê: Parad. pós-religional - Art: A exp. relig. pós-mod. e o fenôm.da aceleração em comparação com as temporalidades pré-mod. e moderna
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   444
CARRASCO, Davíd. Religions of Mesoamerica. 2. ed. Long Grove, Illinois: Waveland
Press, Inc., 2014.
ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
ELIAS, Norbert. Time: an essay. Tradução Edmund Jephcott. [S.l.]: Blackwell, 1990.
ELLIS, George F. R.; MAARTENS, Roy; MACCALLUM, Malcolm A. H. Relativistic
Cosmology. Cambridge: Cambridge University Press, 22 mar. 2012.
FLUSSER, Vilém. Do tempo e como ele acabará. São Paulo: OESP ‐ Suplemento
Literário, 1962.
FRANK, Adam. About time: from sun dials to quantum clocks - how the cosmos shapes
our lives. Oxford: Oneworld Publications, 2012.
GARCIA, Vicente Romano. Ordem cultural e ordem natural do tempo. São Paulo:
CISC - Centro Interdisciplinar de Semiótica, Cultura e Mídia, [s.d.]. Disponível em: <
http://www.cisc.org.br/biblioteca/temporalidade.pdf >. Acesso em: 10 out. 2014.
GILBERT, Paul. Introdução à teologia medieval. Tradução de Dion Davi Macedo. São
Paulo: Loyola, 1999. 156 p.
GLEICK, James. Faster: the acceleration of just about everything. [S.l.]: Pantheon, 1999,
336 p.
GLEICK, James. A velocidade da vida moderna: acelerado o desafio de lidar com o
tempo. Rio de Janeiro: Campus, 2000.
JONSON, Bodil. Dez Considerações Sobre o Tempo. [ S.l]: José Olympio, 2004.
JUSTO, José Sterza. O “ficar” na adolescência e paradigmas de relacionamento amoroso da
contemporaneidade. In: Revista do Departamento de Psicologia - UFF, v. 1, n. 1, p.
61-77, jan./jun. 2005.
KUHN, Thomas S. The copernican revolution: planetary astronomy in the
development of western thought. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1957.
KUHN, Thomas S. A revolução copernicana: a astronomia planetária no
desenvolvimento do pensamento Ocidental. Lisboa: Edições 70, 1990.
KOYRÉ, Alexandre: The astronomical revolution: Copernicus-Kepler-Borelli. Ithaca,
NY: Cornell University Press, 1973.
MEDEIROS, Beatriz; MONTEIRO, Marianna; MATSUMOTO, Roberta. Tempo e
performance. Brasília: Ed. de pós-graduação em arte da Universidade de Brasília, 2007.
Helmut Renders
Horizonte, Belo Horizonte, vol. 13, no. 37, p. 428-445, Jan./Mar. 2015 – ISSN 2175-5841   445

 

FONTE: http://portal.metodista.br/posreligiao/artigos/artigos/

 


 

                                     Veja mais sobre o assunto

 

     Click aquiFe' e Ciencia  Ciência e FéClickaqui  

 

     CLICKaqui       CLICKaqui